A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANESTÉSICOS LOCAIS Marcos Vinicius Mota Pires. Anestésicos Locais MECANISMO DE AÇÃO - Os ALs penetram e ocupam os canais de Na + nas membranas celulares.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANESTÉSICOS LOCAIS Marcos Vinicius Mota Pires. Anestésicos Locais MECANISMO DE AÇÃO - Os ALs penetram e ocupam os canais de Na + nas membranas celulares."— Transcrição da apresentação:

1 ANESTÉSICOS LOCAIS Marcos Vinicius Mota Pires

2 Anestésicos Locais MECANISMO DE AÇÃO - Os ALs penetram e ocupam os canais de Na + nas membranas celulares. - interrompem a condução do estímulo nervoso por bloquear a condutância dos canais de Na + e cosequentemente impedem a deflagração do potencial de ação.

3 Anestésicos Locais Substâncias que bloqueiam a condução nervosa de forma reversível, sendo seu uso seguido de recuperação completa da função do nervo. Produzem perda transitória da função sensitiva, autônoma e motora em uma determinada região do corpo.

4

5 Mecanismo de Ação AL

6

7 Anestésicos Locais Classificação e função das fibras nervosas - Fibras do tipo A (mielinizadas) : motora : motora, tato : fibras musculares : dor, temperatura

8 Anestésicos Locais Classificação e função das fibras nervosas - Fibras do tipo B (mielinizadas) fibras simpáticas pré-ganglionares - Fibras do tipo C (amielinizadas) dor e temperatura.

9 Anestésicos Locais Sequência do bloqueio: - dor - frio - calor - tato e compressão profunda - função motora

10 Anestésicos Locais FÓRMULA ESTRUTURAL

11 Anestésicos Locais Radical Aromático- porção lipossolúvel, responsável pela penetração no nervo. * potencial alergênico

12 Anestésicos Locais Cadeia intermediária- variações da cadeia levam a variações da potência e da toxicidade dos anestésicos quanto maior o número de átomos de C maior sua potência e toxicidade

13 Anestésicos Locais Grupo Amina- porção ionizável da molécula (hidrofílica), sofre influência do pH do meio * determina a velocidade de ação do anestésico local

14 Anestésicos Locais Farmacocinética Absorção: a)Local injeção (IV> traqueal> intercostal> peridural, plexobraquial, subaracnóide>subcutâneo) b)Dose c)Presença de vasoconstritor (circulação terminal) d)Caract. Farmacológicas do fármaco (vasodilatação e lipossolubilidade, afinidade tecidos)

15 Anestésicos Locais Absorção - pele lesionada X pele íntegra (EMLA) - córnea - mucosas - epitélio das vias respiratórias - intramuscular - subcutânea - intravenosa

16 Anestésicos Locais Distribuição -Perfusão (cérebro, coração, fígado, pulmão, rim) fase alfa / (músculo e gordura) fase beta -Ligação às PTNS plasmáticas x Lipossolubilidade - tecido muscular – reservatório - hialuronidase

17 Anestésicos Locais Biotransformação - Amidas (LCR) - Ésteres

18 Anestésicos Locais Toxicidade: - SNC e cardiovascular

19 Anestésicos Locais Procaína -Anestesia por infiltração -Latência longa e curta duração (40-60 min) -baixa ligação PTNS plasmáticas -pKa = 8,9 -Biotransformação

20 Anestésicos Locais Lidocaína -Anestesia por infiltração -Curta latência curta e duração (40-60 min) sv -Bloqueios periféricos e centrais

21 Anestésicos Locais Bupivacaína -pKa = 8,1 -Ligação PTNs > 80% -Latência e duração – longas -Toxicidade (cardiovascular) Uso de vasoconstritores - bloqueios periférico e central

22 Anestésicos Locais Ropivacaína -pKa = 8,1 -Alta ligação PTNs -Bloqueio motor (bupi x ropi) -Latência e duração – longas -Menor toxicidade -Ação vasoconstritora - bloqueios periférico e central

23 Propriedades Físico-químicas das Amino-amidas (AL) pKaLipossolub. Ligação protéica duração (min.) Dose (mg/kg) Lidocaína7,6++64%1207 Bupivacaína8, %1802 Ropivacaína %1503

24 Anestésicos Locais Técnicas de anestesia local Anestesia Tópica -Pele (EMLA) -Boca, mucosa traqueobrônquica, esôfago e trato genitourinário -Olho

25 Anestésicos Locais Técnicas de anestesia local Anestesia Infiltrativa -intradérmicas -subcutâneas a)Botão anestésico b)Cordão c)Figuras geométricas planas

26 Anestesia Perineural A- infraorbitário B- maxilar C- zigomático, lacrimal e oftálmico D- mentoniano E- mandibular F- auriculotemporal

27 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Plexo Braquial -Referências anatômicas

28 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Plexo Braquial - Preparo -Pré e pós -Método fracionado (múltiplas injeções) -Área anestesiada

29 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Plexo Braquial -Agulhas -Anestésicos -Relativamente fácil seguro -Cuidados !!! (tórax e vasos)

30 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Analgesia Intra-articular -Preparo -Pré / Trans e pós -Iserir a agulha / administrar a solução (leve distensão da cápsula)

31 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Analgesia Intra-articular -Anestésico Lidocaína 2% (1mL/4,5 Kg) -Bupivacaína 0,5% (1mL/4,5 Kg) -Morfina –0,1-0,3 mg/Kg

32 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Analgesia/ Anestesia Intravenosa (Bier) -Punção venosa (cefálica / safena) distal -Saída do sangue -Atadura de Esmarch (vetrap) -Garrote e retirada da faixa -Anestésico: lidocaína (5mg/Kg) sem vaso !!!

33 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Analgesia/ Anestesia Intravenosa -Limitações – tempo (máx. e mínimo) -Garrote removido de forma lenta -Sangramento -Área anestesiada

34 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Bloqueio intercostal -Pré e pós -Bloqueio intercostal adjacentes (2 cranial e 2 caudal) à incisão -Introduzir percutaneamente borda caudal da costela (pele /sc/ musculatura intercostal)

35 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Bloqueio intercostal -Anestésico Lidocaína 2% (1 mL/local) -Bupivacaína 0,5 % (1 mL/local) -Complicações: injeção intratorácica/ pneumotórax/ laceração pulmonar

36 Anestésicos Locais Técnicas de analgesia/anestesia local Bloqueio interpleural -pele, s/c, musc. Intercostal e pleura parietal -Cateter iv ou agulha de Tuohy c cateter -Aspirar e administrar

37 ANESTESIA PERIDURAL

38 Anestesia Peridural 1885 Corning (cocaína) peridural em cão 1901Cathelin e Sicard primeira anestesia sacra em humanos 1921 Páges 1931 Dogliotti estabeleceu e divulgou os princípios técnicos ( teste da perda de resistência) 1949 Curbello uso de cateter para peridural contínua

39 Anestesia Peridural Indicações: Procedimentos ortopédicos dos membros posteriores e pelve. Cirurgias abdominais Alternativa à anestesia geral Analgesia peri operatória com AL e/ou associações (opióides)

40 Anestesia Peridural Contra-indicações: A.Absolutas - Infecção no local, hipovolemia B.Relativas - Deformidade da coluna, uso de AI com alongamento do tempo de sg, doença neurológica medular

41 Anestesia Peridural Difusão e distribuição segmentar do bloqueio - Volume da solução e [anestésico]- Massa (dose total) - Idade - Gravidade - Difusibilidade - Velocidade de injeção (aumenta difusão, desconforto e diminui intensidade) - Capacidade do espaço peridural e nível da punção

42 Anestesia Peridural Fatores que influenciam o bloqueio peridural - Droga (AL amino-amida) - Latência - Concentração - Adrenalina - Dose -Volume -Gestação (dose/volume – 30%)

43 Anestesia Peridural Fatores que influenciam o bloqueio peridural - Idade (dose/volume/concentração) - Peso - deformidades anatômicas - Temperatura da solução - Dose-teste (lido+vc 1: ) -velocidade de injeção (10 mL/60 seg.)

44 Anestesia Peridural Fatores que influenciam o bloqueio peridural - Bisel da agulha - Uso de cateter - Opióides

45 Anestesia Peridural Preparo para o bloqueio: Clínico: - Histórico e anamnese - Avaliação do estado físico - Doenças pré-existentes - Oxigênio, assistência ventilatória, soluções de vasopressores (efedrina) - Sedação x anestesia

46 Anestesia Peridural Preparo para o bloqueio: Anti-sepsia e assepsia : - Solução iodada/ pano fenestrado - Material descartável ou esterelizado - Remoção do excesso de iodo

47 Anestesia Peridural Preparo para o bloqueio: Material Agulhas Seringas Cateter

48 Anestesia Peridural Complicações relacionadas ao anestésico: - Efeitos tóxicos sistêmicos: tremores/ convulsão generalizada / insuf. Respiratória/ PCR - Alergia

49 Anestesia Peridural Complicações relacionadas com a técnica: - Punção inadvertida da dura-máter - Bloqueio simpático e hipotensão arterial - Infecção - Sangramento e hematoma peridural (compressão medular aguda)

50 Anestesia Peridural Complicações relacionadas com a técnica: - Peridural total - bradicardia – (bloqueio de cardioceleradores T 1 e T 4 ) - Depressão respiratória (nervo frênico C 3 e C 5 ) - progressão cefálica (bloqueio cervical)- síndrome de Horner unilateral (ptose, miose enoftalmia e prolapso da 3 a pálpebra )

51 Anestesia Peridural Complicações relacionadas com a técnica: progressão cefálica (bloqueio torácico)- Reflexo de Schiff-Sherrington (rigidez e extensão dos membros torácicos) velocidade de administração - Contração muscular, convulsão, depressão circulatória

52 ANESTESIA PERIDURAL CONTÍNUA

53 Anestesia Peridural Contínua Indicações: - Procedimentos cirúrgicos de longa duração (ortopédicos dos membros posteriores, pelve e abdome) - Analgesia trans e pós operatória com AL e/ou associações (opióide). - Controle da dor principalmente em pacientes oncológicos e/ou criticamente enfermos.

54 Anestesia Peridural Contínua Complicações: Dificuldade técnica Presença de secreção no local da punção Saída do cateter Deslocamento ou migração Quebra, nó, obstrução ou vazamento Contaminação


Carregar ppt "ANESTÉSICOS LOCAIS Marcos Vinicius Mota Pires. Anestésicos Locais MECANISMO DE AÇÃO - Os ALs penetram e ocupam os canais de Na + nas membranas celulares."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google