A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A IGREJA MEDIEVAL RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 1981, pp: 26-33 RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A IGREJA MEDIEVAL RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 1981, pp: 26-33 RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de."— Transcrição da apresentação:

1 A IGREJA MEDIEVAL RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 1981, pp: RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 1981, pp: 26-33

2 Qualquer história da música nos primeiros dias da Europa cristã começa inevitavelmente com a igreja pois só esta oferece dados verificáveis em registros precisos. Qualquer história da música nos primeiros dias da Europa cristã começa inevitavelmente com a igreja pois só esta oferece dados verificáveis em registros precisos. A música como elemento do culto, ocupando lugar indispensável no ritual, tem de ser cantada corretamente. A música como elemento do culto, ocupando lugar indispensável no ritual, tem de ser cantada corretamente.

3 Métodos de notação tiveram de ser inventados e aperfeiçoados para ajudar a memória dos músicos, de modo que a história da evolução da notação ocidental é a história dos esforços de musicistas eclesiásticos no sentido de assegurar o rigor do ritual. Métodos de notação tiveram de ser inventados e aperfeiçoados para ajudar a memória dos músicos, de modo que a história da evolução da notação ocidental é a história dos esforços de musicistas eclesiásticos no sentido de assegurar o rigor do ritual. Ao mesmo tempo, só a Igreja possuía os recursos e meios intelectuais para o ensino que possibilitou não apenas a notação de melodias, mas também a codificação de técnicas e algumas normas dos estilos. Ao mesmo tempo, só a Igreja possuía os recursos e meios intelectuais para o ensino que possibilitou não apenas a notação de melodias, mas também a codificação de técnicas e algumas normas dos estilos. Os registros, disponíveis para o nosso estudo, vêm da Igreja, porque dificilmente se encontram fora dela dados escritos, até mesmo de coisas de importância prática mais imediata que a música. Os registros, disponíveis para o nosso estudo, vêm da Igreja, porque dificilmente se encontram fora dela dados escritos, até mesmo de coisas de importância prática mais imediata que a música.

4 É provável que por volta do ano 1000 a música secular começasse a exercer poderosa influência na evolução da música religiosa; o novo interesse dos músicos de igreja por instrumentos pertencentes â música secular e por ritmos ligeiros de dança parecia sugerir uma brecha no muro que manteve a música secular afastada dos propósitos do culto. É provável que por volta do ano 1000 a música secular começasse a exercer poderosa influência na evolução da música religiosa; o novo interesse dos músicos de igreja por instrumentos pertencentes â música secular e por ritmos ligeiros de dança parecia sugerir uma brecha no muro que manteve a música secular afastada dos propósitos do culto. Mas qualquer coisa que desejemos afirmar sobre as técnicas e estilos da música secular em fins da Idade Média só pode ser por inferência de fatos na música codificada e registrada da Igreja. Mas qualquer coisa que desejemos afirmar sobre as técnicas e estilos da música secular em fins da Idade Média só pode ser por inferência de fatos na música codificada e registrada da Igreja. Originariamente a música era de utilidade para fixar os ritmos em que se devia trabalhar, e para embelezar os ritmos de danças que eram obrigações rituais mais que meros prazeres sociais. Originariamente a música era de utilidade para fixar os ritmos em que se devia trabalhar, e para embelezar os ritmos de danças que eram obrigações rituais mais que meros prazeres sociais.

5 A Igreja cristã utilizou a música, como o culto pagão o fizera, para fins de uma atmosfera extraterrena que ela podia criar, e para afastar o culto do reino da experiência e sentimento subjetivos pessoais. A Igreja cristã utilizou a música, como o culto pagão o fizera, para fins de uma atmosfera extraterrena que ela podia criar, e para afastar o culto do reino da experiência e sentimento subjetivos pessoais. O canto da Igreja católica devia ser a voz da Igreja, e não a de algum crente individual: a recitação de rezas, lições, epístolas e evangelhos, com suas fórmulas de entonação para assinalar a pontuação, como os cantos de salmos ou a austera alternância da participação da congregação na Missa, tinham por fim dar objetividade às palavras que podiam muito facilmente cair no sentimento pessoal subjetivo. O canto da Igreja católica devia ser a voz da Igreja, e não a de algum crente individual: a recitação de rezas, lições, epístolas e evangelhos, com suas fórmulas de entonação para assinalar a pontuação, como os cantos de salmos ou a austera alternância da participação da congregação na Missa, tinham por fim dar objetividade às palavras que podiam muito facilmente cair no sentimento pessoal subjetivo.

6 Tão logo a música foi admitida como uma utilidade, começou a reivindicar independência. Tão logo a música foi admitida como uma utilidade, começou a reivindicar independência. De modo bastante natural o cantochão da Igreja revelou as suas próprias subjetividades, o seu devocionismo romântico. De modo bastante natural o cantochão da Igreja revelou as suas próprias subjetividades, o seu devocionismo romântico. O hino, poema métrico, só podia convidar o seu poeta a exprimir-se liricamente e a estimular a música lírica do compositor incumbido de fazê-Ia. O hino, poema métrico, só podia convidar o seu poeta a exprimir-se liricamente e a estimular a música lírica do compositor incumbido de fazê-Ia.

7 A magnificente Vexilla regis prodeunt do final da Quaresma, cuja melodía flui como os estandartes que ela descreve, data de fins do século VI, época em que o papa Gregório, o Grande, organizava e racionalizava a música oficial da Igreja. A magnificente Vexilla regis prodeunt do final da Quaresma, cuja melodía flui como os estandartes que ela descreve, data de fins do século VI, época em que o papa Gregório, o Grande, organizava e racionalizava a música oficial da Igreja. Se legítimos acréscimos à liturgia possibilitaram a expansão da sua música, essas expansões por sua vez levaram à elaboração de simples cantos, sobretudo na música da missa, com tropos, melismas elaboradamente decorativos que os aumentavam às vezes a mais que o dobro da extensão original. Se legítimos acréscimos à liturgia possibilitaram a expansão da sua música, essas expansões por sua vez levaram à elaboração de simples cantos, sobretudo na música da missa, com tropos, melismas elaboradamente decorativos que os aumentavam às vezes a mais que o dobro da extensão original.

8 Por vezes os tropos recebiam palavras próprias que se ajustavam como parênteses no texto, talvez para ajudar os cantores a manter unanimidade nas execuções. Por vezes os tropos recebiam palavras próprias que se ajustavam como parênteses no texto, talvez para ajudar os cantores a manter unanimidade nas execuções. O processo de expansão foi acelerado pela estabilização da liturgia por toda a Europa após a criação de um governo central por Carlos Magno. O processo de expansão foi acelerado pela estabilização da liturgia por toda a Europa após a criação de um governo central por Carlos Magno.

9 O governo do Sacro Império Romano, embora sempre um mito conveniente, meio político e meio religioso, dava ênfase à posição central do papado e assuntos romanos da vida religiosa européia. O governo do Sacro Império Romano, embora sempre um mito conveniente, meio político e meio religioso, dava ênfase à posição central do papado e assuntos romanos da vida religiosa européia. Continuaram a existir vários desvios locais quanto ao ritual romano, e alguns deles diferiam consideravelmente. Continuaram a existir vários desvios locais quanto ao ritual romano, e alguns deles diferiam consideravelmente.

10 O padrão da missa romana tornou-se virtualmente o modelo da Europa. O padrão da missa romana tornou-se virtualmente o modelo da Europa. O invariável Comum da Missa, repetido em toda celebração, daí por diante consistiu para o músico no Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei, nos dias comuns e, durante a Quaresma e o Advento, o Gloria e o Credo eram omitidos. O invariável Comum da Missa, repetido em toda celebração, daí por diante consistiu para o músico no Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei, nos dias comuns e, durante a Quaresma e o Advento, o Gloria e o Credo eram omitidos.

11 Do ponto de vista musical, o "Próprio" da missa, escolhido para celebrar as festas eclesiásticas ou dias santificados consistia no: Do ponto de vista musical, o "Próprio" da missa, escolhido para celebrar as festas eclesiásticas ou dias santificados consistia no: INTRÓITO – uma antífona, salmo que veio a ser representado por um único verso, o Gloria Patris e uma repetição da antífona – o GRADUAL, uma antífona e verso de salmo cantado entre a Epístola e o Evangelho, o OFERTÓRIO, uma antífona cantada enquanto o pão e o vinho eram preparados para consagração, e a COMUNHÃO, cantada à medida que o celebrante (e talvez o público) recebia os elementos consagrados. INTRÓITO – uma antífona, salmo que veio a ser representado por um único verso, o Gloria Patris e uma repetição da antífona – o GRADUAL, uma antífona e verso de salmo cantado entre a Epístola e o Evangelho, o OFERTÓRIO, uma antífona cantada enquanto o pão e o vinho eram preparados para consagração, e a COMUNHÃO, cantada à medida que o celebrante (e talvez o público) recebia os elementos consagrados. Talvez seja possível explicar a evolução do tropo mediante algo mais tangível que o fato óbvio de que os músicos nunca sejam facilmente impedidos de utilizar plenamente os materiais a seu dispor. Talvez seja possível explicar a evolução do tropo mediante algo mais tangível que o fato óbvio de que os músicos nunca sejam facilmente impedidos de utilizar plenamente os materiais a seu dispor.

12 Era possível que os primeiros cantos sem tropos deixassem eventuais vazios na celebração da liturgia. Era possível que os primeiros cantos sem tropos deixassem eventuais vazios na celebração da liturgia. O Intróito e o Kyrie são cantados pelo coro enquanto o celebrante e seus coadjuvantes dizem as preces preparatórias ao pé dos degraus do altar. O Intróito e o Kyrie são cantados pelo coro enquanto o celebrante e seus coadjuvantes dizem as preces preparatórias ao pé dos degraus do altar.

13 Os materiais disponíveis aos homens responsáveis pelo canto correto da liturgia é que possibilitaram tudo o mais a partir da evolução dos tropos, sua aplicação â música de livros especiais e fatos litúrgicos como os codificados no Processionale e outros serviços religiosos. Os materiais disponíveis aos homens responsáveis pelo canto correto da liturgia é que possibilitaram tudo o mais a partir da evolução dos tropos, sua aplicação â música de livros especiais e fatos litúrgicos como os codificados no Processionale e outros serviços religiosos. Os mesmos materiais tornaram inevitável o aparecimento de certa forma de harmonia e possibilitaram os inícios da polifonia. Os mesmos materiais tornaram inevitável o aparecimento de certa forma de harmonia e possibilitaram os inícios da polifonia. Tudo isso dependeu de uma organização musical que evoluiu durante o século VII nos centros cristãos e que era comum por toda a Europa em fins do século X. Tudo isso dependeu de uma organização musical que evoluiu durante o século VII nos centros cristãos e que era comum por toda a Europa em fins do século X.

14 A missa e os ofícios diários nas igrejas monásticas, nas igrejas colegiadas e nas catedrais eram invariavelmente cantados. A missa e os ofícios diários nas igrejas monásticas, nas igrejas colegiadas e nas catedrais eram invariavelmente cantados. Nas catedrais e igrejas colegiadas era dever dos cônegos ou seus vigários – os substitutos clericais então empregados para atender às funções dos cônegos no coro enquanto eles se ocupavam de outras tarefas que iam desde o cuidado paroquial até os deveres administrativos ou políticos na corte de um senhor feudal ou mesmo de um rei. Nas catedrais e igrejas colegiadas era dever dos cônegos ou seus vigários – os substitutos clericais então empregados para atender às funções dos cônegos no coro enquanto eles se ocupavam de outras tarefas que iam desde o cuidado paroquial até os deveres administrativos ou políticos na corte de um senhor feudal ou mesmo de um rei.

15 Cada cônego era obrigado a servir na sua catedral, ser "residente", por certo tempo num ano, e nesse período o vigário era seu empregado doméstico. Cada cônego era obrigado a servir na sua catedral, ser "residente", por certo tempo num ano, e nesse período o vigário era seu empregado doméstico. Embora os vigários tivessem de tomar ordens sacerdotais, às vezes diáconos e subdiáconos tinham permissão de integrar o Colégio de Vigários na catedral e, em fins da Idade Média, quando o canto dos serviços era tarefa de músicos especialistas, admitiam-se "vigários leigos" ou cantores. Embora os vigários tivessem de tomar ordens sacerdotais, às vezes diáconos e subdiáconos tinham permissão de integrar o Colégio de Vigários na catedral e, em fins da Idade Média, quando o canto dos serviços era tarefa de músicos especialistas, admitiam-se "vigários leigos" ou cantores.

16 A mais antiga organizaçao musical de que possuímos uma história ininterrupta é o Coro Papal, cujos integrantes eram cantores preparados na Scholla Cantorum Romana que assumiu a sua forma definitiva durante o papa Greregório, o Grande, que durou de 590 a 604. A mais antiga organizaçao musical de que possuímos uma história ininterrupta é o Coro Papal, cujos integrantes eram cantores preparados na Scholla Cantorum Romana que assumiu a sua forma definitiva durante o papa Greregório, o Grande, que durou de 590 a 604. A sua história recua pela tradição ao pontificado de são Silvestre, entre 314 e 335, mas sem dúvida existia e foi aparentemente reorganizada durante o pontificado de Santo Hilário, de 461 a 468. A sua história recua pela tradição ao pontificado de são Silvestre, entre 314 e 335, mas sem dúvida existia e foi aparentemente reorganizada durante o pontificado de Santo Hilário, de 461 a 468. Após a destruição da Abadia de São Benedito de Monte Cassino, a comunidade beneditina fugiu para Roma em 580 e inaugurou seminários próximos à Igreja de São João Latrão. Após a destruição da Abadia de São Benedito de Monte Cassino, a comunidade beneditina fugiu para Roma em 580 e inaugurou seminários próximos à Igreja de São João Latrão.

17 Tendo reformado e codificado o canto cristão, Gregório, o Grande, confiou-lhes a administração da Schola Cantorum, e o dever dos beneditinos era manter e ensinar o canto autêntico como Gregório o estabelecera. Tendo reformado e codificado o canto cristão, Gregório, o Grande, confiou-lhes a administração da Schola Cantorum, e o dever dos beneditinos era manter e ensinar o canto autêntico como Gregório o estabelecera. A Schola Cantorum forneceu tutores a toda a Europa, cujo dever era cuidar não só de manter o elevado padrão da execução, mas também assegurar que só fosse cantado o canto reformado e não as músicas tradicionais locais ou variantes da nova música. A Schola Cantorum forneceu tutores a toda a Europa, cujo dever era cuidar não só de manter o elevado padrão da execução, mas também assegurar que só fosse cantado o canto reformado e não as músicas tradicionais locais ou variantes da nova música. A autenticidade longe de Roma, porém, durava enquanto permaneciam claras na memória as lições obtidas em Roma, pois a vagueza das notações mediante neumas significava que a música não podia ser escrita com suficiente clareza para ser mantida com rigor, e a música memorizada é freqüentemente modificada pelos gostos e pelas tradições de cantores individuais. A autenticidade longe de Roma, porém, durava enquanto permaneciam claras na memória as lições obtidas em Roma, pois a vagueza das notações mediante neumas significava que a música não podia ser escrita com suficiente clareza para ser mantida com rigor, e a música memorizada é freqüentemente modificada pelos gostos e pelas tradições de cantores individuais.

18 Era tal o prestígio do coro romano e da Scholla Cantorum de onde ele era recrutado que em 650 o abade Benedito de Wearmouth mandou buscar em Roma um cantor que "ensinasse durante um ano em seu mosteiro o sistema de canto tal como praticado na Catedral de São Pedro em Roma". Era tal o prestígio do coro romano e da Scholla Cantorum de onde ele era recrutado que em 650 o abade Benedito de Wearmouth mandou buscar em Roma um cantor que "ensinasse durante um ano em seu mosteiro o sistema de canto tal como praticado na Catedral de São Pedro em Roma". Menos de um século depois, no Concílio de Cloveshoe, a Igreja na Inglaterra tornou compulsório o uso do canto romano em todo o país. Menos de um século depois, no Concílio de Cloveshoe, a Igreja na Inglaterra tornou compulsório o uso do canto romano em todo o país. Evidentemente, encarregado do dever de manter a pureza absoluta do cantochão romano, o coro papal tomou-se o mais conservador dos organismos para o qual por muito tempo toda inovação era anátema [excomunhão]. Evidentemente, encarregado do dever de manter a pureza absoluta do cantochão romano, o coro papal tomou-se o mais conservador dos organismos para o qual por muito tempo toda inovação era anátema [excomunhão].

19 No entanto, primeiro os mosteiros e depois as catedrais, criaram a organização que tomou inevitável novos fatos. No entanto, primeiro os mosteiros e depois as catedrais, criaram a organização que tomou inevitável novos fatos. Os mosteiros eram, desde o início, centros educacionais. Os mosteiros eram, desde o início, centros educacionais.

20 Tinham o dever de ensinar aos seus recrutas, muitos dos quais eram meninos de voz vigorosa e que deviam cantar nas missas e ofícios diários. Tinham o dever de ensinar aos seus recrutas, muitos dos quais eram meninos de voz vigorosa e que deviam cantar nas missas e ofícios diários. A complicada música dos tropos estendia-se muitas vezes além da gama que impossibilitava cantar em uníssono a oitava com os homens, de modo que os meninos cujas vozes não podiam atingir as notas mais altas ou mais baixas eram levados quase ao acaso a uma tonalidade harmônica – ao acaso porque as notas fora da gama de certos cantores não eram necessariamente parte de qualquer cadência a que certo grau de harmonização seja lógica aos nossos ouvidos. A complicada música dos tropos estendia-se muitas vezes além da gama que impossibilitava cantar em uníssono a oitava com os homens, de modo que os meninos cujas vozes não podiam atingir as notas mais altas ou mais baixas eram levados quase ao acaso a uma tonalidade harmônica – ao acaso porque as notas fora da gama de certos cantores não eram necessariamente parte de qualquer cadência a que certo grau de harmonização seja lógica aos nossos ouvidos. Mas parece ter sido o efeito arbitrário de coros vocais mistos de meninos e adultos forçados a executar a complicada música o que criou o desejo de harmonia que veio a dar no órgano, faux bourdon [falso bordão] e outras formas primitivas de harmonia. Mas parece ter sido o efeito arbitrário de coros vocais mistos de meninos e adultos forçados a executar a complicada música o que criou o desejo de harmonia que veio a dar no órgano, faux bourdon [falso bordão] e outras formas primitivas de harmonia.

21 O enriquecimento da música litúrgica nos mosteiros difundiu-se às catedrais e igrejas colegiais, a muitas das quais se juntaram escolas de canto por considerável tempo. O enriquecimento da música litúrgica nos mosteiros difundiu-se às catedrais e igrejas colegiais, a muitas das quais se juntaram escolas de canto por considerável tempo. Essas escolas viram-se no dever de ensinar. Essas escolas viram-se no dever de ensinar.

22 Isso por sua vez implicava o ensino da música, pois em 1003 a Patrologia Latina [escritos de padres] declarava que "em toda escola deve haver meninos para cantar, e eles devem ser separados e educados na escola de canto". Isso por sua vez implicava o ensino da música, pois em 1003 a Patrologia Latina [escritos de padres] declarava que "em toda escola deve haver meninos para cantar, e eles devem ser separados e educados na escola de canto". A escola de canto existia para preparar meninos em música antes de examinar até que ponto e de que modo dar-lhes educação geral. A escola de canto existia para preparar meninos em música antes de examinar até que ponto e de que modo dar-lhes educação geral. A Thomasschule de Leipzig dava ensino a meninos pobres dotados de boas vozes que pudessem ser instruídos para participar da música litúrgica. A Thomasschule de Leipzig dava ensino a meninos pobres dotados de boas vozes que pudessem ser instruídos para participar da música litúrgica.

23 Os meninos dessa escola cooperavam nos funerais e nas procissões para levantamento de verbas na cidade; Os meninos dessa escola cooperavam nos funerais e nas procissões para levantamento de verbas na cidade; Eram pensionistas e os seus prédios de moradia começaram em 1254, embora suas salas de aula continuassem a ser nos edifícios da catedral. Eram pensionistas e os seus prédios de moradia começaram em 1254, embora suas salas de aula continuassem a ser nos edifícios da catedral.

24 A medida que Leipzig crescia, a Thomasschule via-se forçada a desempenhar dupla função: escola de canto para meninos pobres, que continuavam internos, e escola elementar para os filhos dos comerciantes da cidade, que eram externos. A medida que Leipzig crescia, a Thomasschule via-se forçada a desempenhar dupla função: escola de canto para meninos pobres, que continuavam internos, e escola elementar para os filhos dos comerciantes da cidade, que eram externos. Desse modo, em fins do século X o preparo musical de meninos convertera-se numa necessidade litúrgica e as escolas de canto tornaram-se uma forma de educação que era em geral o primeiro passo para o eventual preparo ao sacerdócio. Desse modo, em fins do século X o preparo musical de meninos convertera-se numa necessidade litúrgica e as escolas de canto tornaram-se uma forma de educação que era em geral o primeiro passo para o eventual preparo ao sacerdócio.

25 A música dos compositores de Notre Dame pressupõe a presença de vozes vigorosas no coro, assim como o livro coral de Worchester e os livros corais de várias catedrais espanholas. A música dos compositores de Notre Dame pressupõe a presença de vozes vigorosas no coro, assim como o livro coral de Worchester e os livros corais de várias catedrais espanholas. O ensino da música era ainda em quase sua totalidade um ensino decorado; havia já aperfeiçoamento na notação musical realizado por Hucbaldo, Guido d'Arezzo e Notker Balbulus, o que permitia grafar rigorosamente o cantochão em papel, mas os livros eram ainda caros e raros, de modo que o livro do coro era o mais das vezes um livro de referência, para o chantre que preparava o coro; O ensino da música era ainda em quase sua totalidade um ensino decorado; havia já aperfeiçoamento na notação musical realizado por Hucbaldo, Guido d'Arezzo e Notker Balbulus, o que permitia grafar rigorosamente o cantochão em papel, mas os livros eram ainda caros e raros, de modo que o livro do coro era o mais das vezes um livro de referência, para o chantre que preparava o coro;

26

27 A iconografia dos coros medievais mostra os cantores aglomerados em torno de uma estante sustentando um gigantesco livro de coro para o qual o dirigente aponta, aparentemente levando as suas forças através de uma obra nota por nota. A iconografia dos coros medievais mostra os cantores aglomerados em torno de uma estante sustentando um gigantesco livro de coro para o qual o dirigente aponta, aparentemente levando as suas forças através de uma obra nota por nota. Em maioria, as escolas de canto continuaram pequenas instituições especializadas onde pouco mais além de música se ensinava. Em maioria, as escolas de canto continuaram pequenas instituições especializadas onde pouco mais além de música se ensinava.

28 A organização e os métodos dessas escolas variavam pouquíssimo pela Europa. A organização e os métodos dessas escolas variavam pouquíssimo pela Europa. Um precentor [o cantor encarregado da organização dos cantos litúrgicos numa igreja] encarregava-se da música litúrgica, e um chantre preparava os músicos; Um precentor [o cantor encarregado da organização dos cantos litúrgicos numa igreja] encarregava-se da música litúrgica, e um chantre preparava os músicos; O chanceler da catedral, originariamente o diretor da escola, em geral designava um reitor ou diretor como chefe disciplinar e da organização. O chanceler da catedral, originariamente o diretor da escola, em geral designava um reitor ou diretor como chefe disciplinar e da organização.

29 A princípio, os meninos moravam com os cônegos e os serviam como criados, à semelhança dos vigários adultos, A princípio, os meninos moravam com os cônegos e os serviam como criados, à semelhança dos vigários adultos, Mas a adoção mais ou menos universal do sistema colegial salvou-os disso e foram transferidos para seus próprios colégios ou pensionatos sob a direção do chantre. Mas a adoção mais ou menos universal do sistema colegial salvou-os disso e foram transferidos para seus próprios colégios ou pensionatos sob a direção do chantre.

30 Durante toda a Idade Média a educação extramusical proporcionada a eles melhorou até atingir um ponto em que podiam matricular-se em universidades e freqüentá-Ias. Durante toda a Idade Média a educação extramusical proporcionada a eles melhorou até atingir um ponto em que podiam matricular-se em universidades e freqüentá-Ias. Na Idade Média não havia intenção de criar o que um músico dos últimos 300 anos pudesse considerar um coro equilibrado. Na Idade Média não havia intenção de criar o que um músico dos últimos 300 anos pudesse considerar um coro equilibrado.

31 Exemplos da Inglaterra podem ser tomados como típicos de organizações corais de toda a Europa. Exemplos da Inglaterra podem ser tomados como típicos de organizações corais de toda a Europa. York tinha, por estatuto, 36 cônegos e sete meninos; York tinha, por estatuto, 36 cônegos e sete meninos; Wells tinha 54 cônegos e, às vezes, no máximo 12 meninos; Wells tinha 54 cônegos e, às vezes, no máximo 12 meninos; Havia 34 cônegos em Exeter, e os estatutos de 1337 exigiam 12 meninos; Havia 34 cônegos em Exeter, e os estatutos de 1337 exigiam 12 meninos; Lichfield,com 21 cônegos, tinha 12 meninos; Lichfield,com 21 cônegos, tinha 12 meninos; Em fins do século XV, a Catedral de São Paulo, com 30 vigários coristas, tinha apenas oito meninos na escola de canto, distintos da escola elementar de Colet. Em fins do século XV, a Catedral de São Paulo, com 30 vigários coristas, tinha apenas oito meninos na escola de canto, distintos da escola elementar de Colet.

32 A função primordial do coro era cantar o cantochão; A função primordial do coro era cantar o cantochão; Como a presença de cantores preparados estimulava os compositores a criar mais obras polifônicas para festivais e serviços especiais, a ocasional música polifônica era dada a pequenos grupos escolhidos de cantores com talvez apenas uma voz para cada parte. Como a presença de cantores preparados estimulava os compositores a criar mais obras polifônicas para festivais e serviços especiais, a ocasional música polifônica era dada a pequenos grupos escolhidos de cantores com talvez apenas uma voz para cada parte. Em fins do século XII, o acompanhamento instrumental tornou-se mais ou menos costumeiro, como o mostram as obras dos compositores de Notre Dame como Pérotin e seu predecessor Léonin. Em fins do século XII, o acompanhamento instrumental tornou-se mais ou menos costumeiro, como o mostram as obras dos compositores de Notre Dame como Pérotin e seu predecessor Léonin.

33 Os órgãos vinham-se tornando cada vez mais comuns nos últimos 200 anos. Os órgãos vinham-se tornando cada vez mais comuns nos últimos 200 anos. Em pouco tempo esses instrumentos passaram a ser partes freqüentes do mobiliário das catedrais. Em pouco tempo esses instrumentos passaram a ser partes freqüentes do mobiliário das catedrais.

34 OS MODOS ECLESIÁSTICOS JEPPESEN, Knud. Counterpoint. New York, Prentice-Hall, INC., 1939, pp: 59-82

35 A música do século XVI é baseada nos assim chamados modos eclesiáticos; A música do século XVI é baseada nos assim chamados modos eclesiáticos; Um sistema que existiu na música da Europa Latina Ocidental e dominou até o século XVII, quando a transição sub- reptícia para o sistema maior-menor começa a ocorrer. Um sistema que existiu na música da Europa Latina Ocidental e dominou até o século XVII, quando a transição sub- reptícia para o sistema maior-menor começa a ocorrer. A evidência prática mais antiga dos modos eclesiásticos encontra-se nos cantos gregorianos aparentemente a primeira arte musical produzida pela cultura ocidental. A evidência prática mais antiga dos modos eclesiásticos encontra-se nos cantos gregorianos aparentemente a primeira arte musical produzida pela cultura ocidental.

36 Em música, como em todos os ramos da atividade humana, a prática antecede a teoria; Em música, como em todos os ramos da atividade humana, a prática antecede a teoria; Da mesma forma que as diferentes línguas faladas não têm sua origem no estabelecimento do alfabeto. Da mesma forma que as diferentes línguas faladas não têm sua origem no estabelecimento do alfabeto. Modos: certos princípios de organização que nos ajudam a compreender um material originalmente algo desorganizado e intratável. Modos: certos princípios de organização que nos ajudam a compreender um material originalmente algo desorganizado e intratável.

37 OKTOECHOS Princípio fundamental de organização fundado num sistema de oito notas; Princípio fundamental de organização fundado num sistema de oito notas; Originalmente somente 4 modos eram realmente usados: protus, deuterus, tritus e tetrardus; Originalmente somente 4 modos eram realmente usados: protus, deuterus, tritus e tetrardus; Mais tarde, cada um desses foi dividido em duas formas: uma inferior (plagal) e uma superior (autêntico). Mais tarde, cada um desses foi dividido em duas formas: uma inferior (plagal) e uma superior (autêntico).

38 Apesar de terem diferentes extensões (o plagal começa na 4ª abaixo do autêntico), ambos têm a mesma nota final. Apesar de terem diferentes extensões (o plagal começa na 4ª abaixo do autêntico), ambos têm a mesma nota final. O sistema de oito notas parece ter surgido no tempo do Papa Gregório o Grande, entre 590 e 604; O sistema de oito notas parece ter surgido no tempo do Papa Gregório o Grande, entre 590 e 604; Aparentemente daí o nome gregoriano; Aparentemente daí o nome gregoriano; Desde então manteve a mesma forma: Desde então manteve a mesma forma:

39 First Mode (authentic protus, later Dorian)

40 Second Mode (plagal protus, later Hypodorian)

41 Third Modc (authentic deuterus, later Phrygian)

42 Fourth Mode (plagal deuterus, later Hypophrygian)

43 Fifth Mode (authentic tritus, later Lydian)

44 Sixth Mode (plagal tritus, later Hypolydian)

45 Seventh Mode (authentic tetrardus, later Mixolydian)

46 Eighth Mode (plagal tetrardus, later Hypomixolydian)

47 Imbroglio (cf. Chailley) Essas oito escalas receberam nomes emprestados das antigas escalas gregas aparentemente entre os séculos IX e X, ou até antes, em Bizâncio mas agora empregadas de uma maneira diferente; Essas oito escalas receberam nomes emprestados das antigas escalas gregas aparentemente entre os séculos IX e X, ou até antes, em Bizâncio mas agora empregadas de uma maneira diferente; IDADE MÉDIA: dórico-frígio-lídio-mixolídio = 4 séries de tons ascendentes começando do D; IDADE MÉDIA: dórico-frígio-lídio-mixolídio = 4 séries de tons ascendentes começando do D; GRÉCIA ANTIGA: começavam no E e eram descendentes GRÉCIA ANTIGA: começavam no E e eram descendentes

48

49 ESCALA X MODO MODO é música viva. MODO é música viva. ESCALA é uma abstração. ESCALA é uma abstração. A noção de MODO só pode ser explicada precariamente através da abstração das escalas; A noção de MODO só pode ser explicada precariamente através da abstração das escalas; Dos doze tons da oitava, selecionamos as notas com as quais os nossos modos maior e menor lidam; Dos doze tons da oitava, selecionamos as notas com as quais os nossos modos maior e menor lidam;

50 ESCALA X MODO ESCALAS são meras coleções de material da qual um modo dado toma as notas de que precisa para suas finalidades particulares; ESCALAS são meras coleções de material da qual um modo dado toma as notas de que precisa para suas finalidades particulares; MODO: soma de impulsos motívicos melódicos e harmônicos relacionados a certas notas para certas inclinações de extensão em direção ao tom principal ou final. MODO: soma de impulsos motívicos melódicos e harmônicos relacionados a certas notas para certas inclinações de extensão em direção ao tom principal ou final.

51 DIFERENÇAS O que determina o modo principalmente é a maneira como certas notas são enfatizadas enquanto outras ficam a ela subordinadas: O que determina o modo principalmente é a maneira como certas notas são enfatizadas enquanto outras ficam a ela subordinadas: Por exemplo, o que diferencia o Dórico do Hipomixolídio são as circunstâncias em que as notas D e A são enfatizadas no primeiro e as notas G e C no segundo Por exemplo, o que diferencia o Dórico do Hipomixolídio são as circunstâncias em que as notas D e A são enfatizadas no primeiro e as notas G e C no segundo

52 DIFERENÇAS Hipodórico: A-A, evitando o B (2º tom) Hipodórico: A-A, evitando o B (2º tom) Hipofrígio (B-B): as melodias neste modo quase nunca usam o B grave; Hipofrígio (B-B): as melodias neste modo quase nunca usam o B grave; Para conhecer a natureza dos modos gregorianos é necessário compreender as leis da condução melódica que governam seu uso. Para conhecer a natureza dos modos gregorianos é necessário compreender as leis da condução melódica que governam seu uso.

53 Pilares básicos da melodia e dos modos: Tônica: nota principal; também nota de resolução; Tônica: nota principal; também nota de resolução; Dominante: nota de suspensão; nota de tensão; Dominante: nota de suspensão; nota de tensão; Essas duas idéias são inseparáveis tanto para o canto gregoriano quanto para o conceito de Modo. Essas duas idéias são inseparáveis tanto para o canto gregoriano quanto para o conceito de Modo.

54 Se ouvimos uma melodia, somos inclinados a procurar nas notas graves a nota principal (na qual a melodia parece repousar) e prestamos menos atenção nas notas agudas; Se ouvimos uma melodia, somos inclinados a procurar nas notas graves a nota principal (na qual a melodia parece repousar) e prestamos menos atenção nas notas agudas; Provavelmente porque associamos a idéia de repouso e resolução à região grave. Provavelmente porque associamos a idéia de repouso e resolução à região grave. Parece-nos impensável que uma melodia possa terminar fora da tônica ou da tríade de tônica; Parece-nos impensável que uma melodia possa terminar fora da tônica ou da tríade de tônica; Sensação de incompletude... Sensação de incompletude...

55 Devido a uma tradição gradualmente estabelecida de que a terminação na tônica tem o efeito de um sinal convencional que anuncia com clareza absoluta que a música chegou ao fim. Devido a uma tradição gradualmente estabelecida de que a terminação na tônica tem o efeito de um sinal convencional que anuncia com clareza absoluta que a música chegou ao fim. Essa tradição repousa numa concepção de Música como uma espécie de desdobramento de energia; Essa tradição repousa numa concepção de Música como uma espécie de desdobramento de energia; Explicável fisiologicamente (fala) Explicável fisiologicamente (fala)

56 Modos modernos x modos medievais Modernos: dominante 5ª acima Modernos: dominante 5ª acima Medievais: mais livres e variados a esse respeito Medievais: mais livres e variados a esse respeito Exemplo: fórmulas recitativas dos Salmos gregorianos: Exemplo: fórmulas recitativas dos Salmos gregorianos:

57 Primeiro modo (Protus autêntico, depois Dórico)

58 Segundo modo (Protus plagal, depois Hipodórico)

59 Terceiro modo (Deuterus autêntico, depois Frígio)

60 Quarto modo (Deuterus plagal, depois Hipofrígio) In the fourth mode, E is the tonic and A the dominant. Originally G was the dominant of this mode; but it was changed at the same time as that of the preceding mode: In the fourth mode, E is the tonic and A the dominant. Originally G was the dominant of this mode; but it was changed at the same time as that of the preceding mode:

61 Quinto e sexto modos (Tritus autêntico, depois Lídio; Tritus plagal, depois Hipolídio

62 Sétimo e oitavo modos (Tetrardus autêntico, depois Mixolídio; Tetrardus plagal, depois Hipomixolídio) In the seventh mode the tonic is G, the dominant D: In the seventh mode the tonic is G, the dominant D:

63 Resumo

64 MNEMÔNICA Nos modos autênticos, a dominante é uma quinta acima da tônica; o B, no entanto, não é usado como dominante mas substituído pelo C; Nos modos autênticos, a dominante é uma quinta acima da tônica; o B, no entanto, não é usado como dominante mas substituído pelo C; Nos modos plagais, a dominante é uma terça abaixo da dominante do autêntico correspondente; aqui também o B é substituído pelo C. Nos modos plagais, a dominante é uma terça abaixo da dominante do autêntico correspondente; aqui também o B é substituído pelo C.

65 Elemento pentatônico implícito Além da relação tônica-dominante, o salto melódico de semi-tom é evitado, ao que tudo indica, conscientemente de duas maneiras: Além da relação tônica-dominante, o salto melódico de semi-tom é evitado, ao que tudo indica, conscientemente de duas maneiras:

66 Sem ser realmente pentatônico, o canto gregoriano é marcado por um alto grau de sentido pentatônico; Sem ser realmente pentatônico, o canto gregoriano é marcado por um alto grau de sentido pentatônico; Reconhecível nas linguagens tonais dos povos exóticos [primitivos], principalmente no Extremo Oriente* [cf. Oxford], na música popular européia da Escócia, Hungria e os Russo-Tártaros. Reconhecível nas linguagens tonais dos povos exóticos [primitivos], principalmente no Extremo Oriente* [cf. Oxford], na música popular européia da Escócia, Hungria e os Russo-Tártaros. Canto gregoriano: relação tônica- dominante + timidez pentatônica (evitação dos semitons E-F e B-C) Canto gregoriano: relação tônica- dominante + timidez pentatônica (evitação dos semitons E-F e B-C)

67 Motivos melódicos característicos dos modos (apesar das exceções) Primeiro modo: Primeiro modo:

68 Conclusão Há vários caminhos para se chegar da dominante à tônica e é preciso penetrar no estilo para identificá-los. Há vários caminhos para se chegar da dominante à tônica e é preciso penetrar no estilo para identificá-los. Os modos sofrerão alterações com a prática polifônica por exigência de um novo princípio a Harmonia vertical e serão forçados a se subordinar a ele; Os modos sofrerão alterações com a prática polifônica por exigência de um novo princípio a Harmonia vertical e serão forçados a se subordinar a ele; O que culminará no sistema maior-menor, baseado em acordes. O que culminará no sistema maior-menor, baseado em acordes. Os modos eclesiásticos em polifonia são a transição entre os modos gregorianos e o sistema maior-menor. Os modos eclesiásticos em polifonia são a transição entre os modos gregorianos e o sistema maior-menor.

69 Modificações dos modos eclesiásticos na Polifonia A transição dar-se-á ainda com uma combinação dos pensamentos horizontal e vertical; A transição dar-se-á ainda com uma combinação dos pensamentos horizontal e vertical; A primeira modificação importante será a introdução da cadência de sensível de semitom em quase todos os modos (exceção: Frígio); A primeira modificação importante será a introdução da cadência de sensível de semitom em quase todos os modos (exceção: Frígio); Unificação da dominante, doravante fixada no quinto grau da escala. Unificação da dominante, doravante fixada no quinto grau da escala. O uso da terça maior na dominante torna- se regra; O uso da terça maior na dominante torna- se regra;

70 Redução do número dos modos eclesiásticos pela fusão dos autênticos com os plagais é compensada na polifonia pela adição do Eólio e do Jônico Redução do número dos modos eclesiásticos pela fusão dos autênticos com os plagais é compensada na polifonia pela adição do Eólio e do Jônico Embora utilizados na prática desde muito tempo, não estavam incluídos na teoria oficial gregoriana até o séc. XVI; Embora utilizados na prática desde muito tempo, não estavam incluídos na teoria oficial gregoriana até o séc. XVI; Glareanus, no Dodecachordon (1547), adiciona os 9º, 10º, 11º e 12º modos: Eólio, Hipoeólio, Jônico e Hipojônico que tiveram muita importância na prática musical do seicentos, e que, gradualmente, suplantaram todos os outros; Glareanus, no Dodecachordon (1547), adiciona os 9º, 10º, 11º e 12º modos: Eólio, Hipoeólio, Jônico e Hipojônico que tiveram muita importância na prática musical do seicentos, e que, gradualmente, suplantaram todos os outros;

71 Não podemos esquecer que todos os modos eclesiásticos têm à sua disposição muito mais possibilidades de acordes do que as escalas maiores e menores. Não podemos esquecer que todos os modos eclesiásticos têm à sua disposição muito mais possibilidades de acordes do que as escalas maiores e menores. Os modos eclesiásticos têm mais variedade e menos lógica do que os modos modernos; Os modos eclesiásticos têm mais variedade e menos lógica do que os modos modernos; A falta de lógica encontrada nesse aspecto da música medieval, como em outros aspectos, é vista hoje como um charme peculiar, expressão de uma agradável naturalidade sem afetação, um irrestrito senso musical, em oposição à esquematização pedantemente exata e desinteressante dos tempos posteriores. A falta de lógica encontrada nesse aspecto da música medieval, como em outros aspectos, é vista hoje como um charme peculiar, expressão de uma agradável naturalidade sem afetação, um irrestrito senso musical, em oposição à esquematização pedantemente exata e desinteressante dos tempos posteriores.


Carregar ppt "A IGREJA MEDIEVAL RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de Janeiro, Ed. Zahar, 1981, pp: 26-33 RAYNOR, Henry. História social da música. Rio de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google