A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A carcinocultura catarinense. Um agricluster em formação? Francisco Gelinski Neto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A carcinocultura catarinense. Um agricluster em formação? Francisco Gelinski Neto."— Transcrição da apresentação:

1 A carcinocultura catarinense. Um agricluster em formação? Francisco Gelinski Neto

2

3

4 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Informações gerais Caracterização agricluster Obtenção de dados Constatações Conclusões/sugestões

5 Criação de camarões marinhos é atividade de maior crescimento na aqüicultura mundial 10 principais produtores t ha BRASIL t 7º produtor ha 1º produtividade

6 Brasil pós meados dos 90 Introdução do Litopennaeus vannamei Em t US$ 200 milhões 7º produtor mundial em volume 1º do continente 1º em produtividade principal na pauta dos pescados

7 Evolução da produção brasileira de camarão cultivado

8 Nordeste 96% da produção Santa Catarina 3% Inicio atividade 1983 LCM/UFSC Retomada 1998 Camarão branco do pacífico Programa Estadual de Cultivo de Camarões Marinhos - EPAGRI Setor da maricultura que mais cresce

9 Evolução da produção catarinense de camarão cultivado

10

11 A receita estimada aos produtores 2002 = R$ 17 milhões Núcleos de produção 1) Complexo lagunar – Laguna, Jaguaruna, Imbituba e Imaruí 2) Grande Fpolis – Paulo Lopes, Biguaçú e Tijucas 3) Baía da Babitonga – São Francisco do Sul, Araquari e Barra do Sul.

12 CARACTERIZAÇÃO DAS FAZENDAS Pequenas < 10 ha 39% Médias 10 a 30 ha 47% Grandes > 30 ha 14% Regiões safra 2003/2004 Laguna 63 fazendas 939 ha 78% Fpolis 6 fazendas 100 ha 8% Joinvile 8 fazendas 161 ha 13%

13 CARACTERIZAÇÕES AGRICLUSTER/COMPETITIVIDADE Agricluster (...) concentrações geográficas de empresas de determinado ramo do agribusiness e companhias correlatas. Estas podem ser, por exemplo, fornecedores de insumos especiais ou provedores de insumos especiais ou provedores de infra-estrutura especializada. (Wedekin, 2001, p. 42).

14 Um dos grandes benfícios da aglomeração de empresas concorrentes na localidade é a enorme pressão competitiva existente entre elas. A competição favorece a comparação, a mensuração do desempenho, a melhoria contínua e a busca permanente da inovação. Mas a presença de concorrentes lado a lado cria também a necessidade de cooperação em torno de uma agenda comum, de sorte a enriquecer a posição do agricluster local frente a seus concorrentes nas economias nacional e global. Wedekin (2002, p. 45)

15 AS TRÊS ESTRATÉGIAS GENÉRICAS PARA FORTALECIMENTO DE POSIÇÕES COMPETITIVAS 1) liderança de custo; 2) diferenciação de produtos e serviços; 3) estratégia do enfoque;

16 Liderança de custo Eficiência dos agentes na cadeia: dos fornecedores de insumos aos comercializadores gestão na operação da fazenda racionalização no uso de rações definição momento da despesca acionamento dos aeradores

17 PARCERIA PARA AGREGAÇÃO DE VALOR Consumidor atacadista & varejista indústria de processamento (bens finais) processador primário produtor rural distribuidor de insumos Indústria de insumos e máquinas

18 Diferenciação de produtos e serviços Produto de qualidade tamanho/ aspecto processamento Estratégia do enfoque Mercado interno X externo estudo de mercado o quê efetivamente o consumidor quer

19 O Agricluster e o desenvolvimento local Wedekin (2002) considera que o desenvolvimento da agricultura e do agribusiness avança em ondas evolutivas conforme avançam as incorporações de inovações e intensificam-se as atividades, melhorias de infra-estrutura e processamento entre outros. Os agriclusters representam a terceira onda evolutiva do desenvolvimento local.

20 O desenvolvimento de agriculusters de terceira geração depende da coordenação dos sistemas produtivos e da amplificação das relações horizontais e institucionais. Agora o desafio é organizar os agentes econômicos do agronegócio local e regional para desenvolver ações de planejamento, organização e coordenação das cadeias produtivas locais e regionais na direção dos agriclusters.

21 O objetivo é claro: eliminar desperdícios e vazamentos que reduzem a renda dos agentes econômicos e seu poder de competição frente aos concorrentes. Identificados os fatores críticos e as oportunidades, o passo seguinte é a articulação e o desenvolvimento de um plano de ação local e regional.

22 OBTENÇÃO DE DADOS entrevistas 1a. Semana de novembro técnico local da EPAGRI, presidente do núcleo sul da ACCC, produtores de camarão, presidente da Coopersanta, dois empresários comercializadores engenheiro de aqüicultura e administrador de fazenda Coordenador do Programa estadual Painel temático IEL/SEBRAE/ADRAM em 12/11

23 As maiores necessidades da cadeia de camarão a) b eneficiamento e industrialização b)questão sanitária/ monitoramento sanitário, quanto a certificação de estabelecimentos c) gerenciamento da atividade d) falta de pós larva

24 e) licenciamento ambiental e renovação f) esquema conjunto de negociação e comercialização g) organização dos produtores para comercializar

25 As restrições/limitações à atividade a) ambiental, a resolução 312 (CONAMA) alterações físicas b) altos custos terras c) crédito insuficientes para implantar f) índice DBO muito elevado

26 Outros fatores desfavoráveis à atividade a)relação preços pagos preços recebidos desfavorável b) t endência de queda de preços reais de venda c) mercado interno, há sazonalidade de preços d) IBAMA e área de entorno na região da Baleia Franca multar os produtores e) A lucratividade em queda

27 elementos/fatores estimuladores/facilitadores a) programa estadual de carcinocultura EPAGRI e a UFSC ; b) existência de técnicos; c) o perfil de produtores é heterogêneo; d) infraestrutura; e) temperatura suficiente dois ciclos ao ano;

28 f) lucratividade – o retorno ainda se dá em três anos; g) entidades política - ACCC e ABCC; h) vazio sanitário involuntário; i) mercado interno grande; j) camarão catarinense de qualidade (é maior) k) Norma densidade ideal; l) Portarias da CIDASC ;

29 Elementos desejáveis para facilitar a atividade nivelamento de conhecimento das autoridades fiscalizadoras normatizadoras. Maior número de técnicos da EPAGRI. Técnico exclusivo.Melhor treinamento dos recém formados.Maior cuidado pelos comercializadores na despesca. Estabelecer algum esquema de classificação.Verificar viabilidade de mercado para produto diferenciado por tamanho.Treinamento e melhoria nos controles gerenciais da atividade.Criação de cooperativa para melhorar a comercialização.

30 Tendências e perspectivas a) mercados mais exigentes produto com agregação de valor b) mercado americano restritivo acirramento da concorrência interna c) área potencial de 4000 hectares d) abertura de mercado em grandes cidades brasileiras

31 e) oferta de produto tamanho extra e de origem certificada (diferenciado); f) fortalecimento do associativismo g) incorporação de outros atores h) consorciamento de ostras na criação

32 CONCLUSÕES/SUGESTÕES Os elementos coincidentes das entrevistas e painel temático são: 1) Necessidade de gerenciamento visando reduzir custos de produção 2) melhorar a comercialização, trabalhar aqui o foco estratégico e desenvolver novos canais de escoamento do produto 3) organizar os produtores via cooperativa fortalecendo a comercialização e processamento

33 4) buscar adaptação da legislação ambiental através de ação jurídica e política OUTRAS SUGESTÕES 1) Trabalho em mutirão para classificação no momento da despesca 2) Criar e fortalecer marca camarão de laguna 3) Controle sanitário e de certificação sustentando credibilidade ao produto


Carregar ppt "A carcinocultura catarinense. Um agricluster em formação? Francisco Gelinski Neto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google