A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES DE SEMENTES AGRONOMIA – 2006.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES DE SEMENTES AGRONOMIA – 2006."— Transcrição da apresentação:

1 GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES DE SEMENTES AGRONOMIA – 2006

2 Semente: É o óvulo desenvolvido após a fecundação, contendo o embrião, com ou sem reservas nutritivas, que dará origem a um novo indivíduo.

3 Elementos Básicos da Estrutura da Semente. Semente de Milho (Monocotiledônea)

4 Elementos Básicos da Estrutura da Semente. Semente de Feijão (Dicotiledônea)

5 Classificação da Semente Quanto ao Tipo de Reserva Armazenada. Amiláceas: Amido - Aveia; milho. Protéicas: Proteínas - Soja. Oleaginosas: Lipídios - amendoim.

6 Classificação da Semente Quanto ao Tipo de Reserva Armazenada.

7 Germinação: Retomada do crescimento do embrião e formação de uma nova plântula.

8 Tipos de Germinação Hipógea

9 Epígea

10 Fases do Processo Germinativo a) Hidratação ou Embebição b) Elevação da Taxa Respiratória c) Ativação e Síntese Enzimática d) Digestão de Reservas e) Mobilização e Transp. de Reservas f) Assimilação Metabólica g) Crescimento e Diferenciação de Tecidos

11 Ativação e Síntese Enzimática Dependente do balanço hormonal: PromotoresInibidores CitocininasGiberelinas ABA Quando Promotores > Inibidores Germinação Promotores < Inibidores Dormência

12 Fases do Processo Germinativo

13 Etapas da Respiração Aeróbica

14 Importância da Respiração Aeróbica

15 Fatores que Afetam a Germinação 1-Disponibilidade de Água:

16 Fatores que Afetam a Germinação Disponibilidade de Água: Disponibilidade de Água:

17 Fatores que Afetam a Germinação 2- Oxigênio Absorção de oxigênio por sementes e embriões de Sinapis arvensis L. em ambientes contendo diferentes tensões desse gás.

18 Fatores que Afetam a Germinação 3-Luz Estrutura molecular de um fitocromo. Estrutura molecular de um fitocromo.

19 Fatores que Afetam a Germinação Luz Luz Influência da absorção de diferentes comprimentos de onda luminosa nas formas de fitocromo encontradas nos vegetais.

20 Fatores que Afetam a Germinação Luz Luz Sementes Fotoblásticas Positivas: Necessitam da presença de luz Sementes Fotoblásticas Negativas: Não necessitam da presença de luz Sementes Neutras: Indiferentes a presença ou ausência de luz

21 Fatores que Afetam a Germinação 4- Temperatura: Fator relacionado com a velocidade das reações metabólicas Temperatura Mínima: Abaixo da qual não há germinação Temperaturas Cardinais de Germinação: Temperaturas Cardinais de Germinação: Temperatura Máxima: Acima da qual não há germinação Temperatura Ótima: Aquela na qual há a máxima germinação

22 Fatores que Afetam a Germinação

23

24 5-Vigor da Semente: É a soma de todos atributos da semente, que favorecem o estabelecimento rápido e uniforme de uma população inicial no campo

25 Causas do Baixo Vigor da Semente: Causas do Baixo Vigor da Semente: Genética: Susceptibilidade a condições climáticas, menor capacidade de desenvolvimento. Fisiológica: Imaturidade na colheita; deterioração durante o armazenamento. Morfológica: Pequeno desenvolvimento (semente pequena). Mecânica: Danos mecânicos causados durante o processo de colheita ou armazenamento. Microbiológica: Presença de microrganismos fitopatogênicos.

26 Dormência Mecanismo que impede a germinação de sementes viáveis mesmo quando colocadas em condições favoráveis.

27 Dormência: Importante para a sobrevivência das espécies silvestres. Aveia Silvestre X Aveia cultivada Dormência prolongada Dormência curta Germinação retardada Germinação imediata Primavera Inverno

28 Dormência Vantagens Vantagens Atravessar períodos desfavoráveis para o crescimento e desenvolvimento da plântula. Atravessar períodos desfavoráveis para o crescimento e desenvolvimento da plântula. Evita que os embriões de desenvolvam na planta-mãe, durante o processo de formação da semente (viviparidade). Evita que os embriões de desenvolvam na planta-mãe, durante o processo de formação da semente (viviparidade).

29 Dormência: Importante para a sobrevivência das espécies silvestres. Aveia Silvestre X Aveia cultivada Dormência prolongada Dormência curta Germinação retardada Germinação imediata Primavera Inverno

30 Dormência Desvantagens Desvantagens A germinação distribui-se no tempo. A germinação distribui-se no tempo. Contribui para longevidade de plantas invasoras. Contribui para longevidade de plantas invasoras. Dificulta a avaliação da qualidade da semente. Dificulta a avaliação da qualidade da semente.

31 Tipos de Dormência 1- Dormência primária Adquirida na fase de maturação da semente. Adquirida na fase de maturação da semente. a) Extra-embrionária: Estruturas que envolvem o embrião dificultam seu desenvolvimento. b) Embrionária: Presença de inibidores no tecido embrionário, como o (ABA).

32 Tipos de Dormência 2- Dormência Secundária A germinação é impedida por condições desfavoráveis do meio. A germinação é impedida por condições desfavoráveis do meio. Também conhecida como dormência induzida.

33 Causas da Dormência 1- Embrião imaturo Ocorre o desprendimento da semente sem que todas as estruturas estejam desenvolvidas. Germinação de Panicum virginatum L. 90 dias / 8 o C < 90 dias / 27 o C 90 dias / 8 o C < 90 dias / 27 o C

34 Causas da Dormência 2- Impermeabilidade à água Tegumento impede a absorção de água (Leguminosas)

35 Causas da Dormência 3- Impermeabilidade à oxigênio Tegumento impede a absorção de oxigênio (Gramíneas) 4- Restrição mecânica Tegumento impede o crescimento e desenvolvimento do embrião (Paspalum notatum - Capim pensacola) 5- Embrião dormente Presença de inibidores químicos nos tecidos embrionários

36 Métodos para a superação da Dormência 1-Escarificação mecânica Uso de superfícies abrasivas p/ diminuição da dureza do tegumento (lixas). 2-Escarificação ácida Uso de ácido sulfúrico ou cítrico para diminuição da dureza do tegumento. 3-Tratamento com água quente Uso de água a temperatura de 60 à 100 o C. Alfafa (Medicago sativa L.)

37 Métodos para a superação da Dormência 4-Secagem prévia Secagem em estufa de circulação de ar forçada (40 o C). Utilizado p/ gramíneas forrageiras. 5-Pré-esfriamento Embebição das semente e manutenção em temperatura de 5 à 10 o C durante 3 à 7 dias. 6-Embebição em KNO 3 Uso de solução de KNO 3 (0,2%). Aceptor de prótons e elétrons, importante p/ o desenvolvimento da rota das pentoses fosfato.

38 Métodos para a superação da Dormência 7-Germinação a temperatura sub-ótima Uso de temperaturas constantes ou alternadas, abaixo da temperatura ótima para germinação. 8-Exposição a luz Uso de luz (750 à 1250 Lux) 9-Excisão do embrião Separação do embrião das outras partes da semente.

39 Período de pré-esfriamento na superação da dormência de sementes de azevém-anual (Lolium multiflorum) - Eichelberger, 2001.

40 Superação da dormência em sementes de leguminosas forrageiras - Medeiros, 1996.

41

42

43 Efeito dos tratamentos para superação da dormência em sementes de capim-colonião (Panicum maximum Jacq.) durante o armazenamento.

44

45


Carregar ppt "GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES DE SEMENTES AGRONOMIA – 2006."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google