A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AIDS e HIV PROF. MAGRÃO. SEXO = DESEJO Enquanto tiveres um desejo, terás uma razão para viver. A satisfação é a morte. George Bernard Shaw Se todos conhecessem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AIDS e HIV PROF. MAGRÃO. SEXO = DESEJO Enquanto tiveres um desejo, terás uma razão para viver. A satisfação é a morte. George Bernard Shaw Se todos conhecessem."— Transcrição da apresentação:

1 AIDS e HIV PROF. MAGRÃO

2 SEXO = DESEJO Enquanto tiveres um desejo, terás uma razão para viver. A satisfação é a morte. George Bernard Shaw Se todos conhecessem a intimidade sexual uns dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém. Nelson Rodrigues

3 AIDS Prevenção: única saída! A vida é breve, a arte é longa, a ocasião fugidia, a experiência enganosa, o julgamento difícil. Hipócrates. Só o inimigo não trai nunca. Nelson Rodrigues

4 AIDS A AIDS ou Síndrome da Imuno- deficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syn- drome) caracteriza-se por uma pro- funda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neopla- sias secundárias e manifestações neurológicas.

5

6

7

8

9

10

11 AIDS Seu agente etiológico é um vírus Retroviridae (retrovírus) que possui material genético composto de ácido ribonucléico (RNA), denominado HIV (do inglês Human Immunodefficiency Virus), ou Vírus da Imunodeficiência Humana.

12 Síndrome Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença. Imunodeficiência Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano para se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. SINDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA - SIDA (AIDS)

13 Síndrome Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença. Imunodeficiência Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano para se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. Adquirida Não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A aids não é causada espontaneamente, mas por um fator externo (a infecção pelo HIV). O HIV destrói os linfócitos - células responsáveis pela defesa do nosso organismo -, tornando a pessoa vulnerável a outras infecções e doenças oportunistas, chamadas assim por surgirem nos momentos em que o sistema imunológico do indivíduo está enfraquecido. Há alguns anos, receber o diagnóstico de aids era quase uma sentença de morte. Atualmente, porém, a aids já pode ser considerada uma doença crônica. Isto significa que uma pessoa infectada pelo HIV pode viver com o vírus, por um longo período, sem apresentar nenhum sintoma ou sinal. Isso tem sido possível graças aos avanços tecnológicos e às pesquisas, que propiciam o desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes. Deve- se, também, à experiência obtida ao longo dos anos por profissionais de saúde. Todos estes fatores possibilitam aos portadores do vírus ter uma sobrevida cada vez maior e de melhor qualidade.

14 AIDS Nos Estados Unidos, os pri- meiros relatos foram dadas pelo Centro de Controle de Doenças, o CDC, em 1981, diagnosticados em jovens do sexo masculino, homosse- xuais habitantes de Los Angeles, infectados pelo fun- go Pneumocystis carinii que desenvolveram pneumonia.

15 AIDS Não demorou para que fosse feita a relação entre esses casos e o surgimento da AIDS. No Brasil, sete jovens homo e heterossexuais foram diagnosticados em 1982, apesar da suspeita de outros casos anteriores que não foram registrados pela falta de notificação e da pobreza de conhecimento da época.

16 HIV Retrovírus: capsídeo protéico e material genético de RNA. Possui também as enzimas: - Transcriptase reversa: con- verte RNA viral em DNA viral a ser acoplado ao DNA da célula infectada. Essa é a base da infecção pelo HIV. - Integrase: atua na incorpo- ração do DNA viral ao genoma do hospedeiro. - Proteases: separam capsí- deos dos novos vírus a serem liberados.

17 HIV Possui capsídio de membrana fosfolipídica dupla, com duas glicoproteínas: gp120 - liga-se à membrana dos linfócitos T (CD4); gp41 - facilita fusão viral com membrana da célula do hospe- deiro, além de proteger o ácido nucléico viral (genoma). Seu genoma contém duas moléculas de RNA com inúmeros genes.

18

19 ORIGEM DO HIV Ainda é um mistério. A maioria dos cientistas supõe que a transmissão ao Homem ocorreu através de macacos portadores do vírus SIV(Imunodeficiência Sí- mia do chimpanzé) na África, cujo código genético foi comparado com amostras de HIV, revelando simila- ridade.

20 ORIGEM DO HIV Vem da África o caso mais antigo de infecção por HIV conhecido, um homem de etnia Bantu morto em 1959 no Congo (antigo Congo-Belga). A coincidência genética e geo- gráfica confirma que o HIV passou para o Homem por contato de caçadores com sangue dos animais abatidos.

21 1 - Síndrome Aguda. Surge em 2 a 6 semanas a- pós a exposição ao HIV. Sintomas inespecíficos. 2 - Latência Clínica. Pode ser totalmente assin- tomática e se manter por anos, com níveis de partículas do HIV no sangue indetectáveis (janela imunológica). 3 - Fase Crítica ou Final. Explosão da carga viral, tornando o indivíduo suscetível ao ataque de microorganismos que nada causam em sadios (infecções oportunistas). Infecção pelo HIV: 3 fases distintas:

22

23

24 Características Clínicas da Infecção pelo HIV 1- Síndrome Aguda pelo HIV, surge em 2 a 6 semanas após a exposição ao HIV. Os sintomas não se manifestam da mesma forma em todas as pessoas, sendo comuns a várias doenças, tais como: febre persistente, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta, dores musculares, manchas na pele, gânglios ou linfonodos (ínguas) embaixo do braço, no pescoço ou na virilha e que podem levar muito tempo para desaparecer.

25

26 2a fase: Latência Clínica. A replicação viral é aumentada, mas dentro dos tecidos linfóides mantendo, assim, os níveis de partículas do HIV no sangue indetectáveis momentaneamente (janela imunológica). Esta fase pode ser totalmente assintomática e se manter por anos, sendo a volta da febre, erupções cutâneas e linfoadenopatia generalizada um alerta importante para o início da terceira e última fase. 3a fase: Após anos, a quantidade de vírus começa a subir aceleradamente e os linfócitos mal contam 200 por milímetro cúbico. Isso torna o indivíduo suscetível ao ataque de microorganismos que nada causam em sadios (infecções oportunistas), grande marca da terceira fase.

27

28 Pneumonia pelo fungo Pneumocystis carinii (quase 80% dos doentes); Principais infecções oportunistas na AIDS:

29 Citomegalovirose; Infecções por micobactérias como a Mycobacterium avium- intracellulare; Candidíase da cavidade oral e esôfago pelo fungo Candida albicans (o "sapinho"); Principais infecções oportunistas na AIDS:

30 Meningite pelo fungo Cryptococcus neoformans, Toxoplasmose (Sistema Nervoso Central) pelo protozoário Toxoplasma gondii; Tuberculose, por Mycobacterium tuberculosis; Principais infecções oportunistas na AIDS:

31 Infecção por herpes vírus na boca, esôfago, genitália externa e região perianal; Diarréias graves por proto- zoários e bactérias oportu- nistas como a Salmonella e Shigella; Aumento da incidência de certos cânceres como o Sarcoma de Kaposi, um tumor maligno presente em até 40% dos indivíduos com infecções oportunistas.

32 FORMAS DE TRANSMISSÃO DO HIV sexual; sangüínea (em receptores de sangue ou hemoderivados e em usuários de drogas injetáveis, ou UDI); e vertical (da mãe para o filho, durante a gestação, parto ou por aleitamento).

33 Além das formas mais freqüentes pode ocorrer transmissão ocupacional (acidente de trabalho) em profissionais da área da saúde (médicos, dentistas etc), através de ferimentos com instrumentos contaminados pelo sangue de pacientes infectados pelo HIV.

34 FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV uso de preservativos nas relações sexuais; controle de sangue e hemoderivados com exames e análises específicas; usuários de drogas injetáveis utilizarem apenas seringas descartáveis; acompanhamento durante a gestação e parto da mãe contaminada (aleitamento é desaconselhável).

35 COMO USAR A CAMISINHA MASCULINA Passo a passo: - Sempre coloque a camisinha antes do início da relação sexual; - Coloque a camisinha quando o pênis estiver duro; - Encaixe a camisinha na ponta do pênis, sem deixar o ar entrar; - Vá desenrolando até que ele fique todo coberto; - Não deixe a camisinha ficar apertada na ponta do pênis - deixe um espaço vazio na ponta da camisinha que servirá de depósito para o esperma; - Aperte o bico da camisinha até sair todo o ar, mas cuidado para não apertar com muita força e estragar a camisinha; - Se ela não ficar bem encaixada na ponta, ou se ficar ar dentro, a camisinha pode rasgar.

36

37

38

39

40

41

42 CICLO DO HIV

43

44 Como não se pega AIDS: Abraços, fazendo carícias ou dando aperto de mão; Fazendo uso de vasos sanitários, copos, talheres, roupas ou sabonetes; Por saliva, suor ou lágrima; Por picadas de mosquito, pulgas, piolhos, percevejos o outros insetos Em praia, rio ou piscina Em assento do ônibus, metro, estádios de futebol, hospitais, escolas, igrejas ou parques. Por ingestão de comidas e alimentos; Ao se fazer doação de sangue com material descartável.

45 Links sugeridos E-4E7E-8735-B D1C}&Mode=1


Carregar ppt "AIDS e HIV PROF. MAGRÃO. SEXO = DESEJO Enquanto tiveres um desejo, terás uma razão para viver. A satisfação é a morte. George Bernard Shaw Se todos conhecessem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google