A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SERRA DO MAR SIGNIFICADO, GEOLOGIA, GEOTECNIA E OCUPAÇÃO Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SERRA DO MAR SIGNIFICADO, GEOLOGIA, GEOTECNIA E OCUPAÇÃO Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos"— Transcrição da apresentação:

1 SERRA DO MAR SIGNIFICADO, GEOLOGIA, GEOTECNIA E OCUPAÇÃO Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos

2 A SERRA DO MAR É UMA BENÇÃO DOS DEUSES, UMA ESPLENDOROSA FLORESTA TROPICAL À BEIRA DAS MAIORES CONCENTRAÇÕES INDUSTRIAIS E URBANAS DO PAÍS. DEVE NOS CAUSAR, A TODOS, ÊXTASE, ADORAÇÃO, DESLUMBRAMENTOS. NUNCA MEDO OU TERROR. ARS

3

4 SERRA DO MAR. SERRA E MAR

5

6

7 Rodriguezia venusta

8 SERRA DO MAR: DEFINIÇÃO Escarpa montanhosa da borda oriental do Planalto Atlântico, acompanhando as direções geográficas e estruturais SW/NE do litoral sudeste brasileiro, com desnível médio de metros em largura média de 10 quilômetros, estendendo-se por cerca de quilômetros do estado do Rio de Janeiro ao estado de Santa Catarina.

9

10

11 IMPORTÂNCIA AMBIENTAL DA SERRA DO MAR Maior corredor biológico contínuo da Mata Atlântica no país Riquíssima em belezas naturais e biodiversidade vegetal e animal Regulação climática Proteção das encostas contra erosão e escorregamentos Alimentação e abrigo de importantíssimos e numerosos mananciais de água doce Incrivelmente próxima das maiores concentrações urbanas do país

12 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA SERRA DO MAR Separa os maiores portos de importação e exportação da região mais industrializada e mais populosa do país Transposta por uma densa rede de ligações rodoviárias e ferroviárias, oleodutos, gasodutos, linhas de transmissão Instalações urbanas, industriais e energéticas importantíssimas em seu sopé e em seu topo

13 CLIMA TROPICAL ÚMIDO

14 FLORESTA OMBRÓFILA DENSA grande diversidade florística grande endemismo de espécies árvores maiores atingindo até 25 a 30 metros de altura corpo florestal denso com copas contíguas ambiente interno sombreado, abafado e úmido espessa serapilheira (manto de restos vegetais que recobre o solo) interior florestal rico em samambaias, lianas e epífitas como bromélias e orquídeas enraizamento superficial e subsuperficial intenso e denso

15 O INCRÍVEL PAPEL DA FLORESTA NA ESTABILIDADE DAS ENCOSTAS

16 A vegetação natural da Serra do Mar (Floresta Atlântica de Encostas - Floresta Ombrófila Densa) constitui-se no único, e espetacular, fator externo inibidor dos escorregamentos e de todas as formas de movimentação superficial dos terrenos, cumprindo esse papel através dos seguintes atributos: · impede a ação direta das gotas de chuva no solo através das copas e da serapilheira; · impede a ação erosiva do run-off através de raízes superficiais e da serapilheira; · retém por molhamento de todo o edifício arbóreo e da serapilheira parte da água da chuva que chegaria ao solo; · dilui no tempo o acesso das chuvas ao solo; · retira por absorção, e devolve à atmosfera por evapo-transpiração, parte da água infiltrada no solo;. agrega, coesiona e retém os solos superficiais através de uma formidável malha superficial e sub-superficial de raízes. O PAPEL DA FLORESTA NA ESTABILIDADE DAS ENCOSTAS

17

18 SERRA DO MAR ORIGEM GEOLÓGICA

19 A atual escarpa da Serra do Mar é resultado da erosão regressiva de uma Proto-Serra do Mar resultante da reativação paleocênica (65 milhões de anos) da Falha de Santos, então a cerca de 50 quilômetros a leste da atual linha de litoral. Essa reativação tectônica provocou o soerguimento do bloco ocidental dessa falha e abatimento de seu bloco oriental.

20

21 SERRA DO MAR MECANISMOS DA EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA

22 A regressão da Proto-Serra do Mar até a posição atual da escarpa da Serra do Mar (~ 50 Km) foi promovida por processos de dissecamento erosivo. Esses processos erosivos, entre os quais se destacam os escorregamentos mobilizadores de grandes volumes de solos e rochas, ocorreram especialmente nos períodos de resfriamento do planeta, quando então a floresta úmida entrava em processo de fenecimento e expunha os horizontes de solo superficial à ação direta dos agentes climáticos. Desde o último domínio completo da Mata Atlântica, com predomínio dos parâmetros climáticos atuais, os processos mais ativos da Dinâmica Externa que esculpiu a Serra do Mar estão significativamente contidos.

23 Do ponto de vista fenomenológico hoje há um fundamentado conhecimento sobre o ONDE, o COMO, e o QUANDO ocorrem os principais tipos de movimentos de massa nas encostas da Serra. OS GRANDES AVANÇOS NO ENTENDIMENTO DO COMPORTAMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA SERRA DO MAR

24 TIPOS DE MOVIMENTOS DE MASSA NA SERRA DO MAR

25 Os ESCORREGAMENTOS PLANARES (ou TRANSLACIONAIS RASOS), por sua grande área de distribuição e pela alta frequência de ocorrência, são os movimentos de massa mais significativos da Serra do Mar e que inspiram o maior cuidado dos empreendimentos humanos. Sua presença ou seus sinais pretéritos indicam as áreas da Serra já naturalmente mais instáveis.

26

27

28 ESCORREGAMENTO PLANAR RASO

29

30

31

32

33

34

35

36 CORRIDA DE LAMA E DETRITOS

37

38

39 Mont Serrat – Santos. Escorregamento 1614

40 COLAPSO EM SAPROLITO – ESCORREGAMENTO DA GROTA FUNDA – EST. DE FERRO SANTOS-JUNDIAÍ

41

42

43

44

45 COLASO EM SAPROLITO FRATURADO

46 O SALDO TECNOLÓGICO DAS OBRAS VIÁRIAS NA SERRA

47

48

49

50

51

52

53

54 DO PONTO DE VISTA DE OBRAS VIÁRIAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES A RODOVIA DOS IMIGRANTES IMPLANTOU UM NOVO PARADIGMA TECNOLÓGICO NA RELAÇÃO COM A SERRA DO MAR: A DECISÃO DE INTERFERIR O MENOS QUANTO POSSÍVEL NAS ENCOSTAS FOI VIABILIZADA POR UMA CONCEPÇÃO DE PROJETO QUE PRIVELIGIOU TÚNEIS E VIADUTOS

55

56

57 HOJE OS AVANÇOS URBANOS EM DIREÇÃO ÀS ENCOSTAS, COMUNS EM PRATICAMENTE TODOS OS MUNICÍPIOS LITORÂNEOS DO SUL E DO SUDESTE BRASILEIROS, REPRESENTAM AS PRINCIPAIS AMEAÇAS DE INSTALAÇÃO DE SITUAÇÕES DE RISCO HUMANO E AMBIENTAL NO ÂMBITO DA SERRA DO MAR.

58 CUBATÃO SP

59 BAIRROS COTA - CUBATÃO

60 SANTOS E SÃO VICENTE

61 GUARUJÁ SP

62 SÃO SEBASTIÃO E ILHA BELA SP

63 CARAGUATATUBA SP

64 UBATUBA SP

65 ANGRA DOS REIS RJ

66 PETRÓPOLIS RJ

67 NOVA FRIBURGO RJ

68 ITAJAÍ SC

69

70

71

72

73

74

75

76 O contínuo avanço para as cotas mais altas e íngremes – Cota 200

77

78 Vazamento em mangueira de adução de água saturando o terreno

79 Roças de banana e mandioca facilitam a infiltração de água

80 Esgotos lançados diretamente nas drenagens - Fabril

81

82

83

84

85

86 Cota máxima limite para ocupação urbana: Cota 100 Abaixo da Cota 100: Carta Geotécnica e Códigos de Obras específicos. Ocupações urbanas já instaladas acima da cota 100: Cartas de Risco - congelamento, remoção, consolidação, Regulamento Técnico Ocupações já instaladas abaixo da cota 100: Cartas de Risco – remoção, consolidação, Regulamento Técnico Declividade máxima para ocupação: 36% = 20º Proibição radical de cortes Proibição de instalação de fossas de infiltração e lixões Sistemas de drenagem superficial e saneamento à prova de vazamentos. JÁ FIXANDO ALGUMAS PREMISSAS

87 "A Carta Geotécnica traz informações sobre todas feições geológicas e geomorfológicas de uma determinada região quanto ao seu comportamento frente a um determinado tipo de ocupação. É essencialmente um instrumento de planejamento do uso do solo. As mais comuns são as CGs orientadas à ocupação urbana. Definem as zonas que não podem ser ocupadas de forma alguma e aquelas que podem ser ocupadas uma vez obedecidos os critérios técnicos estipulados pela Cara. A Carta de Riscos delimita em uma área ou região as zonas ou os compartimentos submetidos a um determinado tipo de risco (por exemplo, escorregamentos) frente a um determinado tipo de ocupação (por exemplo, urbana), definindo os diferentes graus de risco e as providências necessárias associadas a cada um desses graus. Geralmente é realizada para uma situação já com problemas detectados ou acontecidos e é mais comumente um instrumento de ações de Defesa Civil e/ou reorganização da ocupação. CARTA GEOTÉCNICA E CARTA DE RISCOS

88 A ESSENCIALIDADE DA CARTA GEOTÉCNICA

89

90 ZONEAMENTO DE RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO COTA 200

91 CLASSIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE GRAUS DE RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCN ICO GRAU DE RISCOSIGNIFICADO BAIXO (R1)Nas condições atuais não há risco evidente de acidentes geotécnicos ou hidráulicos localizados. Não exige intervenções específicas de estabilização geotécnica, além das recomendações de caráter geral. Recomendações: - melhoria do sistema de impermeabilização e drenagem superficial, urbanização e adoção do Regulamento Técnico - pode sofrer algum adensamento de moradias condicionado a liberação técnica oficial - remoção para situações localizadas ou caso fora dos limites da Área Desafetada MÉDIO (R2)Nas condições atuais há risco de acidentes geotécnicos ou hidráulicos de pequeno e médio portes. Exige intervenções de estabilização leves. Recomendações: - implantação de medidas de estabilização geotécnica indicadas, melhoria do sistema de impermeabilização e drenagem superficial, urbanização e adoção do Regulamento Técnico Código de Obras - pode sofrer algum adensamento de moradias condicionado a liberação técnica oficial - remoção para situações localizadas ou caso fora dos limites da Área Desafetada. ALTO (R3)Nas condições atuais há riscos de acidentes geotécnicos ou hidráulicos graves. Exige intervenções de estabilização geotécnica de pequeno e médio portes. Recomendações: - implantação de medidas de estabilização geotécnica indicadas, melhoria do sistema de impermeabilização e drenagem superficial, urbanização e adoção do Regulamento Técnico - não deve sofrer adensamento de moradias. - remoção para situações indicadas no projeto ou caso fora dos limites da Área Desafetada ou por avaliação custo-benefício. MUITO ALTO (R4)Nas condições atuais há riscos de acidentes geotécnicos ou hidráulicos graves. Recomendação: - remoção de todas as edificações existentes, recuperação florestal da área remanescente e eventuais serviços de estabilização geotécnica.

92 ADEQUAR OS PROJETOS À NATUREZA AO INVÉS DE ADEQUAR A NATUREZA AOS PROJETOS

93

94

95

96

97 A QUESTÃO SOCIAL ENVOLVIDA VARIÁVEIS COM QUE A POPULAÇÃO POBRE JOGA PARA PODER TER SUA CASA PRÓPRIA DENTRO DE SUA FAIXA ORÇAMENTÁRIA: PERICULOSIDADE INSALUBRIDADE DISTÂNCIA IRREGULARIDADE

98 SERRA DO MAR Imponente e deslumbrante escarpa De duras rochas maciça És mistério, és esfinge És uma Deusa impondo Temor, pasmo e cobiça. Com teus flancos me espantas Com tuas águas me convidas Com teu verde me fascinas Com teus barros me intimidas. Teu colo sensual Tua pele aveludada São-me acenos de amante Ou engodos de cilada? Talvez seja esse o teu capricho, Por temer a humana orgia Nega-te como pouso de chegada Já transformando em odisséia Ua mera travessia. Álvaro fev 2004

99 FIM


Carregar ppt "SERRA DO MAR SIGNIFICADO, GEOLOGIA, GEOTECNIA E OCUPAÇÃO Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google