A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REFORMA URBANA RIO DE JANEIRO INÍCIO DO SÉCULO XX - BELLE ÉPOQUE TROPICAL -

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REFORMA URBANA RIO DE JANEIRO INÍCIO DO SÉCULO XX - BELLE ÉPOQUE TROPICAL -"— Transcrição da apresentação:

1 REFORMA URBANA RIO DE JANEIRO INÍCIO DO SÉCULO XX - BELLE ÉPOQUE TROPICAL -

2

3

4

5

6

7 REFORMA SANITÁRIA E REVOLTA DA VACINA

8 RODRIGUES ALVES ( ) – PRESIDENTE DA REPÚBLICA OSWALDO CRUZ – DIRETOR DO SERVIÇO DE SAÚDE PÚBLICA

9 MORTALIDADE PELAS PRINCIPAIS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Damazio, Sylvia. Retrato Social do Rio de Janeiro na Virada do Século, RJ, UERJ, 1996.

10 FEBRE AMARELA combater o mosquito transmissor brigadas de mata-mosquitos (um chefe, cinco guardas mata- mosquitos e operários de limpeza) saíam pela cidade, invadindo residências, cortiços, limpavam, desinfectavam, exigiam reformas e interditavam esses ambientes PESTE BUBÔNICA extermínio dos ratos e das pulgas governo, acreditando poder tornar mais eficaz o trabalho, decidiu comprar ratos limpeza e desinfecção de ruas e casas

11 VARÍOLA

12 IMPLANTAÇÃO DA VACINA OBRIGATÓRIA CONTRA A VARÍOLA junho de 1904: governo propôs uma lei que tornou obrigatória a vacinação lei aprovada em 31.out nov.1904: Oswaldo Cruz propôs uma drástica regulamentação, exigindo comprovantes de vacinação para: matrículas em escolas empregos viagens hospedagens casamentos proposta vazou para a imprensa indignado, o povo do Rio de Janeiro disse NÃO, na maior revolta urbana já vista na capital

13

14 REVOLTA DA VACINA 10.nov.1904: motim no largo de São Francisco - confrontos entre manifestantes e cavalaria Morra a polícia! Abaixo a vacina! 12.nov.1904: 4 mil pessoas, de todas as classes sociais: concentraram-se no Centro das Classes Operárias para fundar uma Liga contra a Vacina Obrigatória signatários das petições contra a vacinação obrigatória

15 13.nov.1904: Praça Tiradentes virou campo de batalha – luta se estendeu por toda a região entre o largo São Francisco e a Praça da República: descargas de revólver e carabina bondes começaram a ser queimados colunas dos lampiões foram derrubadas barricadas foram erguidas na Av. Passos na Rua São Jorge, as prostitutas aderiram à luta população assaltou delegacias, quartéis, casas de armas

16

17

18 14.nov.1904: SACRAMENTO (entre largo São Francisco e Praça da República) : combate nas ruas a revólver e a porrete, enquanto dos sobrados os moradores jogavam latas, garrafas, pedaços de madeira, etc. SAÚDE (zona portuária localizada entre a Praça da Harmonia e o Morro da Gamboa) : revoltosos assumiram o controle da delegacia de polícia e 2 mil pessoas construíram barricadas 15.nov.1904: novo foco de rebelião surgiu no JARDIM BOTÂNICO – 600 operários atacaram a delegacia de polícia na Saúde foi hasteada uma bandeira vermelha: comando – PRATA PRETA e MANDUCA PIVETE controle da rebelião : reduto da Harmonia foi atacado por terra e por mar polícia iniciou a varredura das áreas atingidas pela revolta – nas ruas 30 mortos, 110 feridos e 461 deportados para o Acre

19

20 Complexidade: várias revoltas dentro da revolta: mobilização começou no Centro das Classes Operárias – signatários das petições contra a vacinação obrigatória – informações: ocupação: 78 militares; os outros operários Vítimas: operários: 71% do total de feridos; 86% do total dos mortos a dos populares do Sacramento e da Saúde, reunindo capoeiras, prostitutas da Rua São Jorge, portuários e gente com passagem pela polícia militares e políticos de oposição queriam derrubar o governo entender os valores e os costumes do início do século XX – a força da justificação moral: era uma ofensa à honra do chefe de família ter seu lar, em sua ausência, invadido por um desconhecido diante do qual sua mulher e filhas seriam obrigadas a desvendar seus corpos (Vicente de Souza, socialista, líder de operários) - embora não se interessasse por política, embora não votasse, povo tinha noção dos limites de ação do Estado. Seu lar e sua honra não eram negociáveis a revolta fora feita para não andarem dizendo que o povo é carneiro REVOLTA DA VACINA DEIXOU ENTRE OS PARTICIPANTES UM FORTE SENTIMENTO DE AUTO-ESTIMA, INDISPENSÁVEL PARA FORMAR UM CIDADÃO.


Carregar ppt "REFORMA URBANA RIO DE JANEIRO INÍCIO DO SÉCULO XX - BELLE ÉPOQUE TROPICAL -"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google