A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comunicação oral em palavra eletrônica cantada. Cultura oral estado (não estádio) de relação em que a palavra falada em presença serve a diferentes propósitos:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comunicação oral em palavra eletrônica cantada. Cultura oral estado (não estádio) de relação em que a palavra falada em presença serve a diferentes propósitos:"— Transcrição da apresentação:

1 Comunicação oral em palavra eletrônica cantada

2 Cultura oral estado (não estádio) de relação em que a palavra falada em presença serve a diferentes propósitos: expressão da interação com o entorno meio de comunicação conhecimento

3 Murray Schafer: com os olhos estamos sempre à beira do mundo a olhar para dentro, enquanto com os ouvidos é o mundo que vem até nós e estamos sempre no seu centro (p. 148). Palavra oral-aural: multissensorial, presença, contato. Palavra que se dirige ao outro e reclama sua presença.

4 Figure The Medium is the Message: An Inventory of Effects (McLuhan & Fiore, 1969: 66-7).

5 Cultura oral: contatos e presenças (indivíduos e do próprio tempo). Música da cultura oral: movimento no e do corpo. canto & dança

6 1. Corpo em presença: contato pelo canto e dança. Tradição da cultura oral da música cantada (música popular brasileira): samba negro (Sodré). música não se separa de dança, corpo não está longe da alma, a boca não está suprimida do espaço onde se acha o ouvido (Sodré, 1998: 61).

7 2. Corpo em diálogo: estrutura sincopada da linguagem. Síncopa: o tempo que falta. Entre o tempo fraco e o forte, irrompe a mobilização do corpo, mas também o apelo a uma volta impossível, ao que de essencial se perdeu com a diáspora negra. Fraco e forte: os dois tempos em contraste são os elementos genitores desse som, também transportado por um terceiro termo, aquela terceira pessoa que canta no blues ou samba – Exu Bara, o dono do corpo (Sodré, 1998: 67-8).

8 Duke Ellington disse certa vez que o blues é sempre cantando por uma terceira pessoa, aquela que não está ali. A canção, entenda-se, não seria acionada pelos dois amantes (falante e ouvinte ou falante e referente implícitos no texto), mas por um terceiro que falta – o que arrasta e fascina. (...) De fato, tanto no jazz quanto no samba, atua de modo especial a síncopa. Sua força magnética, compulsiva mesmo, vem do impulso de se completar a ausência do tempo com a dinâmica do movimento no espaço (Sodré 1998: 11).

9 Canção popular no contexto da indústria cultural e da cultura de massa Recado do compositor popular (J.M. Wisnik): música como pulsação que inclui um jogo de cintura, uma cultura de resistência que sucumbiria see vivesse só de significados, e que, por isso mesmo, trabalha simultaneamente sobre ritmos do corpo, da música e da linguagem. (Wisnik, p. 8)

10 Rede de recados: 1. Dialética da malandragem aplicada contra a ordem imposta pela censura. 2. Tempo que se faz pelo cruzamento de tempos. 3. Canção popular depende dos modos de escuta a definir um tipo de consumo. Qual? 4. Canção como híbrido artesanal não limitado a nenhum dos sistemas culturais com os quais interage. 5. Sistema aberto que se desenvolve por saltos produtivos de sínteses críticas. 6. Síncopa como força política com poder de atuação sobre o corpo. 7. Força estranha da palavra cantada eletronicamente.

11 Canção: lugar de pensamento teórico da comunicação 1.Indústria: estandardização mercadológica 1.Cultura: interação de linguagens


Carregar ppt "Comunicação oral em palavra eletrônica cantada. Cultura oral estado (não estádio) de relação em que a palavra falada em presença serve a diferentes propósitos:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google