A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Nova Era Industrial FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Nova Era Industrial FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL."— Transcrição da apresentação:

1 A Nova Era Industrial FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL

2 INTRODUÇÃO Pode-se dizer que a infra-estrutura criada pela Revolução Industrial do século XIX, assemelha-se com um navio a vapor; Ele é alimentado por combustíveis fósseis, centrais nucleares e químicos; É despejar os resíduos na água e fumaça no céu. É a tentativa de trabalhar por suas próprias regras, ao contrário das do mundo natural; A primeira Revolução Industrial

3 INTRODUÇÃO E embora possa parecer invencível, suas falhas de projeto fundamental são um presságio de desastre; No entanto, muitas pessoas ainda acreditam que, com algumas pequenas alterações, esta infra-estrutura pode nos levar com segurança e prosperamente para o futuro; Durante a Revolução Industrial recursos pareciam inesgotáveis e a natureza era vista como algo a ser domesticado e civilizado;

4 INTRODUÇÃO Recentemente, no entanto, alguns líderes industriais começaram a perceber que as formas tradicionais de fazer as coisas podem não ser sustentáveis a longo prazo; "O que nós pensamos que era infinito tem limites", disse Robert Shapiro, presidente e chefe executivo da Monsanto, em uma entrevista de 1997, "e nós estamos começando a atingí- los."

5 ECO-EFICIÊNCIA A Cúpula da Terra de 1992 no Rio de Janeiro, liderada pelo empresário canadense Maurice Strong, reconheceu esses limites; Apesar de ter havido uma decepção acentuada depois que qualquer acordo vinculativo tinha sido alcançado na Cimeira, muitos participantes chegaram a uma estratégia especial: eco- eficiência; As máquinas da indústria seriam remodeladas, tornando-se mais limpa, com motores mais rápidos e silenciosos;

6 ECO-EFICIÊNCIA A esperança era que a eco-eficiência iria transformar a indústria humana a partir de um sistema que integra os resíduos de forma econômica, ambiental e ética; Eco-eficiência é agora considerado pelas indústrias em todo o mundo uma estratégia de escolha para a mudança;

7 ECO-EFICIÊNCIA Definição de Eco-eficiência Primeiramente, o termo significa "fazer mais com menos" - um preceito que tem suas raízes no início da industrialização; Henry Ford foi inflexível sobre as políticas operacionais de produção enxuta e limpa; ela salva o capital da empresa priorizando: A reciclagem e reutilização de materiais; Redução do uso dos recursos naturais; Definição de novos padrões para sua linha de montagem que poupam tempo;

8 ECO-EFICIÊNCIA Ford escreveu em 1926: "Você deve tirar o máximo partido do poder, fora do material, e fora do tempo" - um lema que hoje poderia pendurar na parede de uma fábrica de eco-eficiente; A ligação de eficiência com a manutenção do meio ambiente foi, talvez, o conceito mais famoso articulado no Relatório Nosso Futuro Comum, publicado em 1987 pela Organização das Nações Unidas, Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento;

9 ECO-EFICIÊNCIA "Indústrias e operações industriais deverão ser incentivados para serem mais eficientes em termos de utilização dos recursos, que geram menos poluição e resíduos, que são baseados na utilização de energias renováveis em vez de recursos não-renováveis, que minimizem os impactos negativos irreversíveis na saúde humana e meio ambiente ", a Comissão declarou em sua agenda para a mudança;

10 ECO-EFICIÊNCIA O termo "eco-eficiência" foi promovido cinco anos mais tarde, pelo conselho Empresarial (agora World Business Council) para o Desenvolvimento Sustentável, um grupo de quarenta e oito patrocinadores industriais, incluindo a Dow, Du Pont, Con Agra, e Chevron, que trouxe uma perspectiva de negócio para a Cúpula da Terra; O Conselho apresentou o seu apelo para a mudança, em termos práticos, focando o que as empresas tinham a ganhar com uma nova consciência ecológica e não naquilo que o ambiente tinha a perder se a indústria continuasse nos padrões atuais;

11 ECO-EFICIÊNCIA Em um relatório divulgado pouco antes da Cimeira, o fundador do grupo, Stephan Schmidheiny, salientou a importância da eco-eficiência para todas as empresas que aspiravam ser competitiva, sustentável e bem sucedida no longo prazo; Em 1996, Schmidheiny disse: "Eu prevejo que, dentro de uma década, vai ser quase impossível para uma empresa ser competitiva sem também ser" eco-eficientes "- acrescentando mais valor a um bem ou serviço, enquanto usando menos recursos e liberando menos poluição."

12 ECO-EFICIÊNCIA Como previsto por Schmidheiny, a eco-eficiência vem trabalhando o seu caminho para a indústria, com sucesso extraordinário; As empresas se comprometem a continuar a aumentar em número, e inclui grandes nomes como a Monsanto, 3M e Johnson & Johnson; Sua famosa regra três R - reduzir, reutilizar, reciclar - está a ganhar popularidade no lar, bem como o local de trabalho;

13 ECO-EFICIÊNCIA Essa tendência resulta em parte da eco-eficiência; benefícios econômicos que podem ser consideráveis; A 3M, por exemplo, já economizou mais de $ 750 milhões por meio de projetos de prevenção da poluição, e em outras empresas, a mesma alegação existe, de se realizar grandes economias; Naturalmente, o consumo de recursos, redução do consumo de energia, emissões e resíduos tem implicações para o meio ambiente também;

14 ECO-EFICIÊNCIA Eco-eficiência é um admirável e certamente bem intencionado conceito, mas, infelizmente, não é uma estratégia para o sucesso a longo prazo, porque não atinge uma profundidade suficiente; Ela funciona dentro do mesmo sistema que causou o problema em primeiro lugar, ficando mais lento com proibições morais e demandas punitivas; Estamos caminhando para uma reformulação da indústria humana, denominada de a próxima Revolução Industrial; com foco em uma nova forma de projetar a produção industrial, vendo o conflito entre a indústria e o meio ambiente como um problema de projeto;

15 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Ecologia é essencialmente o estudo de todas as maneiras em que os sistemas naturais estão interligados; Nós somos uma parte desses sistemas. Tudo o que fazemos tem consequências, positivas ou negativas, na matriz do nosso mundo; Estas repercussões não se limitam a irradiar-se de nós, mas voltarão em um feed-back de loop constante;

16 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Neste ponto do desenvolvimento humano, nossos sistemas domésticos e industriais são esmagadora maioria do mundo, sendo interdependente dos sistemas biológicos, atmosféricos, marinho e do solo; A prova disto está por toda parte. A contaminação da biosfera - terra, água e ar - está sinalizando uma ameaça iminente à nossa capacidade de habitar a Terra; O que começou como uma lenta acumulação de sinais díspares agora está se movendo em direção a uma avalanche de dados científicos e de observação que é simplesmente impossível de ignorar;

17 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Para resolver este problema potencialmente catastrófico é preciso reorientar as atividades humanas, para que sejam mais alinhadas com a natureza em oposição a conquistá-la; Devemos cultivar uma cultura de conservação e de hábitos que prezem eliminar desperdício de energia e materiais; Temos de considerar todos os custos de nossas tecnologias, incluindo a perda do funcionamento da vida, ecossistemas e os do mundo natural que sustentam a vida;

18 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Temos de desenvolver os meios técnicos para as nossas necessidades e padrão de vida, sem desabilitar o funcionamento saudável do planeta; Ao fazer isto podemos permitir que uma prosperidade duradoura, que não contenha as sementes de sua própria destruição; Onde quer que você olhe hoje, é fácil encontrar os efeitos colaterais negativos da primeira revolução industrial que começou em 1800;

19 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL O aproveitamento da energia e da alimentação e os estoques de produtos químicos necessários para a produção de materiais, além da evaporação de substâncias voláteis, como a gasolina e solventes industriais, (todos dos quais são derivados de combustíveis à base de carbono, como a madeira, o carvão e o petróleo) são uma ameaça atual e crescente;

20 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Os efeitos da revolução industrial, não são negativas. Durante este período extraordinário de desenvolvimento o florescimento do potencial humano tem sido amplamente demonstrado; A organização do intelecto humano, a criatividade e recursos materiais conduziu a uma qualidade de vida muito maior para bilhões de pessoas do que teria sido possível. Imaginar; Agora temos que transformar esses recursos humanos positivos em uma nova direção;

21 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Nesse sentido, a Eco-Revolução Industrial, irá procurar e desenvolver formas de: Suprir nossas necessidades materiais, através da mobilização de fontes de energia limpa para o ciclo de produção e para consumo doméstico; Operar a limpeza e remediar os danos e poluição ambiental, transformando os resíduos em produtos de valor; Desenvolver produtos racionais projetando todo o ciclo de vida do produto com o objetivo de minimização do desperdício de energia, desperdício de materiais e zero conseqüências não intencionais;

22 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Atualizar o sistema educacional para incluir a necessidade da responsabilidade humana para a gestão do planeta. Em particular, os utilizadores dos produtos, os engenheiros e gerentes devem ser educados para esta necessidade; Desenvolver uma cultura de eficiência e de zero resíduos, que incentiva a redução dos materiais e da utilização de energia necessária para a manutenção de um alto padrão de vida;

23 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Eliminar a burocracia, os impedimentos estruturais para fazer essas alterações. Educar a burocracia e os políticos para a necessidade de formulação de novos regulamentos que permitam e estimulem essa nova direção; Atualizar a teoria econômica, incluindo todos os custos do nossos sistemas biológicos; Desenvolver um modelo industrial que não dependem da agitação de grandes quantidades de matérias-primas virgens, mas que maximize a reciclagem em vez disso;

24 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Desenvolver um sistema econômico que incentive o desenvolvimento de longa duração, modulares, atualizáveis bens duráveis, como carros, equipamentos e computadores. As receitas de atualização e manutenção de tal equipamento, vai substituir os que foram perdidos desde a produção reduzida; Definir metas ambiciosas para alcançar essas mudanças e prêmios importantes para aqueles cujos esforços técnicos e criativos demonstrar o caminho a seguir. Fazer com que essas realizações intelectuais sejam de domínio público;

25 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Buscar a liderança dentro das comunidades de professores, engenheiros, gestores, políticos e empresários com as capacidades necessárias para liderar esta revolução; Identificar e expor pessoas e organizações cuja carreira a curto prazo e ambições econômicas estão no caminho do movimento em direção a uma prosperidade duradoura saudável;

26 ECO-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Usar a internet para estabelecer movimentos de cidadãos independentes para monitorar as atividades dos indivíduos, corporações e organizações governamentais e recompensar os inovadores responsáveis com elogios e punir os irresponsáveis, com boicotes e ações judiciais. Organizar o apoio de uma liderança política responsável.


Carregar ppt "A Nova Era Industrial FACULDADE NOVO MILÊNIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL PROFESSORA CAMILA VIDAL DISCIPLINA GESTÃO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google