A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula Expositiva – 03 fisiologia celular junção neuromuscular fisiologia muscular Disciplina: Fisiologia Humana Ano: 2009 Curso: Terapia Ocupacional Professor.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula Expositiva – 03 fisiologia celular junção neuromuscular fisiologia muscular Disciplina: Fisiologia Humana Ano: 2009 Curso: Terapia Ocupacional Professor."— Transcrição da apresentação:

1 Aula Expositiva – 03 fisiologia celular junção neuromuscular fisiologia muscular Disciplina: Fisiologia Humana Ano: 2009 Curso: Terapia Ocupacional Professor convidado: Aírton Martins da Costa Lopes

2 Tecidos Excitáveis  Células excitáveis: São aquelas caracterizadas pela gênese e propagação de impulsos bioelétricos através da membrana em repouso em resposta a algum estímulo. Neurônios transmitem impulsos dentro do sistema nervoso. Músculos contraem em resposta a um estímulo nervoso.

3 Células Excitáveis

4 Neurônios  Unidade estrutural e funcional (sinalizadora) do Sistema Nervoso.  Função integradora: direcionamento das funções.  S.N.P = Feixes neuronais fora da coluna vertebral e do crânio.  S.N.C = Tratos neuronais dentro da coluna vertebral e do crânio.

5

6 Potencial de ação neural   Os sinais neurais são transmitidos por potenciais de ação, que são rápidas variações do potencial de membrana.  Ocorre através de estímulos elétricos, mecânicos e químicos.

7 Base iônica do P.A PRA PRR

8 Propagação do P.A na fibra nervosa

9 Condução do P.A

10 Transmissão de sinais nervosos  Fibras mielínicas: calibrosas, condução saltatória = menor gasto de energia. Velocidade: 100 m/s.  Fibras amielínicas: delgadas, condução lenta. Velocidade: 0,25 m/s.

11

12 Sinapses do S.N.C  Transmite as informações do S.N.C, através de potenciais de ação nervosos (impulsos nervosos).  Ocorre por uma sucessão de neurônios, um após o outro.

13 Sinapses do S.N.C

14 Funções sinápticas dos neurônios Pode ser bloqueado na sua transmissão de um neurônio para o próximo. Pode ser alterado de um impulso único para impulsos repetitivos. Pode ser integrado a impulsos de outros neurônios.

15 Tipos de Sinapses Sinapses elétricas:  Poucas encontradas no S.N.C.  São canais abertos diretos que conduzem a eletricidade da célula para a próxima.  Junções comunicantes: Permitem o livre movimento de íons do interior de uma célula para o interior da próxima.  Transmitem sinais para qualquer direção.

16

17 Tipos de sinapses Sinapses químicas:  Quase todas sinapses do S.N.C.  Utiliza neurotransmissores contidos nas vesículas sinápticas para transmissão do impulso nervoso.  Condução em uma direção: pré pós sináptico.

18 Sinapse química

19

20 Relação estímulo - resposta SOMAÇÃO ESPACIAL :  Vários estímulos de diferentes terminações pré- sinápticas chegam simultaneamente ao neurônio pós-sináptico. SOMAÇÃO TEMPORAL:  Descargas de uma mesma terminação pré- sináptica são gerados em rápida sucessão.

21 Neurotransmissores Dois tipos:  Ação rápida moléculas pequenas.  Ação lenta neuropeptídeos maiores. Ação rápida Acetilcolina: - Córtex motor; - Gânglios da base; - Pré-ganglionares do SNA; - Pós-ganglionares do parassimpático; - Excitatório na maioria dos casos; - Inibitório no coração pelo Vago.

22 Neurotransmissores Ação rápida Norepinefrina: - Tronco cerebral e hipotálamo; - Atividade global e estado de ânimo; - Predominantemente excitatória. Dopamina: - Substância negra; - Inibitório.

23 Neurotransmissores Ação rápida Glicina: - Medula espinhal; - Inibitório. Glutamato: - Vias sensoriais e córtex; - Excitatório.

24 Neurotransmissores Ação Rápida GABA: - Medula, cerebelo, gânglios da base, córtex; - Inibitório. Serotonina: - Núcleos da rafe do tronco; - Inibidora da via da dor, controle humor, sono.

25 Neurotransmissores Ação rápida Óxido nítrico: - Comportamento e memória; - Não é armazenado em vesículas; - Alteração metabólica no pós- sináptico.

26 Neurotransmissores Ação longa Neuropeptídeos: - Síntese protéica no RER; - Golgi: quebra e embalagem; - Fluxo axônico; - Produção e transporte lentos; - Menores quantidades no pré-sináptico.

27 Sistema Muscular Anatomia fisiológica do músculo esquelético

28 Sarcolema = membrana celular da fibra muscular Projeta longos processos digitiformes – túbulos T – para o sarcoplasma da fibra muscular. Miofibrilas = filamentos de actina e miosina 1 miofibrila = 1500 filamentos de actina e 3000 de miosina. Responsáveis pela contração muscular Faixas I = faixas claras Faixas A = faixas escuras Projeções miosinas = pontes cruzadas

29 Anatomia fisiológica do músculo esquelético Disco Z = une as miofibrilas em toda extensão da fibra muscular (transversamente). Fixação filamentos de actina. Sarcoplasma = “citoplasma” da fibra muscular. Retículo Sarcoplamático = importante para contração muscular.

30

31 Contração Muscular Potencial de ação na fibra muscular com liberação de cálcio Potencial de membrana: -80 a -90 mV Duração cinco vezes mais prolongada que nas fibras nervosas Velocidade de condução menor

32 Excitação das fibras pelos nervos Fibras nervosas mielinizadas Junção neuromuscular: - 98% uma por fibra; - próxima ao centro da fibra muscular. - próxima ao centro da fibra muscular.

33 Propagação do potencial para o interior da fibra Sistema de túbulos transversos

34 Transmissão Neuromuscular  Junção neuromuscular (placa motora): junção entre terminação nervosa e a fibra muscular;  Goteira sináptica: invaginação da membrana;  Fenda sináptica: espaço entre terminação e fibra;  Vesículas sinápticas: acetilcolina.

35

36

37 Secreção de Acetilcolina

38 Formação e liberação da Acetilcolina  vesículas são formadas no aparelho de Golgi no corpo celular do motoneurônio da medula e transportadas até a junção;  acetilcolina é sintetizada no citosol das terminações nervosas e armazenada nas vesículas;  potencial de ação promove abertura de canais de cálcio e provocam exocitose das vesículas de acetilcolina;  acetilcolina é degradada em acetato e colina e esta é reabsorvida.

39 Miastenia Grave  Doença auto-imune = receptores de acetilcolina Músculos esqueléticos fracos; Se cansam facilmente; Paralisia muscular Tratamento: anticolinesterásicos (neostigmina, fisostigmina) Músculos esqueléticos fracos; Se cansam facilmente; Paralisia muscular Tratamento: anticolinesterásicos (neostigmina, fisostigmina)

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50 Tetania Incompleta  Se ocorre um aumento contínuo dos PAs, o relaxamento entre as contrações diminui até que as fibras musculares alcancem um estado de contração máxima.

51 Tetania Completa  A taxa de estímulos é mais rápida o suficiente para que não tenha tempo da fibra muscular relaxar.  A fibra alcança tensão máxima e permanece nesse ponto.


Carregar ppt "Aula Expositiva – 03 fisiologia celular junção neuromuscular fisiologia muscular Disciplina: Fisiologia Humana Ano: 2009 Curso: Terapia Ocupacional Professor."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google