A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Política Brasileira de Biodiversidade:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Política Brasileira de Biodiversidade:"— Transcrição da apresentação:

1

2 Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Política Brasileira de Biodiversidade: Ações para a recuperação da biodiversidade brasileira Braulio F. de Souza Dias Diretor de Conservação da Biodiversidade, Ministério do Meio Ambiente, Brasília V Simpósio Nacional sobre Recuperação de Áreas Degradadas, Belo Horizonte, de novembro de 2002

3 Ministério do Meio Ambiente - MMA Política Nacional de Biodiversidade JUSTIFICATIVA – megabiodiversidade brasileira, conhecimento tradicional, serviços ambientais, biotecnologia PRINCÍPIOS – Declaração do Rio, Convenção sobre Diversidade Biológica, Constituição Federal, Legislação Brasileira. OBJETIVO – estabelecer ação integrada para a conservação da diversidade biológica, para a utilização sustentável de seus componentes e para a repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos da biodiversidade e dos conhecimentos tradicionais associados

4 Ministério do Meio Ambiente - MMA Processo de elaboração da Política Nacional Segunda Versão da Política Nacional Síntese Final: Relatórios Temáticos Primeira Versão da Política Nacional Reuniões Regionais Reuniões da Comissão Coordenadora do PRONABIO REUNIÃO NACIONAL Instrumento Legal ++ Consulta Estadual e Setorial Documentos Técnicos Avaliações por Biomas

5 Ministério do Meio Ambiente - MMA Documentos Técnicos 1.PRIMEIRO RELATÓRIO NACIONAL PARA A CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA 2.ANÁLISE COMPARATIVA – ESTRATÉGIAS NACIONAIS DE BIODIVERSIDADE – DE 46 PAÍSES 3.ADEQUAÇÃO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA À CONVENÇÃO 4.REVISÃO ARTIGOS DA CDB (GRUPOS DE TRABALHO – 10 DOCUMENTOS) 5.ESTUDOS SOBRE CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO À BIODIVERSIDADE 6.AVALIAÇÕES DO CONHECIMENTO DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA (ÁGUAS DOCES, GENÉTICA, INVERTEGRADOS MARINHOS, INVERTEBRADOS TERRESTRES, DIVERSIDADE MICROBIANA, PLANTAS TERRESTRES, VERTEBRADOS) => SÍNTESE ESTADO ATUAL 7.ESTUDOS DE CASO VALORAÇÃO ECONÔMICA DA BIODIVERSIDADE 8.ESTUDOS DE CASO SOBRE REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS

6 Ministério do Meio Ambiente - MMA TAMANHO DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA Fonte: Lewinsohn & Prado, 2000 TAXONCONHECIDOESTIMADO VIRUS BACTÉRIAS FUNGOS ALGAS PLANTAS PROTOZOÁRIOS ANIMAIS TOTAL

7 Ministério do Meio Ambiente - MMA DENSIDADE DE COLETA DE PLANTAS Fonte: Nelson, 1991 BELÉM MANAUS

8 Ministério do Meio Ambiente - MMA Distribuição das coleções importantes do Brasil, por região geográfica do país. Lewinsohn & Prado, 2000 Distribuição de especialistas representativos no Brasil, por região geográfica do país. Lewinsohn & Prado, 2000

9 Ministério do Meio Ambiente - MMA Distribuição de taxonomistas de Fanerógamas no Brasil por estado (fonte: SHEPHERD, 2000 segundo o Index Herbariorum)

10 Ministério do Meio Ambiente - MMA Superfície representando o acervo total de espécimes de fanerógamas por estado Fonte: SHEPHERD, 2000

11 Ministério do Meio Ambiente - MMA Mata Atlântica e Campos Sulinos Cerrado e Pantanal Zona Costeira e Marinha Caatinga Amazônia Ministério do Meio Ambiente - MMA Avaliações por Bioma

12 Ministério do Meio Ambiente - MMA Grupos Biológicos Mapas Base Grupos Não Biológicos Anfíbios Répteis Aves Mamíferos Botânica Invertebrados Peixes Hidrografia Remanescentes Unidades de Conservação Vegetação Eco-regiões Outros... Unidades de Conservação Planejamento Regional Estratégias de Conservação Educação Ambiental Socio-economia Ações e Áreas Prioritárias por Grupo Temático Unidades de Conservação Planejamento Regional Estratégias de Conservação Educação Ambiental Socio-economia Fatores Abióticos Anfíbios Répteis Aves Mamíferos Botânica Invertebrados Peixes Ações e Áreas Prioritárias por Grupo Integrador Áreas e Ações Prioritárias para a Conservação dos Biomas Mata Atlântica e Campos Sulinos

13 Ministério do Meio Ambiente - MMA

14 Workshop Cerrado e Pantanal Produtos –Mapa com áreas prioritárias –Sumário Executivo –Relatório Técnico

15 Ministério do Meio Ambiente - MMA CAATINGA

16 MATA ATLÂNTICA E CAMPOS SULINOS 192 áreas prioritárias: 187 na Mata Atlântica 5 nos Campos Sulinos 30% da Mata Atlântica e Campos Sulinos

17 Ministério do Meio Ambiente - MMA ZONA COSTEIRA E MARINHA Produtos Mapa com áreas prioritárias Sumário Executivo Relatório Técnico

18 Ministério do Meio Ambiente - MMA Temas Abordados no Roteiro de Consulta Nacional inventário e identificação da diversidade biológica monitoramento, avaliação e mitigação de impactos conservação in situ conservação ex situ utilização sustentável de componentes distribuição de benefícios gestão da biotecnologia educação e conscientização pública cooperação científica aspectos legais

19 Ministério do Meio Ambiente - MMA Consulta Nacional ROTEIRO (ON LINE) – ARTIGOS DA CDB CONSULTAS AOS ESTADOS E SETORES (EMPRESARIAL, ONGS, ACADÊMICO, GOVERNO FEDERAL) – Reuniões setoriais e estaduais RESPOSTAS DOS ESTADOS E SETORES CONSOLIDAÇÃO RESPOSTAS DOS ESTADOS E SETORES LEVANTAMENTO POLÍTICAS SETORIAIS DO GOVERNO BRASILEIRO RELACIONADAS `A BIODIVERSIDADE SÍNTESE DAS DECISÕES DA COP DA CDB (CONFERÊNCIAS DAS PARTES) SÍNTESE FINAL: RELATÓRIOS TEMÁTICOS POR ARTIGO DA CDB

20 Ministério do Meio Ambiente - MMA Relatórios Temáticos: Conservação ex situ (Tânia Sampaio Pereira e Alicio da Silva Cruz) Conservação in situ (Luiz Paulo Pinto) Cooperação Científica e Tecnológica (Ana Lúcia Delgado Assad e Perseu dos Santos) Distribuição de Benefícios (Cristina Maria do Amaral Azevedo e Karin Vecchiatti) Educação Ambiental (Ana Lucia Tostes de Aquino Leite, Maria José Gualda de Oliveira, Naná Mininni Medina, Paula Moraes Pereira) Gestão da Biotecnologia (Rubens Onofre Nodari e Miguel Pedro Guerra; Eliana Fontes) Inventário e Caracterização da Biodiversidade (José Maria Cardoso da Silva) Monitoramento e Avaliação e Mitigação de Impactos (Rui Cerqueira) Utilização Sustentável dos Componentes da Biodiversidade (Weber Amaral e Milton Kanashiro)

21 Ministério do Meio Ambiente - MMA Primeira Versão da Política Nacional – Estrutura do Documento 1. Introdução 2. Justificativa 3. Princípios 4. Objetivo Geral 5. Objetivos Estratégicos 6. Componentes 7. Arcabouço jurídico-institucional 8. Glossário 9. Bibliografia

22 Ministério do Meio Ambiente - MMA Primeira Versão da Política Nacional – Componentes 1. Conhecimento da Biodiversidade 2. Conservação da Biodiversidade 3. Utilização Sustentável dos Componentes da Biodiversidade 4. Repartição de Benefícios 5. Desenvolvimento Científico e Tecnológico 6. Informação, sensibilização pública e educação

23 Ministério do Meio Ambiente - MMA Reuniões Regionais Centro-Oeste: Distrito Federal GoiásMaranhão Mato Grosso Mato Grosso do Sul TocantinsGoiânia Dias 07 e 08/05/2002 Nordeste:AlagoasBahiaCearáParaíbaPernambucoPiauí Rio Grande do Norte SergipeRecife Dias 23 e 24/04/2002 Norte:AcreAmazonasAmapáParáRondôniaRoraimaManaus Dias 16 e 17/05/2002 Sul-Sudeste: Espírito Santo Minas Gerais Paraná Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo Curitiba Dias 29 e 30/04/2002 PARTICIPANTES: OEMAs, ONGS, povos indígenas, setor empresarial, setor acadêmico

24 Ministério do Meio Ambiente - MMA Preparação da Segunda Versão da Política Nacional Reuniões da Comissão Coordenadora do PRONABIO SEGUNDA VERSÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE BIODIVERSIDADE Consolidação das contribuições das Reuniões Regionais REUNIÃO NACIONAL

25 Ministério do Meio Ambiente - MMA Número de Componentes, Diretrizes e Objetivos Específicos da Política Nacional Primeira Versão da Política Nacional Segunda Versão da Política Nacional Depois das reuniões regionais

26 Ministério do Meio Ambiente - MMA Segunda Versão da Política Nacional – Estrutura do Documento 1. Introdução 2. Justificativa 3. Princípios 4. Objetivo 5. Componentes 6. Arcabouço Jurídico-Institucional 7. Glossário 8. Referências Bibliográficas

27 Ministério do Meio Ambiente - MMA Segunda Versão da Política Nacional – Componentes 1. Conhecimento da Biodiversidade 2. Conservação da Biodiversidade 3. Utilização Sustentável dos Componentes da Biodiversidade 4. Monitoramento, Avaliação, Prevenção e Mitigação de Impactos sobre a Biodiversidade 5. Acesso aos Recursos Genéticos e aos Conhecimentos Tradicionais Associados e Repartição de Benefícios 6. Educação, Sensibilização Pública, Informação e Divulgação 7. Fortalecimento Jurídico e Institucional Itens alterados

28 Ministério do Meio Ambiente - MMA Moção do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, de 5 de julho de 2002 – endossou a proposta da Política Nacional da Biodiversidade

29 Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Decreto no de 22 de agosto de 2002 – aprovou os princípios e diretrizes da Política Nacional da Biodiversidade

30 Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Objetivo Geral da Política Nacional da Biodiversidade A Política Nacional da Biodiversidade tem como objetivo geral a promoção, de forma integrada, da conservação da biodiversidade e da utilização sustentável de seus componentes, com a repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos, de componentes do patrimônio genético e dos conhecimentos tradicionais associados a esses recursos.

31 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 1: Conhecimento da Biodiversidade Diretriz 1- Inventário e caracterização da biodiversidade Diretriz 2 – Promoção de pesquisas ecológicas Diretriz 3 - Promoção de pesquisas para a gestão da biodiversidade Diretriz 4 - Promoção de pesquisas sobre o conhecimento tradicional das populações indígenas, quilombolas e outras comunidades locais

32 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 2: Conservação da Biodiversidade Diretriz 1 - Conservação de ecossistemas Diretriz 2 - Conservação de ecossistemas em Unidades de Conservação Diretriz 3 – Conservação in situ de espécies Diretriz 4 - Conservação ex situ de espécies Diretriz 5 – Instrumentos econômicos e tecnológicos para a conservação da biodiversidade

33 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 3: Utilização Sustentável dos Componentes da Biodiversidade Diretriz 1 - Gestão da biotecnologia e da biossegurança Diretriz 2 – Gestão da utilização sustentável dos recursos biológicos Diretriz 3 - Instrumentos econômicos e tecnológicos e incentivos às práticas e negócios sustentáveis para o uso da biodiversidade Diretriz 4 – Promoção do uso da biodiversidade nas Unidades de Conservação de Uso Sustentável.

34 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 4: Monitoramento, Avaliação, Prevenção e Mitigação de Impactos sobre a Biodiversidade Diretriz 1 – Monitoramento da biodiversidade Diretriz 2 – Avaliação, prevenção e mitigação de impactos sobre os componentes da biodiversidade Diretriz 3 – Recuperação de ecossistemas degradados e dos componentes da biodiversidade sobreexplotados

35 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 5: Acesso aos Recursos Genéticos e aos Conhecimentos Tradicionais Associados e Repartição de Benefícios Diretriz 1 - Acesso aos recursos genéticos e repartição dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos Diretriz 2 – Proteção de conhecimentos, inovações e práticas de povos indígenas, de quilombolas e de outras comunidades locais e repartição dos benefícios decorrentes do uso dos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade

36 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 6: Educação, Sensibilização Pública, Informação e Divulgação sobre Biodiversidade Diretriz 1 - Sistemas de informação e divulgação Diretriz 2 - Sensibilização pública Diretriz 3 - Incorporação de temas relativos à conservação e ao uso sustentável da biodiversidade na educação

37 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 7: Fortalecimento Jurídico Institucional para a Gestão da Biodiversidade Diretriz 1 - Fortalecimento da infra-estrutura de pesquisa e gestão Diretriz 2 – Formação e fixação de recursos humanos Diretriz 3 – Acesso à tecnologia e transferência de tecnologia Diretriz 4 – Mecanismos de financiamento Diretriz 5 – Cooperação internacional Diretriz 6 – Fortalecimento do marco-legal e integração de políticas

38 Ministério do Meio Ambiente - MMA Componente 4/Terceira diretriz: Recuperação de ecossistemas degradados e dos componentes da biodiversidade sobreexplotados. Estabelecimento de instrumentos que promovam a recuperação de ecossistemas degradados e de componentes da biodiversidade sobreexplotados. 12 Objetivos Específicos

39 Ministério do Meio Ambiente - MMA Diretriz 4/3-Objetivos Específicos: 1. Promover estudos e programas adaptados para conservação e recuperação de espécies ameaçadas ou sobreexplotadas e de ecossistemas sob pressão antrópica, de acordo com o Princípio do Poluidor-Pagador. 2. Promover a recuperação, a regeneração e o controle da cobertura vegetal e dos serviços ambientais a ela relacionados em áreas alteradas, degradadas e em processo de desertificação e arenização, inclusive para a captura de carbono, de acordo com o Princípio do Poluidor-Pagador. 3. Promover a recuperação de estoques pesqueiros sobreexplotados, inclusive pela identificação de espécies alternativas para o redirecionamento do esforço de pesca.

40 Ministério do Meio Ambiente - MMA Diretriz 4/3-Objetivos Específicos: 4. Estimular as pesquisas paleoecológicas como estratégicas para a recuperação de ecossistemas naturais. 5. Apoiar povos indígenas, quilombolas e outras comunidades locais na elaboração e na aplicação de medidas corretivas em áreas degradadas, onde a biodiversidade tenha sido reduzida. 6. Identificar e apoiar iniciativas, programas, tecnologias e projetos de obtenção de germoplasma, reintrodução e translocação de espécies nativas, especialmente as ameaçadas, observando estudos e indicações referentes à sanidade dos ecossistemas.

41 Ministério do Meio Ambiente - MMA Diretriz 4/3-Objetivos Específicos: 7. Apoiar iniciativas nacionais e estaduais de promoção do estudo e de difusão de tecnologias de restauração ambiental e recuperação de áreas degradadas com espécies nativas autóctones. 8. Apoiar criação e consolidação de bancos de germoplasma como instrumento adicional de recuperação de áreas degradadas. 9. Criar unidades florestais nos estados brasileiros, para produção e fornecimento de sementes e mudas para a execução de projetos de restauração ambiental e recuperação de áreas degradadas, apoiados por universidades e centros de pesquisa no país.

42 Ministério do Meio Ambiente - MMA Diretriz 4/3-Objetivos Específicos: 10. Promover mecanismos de coordenação das iniciativas governamentais e de apoio às iniciativas não-governamentais de proteção das áreas em recuperação natural. 11. Promover recuperação, revitalização e conservação da biodiversidade nas diferentes bacias hidrográficas, sobretudo nas matas ribeirinhas, nas cabeceiras, nos olhos dágua, em outras áreas de preservação permanente e em áreas críticas para a conservação de recursos hídricos. 12. Promover ações de recuperação e restauração dos ecossistemas degradados e dos componentes da biodiversidade marinha sobreexplotados.

43 Ministério do Meio Ambiente - MMA MAIS INFORMAÇÕES: biodiversidade TELEFONES: Projeto Estratégia Nacional de Biodiversidade e Relatório Nacional Biodiversidade e Florestas Conservação da Biodiversidade Estratégia Nacional de Biodiversidade

44 Ministério do Meio Ambiente - MMA Biodiversidade Brasileira: Avaliação e Identificação de Áreas e Ações Prioritárias para conservação, Utilização Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade MMA, Série Biodiversidade - 5, 2002, 404p. Cinco Biomas (Amazônia, Caatinga, Cerrado & Pantanal, Mata Atlântica e Campos Sulinos, Zona Costeira e Marinha) Síntese Nacional

45 Ministério do Meio Ambiente - MMA Efeitos da Fragmentação de Ecossistemas sobre a Biodiversidade e Recomendações para Políticas Públicas 1. Fragmentação: alguns conceitos 2. Causas naturais da fragmentação 3. Causas antrópicas da fragmentação 4. Efeitos da fragmentação sobre a biodiversidade (vegetação e flora, mamíferos, aves, herpetofauna, biota aquática, entomofauna, interações bióticas, genética de populações) 5. Gestão de paisagens fragmentadas (manejo de fragmentos, manejo do entorno de fragmentos, ferramentas biológicas, políticas públicas) Apêndices

46 Ministério do Meio Ambiente - MMA Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas Tropicais: Avanços Conceituais e Revisão de Novas Metodologias de Avaliação e Monitoramento GARAY, Irene & DIAS, Braulio, Petrópolis, Editora Vozes, 430p.

47 Ministério do Meio Ambiente - MMA Livro de GARAY & DIAS, 2001 Demanda de Informação (contexto nacional e internacional) – 7 capítulos Pressões Antrópicas (estudos de caso) – 6 capítulos Diversidade de Comunidades – 4 capítulos Diversidade Genética – 4 capítulos Diversidade de Paisagens – 4 capítulos Abordagens Integradoras – 4 capítulos Recomendações – 17 tópicos


Carregar ppt "Ministério do Meio Ambiente - MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF Estratégia Nacional de Biodiversidade Política Brasileira de Biodiversidade:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google