A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Qualidade da Assistência, Informação e Segurança do Paciente – Iniciativas Internacionais e Brasileiras Claudia Travassos ICICT/FIOCRUZ Seminário: ATS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Qualidade da Assistência, Informação e Segurança do Paciente – Iniciativas Internacionais e Brasileiras Claudia Travassos ICICT/FIOCRUZ Seminário: ATS."— Transcrição da apresentação:

1 Qualidade da Assistência, Informação e Segurança do Paciente – Iniciativas Internacionais e Brasileiras Claudia Travassos ICICT/FIOCRUZ Seminário: ATS e Qualificação dos Prestadores para a Qualidade na Assistência à Saúde 15 a 16 de julho de 2009, Rio de Janeiro

2 Resumo da Apresentação Linha do tempo – Qualidade Estados Unidos Brasil O recente destaque à dimensão Segurança do Paciente Relevância Efetividade e segurança Erro nas instituições de saúde Taxonomia Segurança do paciente em hospitais no Brasil

3 Linha do Tempo Auditoria Médica (Revisão de Casos) Garantia de Qualidade Qualidade Total Gestão Melhoria dos processos Segurança do Paciente 1960s1970s1980s 1990s 2000s OTA (1972)– Congresso dos EUA (eliminado em 1995) Primeiras publicações de Avedis Dinabedian Variações na prática médica – Wennberg AHCPR (1989) atual AHRQ – responsável pela pesquisa em serviços de saúde do Governo dos EUA Rand corporation – estudos sobre inadequação procedimentos médicos AHCPR (AHRQ) lança programa para desenvolver diretrizes clínicas baseadas em evidências. Colaboração Cochrane - Revisões Sistemáticas (1992 – Oxford - Inglaterra) Publicado o livro Errar é Humano - IOM - EUA Criada a “Aliança para a Seguridade do Paciente” na OMS, 2004 Lei da Efetividade Comparada do senado dos EUA (2009) 1,1 Bilhões de dólares pesquisa Nos Serviços 1950s Criação Joint Commission EUA Canadá Acreditação Hospitalar

4 Linha do Tempo Auditoria Médica (Revisão de Casos) Garantia de Qualidade Qualidade Total Gestão Melhoria dos processos Segurança do Paciente 1960s 1970s1980s 1990s 2000s Auditoria Médica (fraude e adesão às normas de certificação) Normas para licenciamento de Unidades de Saúde; Normas federais para controle de infecção; Normas e padrões de prática estabelecidas por Sociedades Médicas Noronha & Pereira, Journal of Quality Improvement, 1998 Criada a Comissão Nacional de Qualidade e Produtividade em Saúde (1994) no contexto do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade Diretrizes da Estratégia de Garantia de Qualidade Indicadores de resultados Estabelecimento de um Programa Nacional de Acreditação Ênfase na Qualidade Total e Melhoria Contínua da Qualidade Estabelecimento de Diretrizes Clínicas por Sociedades Médicas Controle comunitário Noronha & Pereira, Journal of Quality Improvement, 1998 REFORSUS - infraestrutura Acreditaçao Qualisus – SAMU Programa Humanização Hospitais Sentinela - ANVISA _ segurança de produtos e fomento ao uso racional de medicamentos-180 hospitais Adesão do MS às iniciativas da Aliança “Higienização das Mãos” e “Cirurgia Segura Salva Vidas” PROQUALIS Nos Serviços 1950s Acreditação Hospitalar

5 - - Aprimoramento das Práticas de Saúde Liderança Acompanhamento da produção do conhecimento científico e da informação técnico-científica Liderança Difusão no Portal PROQUALIS Seleção de conteúdos, processamento editorial e validação por especialistas

6 Segurança do Paciente Redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano desnecessário ao paciente associado ao cuidado de saúde. Dano associado ao cuidado de saúde: –dano surgido por ou associado a planos ou ações realizadas durante o cuidado de saúde ao invés de a uma doença de base ou lesão. –O uso do termo desnecessário é um reconhecimento de que erros, violações, abuso ao paciente e atos deliberadamente inseguros ocorrem no cuidado de saúde e são incidentes desnecessários, enquanto certas formas de dano, como uma incisão para laparotomia, são necessárias.

7 Dano Dano da estrutura ou função corporal e/ou qualquer efeito deletério dele oriundo. Inclui doença, dano ou lesão, sofrimento, incapacidade ou disfunção [disability] e óbito, e pode ser físico, social ou psicológico.

8 Qualidade Cuidado de boa qualidade é aquele que proporciona ao paciente o máximo e mais completo bem estar, após ter sido considerado o equilíbrio previsto entre ganhos (benefícios) e perdas (danos) que acompanham o processo de cuidado, em toda a sua extensão. Avedis Donabedian,

9 Efetividade vs Segurança Cuidado inseguro impacta negativamente a efetividade dos cuidados de saúde Conhecer e melhorar a segurança das tecnologias diagnósticas e terapêuticas é importante, mas o cuidado seguro depende também de um ambiente seguro.

10 Sumário Executivo To Err is Human, IOM, nov “ O conhecido reporter de saúde do Boston Globe, Betsy Lehman, morreu de uma overdose durante tratamento quimioterápico. Willie King teve a perna errada amputada. Ben Kolb tinha apenas 8 anos de idade quando faleceu durante uma cirurgia eletiva em decorrência de troca nos medicamentos prescritos” Esses casos eram apenas a ponta de um iceberg. Estudos à época estimavam que no mínimo estadunidenses morriam por ano em decorrência do cuidado em saúde.

11

12 A complexidade do cuidado médico na atualidade ultrapassou em muito a capacidade de qualquer profissional de administrá-lo por si só. 13,600 Diagnósticos 4,000 Procedimentos diagnósticos e terapêuticos Cerca de 6,000 medicamentos

13 James Reason - Teoria do Erro Professor de Psicologia da Universidade de Manchester, Inglaterra Definição Operacional de Erro (...) ocasiões em que uma seqüência traçada (planejada) de atividades mentais ou físicas falha em alcançar o resultado esperado, quando essas falhas não podem ser atribuídas à intervenção do acaso”. (1) Duas espécies de falhas: Falha na execução (lapso e deslize) Falha no planejamento (engano)

14

15 Incidente Evento ou circunstância que poderia ter resultado, ou resultou, em dano desnecessário ao paciente.

16 Incidentes e Erros –Incidentes podem ser oriundos de atos intencionais ou não-intencionais. –Erros são, por definição, não-intencionais Risco: probabilidade de um incidente ocorrer

17 Incidente C ircunstância Notificáv el Near Miss Incidente sem dano Incidente com dano Não aconteceu o incidente, mas um evento com expressivo potencial para dano ao paciente Incidente que não atingiu o paciente Incidente que atingiu o paciente, mas não causou dano Incidente que atingiu o paciente e causou dano (Eventos adversos)

18 Estratégias para detecção de Eventos Adversos Estratégias para detecção de Eventos Adversos Jha J Am Med Inf Assoc 1998;5:305 O'Neil Ann Int Med 1993;119:370 Métodos Eventos Adversos por 1000 internações Notificação de incidentes 5 Avaliação retrospectiva de prontuários 30 Notificação volutária estimulada 30 Alertas automáticos 55 Revisão diária de prontuários 85 Alertas automáticos e revisão diária de prontuários 130

19 Incidência de Pacientes com Evento Adverso em Hospitais EstudosIncidênciaEvitabilidade Austrália % Nova Zelândia % Inglaterra % Canadá % França % Espanha % Brasil (Rio de Janeiro)7.666,7% Metodologia baseada na revisão retrospectiva de prontuários médicos

20 OBRIGADA


Carregar ppt "Qualidade da Assistência, Informação e Segurança do Paciente – Iniciativas Internacionais e Brasileiras Claudia Travassos ICICT/FIOCRUZ Seminário: ATS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google