A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Camila Ferrari Ribeiro Reunião do Serviço de Dermatologia HUEC Fev/2010 Evangélico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Camila Ferrari Ribeiro Reunião do Serviço de Dermatologia HUEC Fev/2010 Evangélico."— Transcrição da apresentação:

1 Camila Ferrari Ribeiro Reunião do Serviço de Dermatologia HUEC Fev/2010 Evangélico

2 Definição Eritema e descamação da pele. Dermatite exfoliativa acometendo mais de 90% do tegumento. Apresentação clínica de diversas doenças. Indentificar a causa é um dos maiores desafios da Dermatologia.

3 Epidemiologia Poucos dados prevalência e incidência; 2 a 4 homens: 1 mulher; Média de idade: 48 a 52 anos; Causas mais comuns – adultos: Dermatites (atópica, contato e seborréica) Psoríase Reações à drogas Linfoma cutâneo de células T (CTCL)

4 Causas menos comuns – adultos: Ictiose Dermatoses bolhosas (pênfigo foliáceo) Pitiríase rubra pilar Papuloeritema Ofuji Doenças do tecido conjuntivo

5 Causas mais comuns - crianças: Ictiose Imunoficiências Dermatites Psoríase Infecções (SSSS) Reações à drogas

6 Patogênese Doenças de base Mecanismo desconhecido

7 Manifestações clínicas Forma primária: eritema no tronco -> corpo, seguido de descamação após dias a semanas. Forma secundária: generalização da doença pré-existente. Eritema precede descamação em 2 a 6 dias.

8 Prurido: acompanha o eritroderma em todas as doenças. Varia conforme a doença de base (dermatites > Sèzary) Liqueinificação Hipo e hiperpigmentação

9 Queratodermia palmo-plantar: aparece em 30% dos pacientes; Pitiríase Rubra pilar; Queratodermia crostosa: escabiose Norueguesa; Queratodermia fissurada: Sd Sézary.

10 Alterações ungueais auxiliam no diagnóstico: Pitting na psoríase; Ondas horizontais na dermatite atópica; Alteração do brilho; Hiperceratose ungueal; Paroníquia; Linhas de Beau; Hemorragias em estilhaço; Queda das unhas.

11

12

13 Alopécia difusa não cicatricial – 20% pacientes com eritrodermia crônica (CTCL). Múltiplas ceratoses seborréicas. Infecções cutâneas secundárias – S. aureus. Ectrópio bilateral e conjuntivite purulenta podem ocorrer em todos os tipos de eritrodermia.

14 Manifestações sistêmicas Edema MMII e facial Taquicardia (40% pctes) Insuficiência cardíaca Febre 37% casos x hipotermia 4% Perda de calor – hipermetabolismo – caquexia Anemia – deficiência de ferro ou doença crônica Linfadenopatia Hepatomegalia (20% dos casos) – reações drogas Esplenomegalia - linfoma

15 Achados específicos das doenças de base

16 Psoríase 1ª. Causa de eritrodermia em adultos 2ª. Causa em crianças, seguindo reações à drogas; História prévia ou familiar de placas psoriáticas; Muitas vezes poupa a face; Início geralmente com a retirada de drogas: corticóides potentes tópicos, ciclosporina, efalizumab, metotrexate.

17 Rubor -> segue uma dermatite de contato por irritante (alcatrão), fototoxicidade ou infecção sistêmica. Após generalização do eritema, perde-se as lesões típicas da psoríase, surgem pústulas subcórneas estéreis. Artrite inflamatória

18 Unhas: alteração mais lenta (faz eritrodermia mas continua com as alterações típicas da unha), auxilia no diagnóstico; Manchas em gota de óleo; onicólise.

19

20

21 Histopatologia: Paraqueratose Vasos tortuosos na derme papilar Neutrófilos na epiderme Camada granular frequentemente reduzida

22 Dermatite atópica Eritrodermia na doença moderada a severa. Lesões bem estabelecidas pré-existentes podem ser encontradas durante a eritrodermia recente. Prurido intenso. Escoriações secundárias ou lesões prurigo- like; prurigo nodular.

23 Liqueinificação e atrofia da pele, incluindo das pálpebras. Aumento de IgE e eosinofilia podem ser acompanhadas por outros sinais e sintomas de atopia.

24 Histopatologia: Média a moderada acantose Espongiose variável Eosinófilos na derme Paraqueratose.

25 Considerações adicionais: Nível sérico de IgE elevado Eosinofilia História pessoal ou familiar de atopia Catarata

26 Reações medicamentosas Número de drogas que podem causar eritrodermia é muito alto. Eritroderma – reações a medicações tópicas geralmente começam como dermatite; medicações sistêmicas começam com exantema morbiliforme ou escarlatiniforme. Shah SV, Dava JN, Aggrawal V. Carbamazepine induced exfoliative dermatitis. Indian J Dermatol Venereol Leprol 2002;68:246

27 Áreas de aumento de pressão hidrostática (tornozelos e pés) – lesões mais purpúricas. Edema facial Eritema por drogas tem menor duração, resolvendo em 2 a 6 semanas após a retirada da droga responsável. Excluir DRESS (drug reaction with eosinophilia and sistemic syntoms) – síndrome da hipersensibilidade

28 Histopatologia: Infiltrado perivascular de eosinófilos Infiltrado liquenóide Queratinócitos necróticos em todas as camadas da epiderme Degenação vacuolar na membrana basal

29 Pacientes sem história de doença cutânea prévia. Resolução em 2 a 6 semanas com a retirada da droga.

30

31 Drogas que fazem comumente eritrodermia: Alopurinol Antibióticos beta-lactâmicos Carbamazepina/ oxcarbazepina Ouro Fenobarbital Fenitoína Sulfasalazina Sulfonamidas

32 Menos comumente associadas a eritrodermia: Captopril Cisplatina Citocinas (IL-2/GM-CSF) Dapsona Efalizumab Cloroquina/ hidroxicloroquina Isoniazida Isotretinoína/ Acitretin Litio Minociclina Omeprazol/ lanzoprazol Talidomida Vancomicina

33 Drogas raramente associadas a eritrodermia: Abacavir Amiodarona AAS Aztreonan Beta-bloqueadores Clorpromazina Cimetidina Codeína Metotrexate AINEs Penicilamina Pentostatin Terbinafina

34 Eritrodermia idiopática Em 1/3 dos pacientes nenhuma causa é encontrada Homens idosos Curso crônico Eritrodermia muito pruriginosa linfadenopatia Queratodermia palmo-plantar

35 Síndrome do homem vermelho Não há achados histológicos específicos, porém a biópsia é defendida (correlação clínic0- patológica) Considerar drogas menos comumente associadas a eritrodermia Continuar investigar CTCL

36 Linfoma cutâneo de células T Síndrome de Sèzary é mais comum do que micose fungóide eritrodérmica. Intenso prurido, infiltração difusa. Coloração vermelho azulado a arroxeado Lesões dolorosas, queratodermia fissurada Alopécia Facies leonina

37 Distinguir Sèzary de Micose fungóide: Contagem absoluta de céls de Sèzary >ou=1000 céls/mm 3 CD4/CD8 >ou= 10 no sangue Evidências de clones de céls T na pele e no sangue periférico, detectado por PCR ou Southern blot.

38

39 Pitiríase rubra pilar PRP eritrodérmica – crianças e adultos Cor salmão, laranja-avermelhada Grau de descamação varia, pode ser com grandes escamas Presença de plugs hiperceratósicos nos joelhos, cotovelos e face dorsal das mãos Sehgal VN, Srivastava G, Dogra S. Adult onset pityriasis rubra pilaris. Indian J Dermatol Venereol Leprol 2008;74:311-21

40 Há ilhas sem envolvimento da pele dentro das áreas de ertitrodermia (altamente sugestivo de PRP) CTCL pode ter aparência similar Rubor após exposição solar

41 Histopatologia: Hiperplasia epidérmica psoriasiforme Alternando paraqueratose e ortoqueratose Paraqueratose em ombreira

42

43

44

45 Eritrodermia paraneoplásica Associada a malignidades linfoproliferativas; Em neoplasias de órgãos sólidos o eritroderma surge mais tardiamente no curso da doença; Há caquexia e fadiga associadas.

46 Finas escamas e eritema com tons mais acastanhados (melanoeritroderma); Histopatologia: Não há achados específicos

47 Dermatoses bolhosas Pênfigo foliáceo é o mais comumente apresentado como eritroderma; Pênfigo paraneoplásico e penfigóide bolhoso são mais raros.

48 Pênfigo foliáceo Há lesões pré-existentes, geralmente tronco superior e face; Vesículas e erosões impetigo-like; Escamas e crostas úmidas. Histopatologia: Clivagem acantolítica alta Desmogleína 1 Imunofluorescência indireta - intercelular

49 Penfigóide bolhoso Placas urticariformes Bolhas tensas Pacientes mais idosos Histopatologia: Bolha subepidérmica Presença de eosinófilos IFD – depósito linear ZMB C3 e IgG IFI – ZMB (teto da bolha)

50 Pênfigo paraneoplásico Erosões nas mucosas e crostas hemorrágicas Lesões tipo eritema multiforme Histopatologia: Dermatite de interface com queratinócitos necróticos Acantólise focal IFD: intercelular e ZMB – IgG e C3 IFI: intercelular e ZMB (bexiga de rato) - IgG

51 Causas raras de eritrodermia Papuloeritroderma de Ofuji Síndrome hipereosinofílica Liquen plano Colagenoses (dermatomiosite, lupus eritematoso cutâneo subagudo) Escabiose norueguesa Dermatofitose Imunodeficiências primárias Mastocitoses

52

53

54

55

56

57

58 Diagnóstico diferencial Desafio; Avaliação e história médica completa do paciente; 45% dos pacientes tem história de lesões prévias mais localizadas; 20% apresentam reações a drogas; Exame físico detalhado a procura de pistas para o diagnóstico; Exames laboratoriais complementares.

59 Tratamento Hospitalização – gravidade do quadro Nutrição Correção hidro-eletrolítica Proteção contra hipotermia Tratamento de infecções secundárias Anti-histamínicos sedativos VO Coaltar pode piorar eritroderma Okoduwa, C; Lambert, WC; Schwartz, RA; Kubeyinje, E; Eitokpah, A; Smeeta, S; Chen, W. Erythroderma: review of a potentially life-threatning dermatosis. Indian J Dermatol. 2009;54(1):1-6.

60 Corticóides sistêmicos – eritrodermia idiopática e reações a drogas Prednisona 1-2 mg/kg/dia Manutenção 0,5mg/kg/dia Melhora rápida, pode haver rebote Tópicos: Corticóides de baixa potência Curativos úmidos abertos e veículos emolientes Corticóides alta potência – áreas liqueinificadas (evitar aplicações extensas)

61 Tratar a doença de base: Psoríase eritrodérmica - são preferidos em relação aos CTC sistêmicos (eritema pustular na retirada): MTX Acitretin Ciclosporina Agentes biológicos

62 Reações a drogas Parar todas as medicações não essenciais e suspeitas. Prednisona – casos graves. Idiopático: Baixa potência de CTC tópico Anti-histamínico VO. Ciclosporina 5mg/kg/d e subsequente redução 1 a 3 mg/kg/d– casos refratários MTX Azatioprina

63 Bibliografia Shah SV, Dava JN, Aggrawal V. Carbamazepine induced exfoliative dermatitis. Indian J Dermatol Venereol Leprol 2002;68:246. Sehgal VN, Srivastava G, Dogra S. Adult onset pityriasis rubra pilaris. Indian J Dermatol Venereol Leprol 2008;74: Okoduwa, C; Lambert, WC; Schwartz, RA; Kubeyinje, E; Eitokpah, A; Smeeta, S; Chen, W. Erythroderma: review of a potentially life- threatning dermatosis. Indian J Dermatol. 2009;54(1):1-6. Bolognia, JL; Jorizzo, JL, Rapini, RP. Dermatology. 2ed. Elsevier. Madrid: 2008; vol 1; cap 11. Sampaio, S; Rivitti, E. Dermatologia. 3ed. Artes Médicas. São Paulo: 2008.


Carregar ppt "Camila Ferrari Ribeiro Reunião do Serviço de Dermatologia HUEC Fev/2010 Evangélico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google