A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

C S C W Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Fundamentos da Engenharia de Software Prof. Schneider.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "C S C W Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Fundamentos da Engenharia de Software Prof. Schneider."— Transcrição da apresentação:

1 C S C W Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Fundamentos da Engenharia de Software Prof. Schneider

2 INTRODUÇÃO  A constante preocupação com a necessidade de aumento da produtividade nas organizações deu início à chamada "automação de escritório“;  Essa automação pode ser definida como a busca da transformação de aplicações individuais em ferramentas que permitam acesso simultâneo a grupos de usuários;  O fato das organizações estarem distribuídas em lugares diferentes, de forma que seus profissionais precisem trabalhar com colegas distantes, e necessitem de resultados rápidos, foi uma das razões para o surgimento do CSCW;

3 INTRODUÇÃO  Ao longo dos anos, os estudos foram sendo direcionados para a análise do comportamento de grupos no desempenho de atividades, com o objetivo de desenvolver tecnologias mais adequadas para o suporte ao trabalho cooperativo ;  Dessa forma, o termo "automação de escritório" foi sendo gradativamente substituído pelo CSCW, ou Trabalho cooperativo apoiado por computador;  Esta idéia foi introduzida Irene Grief e Paul Cashman, em 1984, como "uma via para descrever como a tecnologia dos computadores pode ajudar os utilizadores a trabalhar em grupo".

4 Mapa conceitual - CSCW

5 GROUPWARE

6 GROUPWARE  É a palavra da língua inglesa que designa as ferramentas computacionais existentes para facilitar a comunicação, colaboração e coordenação de ações de diversas pessoas;  Trata-se de uma série de ferramentas - sejam elas software ou hardware - que permitem que pessoas trabalhem melhor juntas, o que facilita a integração, possibilita mais criatividade e inovação dentro da empresa, além de também permitir que respostas sejam encontradas mais rapidamente;

7 GROUPWARE  Tipicamente, as ferramentas de groupware representam uma evolução das antigas ferramentas de Workgroup, sendo estas caracterizadas por trazerem maior produtividade para cada pessoa isoladamente;  Assim, por exemplo, se anteriormente as pessoas usavam ferramentas de agenda isoladamente, a partir da evolução para o groupware, a ferramenta de agenda passa a ser colaborativa; através da rede, todos podem ver as agendas dos demais e até mesmo agendar reuniões;

8 GROUPWARE  As ferramentas Groupware podem ser divididas em dois tipos:  Síncronas:  Os usuários trabalham juntos e ao mesmo tempo;  Valoriza-se a interação, visto que o tempo de resposta entre a ação de um participante e a reação de seus companheiros é curto.  Assíncronas:  Os usuários trabalham em diferentes instantes de tempo;  Utilizadas quando se deseja valorizar a reflexão dos participantes, pois estes terão mais tempo antes de agir.

9 GROUPWARE  Exemplos de Ferramentas GroupWare:  Ferramentas Síncronas: a) Quadro de Aviso Compartilhado: permite que duas ou mais pessoas vejam e escrevam em um "quadro" compartilhado, mesmo à distância. a) Quadro de Aviso Compartilhado: permite que duas ou mais pessoas vejam e escrevam em um "quadro" compartilhado, mesmo à distância. b) Vídeo Comunicação: estes sistemas permitem chamadas two- way ou multi-way chamando vídeos ao vivo, como um sistema telefônico com um componente visual adicional. b) Vídeo Comunicação: estes sistemas permitem chamadas two- way ou multi-way chamando vídeos ao vivo, como um sistema telefônico com um componente visual adicional. c) Sistemas de Chat: permitem que várias pessoas em tempo real escrevam mensagens de texto em um espaço público. c) Sistemas de Chat: permitem que várias pessoas em tempo real escrevam mensagens de texto em um espaço público. d) Sistemas de Suporte a Decisão: são projetados para facilitar a tomada de decisão em grupo. Eles podem prover ferramentas para brainstorming, idéias, ponderações e probabilidades em eventos e alternativas, e votação. d) Sistemas de Suporte a Decisão: são projetados para facilitar a tomada de decisão em grupo. Eles podem prover ferramentas para brainstorming, idéias, ponderações e probabilidades em eventos e alternativas, e votação.

10 GROUPWARE  Ferramentas Assíncronas a) é a aplicação de groupware mais comum. b) Newsgroups e Lista de Mailing: são semelhantes a sistemas de , mas são direcionadas a mensagens entre grandes grupos de pessoas ao invés da comunicação um para um. c) Sistemas de Workflow: permitem que tarefas e documentos sejam distribuídos através dos membros de empresa segundo um fluxo pré-definido e estável. Este tipo de aplicação será discutido com mais detalhes posteriormente. c) Sistemas de Workflow: permitem que tarefas e documentos sejam distribuídos através dos membros de empresa segundo um fluxo pré-definido e estável. Este tipo de aplicação será discutido com mais detalhes posteriormente. d) Calendários Compartilhados: permitem agendamento, gerenciamento de projetos e coordenação entre várias pessoas. d) Calendários Compartilhados: permitem agendamento, gerenciamento de projetos e coordenação entre várias pessoas. e) Sistemas Colaborativos de Edição: oferecem suporte em tempo real ou não. Processadores de textos podem oferecer suporte assíncrono mostrando autoria e permitindo que usuários acompanhem mudanças e façam anotações nos documentos. e) Sistemas Colaborativos de Edição: oferecem suporte em tempo real ou não. Processadores de textos podem oferecer suporte assíncrono mostrando autoria e permitindo que usuários acompanhem mudanças e façam anotações nos documentos.

11 GROUPWARE Exodus – assíncrono e síncrono Permite: troca de mensagens troca de arquivos awareness (status do usuário)

12 GROUPWARE NetMeeting – síncrono Permite conferência via: vídeo áudio dados

13 GROUPWARE Visual SourceSafe Permite o controle de atualizações de arquivos em ambientes de desenvolvimento que envolve mais de um desenvolvedor.

14 GROUPWARE TASKER Permite a comunicação entre os gerentes do projeto com desenvolvedores, através de tarefas. Permite o acompanhamento das tarefas através de seu status. Ex:. Tarefa em andamento, Tarefa concluída, Tarefa reprovada... É possível comentar tarefas e outras coisas mais...

15 WORKFLOW

16 WORKFLOW  É o processo através do qual tarefas individuais convergem para completar uma transação - um processo de negócio bem definido - dentro de uma organização;  Ele consiste na automação de procedimentos e fluxo de serviços onde documentos, informações ou tarefas são passadas de uma pessoa para outra através de uma via controlada por regras e procedimentos;  O objetivo proposto pelo Workflow é a melhoria da coordenação do trabalho facilitada pela disponibilidade de uma infra-estrutura de comunicação;

17 WORKFLOW  As principais funcionalidades dos sistemas de workflow disponíveis no mercado são as seguintes:  Roteamento de trabalho: predefine a seqüência em que as atividades serão executadas, podendo ser baseado em respostas e em regras;  Invocação automática de aplicativos: o aplicativo adequado para a realização da tarefa pode ser invocado automaticamente, através do sistema de gerenciamento de workflow;  Distribuição dinâmica de trabalho: determinar qual participante irá executar a tarefa;

18 WORKFLOW  Priorização de trabalho: a maioria dos sistemas de workflow permite que a prioridade de uma instância seja alterada, em geral por um usuário administrador;  Acompanhamento do trabalho: capacidade de acompanhar uma determinada instância de workflow e descobrir imediatamente seu status atual de processamento, sob a responsabilidade de quem está no momento, e quanto tempo ela está esperando na atividade atual;  Geração de dados estratégicos: através do armazenamento de certos atributos de cada instância de workflow executada, pode- se criar uma base de dados que reflete a eficiência e a eficácia dos processos atualmente desempenhados pela organização.

19 WORKFLOW  Um aspecto que deve ser levado em conta, quando se trata de workflow, é a questão dele possuir características híbridas, ou seja, pode ter participantes humanos ou automatizados;  Desta forma, em um workflow podem ser utilizadas ferramentas gerenciadoras de tarefas que interpretam e agem sobre eventos, como também podem interferir pessoas;  Finalmente, a idéia de workflow é direcionada a processos de negócios. Em cada organização os processos de negócios apresentam características próprias, assim deve-se levar em consideração a importância do fluxo de trabalho para o sucesso da organização, modelagem e reengenharia destes processos.

20 AWARENESS

21 AWARENESS  Pode ser conceituada como a contextualização das atividades individuais através da compreensão das atividades realizadas por outras pessoas;  Em outras palavras, Awareness refere-se a ter conhecimento das atividades do grupo, saber o que aconteceu, o que está acontecendo e/ou o que poderá vir a acontecer, além do próprio conhecimento do que é este trabalho e o grupo ;  Awareness significa uma compreensão do estado total do sistema, incluindo atividades passadas, status atual e opções futuras;

22 AWARENESS  Estar atento aos colegas e às atividades por eles desempenhadas representa papel importante na fluidez e na naturalidade do trabalho, o que faz da awareness peça chave para qualquer forma de cooperação, uma vez que perceber, reconhecer e compreender as atividades dos outros é um requisito básico para a interação humana e a comunicação em geral;  Awareness permite a cada usuário coordenar e estruturar seu trabalho, pois possibilita ao mesmo perceber e compreender no que os demais estão trabalhando;

23 AWARENESS  Mostra oportunidades para comunicação informal e espontânea, suportando o estabelecimento e a manutenção de convenções no grupo;  Em um caso de desenvolvimento cooperativo de software, é necessário que os membros tenham noção do contexto de suas atividades no contexto geral do processo para que possam perceber o andamento das atividades realizadas pelos demais e compreender como os resultados gerados por estas atividades podem ser conjugados com os seus próprios, para mais rapidamente chegarem ao resultado final;  Neste caso, a ausência de suporte à percepção torna quase impossível a produção de um software consistente e de qualidade, de forma eficiente.

24 CONCLUSÃO  O sucesso de uma organização nos dias atuais depende diretamente do desenvolvimento do trabalho em equipe;  A aplicação de ferramentas de Groupware e Workflow aliada ao desenvolvimento do Awareness por toda a equipe de trabalho tem se tornado cada vez mais um passo fundamental para que esse sucesso seja alcançado;  Com o avanço da tecnologia e a ampliação dos estudos na área de CSCW, a tendência é que o trabalho esteja cada vez mais descentralizado, permitindo que as pessoas possam colaborar/cooperar com extrema facilidade mesmo estando em diferentes escritório, cidades ou continentes.

25 DÚVIDAS??

26 COMPONENTES  Alexandre da Silva Pereira  Maurício Eduardo da Conceição Antunes  Rafael Oliveira

27 BIBLIOGRAFIA  Sohlenkamp, M. Supporting group awareness in multi- user enviroment through perceptualization. Dissertation.Fachbereich Mathematik-Informatik der Universität - Gesamthochschule - Paderborn. Fevereiro, 1998.Borges, M. R.S.; Cavalcanti, M.C.R.; Campos, M. L. M. Suporte por computador ao trabalho cooperativo. In: XV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. XV Jornada de Atualização em Informática. JAI’95. Anais.Canela, RS. Julho, 1995.Cavalcanti, M.C.; Borges, M.R.S., Endo, M.Y. SISCO-RIO: Um sistema assíncrono para apoiar a preparação dereuniões. In: XI Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software. Anais. Fortaleza, CE, outubro, P ; Adriana Avivacqua -


Carregar ppt "C S C W Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Fundamentos da Engenharia de Software Prof. Schneider."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google