A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Envolvimento Renal na Hanseníase Renato A. Caires Marcia F. A. Oliveira NEFROLOGIA HCFMUSP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Envolvimento Renal na Hanseníase Renato A. Caires Marcia F. A. Oliveira NEFROLOGIA HCFMUSP."— Transcrição da apresentação:

1 Envolvimento Renal na Hanseníase Renato A. Caires Marcia F. A. Oliveira NEFROLOGIA HCFMUSP

2 Hanseníase Doença granulomatosa causada pelo Mycobacterium leprae, com tropismo pela pele e sistema nervoso periférico, transmitida pelas vias aéreas superiores pelo contato interhumano. Distribuição de manifestação clíniva espectral, a depender de fatores genéticos do hospedeiro e fatores ambientais e de exposição.

3 Imunologia da Hanseníase A micobactéria tem baixa infectividade, o que permite uma resposta efetiva contra o agente na maior parte dos casos. A resposta inata e a mediada por células monta uma resposta contra o agente (formação de granuloma) que contém a infecção, enquanto a resposta humoral não tem esta capacidade.

4 Imunologia da Hanseníase A resposta inata se faz por meio de receptores do tipo toll like receptor (TLR). O TLR-2 estimula a diferenciação de macrófagos e a produção de IL-12, com ativação de células T. Diferenciação de células Th1 com produção de IFN-γ, que juntamente com o TNF-α são responsáveis pela formação do granuloma.

5 Imunologia da Hanseníase A resposta imune adaptativa pode ser humoral ou celular. Os linfócitos auxiliares (CD4/Thelper) direcionam a resposta para Th1 ou Th2. Os pacientes da forma tuberculoide apresentam predomínio da resposta celular ou Th1, limitando a doença à pele e alguns nervos específicos. Há predomínio de IFN e IL-2, com ativação de macrófagos. Os pacientes da forma virchowiana não formam granuloma. Há predomínio de IL-4, 5 e 10, com supressão de IL-12 e proliferação de CD8.

6 Hanseníase e Acometimento Renal Quadro clínico variável: desde quadros assintomáticos à síndrome nefrótica franca. Geralmente ocorrem alterações urinárias assintomáticas como hematúria microscópica e proteinúria não-nefrótica. Hipertensão é bastante raro, hematúria macroscópica é virtualmente ausente.

7 Imunologia da Hanseníase Pacientes com resposta adequada à hanseníase têm expressão de TLR-2 com aumento das células de Langerhans. Defeitos da transcrição (NF-kB) também polarizam a resposta para Th2. Relação CD4/CD8 é menor nas formas virchowianas, uma vez que CD8 suprimem a resposta celular mediada por células T.

8

9

10 Hanseníase e Acometimento Renal Pacientes do espectro virchowiano têm quadro mais grave, com mais proteinúria, hematúria e síndrome nefrótica. Tendem a ter função renal pior. Eritema nodoso hansênico: reação inflamatória sistêmica relacionada à deposição de imunocomplexos, com ativação de complemento e predomínio de resposta Th2. Acompanha-se de toxicidade sistêmica e é tratado com corticoides ou talidomida. O eritema nodoso hansênico está relacionado a quadros renais mais graves.

11

12

13 A mortalidade dos pacientes com hanseníase decorre de infecção em 37% dos casos, insuficiência renal em 23% e de doença cardiovascular em 22% A quantidade de bacilos, a presença de amiloidose e as infecções predispõem a pior desfecho.

14 Hanseníase e Lesão Renal

15 Hanseníase e Amiloidose Renal Ocorre em 2 a 55% dos casos. Causa proteinúria nefrótica com evolução para insuficiência renal, em pacientes multibacilares. 61% têm eritema nodoso hansênico. Infecção prolongada, úlceras tróficas e osteomielite crônica predispõem a este quadro. Os surtos de eritema nodoso produzem proteína amiloide AA.

16 Hanseníase e Nefrite Intersticial 11% dos casos Mecanismo imunológico, inclusive com formação de anticorpos anti-rifampicina. Causa distúrbios da acidificação tubular e da concentração urinária.

17 Hanseníase e Glomerulonefrite Deposição de imunocomplexos, inclusive com queda de complemento. Infecção, drogas ou ação de células T podem justificar os casos em que não há deposição de imunocomplexos. Ainda que o organismo esteja presente, ele não causa dano no parênquima renal per se.

18 Hanseníase e Glomerulonefrite O padrão mais comum é a proliferativa mesangial, seguida pela proliferativa endocapilar, membrano- proliferativa e membranosa. Formas crescênticas e esclerosante crônica são muito raras. Imunofluorescência com depósitos de IgG, IgM e C3 no mesãngio e nas paredes capilares. A microscopia eletrônica evidencia depósitos imunes no mesângio e no subendotélio, além de aumento de matriz extracelular, proliferação mesangial, fusão de podócitos e duplicidade da membrana basal.

19 Padrões confundem com: - proliferativa; - pós-infecciosa; - crescêntica


Carregar ppt "Envolvimento Renal na Hanseníase Renato A. Caires Marcia F. A. Oliveira NEFROLOGIA HCFMUSP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google