A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gregory Light Consórcio Brasileiro Ciência, Tecnologia, Ciências Humanas, Engenharia e Matemática (STHEM) 1 º Workshop: LORENA, BRASIL, 26‐30 de maio de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gregory Light Consórcio Brasileiro Ciência, Tecnologia, Ciências Humanas, Engenharia e Matemática (STHEM) 1 º Workshop: LORENA, BRASIL, 26‐30 de maio de."— Transcrição da apresentação:

1 Gregory Light Consórcio Brasileiro Ciência, Tecnologia, Ciências Humanas, Engenharia e Matemática (STHEM) 1 º Workshop: LORENA, BRASIL, 26‐30 de maio de 2014 Mudando o Ensino, Transformando a Aprendizagem Sessão I: Princípios de Design e Resultados de Aprendizagem

2 "O que eu não posso criar, Eu não compreendo." — Richard Feynman Físico ganhador do prêmio Nobel “O poder vem de nos arriscarmos na criação.”

3 Resultados de Aprendizagem Os participantes irão desenvolver: Analisar e avaliar seus cursos em termos de quadros concentuais-chave de ensino e aprendizagem Aplicar princípios de design para aprendizagem em sua prática docente Gerar um repertório de estratégias e práticas para: – construção de resultados de aprendizagem – concepção de métodos de aprendizagem ativos e – avaliar o aprendizado do aluno Projetar/redesenhar um curso ou parte de um curso

4 Visão geral Sessão I: Sessão I: Princípios de Design e Resultados de Aprendizagem Desafios Globais e Nacionais (Apresentação Interativa) Ensinar para Aprender: um Quadro (Apresentação Interativa) Construindo Resultados de Aprendizagem (Atividade) Sessão II: Sessão II: Aprendendo a Avaliar Avaliando a Aprendizagem do aluno (Discussão) Dimensões da Avaliação (Apresentação Interativa/Atividade) Alinhando a Avaliação (Atividade)

5 Visão geral Sessão I: Sessão I: Princípios de Design e Resultados de Aprendizagem Desafios Globais e Nacionais (Apresentação Interativa) Ensinar para Aprender: um Quadro (Apresentação Interativa) Construindo Resultados de Aprendizagem (Atividade) Sessão II: Sessão II: Aprendendo a Avaliar Avaliando a Aprendizagem do aluno (Discussão) Dimensões da Avaliação (Apresentação Interativa/Atividade) Alinhando a Avaliação (Atividade)

6 Apresentações Apresentem-se uns aos outros às mesas (nome, disciplina) QUEBRA-GELO Compartilhe o pior momento de ensino e aprendizagem (como estudante) Compartilhar Identificar Construir

7 Mudando o Ensino No contexto global e nacional

8 Por que mudar o ensino? Por que transformar a aprendizagem? Compartilhe com a mesa

9 Por que tranformar a aprendizagem? 15 Desafios Globais para a humanidade Desenvolvimento sustentável e mudança climática Água potável População e recursos Democratização Perspectivas a longo prazo Convergência global de TI Distância entre ricos e pobres Questões de saúdeCapacidade de decisão Paz e conflito Status da mulher Crime organizado transnacional Energia Ciência e Tecnologia Ética Global

10 E=MC 2 Televisão Livros Rádio Revistas Jornais InternetFacebookMySpace Wikipedia Blogs Apps Móveis Realidade Aumentada Twitter Explosion of Information YouTube Journals Simulações Por que transformar a aprendizagem? (2)

11 Lembrando informação Encontrar informação relevante Analisar, Avaliar, Informação Crítica e Criativa Empregando Informação Encontrar informação relevante Analisar, Avaliar, Informação Crítica e Criativa Empregando Informação A Natureza Modificativa da Educação Por que transformar a aprendizagem? (3)

12 Emprego Somente 4% dos empregadores entrevistados acreditavam que graduados há 2 anos compunham força de trabalho com excelentes habilidades de pensamento crítico; Somente 27% avaliaram graduados há 4 anos como excelentes. The Conference Board, Partnership for 21 st Century Skills (2006) Northwestern Business Review, 11/2/2011 Por que transformar a aprendizagem? (4)

13 Ensinar para Aprender: Um Quadro Conceitual Baseado em Pesquisa

14 Prática Reflexiva ou Melhor Prática?

15 Alinhando Ensino e Aprendizagem Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos Expert – Profissional-Pesquisa-Bolsa de estudo – Estudante Docentes Abordagens de ensino Estudante Abordagens de aprendizagem Design do Curso: Quadro de Ensino e Aprendizagem Light G., Cox, R. & Calkins S.(2009) Conceitos Primordiais

16 Alinhando Ensino e Aprendizagem Docentes Abordagens de ensino Light G., Cox, R. & Calkins S.(2009) Estudante Abordagens de aprendizagem Conceitos Primordiais Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos Expert – Profissional-Pesquisa-Bolsa de estudo – Estudante

17 Pesquisa: Pesquisa/ Bolsa de Estudo, Profissional O avanço da aprendizagem e conhecimento docente e de seus pares na vanguarda (Estudante) O avanço da aprendizagem e conhecimento docente e de seus pares na vanguarda (Instituição/Nação/Mundo) Ensino: Não-graduados Prática DocenteMeta/Objetivo (Light G. 2008, Light G., Cox R. & Calkins S. 2009) Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos

18 Contexto Acadêmico Rivalidade de aprendizagem Poder (e Ética) na Aprendizagem Ensino Professor como o Mestre Aprendiz na Disciplina Ambiente de Aprendizagem Aprendizagem profunda (‘de ponta’) Focada em problema Conectado aos pares Orientação rica Localizado na sociedade Direcionado pela pesquisa (“consulta”) Implicações do Design para o Ensino Light, Cox & Calkins 2009; Light & Micari (2013)

19 Pergunta De que forma a sua própria aprendizagem – como você aprende – está refletida em seu curso? Os seus alunos têm a oportunidade de ver como um mestre-aprendiz aprende – não apenas o que eles sabem, mas como eles sabem disso? Compartilhe com a mesa

20 Alinhando Ensino e Aprendizagem Docentes Abordagens de ensino Light G., Cox, R. & Calkins S.(2009) Estudante Abordagens de aprendizagem Conceitos Primordiais Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos Expert – Profissional-Pesquisa-Bolsa de estudo – Estudante

21 Conceitos “Primordiais” Transformador Integrador Perturbador Irreversível Meyer, J.H.F., Land, R. and Davies, P. (2006)

22 Exemplos de Conceitos Primordiais Natureza/Cultura no comportamento humano Autor como onisciente e narrador neutro A Natureza do Ensino Geológico ou Tempo Profundo Razão da Área de Superfície para o Volume na Nanociência

23 Compartilhe um exemplo de Conceito Primordial (ou maior) de um dos seus cursos. Compartilhe com a mesa

24 Alinhando Ensino e Aprendizagem Docentes Abordagens de ensino Light G., Cox, R. & Calkins S.(2009) Estudante Abordagens de aprendizagem Conceitos Primordiais Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos Expert – Profissional-Pesquisa-Bolsa de estudo – Estudante

25 Docentes: Docentes: Abordagens de Ensino (Light G., Cox R. & Calkins S. 2009; Prosser M. & Trigwell K 1999) TransmissãoAquisiçãoConstrutivo Foco Conteúdo-professorConteúdo-estudanteConteúdo-aprendizagem Objetivo do Ensino Transferir ou transmitir o conteúdo do curso Expor (e esperançosamente introjetar) aos alunos Tomar o conteúdo do curso fora e ‘dentro’ dos estudantes Ajudar estudantes a adquirir conteúdo do curso (ferramentas, conhecimento, habilidades) Compartilhar conteúdo do curso com estudantes Fazer com que os alunos reconstruam o conhecimento para si próprios Implicit assumption Ensino como um monólogo Unidimensional, limitado Ensino como instrução (ou explicação) Mão-única, linear Ensino como diálogo Troca e mudança conceitual de mão-dupla Relationship to learning Ensino é separado da aprendizagem Ensino causa aprendizagem Ensino é subproduto da aprendizagem

26 Melhorando o Ensino: Como os professores entendem Desenvolver estratégias de ensino através das quais os estudantes percebam como trabalhar Melhorar qualidade/quantidade de conteúdo Melhorar estrutura/organização de conteúdo Adquirir/aumentar experiência de ensino Expandir estratégias/dicas de ensino prático Modelo Foco no Aperfeiçoamento Transmissão: Melhorando o Ensino Construtivo: Melhorando a aprendizagem Aquisição (Transitória) Desenvolver formas de melhorar os resultados de aprendizagem dos alunos Transformar o entendimento pessoal da natureza do ensino para envolver os alunos na aprendizagem profunda (Calkins & Light, 2008)

27 Estudante: Estudante: Abordagens de Aprendizagem SuperfícieEstratégicaProfunda Objetivo Lidar com os requisitos do curso Atingir notas altas Entende por si mesmo ProcessoMemorizando fatos Estudando com pequena reflexão Tratando o curso como frações de conhecimento desconexas Sentindo pressão/preocupaçã o indevidas Colocando esforço consistente no estudo Gerenciando tempo Preparando o trabalho para perceber a preferência do professor Relacionando ideais a conhecimentos prévios Procurando por padrões/princípios subjacentes Empregando pensamento crítico e criativo Becoming actively engaged Superfíci e Estratégica Superfíci e Lidar com os requisitos do curso Atingir notas altas Memorizando fatos Estudando com pequena reflexão Tratando o curso como frações de conhecimento desconexas Sentindo pressão/preocupaç ão indevidas Colocando esforço consistente no estudo Gerenciando tempo Preparando o trabalho para perceber a preferência do professor Aprendizagem “de ponta” Entwistle, N. (2005)

28 A Aumentar o seu conhecimento B Memorização REPRODUZINDO C Aplicação de Fatos e Procedimento D Compreendendo E Vendo algo de uma forma diferente TRANSFORMANDO F Mudando como pessoa Concepções Discentes de Aprendizagem ( Marton, F. (1993)

29 Quais são os maiores obstáculos/desafios para a busca de abordagens de ensino que promovam aprendizagem profunda no seu curso? Compartilhe com a mesa

30 Docentes Abordagens de ensino Light G., Cox, R. & Calkins S.(2009) Estudante Abordagens de aprendizagem Conceitos Primordiais Aprendizagem em Ambientes Acadêmicos Expert – Profissional-Pesquisa-Bolsa de estudo – Estudante Alinhando Ensino e Aprendizagem (Design do Curso)

31 Sobre ensino que prevê aprendizagem As 4 perguntas básicas do ensino. 1. Quais resultados de aprendizagem queremos que nossos alunos alcancem, (intelectuais, sociais, práticos e pessoais) quando estão em nossos cursos? 2. Como seu curso pode ajudar seus alunos a alcançar tais resutlados ? 3. Como saber se os alunos de seu curso alcançaram resultados de aprendizagem? 4. Como você vai saber se e como o seu ensino tem contribuído para os resultados da aprendizagem dos seus alunos?

32 Alinhamento Construtivo Objetivos do curso, ensino e avaliações alinhados para a construção de significados profundos. Alinhamento Reprodutivo Objetivos do curso, ensino e avaliações que levam ao conhecimento reprodutivo e superficial. Resultados Aprendizagem Atividades Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem (Light G., Cox R. & Calkins S. 2009) Avaliação para Aprendizagem

33 Pausa?

34 (Light, G. & Micari, M (2013) Making Scientists: Six Principles for Effective College Teaching, Harvard University Press) “O ‘Conjunto’ Necessário” - Chronicle of Higher Education: April 2013 Seis Objetivos de Aprendizagem no Projeto do Curso.

35 SEIS OBJETIVOS, PRINCÍPIOS PARA A APRENDIZAGEM 1 Aprendizagem Profunda: –Construir atividades que melhorem nos estudantes as habilidades de analisar, criticar, avaliar e criar conhecimento. 2 Foco no Problema –Envolver os estudantes com relevantes problemas do mundo real, desafiá-los ao erro e promover o diálogo. 3 Liderança colaborativa entre pares (iguais): –Criar grupos de objetivos comuns, colabotivos (acima da competição individual) e que incluam perspectivas diversas.

36 SEIS OBJETIVOS, PRINCÍPIOS (cont.) 4 Tutoria (Aconselhamento) –Desenvolver atividades de retroalimentação entre pares, funções de liderança estudantil, habilidades de facilitação, trabalho em equipe. 5 Comunidade de Aprendizagem –Promover interações mais amplas entre estudantes e professores da pós-graduação, assim como com profissionais do mercado de trabalho. 6 Pesquisa –Proporcionar oportunidades de pesquisa reais para os alunos. Desenvolver suas habilidades de pesquisa, compartilhar pesquisa. Trazer exemplos reais de pesquisa para a sala de aula.

37 200-nível: curso de engenharia química & biológica Pretende fornecer uma introdução à análise de sistemas de processo químico. Tradicionalmente, centrava-se na solução de problemas de lógica quantitativa. Em sala de aula: o professor resolveu o problema das condições extraordinárias em engenharia química e como fábricas seguras são projetadas (profundidade de compreensão) e fontes de informações confiáveis. Professor revisou as respostas, encontrou variação no nível de rigor/profundidade da compreensão e uso de fontes. Estudo de caso: grupos de estudantes líderes contam um incidente que ocorreu numa fábrica química. Eles precisam investigar e responder ao chefe de bombeiros sobre produtos químicos presentes e perigos no local, além de especular sobre o que poderia ter causado o acidente. Resultado de Aprendizagem: alunos irão criticar os pressupostos sobre segurança da fábrica Princípios de Aprendizagem: Exemplos na Engenharia.

38 O que você faz (ou poderia fazer)que incorpora alguns desses princípios de aprendizagem em sala de aula? Discussão nos grupos (mesas).

39 Construindo Resultados de Aprendizagem

40 Tipos de Resultados de Aprendizagem (Competências, Habilidades Transferíveis) Intelectual Prática Social Pessoal Pensamento Crítico; Resolução de Problemas; Habilidade de Pesquisa; Pensamento Criativo; Sintetizar e avaliar Ideias. Habilidade de Pesquisa, Apresentação; Habilidade Clínicas; Habilidades Profissionais; Habilidades Vocacionais. Trabalho em equipe; Colaboração; Liderança; Rede profissional; Comunicação; Persuasão. Autodisciplina; Automotivação; Autoconfiança; Flexibilidade, Adaptabilidade.

41 Pensamento Crítico? Avaliar argumentos e conclusões Avaliar argumentos e conclusões Raciocínio Evaluate Ideas And Plans Evaluate One’s Own Understanding Problem Solving Communication Creativity Avaliar ideias e planos Avaliar ideias e planos Resolução de Problemas. Resolução de Problemas. Comunicação Criatividade Avaliar a própria Compreensão. Avaliar a própria Compreensão. Formal/Informal Informação tecnologias Influência. Formal/Informal Informação tecnologias Influência. Extensão Contemporânea da ênfase Ênfase Clássica Habilidades de Pesquisa. Habilidades de Pesquisa. Habiidade para aprender ao longo da vida. Habiidade para aprender ao longo da vida. Trabalho em Equipe Liderança Auto-Habilidades Rede de contatos. Trabalho em Equipe Liderança Auto-Habilidades Rede de contatos. Stein, B. & Haynes, A. (2011)

42 Curso Relacionado Resultados de Aprendizagem

43 Metas de Aprendizagem vs Resultados de Aprendizagem Objetivos do curso são afirmações gerais sobre suas intenções educacionais. (incl. conceitos primordiais?). Estudantes compreenderão a interpretação histórica e análise do fontes primárias e secundárias. (História) Estudantes desenvolverão a capacidade de pensar de forma criativa e independente sobre novos problemas de projeto e fazer uma estimativa realista do seu própio potencia para resolvê-los. (Engenharia) Resultados de Aprendizagem são afirmações específicas sobre a aprendizagem (o que e como) as quais os professores esperam que os alunos alcancem. Os alunos serão capazes de analisar uma fonte primária como um produto de um contexto histórico particular (História) Estudantes serão capazes de calcular mudanças na energia e entalpia dos causados por mudanças de temperatura e pressão. (Engenharia)

44 Por que definir objetivos e resultados de aprendizagem para o seu curso? Discussão em Grupos (mesas).

45 Por que definir resultados de aprendizagem? Deixar claro para os alunos o que podem ganhar por participar de um determinado curso. Ajudar os professores a selecionar estratégias de ensino apropriadas para alcançar um resultado. Assegurar que as estratégias de avaliação adequadas são implantadas. Ajudar os professores a desenvolver uma linguagem comum com os seus colegas sobre o que um determinado curso/atividade é desenhado para alcançar.

46 5 questões para identificar os principais resultados de aprendizagem 1.Quais são os 3 ou 4 mais importantes conceitos/habilidades que meus alunos devem dominar durante o curso (Conceitos Primordiais)? 2.O que os alunos desse curso precisam aprender para se prepararem para os cursos seguintes? 3.O que eu quero que meus alunos estejam fazendo daqui a 5 anos? 4.Como posso promover o empenho dos meus alunos para aprenderem durante toda a vida? 5.Como meus alunos podem usar esse curso para realizar algo importante em outro ambiente? Whetten, 2007

47 Taxonomia revisada de Bloom para resultados cognitivos Anderson & Krathwohl, RememberLembrar 2UnderstandEntender 3ApplyAplicar 4AnalyzeAnalisar 5EvaluateAvaliar 6CreateCriar Superfície Profundidade

48 Taxonomía De Bloom 1. ConhecimentoEnumerar, definir, descrever, identificar, reproduzir, denominar, listar, declarar, memorizar. 2. CompreensãoInterpretar, resumir, inferir, reformular, classificar, ilustrar, distinguir, converter, estimar. 3. AplicaçãoAplicar, alterar, programar, demonstrar, organizar, resolver, modificar, usar, escolher. 4. AnaliseAnalisar, reduzir, classificar, comparar, contrastar, diagramar, diferenciar, selecionar, questionar, testar. 5. SínteseCategorizar, formular, generalizar, criar, sistematizar, revisar, desenvolver, estruturar, montar e projector. 6. AvaliaçãoAvaliar, averiguar, concluir, criticar, julgar e selecionar, idear, justificar, apoiar, validar. Ferazz & Belhot, 2010

49 Individual: identificar 1 or 2 conceitos- chave (primordiais)do seu curso. Construir resultados de aprendizagem (elevados) a eles relacionados. Pares/Mesas: Dividir & discutir com um colega.. Todo o grupo: Compartilhe com todo o grupo. Atividade Compartilhar Identificar Construir

50 References Ferraz, Ana Paula & Belhot, Renato (2010) Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais in Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p , Freire, Paulo (1990) from We Make the Road by Walking: Conversations on Education and Social Change by Myles Horton & Paulo Freire, Temple University Press. Harvey, Lee et al. 1997, Graduates Work: Organisational Change and Student’s Attributes. Centre for research into Quality. Light, G. (2008). The puzzle of teaching in higher education: Implications for the structure of academic practice. Ideas on Teaching (Volume 6, pp ). Centre for Development of Teaching and Learning, National University of Singapore, Singapore. Light, G., Cox, R., Calkins, S. (2009). Learning and Teaching in Higher Education: The Reflective Professional. London: Sage Publications. Marton, F., Beatty, E. & Dall’Alba, G. (1993) Conceptions of learning, International Journal of Educational Research, 19: Marton, F., Hounsell, D. & Entwistle, N. (2005). (Eds.). The Experience of Learning: Implications for Teaching and Studying in Higher Education. (2nd edition). Edinburgh: Scottish Academic Press. Meyer, J.H.F., Land, R. & Davies, P. (2006) Implications of threshold concepts for course design and evaluation, in Meyer J.H.F., Land, R. (eds.), Overcoming Barriers to Student Understanding: threshold concepts and troublesome knowledge, London and New York; Routledge. Prosser, M. & Trigwell, K. (1999). Understanding Learning and Teaching: The Experience in Higher Education. London: SRHE/Open University Press. Stein, B. & Haynes, A. (2011) Engaging faculty in the assessment and improvement of student critical thinking using the CAT. Change (March-April 2011): Whetten, D. ( 2007). Principles of effective course design: What I wish I had known about learning-centered teaching 30 years ago. Journal of Management Education, 31,

51 Obrigado!

52 Material Adicional

53 Bloom’s Revised Taxonomy CreatingGenerating new ideas, products, or ways of viewing things Designing, constructing, planning, producing, inventing EvaluatingJudging based on criteria Experimenting, checking, hypothesizing, critiquing, justifying AnalyzingBreaking information into parts to explore relationships Comparing, organizing, deconstructing, interrogating, finding ApplyingUsing information in another familiar situation Implementing, carrying out, using, executing UnderstandingExplaining ideas or concepts Interpreting, summarizing, paraphrasing, classifying, explaining RememberingRecalling information Recognising, listing, describing, retrieving, naming, finding Anderson & Krathwohl, 2001

54

55 “The teacher is of course an artist, but being an artist does not mean that he or she can make the profile, can shape the students. What the educator does in teaching is to make it possible for the students to become themselves.” O professor é, naturalmente, um artista, mas ser um artista, não significa que ele ou ela pode fazer o perfil, pode moldar os alunos. O que o educador faz do ensino é o possível para que os alunos se tornem eles mesmos. Paulo Freire

56 “Estudantes devem ter iniciativa; não devem ser meros imitadores. Eles devem aprender a pensar e agir por si mesmos e serem livres.” — Cesar Chavez American labor leader and civil rights activist “Educação é uma coisa admirável, mas é bom lembrar de vez em qundo que nada do que vale a pena saber pode ser ensinado.” –Oscar Wilde Irish writer and poet

57 “Educação ou funciona como um instrumento que é usado para facilitar a integração das novas gerações à lógica do sistema atual e trazer conformidade ou torna-se a prática da liberdade, o meio pelo qual homens e mulheres lidam de forma crítica e criativa com a realidade e descobrir como participar na trasformação do seu mundo.” ― Paulo Freire, Pedagogy of the OppressedPaulo FreirePedagogy of the Oppressed


Carregar ppt "Gregory Light Consórcio Brasileiro Ciência, Tecnologia, Ciências Humanas, Engenharia e Matemática (STHEM) 1 º Workshop: LORENA, BRASIL, 26‐30 de maio de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google