A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Morfossintaxe II Unidade III – Período composto Período composto por coordenação Aditivas Adversativas Alternativas Conclusivas Explicativas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Morfossintaxe II Unidade III – Período composto Período composto por coordenação Aditivas Adversativas Alternativas Conclusivas Explicativas."— Transcrição da apresentação:

1

2 Morfossintaxe II Unidade III – Período composto

3 Período composto por coordenação Aditivas Adversativas Alternativas Conclusivas Explicativas

4 CONCEITUAÇÃO Um período composto por coordenação é constituído por orações coordenadas. Uma oração chama-se coordenada quando não funciona como termo de outra e nem tem outra que funcione como termo dela. Ou seja, as orações coordenadas são sintaticamente inde- pendentes entre si. Observe o exemplo: Eu lhe trouxe o livro, mas você não o leu. 1ª oração 2ª oração

5 Eu lhe trouxe o livro, / mas você não o leu. Suj.OIVTDI OD Suj.OD VTD Observe, no exemplo, como a 2ª oração não precisa funcionar como termo da 1ª e vice-versa, porque as duas já têm estrutura sintática completa. Ainda no exemplo, note que a 1ª oração não apresenta conjunção, enquanto a 2ª apresenta a conjunção mas. Dependendo da presença ou da ausência de conjunção, uma oração coordenada é sindética ou assindética. Coordenada sindética – quando possui conjunção. Coordenada assindética – quando não possui conjunção.

6 Classificação das coordenadas sindéticas As orações coordenadas assindéticas, isto é, sem conjunção, não recebem nenhuma classificação. As coordenadas sindéticas são classificadas de acordo com o sentido que têm no período. 1. Coordenada sindética aditiva Exprime uma relação de soma, de adição. Conjunções: e, nem, não só... mas também. Ex.: Ela parou o carro na rua e nós fomos cumprimentá-la. Ele não faz o trabalho dele, nem ajuda os colegas.

7 2. Coordenada sindética adversativa Indica uma idéia contrária à da outra oração, uma oposição. Conjunções: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto. Ex.: A noite estava fria, mas as crianças brincavam na rua. 3. Coordenada sindética alternativa Exprime possibilidade de opção, de escolha, de alternância. Conjunções: ou... ou, ora...ora, quer... quer. Ex.: Ou tudo se resolve hoje, ou não viremos mais aqui.

8 4. Coordenada sindética conclusiva Exprime uma conclusão da idéia contida na oração coordenada. Conjunções: logo, pois (colocada após o verbo), portanto, por isso. Ex.: Tudo está em ordem, portanto não devemos nos preocupar. Ele está confuso, precisa, pois, de nosso apoio. 5. Coordenada sindética explicativa Exprime uma explicação, uma justificativa ao que está contido na oração coordenada. Conjunções: pois (colocada antes do verbo), porque, que. Ex.: Não saia hoje, pois vai chover muito

9 Síntese da unidade Conceito: oração coordenada é aquela que não exerce função sintática em relação a outra oração. Ou seja, a oração coordenada não funciona como termo da outra oração. Classificação das orações coordenadas: assindética: não apresenta conjunção. sindética: apresenta conjunção.

10 Classificação da coord. sindética Principais conjunções coordenativasExemplos Aditiva e, nem, mas também Ex.: Nosso amigo não veio, nem mandou notícias. Adversativamas, porém, todavia, contudo, entretanto Ex.: Ele era muito rico, mas não era feliz. Alternativaou... ou; ora... ora quer... quer Ex.: Ora o tempo melhora, ora recomeça a chuva. Conclusivaportanto, logo, por isso, pois (anteposto verbo) Ex.: Este cavalo é bravo, portanto tome cuidado. Explicativaporque, que, pois (posposto ao verbo) Ex.: Volte logo, porque amanhã será tarde.

11 Período composto por subordinação Orações substantivas

12 ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS Para compreender como a oração subordinada substantiva desempenha a função própria de um substantivo, basta comparar as duas frases que seguem: Ninguém lamentou sua renúncia. sujeito verbo transi- tivo direto objeto direto Nesse caso, temos um período simples, uma oração ab- soluta. Nessa oração o objeto direto vem representado basicamente por um substantivo renúncia.

13 Mas o objeto direto pode ser constituído por uma oração inteira, como no caso que segue: Ninguém lamentou / que você renunciasse. sujeito v. transitivo direto objeto direto No caso, o período é composto (duas orações): -a oração 2 encaixa-se como objeto direto do verbo lamentou da oração 1. Portanto, classifica-se como: 1ª oração 2ª oração subordinada: porque funciona como um termo da 1ª; substantiva: porque desempenha uma função própria do substantivo (objeto direto).

14 ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS Orações subordinadas substantivas ligadas ao verbo da oração principal. Se uma oração subordinada substantiva vem ligada ao verbo da oração principal, pode, teoricamente, funcionar como: sujeito subjetiva objeto direto objetiva direta objeto indireto objetiva indireta

15 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA SUBJETIVA É aquela que funciona como sujeito do verbo da oração principal. Ex: Interessa-me / que você compareça à reunião. oração principal oração subordinada substantiva subjetiva Quando a oração substantiva é subjetiva: O verbo da oração principal está sempre na 3ª pes- soa do singular (interessa-me); Não ocorre sujeito dentro dos limites da oração prin- cipal (o sujeito é a própria oração subordinada).

16 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA OBJETIVA DIRETA É aquela que funciona como objeto direto do verbo da oração principal. Eles não permitem / que os índios vivam em paz. 1ª oração 2ª oração oração principal oração subordinada substantiva objetiva direta A oração objetiva direta: sempre se liga a um verbo da oração principal sem preposição; indica o alvo sobre o qual recai a ação desse verbo.

17 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA OBJETIVA INDIRETA É aquela que funciona como objeto indireto da oração principal. Ex: Ninguém desconfiava de que o plano fracassasse. 1ª oração 2ª oração Oração principal Oração subordinada substantiva objetiva indireta A oração objetiva indireta: liga-se ao verbo da oração principal, com preposi- ção. indica o alvo ou o destinatário do processo verbal.

18 Se uma oração subordinada substantiva vem ligada a um nome da oração principal, pode, teoricamente, funcionar como: Predicativo do sujeito substantiva predicativa Complemento nominal..... Substantiva completiva nominal Aposto substantiva apositiva Orações subordinadas substantivas ligadas ao Nome da oração principal

19 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA PREDICATIVA É aquela que funciona como predicativo do sujeito da oração principal. Ex.: O problema é / que o prazo já se esgotou. 1ª oração2ª oração Oração principal Oração subordinada Substantiva predicativa A oração subordinada substantiva predicativa se liga: Ao sujeito da oração principal; Através do verbo de ligação (verbo ser, na grande maioria dos casos.

20 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA COMPLETIVA NOMINAL É aquela que funciona como complemento nominal de um nome da oração principal. Ex: Chego à conclusão de que o contrato é legal. 1ª oração 2ª oração Oração principalOração subordinada substantiva completiva nominal A oração subordinada substantiva completiva nominal sempre se liga: A um nome da oração principal; Através de preposição (a, de, com, por, para, em, etc)

21 DIFERENÇA ENTRE OBJETIVA INDIRETA E COMPLETIVA NOMINAL Apesar de muita semelhança no plano formal, a substantiva completiva nominal não se confunde com a objetiva indireta porque: substantiva completiva nominal A substantiva completiva nominal liga-se a um nome da oração principal. Ex.: Ninguém teve dúvida de que ela mentiu. objetiva indiretaA objetiva indireta liga-se a um verbo da oração principal. Ex.: Ninguém duvidou de que ela mentiu.

22 ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA APOSITIVA É aquela que funciona como aposto de um nome da oração principal. Ex.: Existe nos presídios esta lei: (que) ninguém denuncia ninguém. A oração subordinada substantiva apositiva sempre se liga: A um nome da oração principal; Sem preposição e sem a mediação de um verbo de ligação

23 Classifique as orações destacadas a)Na delegacia, a agressora declarou ao delegado que de nada se lembrava. b) Não sei se ela estranhou o calor da minha alegria. c) Aqui ninguém duvida de que saci existe. d) A verdade é que ela não amava nenhum deles. e) Desejava realizar um grande sonho: que todos os homens vivessem pacificamente. f)É pouco provável que a economia brasileira caminhe para uma recessão.

24 Orações Reduzidas São denominadas orações reduzidas aquelas que apresentam o verbo numa das formas nominais, ou seja, infinitivo, gerúndio e particípio. São denominadas orações reduzidas aquelas que apresentam o verbo numa das formas nominais, ou seja, infinitivo, gerúndio e particípio. As orações reduzidas não são introduzidas por conectivo. As orações reduzidas não são introduzidas por conectivo.

25 Substantivas subjetivas: são aquelas que exercem a função de sujeito do verbo de outra oração. Não convém agires assim. É certo ter ocorrido uma confusão. Urge partir imediatamente. Substantivas objetivas diretas: são aquelas que exercem a função de objeto direto. Ordenou saírem todos logo. Respondeu estarem fechadas as matrículas. As crianças fazem rir seus rivais.

26 Substantivas objetivas indiretas: são aquelas que funcionam como objeto indireto da oração principal. Aconselho-te a sair imediatamente. Penso continuar alegre. Penso continuar alegre. Substantivas completivas nominais: são aquelas que funcionam como comple-mento de um nome da oração principal. Maíra estava disposta a sair da casa. Tinha o desejo de espalhar os fatos verda-deiros.

27 Substantivas predicativas: são aquelas que funcionam como adjetivo da oração principal. O importante é não se deixar corromper pela desonestidade. Seu desejo era adquirir um automóvel. Seu desejo era adquirir um automóvel. Substantivas apositivas: são aquelas que funcionam como aposto da oração principal. Fez uma proposta a sua companheira: viajarem pelo interior, no fim do ano. Recomedou-lhe dois procedimentos: ler e refletir exaustivamente a obra de Manuel Bandeira. Recomedou-lhe dois procedimentos: ler e refletir exaustivamente a obra de Manuel Bandeira.

28 Outros exemplos de Orações Subordinadas Orações Subordinadas Substantivas Reduzidas Substantivas Reduzidas

29 Orações Substantivas Reduzida 1) Subjetiva "Era-lhe tão enfadonho ESCREVER CARTAS COMPRIDAS." (M. Assis) 2) Objetiva Direta "Resolveu NÃO MOSTRAR O CONVITE A NINGUÉM." (R. Queiroz) 3) Objetiva Indireta "Ninguém pensa EM CAVALGAR NUMA ÁGUIA." (Idem) 4) Completiva nominal "Sentiu vontade DE VOMITAR E DE MORRER." (A. Prado) 5) Predicativa "Vai, teu ofício é ALEGRAR O HOMEM." (X. Marques) 6) Apositiva "Prometi-lhes apenas isto: ESPERÁ-LOS ATÉ ÀS DEZ HORAS."

30 PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO Orações subordinadas adjetivas

31 O PROCESSO DA SUBORDINAÇÃO AS SUBORDINADAS ADJETIVAS Essa massa indistinta que ouve futebol pelo rádio, que o assiste pela televisão ou que comparece aos estádios, normalmente sofre ou alivia-se. O alívio pode surgir de cada lance perigoso não concluído pelo adversário, da conclusão de uma espera transformada no gol, do término da tensão esportiva, isto é, da certeza de um resultado.

32 a) Essa massa indistinta que ouve futebol pelo rádio, que o assiste pela televisão ou que comparece aos estádios... massa essa indistinta que ouve futebol pelo rádio que o assiste pela televisão que comparece aos estádios

33 Dante Panzeri divide os torcedores entre indivíduos que vão ver o jogo e aqueles que vão ver a vitória. Os primeiros são aqueles que só gostam (ou não gostam) do espetáculo. São os que aplaudem, mas não agridem. O segundo tipo de torcedor é o doente, o fanático, que translada até o campo de jogo a influência de suas paixões, angústias, alegria incontrolada..

34 b) Dante Panzeri divide os torcedores entre indivíduos que vão ver o jogo e aqueles que vão ver a vitória. indivíduos aqueles que vão ver a vitória e que vão ver o jogo

35 c) Os primeiros são aqueles que só gostam (ou não gostam) do espetáculo. São os que aplaudem mas não agridem. aqueles que só gostam do espetáculo ou (que) não gostam do espetáculo os que aplaudem mas (que) não agridem

36 Observe os períodos: 1. Os alunos leram um livro interessante. adjetivo 2. Os alunos leram um livro que era interessante. oração subordinada adjetiva A oração que era interessante é dependente da outra oração do período, por isso ela é subordinada. Por estar equivalendo ao adjetivo interessante, exercendo a função sintática de adjunto adnominal de um termo da oração principal, é chamada de subordinada. adjetiva.

37 Classificação das orações subordinadas adjetivas Observe este trecho: O ônibus vinha lotado de crianças, derrapou na pista e capotou. As crianças que se machucaram foram socorridas imediatamente. Qual é a afirmação correta? 1ª - pelo trecho acima, informa-se que todas as crianças foram socorridas. 2ª - pelo trecho acima, informa-se que foram socorridas apenas as crianças que se machucaram. (Incorreto) (Correto) oração subordinada adjetiva restritiva

38 Observe: As crianças, que são travessas, costumam se machucar e, geralmente causam preocupação para os pais. Qual é a afirmação correta? 1ª) pelo trecho acima, informa-se que todas as crianças são travessas e, portanto todas costumam se machucar. 2ª) pelo trecho acima, informa-se que apenas algumas crianças são travessas e apenas algumas costumam se machucar. (Correto) (Incorreto) A oração adjetiva está pondo em evidência uma característica do antecedente – crianças- está explicando esse termo, por isso recebe o nome de oração subordinada adjetiva explicativa

39 Síntese das orações subordinadas adjetivas Há tipos de oração subordinada adjetiva. dois a)A restritiva – cuja função é restringir, limitar o sentido do termo antecedente. b) A explicativa – cuja função é explicar o termo antecedente. A oração subordinada adjetiva, geralmente é introduzida por um pronome relativo: que, quem, cujo, cuja, cujos, cujas, o qual, a qual, os quais, as quais, onde, quanto (precedido do pronome indefinido tudo).

40 Período composto por subordinação Orações adverbiais

41 Oração subordinada adverbial É aquela que se encaixa na oração principal, funcionando como adjunto adverbial. Observe: Todos chegaram agora. sujeito V.I Adj. Adv. tempo O período acima é um período simples, a oração é absoluta. O adjunto adverbial é uma função própria do advérbio.

42 Observação: A oração subordinada adverbial liga-se: ao verbo da oração principal; através de conjunção subordinativa que não seja a conjunção integrante (esta última introduz a oração subordinada substantiva).

43 O adjunto adverbial pode ser constituído por uma oração in- teira, como no caso que segue: Observe: Todos chegaram /quando a cerimônia estava começando. 1 2 No caso, o período é composto por duas orações: A oração 2 encaixa-se como adjunto adverbial do verbo chegaram da oração 1. Como o adjunto adverbial é uma função própria do advérbio, a oração 2 classifica-se como: subordinada: porque está encaixada em outra, funcionando como termo desta. adverbial: porque está desempenhando uma função própria do advérbio.

44 Classificação das orações subordinadas adverbiais 1. Oração subordinada adverbial causal Indica a causa provocadora do processo expresso pelo verbo da oração principal. Ex.: A sessão foi suspensa / porque faltou energia elétrica Oração principal 2. Oração subordinada adverbial causal Principais conjunções: porque, visto que, que, como, etc.

45 2. Oração subordinada adverbial consecutiva Indica uma conseqüência decorrente do processo expresso pelo verbo da oração principal. Falaram tão mal do filme / que ele nem entrou em cartaz Oração principal 2. Oração subordinada adverbial consecutiva. Principais conjunções: que (normalmente precedido de tão, tal, tanto, tamanho...)

46 3. Oração subordinada adverbial condicional Manifesta uma condição sob a qual se efetua o processo expresso pelo verbo da oração principal. Deixe um recado / se você não me encontrar em casa Oração principal 2. Oração subordinada adverbial condicional Principais conjunções: se, caso, desde que, contanto que, sem que (= se não),...

47 4. Oração subordinada adverbial concessiva Concede ou admite uma condição contrária ao processo expresso pelo verbo da oração principal. Vencemos o inimigo, / embora ele fosse mais forte Oração principal 2. Oração subordinada adverbial concessiva Principais conjunções: embora, ainda que, se bem que, conquanto, mesmo que, que...

48 5. Oração subordinada adverbial conformativa Estabelece uma relação de adequação ou conformidade com o processo expresso pelo verbo da oração principal. Tudo ocorreu / como estava previsto Oração principal 2. Oração subordinada adverbial conformativa Principais conjunções: conforme, como, segundo, consoante...

49 6. Oração subordinada adverbial comparativa Estabelece uma relação de comparação com o processo expresso pelo verbo da oração principal, manifestando uma situação de igualdade, inferioridade ou superioridade entre os dois pólos comparados. Recebeu a todos / como um anfitrião. (receberia) Oração principal 2. Oração subordinada adverbial comparativa Principais conjunções: como, que, do que...

50 7. Oração subordinada adverbial final Indica a finalidade para a qual se destina o processo do verbo da oração principal. Os índios usaram as armas / para que não invadissem suas terras Oração principal 2. Oração subordinada adverbial final Principais conjunções: para que, a fim de que, que,...

51 8. Oração subordinada adverbial temporal Demarca em que tempo ocorreu o processo expresso pelo verbo da oração principal. Todos fugiam para o abrigo / quando soava o alarme Oração principal 2. Oração subordinada adverbial temporal Principais conjunções: quando, enquanto, logo que, depois que, antes que, desde que...

52 9. Oração subordinada adverbial proporcional Estabelece uma relação de proporcionalidade com o processo expresso pelo verbo da oração principal. Aumenta a tensão / à medida que a esquadra se aproxima Oração principal 2. Oração subordinada adverbial proporcional Principais conjunções: à medida que, à proporção que, quanto mais... mais, quanto mais... menos... Etc.

53 Observação: A subordinada adverbial possui uma liberdade de colocação muito grande, podendo vir antes, no meio ou depois da oração principal. Exemplo: Embora seja possível, é pouco provável uma terceira guerra. É pouco provável, embora possível, uma terceira guerra. É pouco provável uma terceira guerra, embora seja possível.

54 O uso da vírgula entre a oração principal e a subordinada adverbial Nem sempre é obrigatório, mas sempre é correto o uso da vírgula entre as orações subordinadas adverbiais e a oração principal. Se a oração subordinada adverbial vier depois da principal, pode-se dispensar a vírgula.

55 DISTINÇÃO ENTRE ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS EXPLICATIVAS E SUBORDINADAS ADVERBIAIS CAUSAIS A oração coordenada explicativa cumpre o papel de explicar o que foi afirmado na oração anterior. Ex: Choveu, porque a rua está molhada. Maria sumiu na festa, porque ninguém mais a viu.

56 A oração subordinada adverbial causal cumpre o papel de Advérbio em relação à oração principal, isto é, indica a causa da ação expressa pelo verbo da oração principal. Ex.: Choveu, porque houve muita evaporação.

57 A oração coordenada explicativa é empregada com freqüência depois de orações imperativas e optativas. Ex.: Não zombe dele, que está apaixonado. Deus te ajude, porque és ousado.


Carregar ppt "Morfossintaxe II Unidade III – Período composto Período composto por coordenação Aditivas Adversativas Alternativas Conclusivas Explicativas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google