A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NOVAS TÉCNICAS NO DIAGNÓSTICO DO ACOMETIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE HANSENOLOGIA RIBEIRÃO PRETO JULHO - 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NOVAS TÉCNICAS NO DIAGNÓSTICO DO ACOMETIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE HANSENOLOGIA RIBEIRÃO PRETO JULHO - 2004."— Transcrição da apresentação:

1 NOVAS TÉCNICAS NO DIAGNÓSTICO DO ACOMETIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE HANSENOLOGIA RIBEIRÃO PRETO JULHO

2 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE IMUN0PATOGÊNESE Joppling & McDougall, 1991

3 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE CLASSIFICAÇÃO DA HANSENÍASE * TRATADO MÉDICO INDIANO ( SHUSRATA SAMHITA) a C ) - Sem lesão de pele (Alterações sensitivas e deformidades) - Com lesão de pele (Sintomas sensitivos) - Com lesão de pele (Ulceração) * MANILA Cutânea - Neural - Mista * RABELO Indeterminada - Tuberculóide - Virchowiana * MADRI (VI CONGRESSO INTERNACIONAL DA LEPRA) - Indeterminada - Tuberculóide - Borderline - Virchowiana

4 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE CLASSIFICAÇÃO DA HANSENÍASE * RIDLEY / JOPLIN Tuberculóide Vicrchowiana Borderline ( BT BB BL) HNP (T e BT) * INDIANA ; Tuberculóide - Polineurítica - Maculoanestésica - Indeterminada * WHO ; 1988 ; PB ( 6 lesões ) * BRASIL ( MS - Portaria 817 : ) - PB ( < 5 lesões pele e/ou um tronco nervoso) - MB ( > 5 mais de um tronco nervoso) # Baciloscopia positiva = MB

5 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE DIAGNÓSTICO DA HANSENÍASE 1-Hipopigmentação e/ou infiltração da pele; 2- Alterações sensitivas; 3- Espessamento neural; 4- Presença do Micobacterium leprae na pele e/ou nervo # Dois dos três primeiros sinais ou o quarto devem estar presentes para o diagnóstico# Brycesson & Pfaltzgraff, 1990 (Modifiaado )

6 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE CASOS CLÍNICOS

7 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE CASOS CLÍNICOS

8 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE HANSENÍASE NEURAL PURA CONCEITO Hanseníase neural pura pode ser definida como uma infecção crônica causada pelo Mycobacterium leprae caracterizada pela perda sensitiva em área correspondente a um nervo espessado, com ou sem comprometimento motor, na ausência de lesão de pele. Noordeen SK, 1972 (Modificado)

9 ACOMENTIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE HANSENÍASE NEURAL PURA DIAGNÓSTICO * ANAMNESE * EXAME DERMATO-NEUROLÓGICO * INVESTIGAÇÃO COMPLEMENTAR Pesquisa de BAAR Teste cutãneo (Reação de Mitsuda + Teste da histamina) * SOROLOGIA (Pesquisa do Anti-PGL-1; ML Flow) * ELETROFISIOLÓGICOS Enmg, Latências tardias, Potenciais evocados * BIÓPSIA DE PELE / NERVO * BIOLOGIA MOLECULAR (PCR)

10 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA Origem dos pacientes: Serviço de Doenças Neuromusculares – HC UFPr. Centro de Saúde Dona Libânia (Secretaria de Saúde do Estado do Ceará) Protocolo pré-determinado Anamnese Exame dermato-neurológico Rotina laboratorial simples Pesquisa de BAAR Eletroneuromiográfica Biópsia de nervo Histopatologia Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) (Técnica de Woods & Cole ) Cunha, Scola e Werneck, 2003

11 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA - 58 Pacientes Masc 41 (70,1%) Fem 17 (29,9%) - Idade média 45,0 anos (15 a 77 anos) - Tempo de doença 2,3 anos (0,4 meses a 8 anos) - Classificação Ridley-Jopling (1966) Borderline-Tuberculóide 40 (69%) Tuberculóide Polar 18 (31%) Cunha, Scola e Werneck, 2003

12 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

13 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

14 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA ELETROFISIOLOGIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

15 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA ELETROFISIOLOGIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

16 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA ELETROFISIOLOGIA Nervo ulnar com bloqueio de condução e dispersão temporal Nervo radial superficial com amplitudes reduzidas Cunha, Scola e Werneck, 2003

17 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA BIÓPSIAS DE NERVOS Biópsia nervo suralBiópsia nervo ulnar com epineurotomia Cunha, Scola e Werneck, 2003

18 Distribuição dos nervos biopsiados na hanseníase neural pura HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA BIÓPSIAS DE NERVOS Cunha, Scola e Werneck, 2003

19 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA HISTOPATOLOGIA Nervo normal-HE Granuloma-HE Granuloma com necrose caseosa Tricromo-Gomori Reação inflamatória inespecífica Hematoxilina-Eosina Célula de Virchow com BAAR – Fite Cunha, Scola e Werneck, 2003

20 HANSENÍASE NEURAL PURA HISTOPATOLOGIA CORRELAÇÃO HISTOPATOLÓGICA PELE E NERVO NIELSEN (1989) Três padrões (n = 44 casos) Pele e Nervo positivos - 63,6% Pele negativo e Nervo positivo - 31,8% Pele e Nervo negativos – 4,5% DIVERSOS AUTORES (Antia et al, 1970; Antia & Pandya, 1976; Srinivasan et al, 1982; Negesse, 1988) Alta carga bacilar (BI > 2) nos nervos sem correspendência lesões pele

21 **Χ 2 Qui-quadrado com correção de Yates.> 0,05. HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA HISTOPATOLOGIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

22 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA EXTRAÇÃO E AMPLIFICAÇÃO DNA Desnaturação inicial 2º C – 1:30 min Aquecimento até 80 º C / 1:30 min Enzima Taq DNA-polimerase Desnaturação:92 º C / 1:30 min Anelamento:55º C / 2:30 min Extensão:72º C / 2:00 min 44 ciclos Extensão final:72º C / 7:00 min Eletroforese em gel de poliacrilamida Revelação e Fixação Cunha, Scola e Werneck, 2003

23 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE 372 Placa de gel poliacrilamida revelada com visualizção das bandas de DNA com 372 pb Cunha, Scola e Werneck, 2003

24 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA HISTOPATOOGIA E REAÇÃO DA POLIMERASE EM CADEIA Cunha, Scola e Werneck, 2003

25 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPARATIVO DADOS CLÍNICOS, HISTOPATOLOGIA E PCR Cunha, Scola e Werneck, 2003

26 HANSENÍASE NEURAL PURA NOVAS TÉCNICAS ELETROFISIOLOGIA * Os principais nervos comprometidos são o ulnar, fibular, tibial posterior e sural. * O padrão é de neuropatia sensitivo-motora múltipla, mista (desmielinizante e axonal) com dispersão temporal e bloqueio de condução * Os exame eletrofisiológicos podem fornecer informações importantes para o diagnóstico e manejo clínico / círúrgico da neurites hansênicas.

27 HANSENÍASE NEURAL PURA NOVAS TÉCNICAS HISTOPATOLOGIA * Os critérios usados para classificação atual da hanseníase, tendo por base lesões de pele, não refletem as lesões de nervo * Biópsias de nervo com IB 1 podem ser classificados como Paucibacilares e IB 2 Multibacilares (Nilsen e cols., 1989)

28 HANSENÍASE NEURAL PURA RELATO DE EXPERIÊNCIA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE * A positividade da Reação em cadeia da polimerase é indicativo da presença do Mycobacterium leprae no nervo. * A reação em cadeia da polimerase é um método útil para detectar o Mycobacterium leprae no nervo com histopatológia negativa na hanseníase neural pura.

29 HANSENÍASE NEURAL PURA ALGORITMO

30 HANSENÍASE NEURAL PURA DIAGNÓSTICO DA HANSENÍASE 1-Hipopigmentação e/ou infiltração da pele; 2- Alterações sensitivas; 3- Espessamento neural; 4- Presença do Micobacterium leprae na pele e/ou nervo # Dois dos três primeiros sinais ou o quarto devem estar presentes para o diagnóstico# Brycesson & Pfaltzgraff, 1990 (Modifiaado )


Carregar ppt "NOVAS TÉCNICAS NO DIAGNÓSTICO DO ACOMETIMENTO NEUROLÓGICO NA HANSENÍASE 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE HANSENOLOGIA RIBEIRÃO PRETO JULHO - 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google