A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VACINAÇÃO NA AVICULTURA DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VACINAÇÃO NA AVICULTURA DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França."— Transcrição da apresentação:

1 VACINAÇÃO NA AVICULTURA DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França

2 História Natural e Ecologia das doenças, ou seja, Epidemiologia

3 Doença Newcastle Fase da Criação PinteiroRecriaProdução Doença respiratória Mortalidade elevada Ooforite queda de produção atrofia oviduto Mycoplasma Gallisepticum Espirros DCR Salpingite queda de produção casca depreciada (+/-) E.coli Bronquite Infecciosa Raro Espirros urolitíase CorizaRaroEdema facial Toxemia ooforite queda de produção EDS 76Assintomática Salpingite queda de produção / casca depreciada MarekImunodepressão Perda de pernas (paralisia) Tumor BoubaRaroVaríolaRaro GumboroImunodepressãoMortalidade Imunodepressão

4 Princípios e Fundamentos Para melhor elaborar um programa de prevenção é oportuno conhecer alguns princípios e fundamentos de patogenia das doenças:

5 1.Doenças dependem da resistência dos animais (vacinações), mas dependem da quantidade e virulência dos agentes de doenças. 2.A maioria dos agentes de doença chega na granja por pessoas, aves silvestres, equipamentos e aves de outras granjas.

6 3. São importantes mas reduzidas as transmissões ovarianas (M. gallisep- ticum), via ovo (salmonelloses) ou por contaminação em incubatórios (Aspergilose). 4. Transmissão pelo ar é ainda mais reduzida, exceção às áreas de alta densidade avícola.

7 5. A resistência dos agentes fora das aves varia desde horas ou dias (H. galinarum – M. gallisepticum) até semanas (Vírus da D. de Marek e D. New-Castle) ou meses (Gumboro, Eimérias e Ectoparasitas). 6. Existe resistência especial nas linhagens comerciais, sem muito efeito prático e restrito à Leucose Linfóide e D. de Marek.

8 7. Pele, mucosas e secreções, compõem a resistência geral que pode se romper por estresses, toxinas, deficiências nutricionais, poeira e mesmo doenças. 8. Anticorpos conferem imunidade específica mas só aparecem 4 a 5 dias após infecção ou vacina e atingem o máximo 21 a 25 dias depois, entre eles;

9 - Anticorpos Humorais – Anticorpos do sangue circulante (IgG) e são medidos nos testes sorológicos. - Anticorpos Tissulares – São encontrados nos tecidos (IgA) ou locais de infecção.

10 9. As aves têm sistema de “memória”, por isso a produção de anticorpos é agilizada no segundo contato com doença ou vacinação. Esta capacidade de produzir anticorpos é destruída por infecções na Bolsa de Fabricius (Vírus de Gumboro e D. de Marek). 10. Os agentes de doenças podem modificar sua patogenia e resistência como vem ocorrendo com a “Marek Tardia” e alguns ectoparasitas resistentes.

11 Indústria avícola moderna: • alta competitividade • diminuição dos custos, sem redução da qualidade • vacinação eficaz - muito importante

12 VIAS DE VACINAÇÃO Em incubatórios: • Vacinação “in ovo” • Vacinação subcutânea • Vacinação por spray Em galpões: • Vacinação via água de bebida • Vacinação via ocular • Vacinação por spray • Vacinação intramuscular (avós e matrizes) • Vacinação na membrana da asa (avós e matrizes)

13 Independente da via de vacinação algumas recomendações devem ser seguidas: • Testes sorológicos: grau de imunização do lote (anticorpos maternos) • Adequado manejo de estocagem e administração da vacina e diluentes vacinais • Consumir toda vacina no prazo máximo de 2horas • Certificar-se de que o maior número de aves possível foi vacinado • Utilizar mão de obra treinada

14 VACINAÇÃO EM INCUBATÓRIOS

15 Vacinação “in ovo” (Marek, Bouba Aviária, Gumboro, NewCastle) (Marek, Bouba Aviária, Gumboro, Bronquite infecciosa BRF) • Realizada no momento da transferência • Vacinação de toda a bandeja de incubação ao mesmo tempo • Método bastante eficiente: vacinação de 100% das aves • Realização da transferência e vacinação na mesma ocasião • Alto custo de instalação

16

17

18 Vacinação subcutânea (Marek, Bouba Aviária, Gumboro, Encefalomielite Aviária) • Método mais utilizado • Consiste em vacinar os pintos, um a um, na região do pescoço • Pode haver falha de vacinação de até 3% do lote. • O diluidor de vacina geralmente possui pigmentante, permitindo que os pintos vacinados fiquem marcados

19

20

21

22

23 Vacinação por spray (Bronquite infecciosa, Coccidiose) • Vacinação realizada ao final das atividades da sala de pintos • separar o lote que será vacinado dos outros existentes na sala de pintos, evitando contaminação de lotes que não sejam vacinados • A vacina é aspergida sobre cada caixa de transporte

24

25

26 VACINAÇÃO DOS LOTES EM GALPÕES

27 Via água de bebida (Gumboro, New Castle, Bronquite, Encefalomielite) • É o método mais utilizado por ser o mais prático e rápido • A eficiência desta via de vacinação dependerá do tempo de jejum hídrico e do estímulo para que as aves bebam água

28 Requer alguns cuidados especiais como: • Jejum hídrico de no mínimo 2 horas • Lavagem dos bebedouros (caso sejam pendulares ou copo de pressão) • Esgotamento da água dos bebedouros • Realização da vacinação nos horários mais frescos do dia • Andar entre o lote para estimular as aves a beber água • Consumo de toda solução vacinal entre 2 a 2,5 horas

29 Fatores que afetam a vacinação via água Resposta da ave: • Imunocompetência • Consumo de água • Níveis de anticorpos maternos • Ordem social • Doenças intercorrentes

30 Fatores que afetam a vacinação via água Vacina: • Estabilidade do vírus na água • Disseminação do vírus vacinal • Imunogenicidade da vacina • Tempo de vacinação • Concentração do vírus na solução vacinal

31 Fatores que afetam a vacinação via água Administração: • Disponibilidade da solução vacinal • Tempo de jejum hídrico • Qualidade da água • Espaço e tipo de bebedouro • Método de distribuição

32 Solução para os problemas de vacinação via água Problema Consequência Solução Tempo prolongado A estabilidade da vacina Drenar a água até que a solução é colocada em risco. residual do sistema, vacinal seja Parte das aves vão preenchendo as disponibilizada para saciar a sede com tubulações com água todas as aves água sem vacina com água sob pressão Excesso de água Atraso na distribuição Carregar o sistema residual na da vacina com solução vacinal, tubulação utilizando o Hi-light, enquanto se drena a água residual

33 Solução para os problemas de vacinação via água Problema Consequência Solução A solução vacinal é consumida em menos de 1h após o início da vacinação Presença de ar nas tubulações Aplicação desuniforme da vacina Predominância de aves dominantes no acesso ao bebedouros Quantidade elevada de aves não vacinadas Vacinação desuniforme do lote Atraso na distribuição da vacina Aumentar o volume de solução vacinal Reduzir o período de jejum hídrico Levar as linhas de bebedouros durante o jejum hídrico

34 Solução para os problemas de vacinação via água Problema Consequência Solução A solução vacinal não é totalmente consumida após 2h do inicio da vacinação Espaço insuficiente nos bebedouros Subdosagem da vacina Desuniformidade na resposta imunológica Maior competição entre as aves pelo acesso à água Muitas aves não vacinadas Diminuir a dosagem da solução vacinal Estimular a sede das aves, aumentando o período de jejum hídrico Aumentar a sede das aves Disponibilizar novos equipamentos ou redimensionar os utilizados atualmente

35 Existem produtos utilizados para colorir a água, possibilitando uma estimativa de eficiência de vacinação

36 Estimativa de eficiência da vacinação

37

38 Vacinação via ocular (New Castle, Gumboro, Bronquite) • Método bastante eficiente • Consiste em pingar gotas de vacina diretamente nos olhos das aves • Exige treinamento e prática para não causar danos às aves • Pouco utilizada para frangos de corte pois requer tempo e mão de obra • Utilização mais frequente em avós e matrizes

39 Vacinação via spray (Bronquite Aviária, Encefalomielite Aviária) • Consiste em aspergir a solução vacinal sobre todo o lote • Utilização dos bicos aspersores existentes no galpão • Em galpões onde não existem bicos aspersores a solução vacinal pode ser aplicada utilizando-se uma bomba costal

40 Ao utilizar esta via de vacinação devemos ficar atentos para alguns detalhes como: • Esgotar toda água da tubulação – evitar o contato da vacina com água clorada • Fechar as cortinas do galpão – evitando que a vacina seja levada com o vento

41

42 Vacinação intra-muscular (Gumboro, Bronquite, New Castle, Reovírus, Rinotraqueíte) • Método utilizado exclusivamente para avós e matrizes • Consiste em aplicar a vacina, com seringa, no peito das aves • Requer treinamento pra evitar danos às aves • Associação de vacina para várias doenças • Vacinas aplicadas são oleosas

43 Vacinação Membrana da asa (Reovírus, Bouba, Encefalomielite, Anemia) • Método utilizado exclusivamente para avós e matrizes • Consiste em perfurar a membrana da asa com uma agulha que foi submersa na solução vacinal • Requer treinamento pra evitar danos às aves • Associação de vacina para várias doenças

44 Programa de vacinação sugerido para Frangos de Corte Idade (dias)Tipo de vacinaAdministração 0 (18,5 dias de incubação) Marek Gumboro (1ª dose) Bouba In Ovo 1Marek Gumboro Bouba Bronquite Injeção Subcutânea Spray 7-10New Castle Bouba Gumboro (2ª dose) Água de bebida 12BronquiteSpray 18-20Gumboro (3ª dose)Água de bebida

45 IdadeDoençaVia de aplicação 0 diaMarek, Bouba Coccidiose Subcutânea Spray 14 diasGumboro, Bronquite, New Castle Ocular 6 semanasGumboro, Bronquite New Castle Ocular 8 semanasReovírus, Bouba, Anemia, Encefalomielite Membrana da asa 10 semanasGumboro, Bronquite New Castle Oral 11 semanasRinotraqueíteSpray 12 semanasE. ColiSubcutânea 15 semanasGumboro, Bronquite New Castle Oral 19 semanasE. ColiSubcutânea 20 semanasGumb., Bronq., N.Castle, Reovírus, Rinotraqueíte Intra-muscular Programa de vacinação sugerido para Matrizes Pesadas

46 Idade Doença Via de aplicação 1 dia Bouba Subcutânea Pneumovírus/Rinotraqueíte Spray 15 dias Enterite hemorrágica Água de bebida por adenovírus Programa de vacinação sugerido para perus

47 Tipos de Vacinas As vantagens das vacinas vivas, em relação às inativadas, são:

48 •Permitem uma aplicação em massa; •Produzem imunidade local (IgA); •Podem ser administradas por várias vias: ocular, oral...; •Em geral são mais baratas que as inativadas; •Requerem menor manipulação das aves; •Menor necessidade de mão-de-obra;

49 As desvantagens das vacinas vivas são:

50 •Poder provocar doenças, se usadas inadequadamente; •Disseminar a doença aos plantéis susceptíveis; •A resposta humoral é menor, comparada com as inativadas.

51 Escolha de Cepas

52 Proteção local, sistêmica e tissular Baixa duração + Proteção sistemática e tissular Aumenta a intensidade e duração VIAS DE APLICAÇÃO: Para escolher a via de aplicação, devemos partir do princípio de que:  Cepa viva Aplicação oral ou naso ocular simula infecção natural Aplicação parenteral simula septicemia  Cepa inativada aplicação parenteral simula septicemia Cepas vivas Cepas inativadas

53 DoençaProteção desejadaAlternativas de aplicação Newcastle Bronquite Coriza EDS – 76 Bouba Marek Gumboro Local (IgA) Sistêmica (IgM e IgG) Tissular (celular) Local Sistemática Tissular Sistêmica e tissular Local e tissular - oral / naso ocular - parenteral Parenteral / bacterina  Não temos cepas atenuadas para uso oro-naso-ocular Exceto exposição controlada Parenteral (sempre) oro/naso/ocular MODELOS:

54 DOENÇA DE MAREK Idade de vacinaçãoMínimoMáximo 1 diaHVT 1 doseHVT + SB1 ou HVT + Rispens

55 BOUBA AVIÁRIA Idade de vacinação MínimoMáximo 1 diaSuave 4-6 semanasSuave ou ForteForte semanas--Forte

56 NEWCASTLE – BRONQUITE INFECCIOSA Idade de vacinaçãoMínimoMáximo 7 dias--H-120 / B1 2 semanasH-120 / B1H-120 / B1 ou LaSota 4 semanasH-120 / B1 ou LaSotaH-120 / LaSota 8 semanasH52 ou H120 / B1 ou LaSotaH120 ou H52 / LaSota 12 semanas--H120 / LaSota 15 semanasOleosa dupla ND + BIG ou tríplice ND + BIG + EDS – 76 oleosa dupla ou tríplice 30 semanas--H-120 / LaSota ou B1 45 semanas--H-120 / LaSota ou B1

57 GUMBORO Idade de vacinaçãoMínimoMáximo 1 dia--Suave 7 dias (1 semana)Intermediária 15 dias (2 semanas)--Intermediária 21 dias (3 semanas)IntermediáriaIntermediária ou forte 7-8 semanas--Intermediária ou forte

58 CORIZA IdadeMínimoMáximo 4-5 semanasHidróxido de Alumínio semanasOleosa 30 semanas--Oleosa


Carregar ppt "VACINAÇÃO NA AVICULTURA DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google