A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series October 21, 2010 Malária/HIV Interacções: Actualização Clínica Paula Brentlinger, MD, MPH.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series October 21, 2010 Malária/HIV Interacções: Actualização Clínica Paula Brentlinger, MD, MPH."— Transcrição da apresentação:

1 Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series October 21, 2010 Malária/HIV Interacções: Actualização Clínica Paula Brentlinger, MD, MPH

2 Malária/HIV Interacções: Actualização Clínica Paula E. Brentlinger, MD, MPH Dept. of Global Health University of Washington Outubro 2010

3 Temas do dia Associação entre Malaria e HIV Prevenção Diagnóstico Tratamento

4 Sobreposicao Geografica (Fonte dos mapas: OMS, 2008 )

5 Incidencia de SIDA e Malaria (1) Uganda: (French et al, 2001) CD4 Casos de Malaria/1000 pa >= <200140

6 Incidencia de SIDA e Malaria (2) Uganda (Whitworth et al 2000): % pacientes com malária sintomática, segundo CD4: CD4 % com malária Casos/100pa >=5000.8% % 9.5 <=1994.2% 20.6 ( Lancet 2000; 356: )

7 HIV e gravidade da Malaria (1) (Grimwade, 2004) HIV+HIV- Insuficiencia Renal27%15% Coma16% 8% Anemia severa14%11% Convulsões 3% 1% Edema pulmonar 4% 1% Acidose15% 6% Ictericia 9% 1%

8 HIV e gravidade da Malaria(2) (Chalwe et al, 2009)

9 Malária e carga viral de HIV (1) Malawi (Kublin et al 2005): 77 adultos, HIV+, sem evidencia de infecção de Plasmodium ao inicio do estudo, seguidos prospectivamente. Mudança de carga viral de HIV (medians) perante e 8-9 semanas após a infecção aguda de malaria: Linha de base 96,215 Perante o episodio de malaria:168,901 Após resolução do episodio de Malária: 82,058

10 Malária e carga viral de HIV(2) Van Geertruyden et al 2006: Promedio carga viral HIV-1, log 10 copias de RNA: No recrutamento (malária aguda): dias e 45 dias após tratamento efectivo : Redução de 0.1 log (não-significativo)

11 Malária e contagem de CD4 Van Geertruyden et al (2006, op.cit.) Pacientes HIV positivos infectados com malária aguda em Zambia: CD4% CD4<200 Linha de base (malária) dias após Tx dias após Tx

12 Modelo Matemático Abu-Raddad et al 2006 (baseado nas estimações de aumento de carga viral de Kublin et al): Kisumu (Kenya), pop. 200,000, : 8500 infecções de HIV adicionais causadas por aumentos de CV relacioanadas com malária 980,000 casos adicionais de malária causados por aumento da incidencia de malaria em HIV

13 O caso especial de Malária na Gravidez

14 Transmissão Vertical de HIV e Malaria Placentaria (1) (Brahmbhatt 2008)

15 Transmissão Vertical de HIV e Malaria Placentaria(2) Naniche, 2008

16 Conclusões & Recomendações(1) A incidencia e gravidade da Malária aumentam em presença de infecção com HIV. Se os seus pacientes HIV positivos estão expostos a malária, você deve ter um plano especifico para prevençâo, diagnóstico, e tratamento da co-infecção de malária na sua população de pacientes.

17 Prevenção de Malária

18 Prevenção de Malária em HIV: ITNs, CTZ Incidência de Malária (casos/100 pessoa- ano), crianças HIV+, Uganda (Kamya et al, 2007): No CTZ, no ITN: CTZ+, ITN ITN+, CTZ CTZ+, ITN+ 3.4

19 Prevenção de Malária em HIV: Intervenções Combinadas (Mermin, 2006)

20 Prevenção de Malária na Gravidez: CTZ ou IPTp? (Newman et al. 2009)

21

22 Prevenção de Malária na Gravidez: ITN ou IPTp? (Menendez et al 2010)

23 Conclusões &Recomendações(2) Medidas efectivas para prevenir malária estão disponiveis para crianças infectadas com HIV, mulheres grávidas e adultos. A combinação de redes impregnadas e profilaxia com cotrimoxazol (ou IPTp) parece ser mais efectiva que qualquer intervenção sozinha. Nas mulheres grávidas, profilaxia com cotrimoxazol pode ser equivalente ou até superior a IPTp.

24 Aspectos Clínicos (1): Diagnóstico – Sindrómico ou Etiológico?

25 IMAI Atenção aguda, 2005

26 Malária Testes Rápidos (Mills et al 2010)

27 Prevalência de Malária em pacientes HIV+ com febre (Mills et al 2010, op. cit.)

28 Diagnóstico Diferencial, Febre (Anglaret, 2002)

29 Malária e.... (OCallaghan-Gordo et al 2011)

30 Diagnóstico Diferencial : Anemia (Lewis, 2005)

31 Conclusões &Recomendações(3) O Diagnóstico sindrómico deve-se salientar. Asegurar disponibilidade e qualidade da microscopia ou testes rápidos para os seus pacientes. Anticipe co-morbilidade! Parasitemia de Malária pode coexistir com outras causas de morbilidade (e mortalidade); um teste positivo de malária não exclúe a realização da avaliação COMPLETA por parte do clínico para identificar outras causas concomitantes dos sinais e sintomas do paciente.

32 Aspectos Clínicos(2): Tratamento Resposta ao tratamento no HIV Selecção de medicamento (and quandaries) Tratamento de soporte

33 HIV e resposta ao tratamento de Malária (Shah, 2006)

34 HIV e Respostas Hematológica a Malária (Van Geertruyden 2009)

35 Interacções Medicamentosas (1): NNRTIs vs Antimalaricos, (www.hiv- druginteractions.org)

36 Interacções Medicamentosas(2): PIs vs. Antimaláricos Antimaláricos com interacções conhecidas ou suspeitas com inhibidores da proteasa: –Artemisinins, Atovaquone, Chloroquine, Mefloquine, Pentamidine, Proguanil, Pyrimethamine, Quinine, Sulfadoxine- pyrimethamine, Halofantrine, Lumefantrine. Antimaláricos conhecidos seguros se são coadministrados com qualquer PI: Nenhum Fonte:

37 Interacções Medicamentosas(2(3): TB (Sousa et al [review] 2008) Interacções entre Rifampicina e medicamentos antimaláricos: Quinina+rifampicina: demostrado 5-vezes mais fracaso do tratamento antimalarico Rifampicina+mefloquine, artemisinina, lumefantrina, amodiaquina: Risco teórico de redução da eficacia do antimalárico

38 Malária e hipoglicemia (Willcox et al 2010)

39 Conclusões &Recomendações(4) Assim como nos pacientes não infectados pelo HIV, diagnóstico cedo e o inicio do tratamento são críticos. Alerta com as interacções medicamentosas que incluem antimaláricos e ARVs, medicamentos para TB, e outras drogas. Consulte para se manter actualizado. Consulte o seu Programa Nacional de Malária e o Programa de HIV para conselho em relação á escolha do medicamento.www.hiv-druginteractions.org

40 Conclusões &Recomendações(4) Em todos os casos: PRESCRIBA O ANTIMALÁRICO MAIS EFECTIVO DISPONIVEL PARA VOCÊ. PROPORCIONE CUIDADO DE SOPORTE ADECUADO (PARA CONVULSÕES, ANEMIA, HIPOGLICEMIA, ETC.) PROCURE CUIDADOSAMENTE CO- MORBILIDADES. MONITOREAR RESPOSTA AO TRATAMENTO.

41 Perguntas? E alguns casos pequenos se haver tempo.

42 Thanks, gracias, agradecimentos! Em Seattle: Mark Micek, Chris Behrens, Jim Kublin, Paul Thottingal, and the Seattle Malaria Group Em Moçambique: O Programa Nacional de Control da Malaria, a Iniciativa Presidencial de Malaria, José Vallejo, Pilar Martínez, Mónica Negrete, María Ruano, Florindo Mudender Em Uganda: Ian Crozier, Marcia Weaver

43 Thank you! Listserv:

44 Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series Proxima sessao: 28 Outubro Oral Health for Primary Care Providers Leo Achembong, BDS, MPH Candidate


Carregar ppt "Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series October 21, 2010 Malária/HIV Interacções: Actualização Clínica Paula Brentlinger, MD, MPH."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google