A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 DESENVOLVIMENTO INFANTIL - EIXO INTEGRADOR DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A INFÂNCIA O PAPEL DA INVESTIGAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NA GERAÇÃO DAS POLÍTICAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 DESENVOLVIMENTO INFANTIL - EIXO INTEGRADOR DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A INFÂNCIA O PAPEL DA INVESTIGAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NA GERAÇÃO DAS POLÍTICAS."— Transcrição da apresentação:

1

2 1 DESENVOLVIMENTO INFANTIL - EIXO INTEGRADOR DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A INFÂNCIA O PAPEL DA INVESTIGAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NA GERAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À INFÂNCIA José Amar Amar, PhD.DESENVOLVIMENTO INFANTIL - EIXO INTEGRADOR DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A INFÂNCIA O PAPEL DA INVESTIGAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NA GERAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À INFÂNCIA José Amar Amar, PhD.

3 2 Um exemplo do paradigma das alianças para formulação de políticas sociais para a infância SOCIEDADE CIVIL Comunidades Locais Universidade do Norte ESTADO Icbf COOPERAÇÃO INTERNACIONAL Fundação Bernard van Leer APORTES Realidade social com dinâmica própria. Identificação de necessidades sentidas e necessidades objetivas centradas no desenvolvimento das crianças e suas famílias. Dinâmica efetiva com base em redes sociais. Participação e gestão social ativa da comunidade. APORTES Desenvolvimento da ciência através da investigação, da docência e da extensão. Compromisso social com o entorno em que está imersa. Pluralismo e busca do conhecimento social. Busca de respostas racionais aos problemas da criança, da família e das comunidades que vivem em contextos de pobreza. Impactar nas políticas públicas sobre a infância e a família. Apoio para a investigação. APORTES Políticas públicas através de um sistema de bem-estar familiar. Recursos financeiros e técnicos. APORTES ONG internacional. Financiação de projetos com fins humanitários. Favorecer a infância em condições de pobreza (minorias étnicas e culturais). Alianças Estado - Sociedade civil requerida. Assistência técnica. Rede de assistência em 50 países.

4 3 1. Políticas Públicas de Cobertura

5 4 COBERTURA. MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À INFÂNCIA

6 5 RESULTADOS As crianças atendidas com o programa Lares Comunitários e com o sistema tradicional não apresentaram diferenças significativas em: nutrição, saúde, desenvolvimento cognitivo e aprendizagem. As crianças que participaram no grupo atendido com o programa de Lares Comunitários e com o programa tradicional do Estado apresentaram diferenças significativas em comparação com o grupo de crianças que permaneceram em seus lares. As crianças atendidas no programa Lares Comunitários da Criança e com a participação das mães comunitárias, suas famílias e sua comunidade apresentaram um nível mais alto em seu desenvolvimento pessoal e social que as crianças do programa tradicional.

7 6 Investigação sobre custo-benefício das diversas modalidades O Estado com seus recursos atendia crianças / ano. Com os mesmos recursos, com a modalidade de Lares Comunitários da Criança, poderia atender crianças/ano, com um impacto semelhante no desenvolvimento integral das crianças. O governo nacional fez as adaptações técnicas para passar de micro a macro, e este programa primeiro se implementou em 250 comunidades. Hoje é um programa nacional que atende a de crianças entre 3 e 7 anos.

8 7 2. Políticas públicas de Qualidade

9 8 A QUALIDADE O MODELO HOLÍSTICO Se algo nos ensinou a psicologia não é a homogeneidade do ser humano, mas a sua diversidade e a importância dos contextos socioculturais no projeto do humano. Um dos maiores fracassos da educação infantil na América Latina é o grande desconhecimento que existe sobre nossas crianças. Depois de estar 30 anos com várias comunidades em situação de pobreza, nunca pude conhecer a criança inteligente de Piaget, nem a criança sensível a estímulos de Skinner, nem a criança erótica de Freud.

10 9 MODELO HOLÍSTICO PARA A ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA

11 10 Experiência da prova de WISC Em uma mostra de 40 crianças: na prova de WISC, há uma sub-prova que mede a capacidade gestáltica das crianças e se trata de que separem o essencial do acessório. Em um dos ítens é mostrada às crianças uma mesa quadrada com somente 3 patas. A pergunta que se faz é a seguinte: O que é que está faltando na mesa?

12 11 Pois bem, das 40 crianças cuja desnutrição nessa comunidade era de 67%, 38 responderam que o que faltava na mesa era comida e somente 2 perceberam a ausência da pata da mesa.

13 12 NÚCLEOS INVESTIGATIVOS

14 13 Núcleo Investigativo 1. Compreensão da realidade Por isto foram escolhidos treze conceitos básicos, da vida das crianças: BelezaBondade DinheiroAutoridade EscolaFelicidade AmizadeTempo SaúdeMorte GêneroTrabajo Família

15 14 1. Beleza 2. Bondade 3. Autoridade 4. Morte 5. Gênero Bonito: alimento – 25%, a cor - 30% Feio: sujo - 40%, velho - 30%, nocivo - 15% Bom: afeto, alimento Mau: Não receber afeto, não dar afeto O comerciante 30% A mãe 20 % - Proporciona alimento Deus 5% Imobilidade – ficar rígido,frio – o sangue vai embora Não fala mais. Somente 5% fez uma referência religiosa: Está com Deus no céu. Homem Mulher Não está em casa 30% Bebe 20% É boa Nos dá comida Nos cuida

16 15 NÍVEIS DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1º Nível. Pensamento extra econômico - A representação do mundo econômico está configurada por fragmentos inconexos - explicações impregnadas de elementos fantasiosos. 2º Nível. Pensamento econômico subordinado - Pode reflexionar sobre as realidades sociais, especialmente as relacionadas entre as instituições e a economia. - Incapacidade para entender as inter-relações de processos econômicos complexos. - Incorporação de conceitos morais sobre o funcionamento das estruturas econômicas e políticas. 3º Nível. Pensamento econômico inferencial - Pensamento abstracto.- Capacidade para estabelecer relações entre os processos, sistemas e ciclos da economia.- Clara compreensão de sociedades de economia complexa.

17 16 Em nossas pesquisas foram propostas duas categorias de fatores protetores: a. Fatores materiais ou naturais Saúde Nutrição Roupa Vivenda Consecução de recursos econômicos Higiene Recreação b. Fatores imateriais ou psicossociais Filiação: A família dá sentido de identidade e posse. Afetividade: Expressão de sentimentos de agrado e carinho para com a criança. Seguridade: A companhia e a ajuda que os familiares dão à criança lhe dá segurança. Normas sociais: A família orienta a criança com relação ao que deve e não deve fazer. Formação de valores: Na família a criança aprende a conhecer e assimilar valores tais como: a bondade, a verdade, a honestidade e a tolerância.

18 17 Identificação com o próprio grupo de origem Identificação com o grupo receptor Integração Adaptação Biculturalismo Assimilação Segregação Separação Dissociação Identificação Étnica Marginalização Forte Fraco Forte Grupo desalojado Forte Fraco Forte Integração Assimilação Grupo receptor Fraco Segregação Marginalização Núcleo investigativo 4. Crianças Vítimas de Desalojamento


Carregar ppt "1 DESENVOLVIMENTO INFANTIL - EIXO INTEGRADOR DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A INFÂNCIA O PAPEL DA INVESTIGAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO NA GERAÇÃO DAS POLÍTICAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google