A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

® Daniela Coutinho. São concebidas para serem utilizadas em segurança.. Máquinas perigosas : - De furar - De corte - Talho (ex: serras, rebarbadoras,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "® Daniela Coutinho. São concebidas para serem utilizadas em segurança.. Máquinas perigosas : - De furar - De corte - Talho (ex: serras, rebarbadoras,"— Transcrição da apresentação:

1 ® Daniela Coutinho

2

3 São concebidas para serem utilizadas em segurança.. Máquinas perigosas : - De furar - De corte - Talho (ex: serras, rebarbadoras, guilhotinas, etc.) - Manuais (martelos, limas, chaves de fendas, serras, tesouras, etc.) - De soldar (a gás ou eléctricas) - De vibração (conduzem a muitos riscos nomeadamente lesões neurológicas, musculares e osteoarticulares) ® Daniela Coutinho

4 Máquinas de furar PERIGOS -Por quebra de partes da máquina, que se destacam e são projectadas. PREVENÇÃO -Proceder ao acerto correcto das peças; - Fixar ou retiraras peças apenas com a máquina parada; - Usar roupas justas, para evitar ficar preso à máquina; - Usar óculos de protecção e protectores auditivos; - Segurar as máquinas de furar com as duas mãos. ® Daniela Coutinho

5 Máquinas de corte PERIGOS - Cortes graves ou peças projectadas; - Estilhaçamento de lâminas/discos. PREVENÇÃO -Confirmar que as máquinas têm certificado de garantia e de conformidade com as lâminas/discos; - Assegurar-se se a velocidade da máquina é compatível com as lâminas/discos; - Proteger as lâminas/discos até serem necessários para trabalhar; - Não aproximar demasiado as mãos; - Mudar as lâminas/discos defeituosos ou danificados; - Utilizar óculos de protecção; - Utilizar protectores auditivos no caso de trabalhar com máquinas ruidosas. -Arrumar e limpar as zonas de trabalho, a fim de evitar o risco de tropeçar; ® Daniela Coutinho

6 Ferramentas Manuais PERIGOS - Cortes; - Esmagamento. PREVENÇÃO - As ferramentas devem estar arrumadas em locais adequados; - Substituir as ferramentas danificadas; - Utilizar sacos próprios para as ferramentas, em vez de as transportar nos bolsos. ® Daniela Coutinho

7

8 Podem afectar o corpo inteiro ou apenas parte dele (Ex: mãos e braços. A vibração de todo o corpo ocorre quando há uma vibração dos pés (posição em pé) ou do assento (posição sentada). O funcionamento de máquinas, veículos e a manipulação de ferramentas produzem vibrações que são transmitidas ao organismo, mas de forma diferente, consoante a parte do corpo. ® Daniela Coutinho

9

10 RUÍDO É: Todo o som que causa sensação desagradável ao homem. - Mede-se com um medidor de pressão sonora – Sonómetro; - Unidade utilizada é o decibel (dB); - É desaconselhável que o ruído existente no local de trabalho ultrapasse os 70/80 dB; - A exposição prolongada a um nível de ruído equivalente a 80 dB ou superior é considerada como perigosa. Neste caso devem ser fornecidos ao trabalhador protectores auditivos; - Actividades profissionais mais ruidosas: indústria têxtil, da madeira, metalomecância e extractiva; - Provoca muitos danos, desde o risco de perda de audição até ao de diminuição do rendimento de trabalho. ® Daniela Coutinho

11 ESCALA DO RUÍDO ® Daniela Coutinho

12 DOENÇAS PROFISSIONAIS: Surdez profissional Fadiga auditiva O RISCO DE SURDEZ É TANTO MAIOR, QUANTO MAIOR FOR A EXPOSIÇÃO DIÁRIA AO RUÍDO, AGRAVANDO-SE COM OS ANOS DE EXPOSIÇÃO. ® Daniela Coutinho

13 MEDIDAS PREVENTIVAS: Usar protectores auditivos; Fazer a revisão das máquinas e equipamentos, para reajustar apertos dos seus componentes; Tapar as partes ruidosas das máquinas. ® Daniela Coutinho

14

15 A passagem da corrente eléctrica pelo corpo humano pode produzir queimaduras graves, morte por asfixia ou, ainda, paragem cardíaca. Acidente com electricidade que seja mortal. Electrocussão: Todos os tipos de acidentes eléctricos resultantes do contacto com a corrente eléctrica. Electrização: ® Daniela Coutinho

16 - Não realizar trabalhos de electricidade se não se tiver a qualificação/habilitação necessária para tal; - Manter uma distância segura relativamente aos fios eléctricos; - Usar sempre equipamentos e meios de protecção individual certificados; - Nos locais molhados ou metálicos, usar sempre aparelhos eléctricos portáteis de tensão inferior a 24 volts e protegidos durante a sua utilização por disjuntores diferenciais; - Os cabos de alimentação devem ter isolamento e estar em bom estado de conservação; - Inspecções periódicas por uma pessoa qualificada às ligações e verificar se se encontram em bom estado de funcionamento; - Desligar os aparelhos eléctricos após a sua utilização; - Desligar as máquinas da corrente eléctrica sempre que se proceda à sua limpeza, regulação ou manutenção; Medidas de Prevenção do Risco Eléctrico ® Daniela Coutinho

17

18 É uma das condições importantes nos locais de trabalho para um bom rendimento de trabalho… -Não deve ser nem de grande nem de pequena intensidade, mas sim adequada ao tipo de actividade; -Deve estar adaptada à idade dos trabalhadores; -Uma iluminação adequada tem de ter em atenção: a limitação do encadeamento; a distribuição conveniente das lâmpadas; a harmonia da cor da luz com as cores predominantes do local; -Se estas características não forem tidas em conta, pode originar fadiga visual, que se manifesta por dores de cabeça, contracções musculares faciais e postura incorrecta. Iluminação Artificial ® Daniela Coutinho

19

20 UM INCÊNDIO É: É um fenómeno que envolve reacções químicas fortemente exotérmicas (ocorrem com libertação de calor) entre uma substância combustível e um comburente. ® Daniela Coutinho

21 PARA OCORRER UM INCÊNDIO É NECESSÁRIO QUE SE REÚNAM 3 FACTORES O combustível (substância que arde) Ex: Substância sólida, líquida ou gasosa. O comburente (alimenta a combustão) Ar (contém cerca de 21% de oxigénio). A energia de activação (fonte de calor) Ex: cigarros, faíscas, Sol, etc. Combustível Energia de activação Comburente ® Daniela Coutinho

22 Métodos de Extinção do FOGO Ao colocarmos água num incêndio, estamos a retirar o componente calor, baixando a temperatura. Ao abafarmos um incêndio, retiramos o componente oxigénio. Ao isolarmos a secção a arder, abrimos um caminho para que o fogo não passe. ® Daniela Coutinho

23 CLASSES DE FOGOS Os fogos possuem características diferentes consoante a sua origem e o material que está a sofrer a combustão. É importante o seu conhecimento, uma vez que cada tipo de fogo é extinto com um tipo diferente de extintor. ® Daniela Coutinho

24 CLASSES DE FOGOS Fogos que resultem da combustão de materiais sólidos, geralmente de natureza orgânica, como por exemplo, madeira, papel, tecidos, carvão, os quais dão normalmente origem a formação de brasas. A – FOGOS DE SÓLIDOS (Também chamados Fogos Secos) ® Daniela Coutinho

25 CLASSES DE FOGOS Fogos que resultem da combustão de líquidos ou sólidos liquidificáveis como, por exemplo, álcool, verniz, gasolina, gasóleo, cera, pomada, plástico, etc. B – FOGOS DE LÍQUIDOS ® Daniela Coutinho

26 CLASSES DE FOGOS Fogos que resultem da combustão de gases como, por exemplo, hidrogénio, butano, propano, acetileno, etc. C – FOGOS DE GASES ® Daniela Coutinho

27 CLASSES DE FOGOS Incêndios especiais que resultam da combustão de metais, por exemplo, metais em pó (alumínio, cálcio, titânio), potássio, magnésio, sódio, urânio, etc. D – FOGOS DE METAIS ® Daniela Coutinho

28 MEDIDAS DE PRIMEIRA INTERVENÇÃO: Bocas de incêndios Extintores MEDIDAS DE SEGUNDA INTERVENÇÃO: Ex: bombeiros MEIOS DE EXTINÇÃO DE INCÊNDIOS ® Daniela Coutinho

29 MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Actuação sobre o combustível. Actuação sobre a energia de activação (calor). Actuação sobre o comburente (oxigénio). ® Daniela Coutinho

30 MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Armazenar os produtos inflamáveis em locais adequados; Proibição de fumar e de utilizar utensílios susceptíveis de gerar chamas ou faíscas; Não misturar substâncias químicas cuja reacção se desconheça; Bom sistema de detecção, extinção e alarme; Existência de extintores (obrigatório por lei); Os extintores têm de estar em bom estado de conservação e a sua manutenção tem de ser executada regularmente por um técnico especializado; Conhecimento dos vários tipos de fogos e respectivo meio de combate em cada um. ® Daniela Coutinho

31

32 SE A TEMPERATURA DO LOCAL DE TRABALHO SE AGRAVA PARA UM DOS EXTREMOS – FRIO OU CALOR – O CORPO HUMANO REAGE DE FORMA DESFAVORÁVEL OU ATÉ PERIGOSA. A temperatura é um ponto que deve merecer o maior cuidado, quando se procuram criar as condições ambientais adequadas para o trabalho. Há temperaturas que nos dão uma sensação de conforto, enquanto outras tornam-se desagradáveis e até prejudiciais à saúde. ® Daniela Coutinho

33 A) TEMPERATURAS MUITO ALTAS EFEITOS DA TEMPERATURA SOBRE O HOMEM NOCIVIDADEMEDIDAS DE PROTECÇÃO Aumento de sudação (suor)Vestuário adequado Desequilíbrio mineral e hídrico Alimentação que compense a perda de água e sal Diminuição da produtividadeDiminuir as horas de trabalho Aumento da temperatura corporalAumentar as pausas ® Daniela Coutinho

34 B) TEMPERATURAS MUITO BAIXAS EFEITOS DA TEMPERATURA SOBRE O HOMEM NOCIVIDADEMEDIDAS DE PROTECÇÃO Reduz a capacidade motoraVestuário adequado Diminui a sensibilidade táctil Aquecimento em intervalos regulares Torna os movimentos mais lentos Alimentação rica em calorias e gorduras ® Daniela Coutinho

35 AMBIENTES QUENTES - Utilização de ventilação geral e climatização. - Limitação do tempo de exposição. - Utilização de equipamento de protecção individual. AMBIENTES FRIOS - Fornecer calor às áreas frias. - Limitação do tempo de exposição. - Utilização de equipamentos de protecção individual. COMO CONTROLAR O AMBIENTE TÉRMICO? ® Daniela Coutinho

36

37 Todos os dias estamos expostos a diferentes tipos de substâncias químicas, tanto em casa como no trabalho. É o perigo a que determinado indivíduo está exposto ao manipular produtos químicos que podem causar-lhe danos físicos (Ex: irritação na pele e olhos, queimaduras leves) ou prejudicar-lhe a saúde (Ex: doenças respiratórias crónicas). Risco Químico: ® Daniela Coutinho

38 VIAS DE ENTRADA NO ORGANISMO Por inalação Por ingestão Por contacto com a pele e os olhos TIPOS DE LESÕES Dermatoses Silicose Asma Pneumonias Bronquite Câncro Úlceras ® Daniela Coutinho

39 REGRAS DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL -Uso de máscaras e luvas; -Conhecimento das regras e símbolos de segurança; -Ler sempre os rótulos; -Verificar o prazo de validade; -Saber como actuar em caso de acidente; ® Daniela Coutinho

40 ROTULAGEM - SÍMBOLOS DE RISCO A rotulagem por intermédio de símbolos e textos de avisos, é um importante meio de prevenção de acidentes. Os rótulos ou etiquetas aplicados sobre uma embalagem devem conter no seu texto as informações necessárias para que o produto ali contido seja tratado com toda a segurança possível. É perigoso reutilizar o frasco de um produto rotulado para guardar qualquer outro, ou mesmo colocar outra etiqueta sobre a original. Isto pode causar acidentes. Quando encontrar uma embalagem sem rótulo, não tente adivinhar o que está no seu interior. Se não houver possibilidade de identificação, descarte o produto. Inflamável Tóxicos CorrosivoOxidante Nocivo/ Irritante Explosivo ® Daniela Coutinho


Carregar ppt "® Daniela Coutinho. São concebidas para serem utilizadas em segurança.. Máquinas perigosas : - De furar - De corte - Talho (ex: serras, rebarbadoras,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google