A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Realizado por: Catarina Soares nº6 Cláudia Silva nº7 Márcio Furtado nº8.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Realizado por: Catarina Soares nº6 Cláudia Silva nº7 Márcio Furtado nº8."— Transcrição da apresentação:

1 Realizado por: Catarina Soares nº6 Cláudia Silva nº7 Márcio Furtado nº8

2 Surdez é a perda parcial ou total da capacidade de ouvir; Mudez ou afonia é a incapacidade parcial ou total de falar; Mutismo é a perda da fala por transtornos psicológicos ;

3 Surdo-mudo é, provavelmente, a mais antiga e incorreta denominação atribuída ao Surdo, e ainda utilizada em certas áreas e divulgada nos meios de comunicação, principalmente televisão, jornais e rádio. O fato de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda, a mudez é uma deficiência sem conexão com a surdez.

4 São raros os surdos que também são mudos. É totalmente possível um surdo falar, através de terapia da fala, aos quais chamamos de surdos oralizados. Também é possível um surdo nunca ter falado, sem que seja mudo, mas apenas por falta de exercício. Por esta razão, o surdo só será também mudo se, e somente se, for constatada clinicamente deficiência na sua oralização, impedindo-o de emitir sons

5 Durante a gestação - infecções materna como rubéola, toxoplasmose, sífilis, herpes, uso de drogas ou medicamentos ototóxicos, incompatibilidade sanguínea pelo fator RH entre a mãe e o filho, e hereditariedade (genético). Recém-nascidos - história familiar de deficiência auditiva congénita; infecção congénitas como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes, anomalias crânio-faciais, peso inferior a 1.500g, entre outras. Jovens e adultos - infecções virais e bacteriológicas, como meningite, caxumba e sarampo, infecções no ouvido, medicamentos ototóxicos, exposição a produtos químicos, traumas cranianos, exposição ao barulho, presbiacusia (diminuição da audição em decorrência da idade), doenças que alteram a circulação de sangue no ouvido interno como diabetes, hipertensão e colesterol elevado.

6 Bebé: -não acorda com barulhos fortes, como porta batendo; -não vira a cabeça quando é chamado; Criança: - não forma frases simples por volta dos dois anos; - aumenta volume do aparelho de som e da TV; - não consegue localizar de onde vem o som; - busca contato visual para se comunicar; - tem dificuldades no aprendizado; - tem desatenção ou falta de concentração; - escreve ou fala trocando fonemas.

7 Adulto e idoso: - dificuldade de entender o que é dito; - escuta TV e rádio em volume muito alto; - apresenta secreção no ouvido; - relata barulho ou zumbido no ouvido; - isolamento; - fala muito alto.

8 Mulheres devem ser vacinadas contra a rubéola antes de engravidar. Na gestação, é essencial a realização dos exames pré- natais. Crianças devem ser vacinadas contra sarampo, meningite e caxumba.

9 Recém-nascidos devem ser submetidos ao teste da orelhinha. Deve-se evitar exposição ao barulho e usar protetores de ouvido em situações de exposição. Trabalhador exposto ao barulho deve se proteger com tampões e realizar exames auditivos com frequência.

10 Em qualquer caso de suspeita de alteração auditiva, seja transitória ou permanente, é indispensável a avaliação de um médico otorrinolaringologista, especialista em nariz, ouvido e garganta. Posteriormente, o paciente deverá ser encaminhado para a realização dos exames audiológicos, geralmente realizados por um fonoaudiólogo.

11 Podem estar relacionadas com : - Garganta; - Cordas vocais; - língua; - boca; - pulmoes;

12 Doenças; Exposição a químicos; Acidentes;

13 Traumas; Transtorno na infância; Esquisofrenia; Catatonia; Melancolia; Paralizia geral; Estados de demência.


Carregar ppt "Realizado por: Catarina Soares nº6 Cláudia Silva nº7 Márcio Furtado nº8."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google