A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Título da apresentação Maio 2009 Evolução do Ambiente de Negociação Eletrônica da BVMF.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Título da apresentação Maio 2009 Evolução do Ambiente de Negociação Eletrônica da BVMF."— Transcrição da apresentação:

1 Título da apresentação Maio 2009 Evolução do Ambiente de Negociação Eletrônica da BVMF

2 Securities, Commodities and Futures Exchange Agenda  Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento BM&F  Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento Bovespa  Acesso via Co-location BVMF  Abertura da Rede de Transmissão de Dados da BVMF  Integração do MegaBolsa e do GTS  Problemas Ocorridos em 26/05 e 27/05  Cronologia dos projetos

3 Título da apresentação Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento BM&F

4 Securities, Commodities and Futures Exchange Cliente Final Distribuição Intermediário (MC/Corretora) BM&FBOVESPA DMA Tradicional DMA Via Provedor Acesso Via Intermediário DMA Via Co-location Viva Voz GTS FIX Gateway Roteamento GLOBEX - GTS REDE GLOBEX REDE Provedor de DMA REDE Acesso remoto - monitoração e manutenção Aplicação de Co-location (ATS) REDE Marco Polo Bloomberg GL Trade

5 Securities, Commodities and Futures Exchange DMA no Segmento BM&F Número de Corretoras que Oferecem DMA

6 Securities, Commodities and Futures Exchange Negociação via DMA no Segmento BM&F – Número de Negócios Realizados Negociação via DMA no Segmento BM&F – Número de Contratos Negociados

7 Securities, Commodities and Futures Exchange Roteamento de Ordens GLOBEX-GTS – Número de Negócios Realizados Roteamento de Ordens GLOBEX-GTS – Número de Contratos Negociados

8 Securities, Commodities and Futures Exchange Estratégia de Crescimento do Fluxo de Ordens do Globex para o GTS  Distribuição dos contratos derivativos da BVMF pelos FCMs internacionais em larga escala;  Os FCMs (Futures Commodity Merchants) são os membros de compensação autorizados a oferecer acesso às bolsas de futuros dos EUA;  Acesso eletrônico e serviços de liquidação para negociação em mais de 70 bolsas de futuros ao redor do mundo;  Em abril, a BVMF, em conjunto com a CME, visitou os maiores FCMs dos EUA;  JP Morgan, Credit Suisse, UBS, HSBC, Citigroup, Deutsche Bank, MF Global, Goldman Sachs, Icap, Barclays, Penson, Advantage;  Derivativos da BVMF ainda encontram-se fora do leque de produtos oferecidos pelos FCMs aos seus clientes:  Inexistência de acesso verdadeiramente eletrônico (DMA) até ago/2008;  Outras dificuldades de acesso ao mercado brasileiro.

9 Securities, Commodities and Futures Exchange Principais Resultados das Visitas aos FCMs  Todos os FCMs disseram estar observando grande demanda dos clientes pelos produtos da BVMF, com destaque para os futuros de Ibovespa e de Dólar:  Nova percepção de crédito risco bilateral nos mercados de balcão dos EUA (NDF, swaps, look alike);  Restrições de balanço dos bancos;  Aumento de spreads;  Convergência para mercados de bolsa (futuros);  Visibilidade promovida pelo acordo com o CME Group, IPOs, fusão.  Todos os FCMs, exceto um, disseram estar desenvolvendo iniciativas concretas para a inclusão dos contratos derivativos da BVMF no rol de produtos oferecidos aos clientes.  Todos os FCMs disseram estar prontos e confortáveis no que diz respeito às soluções de negociação.  Todos os FCMs relataram problemas no que diz respeito aos sistemas de back-office utilizados para o controle dos negócios e a emissão de extratos aos clientes:  SunGard/GMI e Rolfe & Nolan: dois principais sistemas de back-office.

10 Securities, Commodities and Futures Exchange Remoção de Obstáculos para Expansão Internacional Negociação eletrônica  DMA em ago/08 e roteamento Globex em out/08;  Fim do pregão de viva voz em jul/09. Suporte de Back-Office  Visitas a SunGard/GMI e Rolfe&Nolan em abr/09;  Customer driven X exchange driven;  Mapeamento de funcionalidades e gaps;  Finalização do desenvolvimento no 3º tri/09. Aprovação da CFTC para o futuro de Ibovespa  Pedido registrado em mar/08;  Nenhum problema relatado pela CFTC;  Demora para aprovação do novo chairman da CFTC;  Expectativa de aprovação em jun ou ago/09. Garantias no exterior  Pedido de aprovação exclusivo para futuro de Ibovespa;  Ibovespa não é variável de política monetária/cambial;  Maiores chances do que futuro de DI e de Dólar.

11 Título da apresentação Ambiente de Negociação Eletrônica do Segmento Bovespa

12 Securities, Commodities and Futures Exchange ESTAÇÃO MEGABOLSA SLE SCOM, SNEG, SCOT Cliente FinalDistribuição Intermediário (AC/Corretora) BM&FBOVESPA BVMF / HP NYSE Euronext GL Trade DMA Tradicional DMA Via Provedor Acesso Via Intermediário DMA Via Co-location Bloomberg TradeBook Thomsom Reuters Outros Conexões automatizadas, Homebroker GLWIN QUALQUER ISV REDE Multi Gateway RTT – Projetado NSC V837 HUB REDE Provedor de DMA Acesso remoto - monitoração e manutenção Aplicação de Co-location (ATS) REDE MegaDirect RTT – Jan NSC V900

13 Securities, Commodities and Futures Exchange  Capacidade atual do segmento Bovespa: 770 mil negócios/dia  Capacidade programada do segmento Bovespa: 1,5 milhão de negócios/dia  Picos recentes de negociação: 437 mil negócios em 04/05/09 – 57% da atual capacidade 432 mil negócios em 06/05/09 – 56% da atual capacidade  Ampliação da capacidade da Clearing. Duplicação da capacidade de processamento de post-trading via melhorias de hardware e implementação de alterações e otimizações de softwares/aplicativos. 1.Ampliação de equipamentos de rede interna (a fim de suportar o tráfego de dados entre os sistemas da BVMF); 2.Revisão de servidores de banco de dados; 3.Revisão de servidores de transferência de arquivos (responsáveis pela transferência de arquivos entre a BVMF e as instituições que com ela se relacionam); 4.Revisão dos servidores de aplicação (responsáveis pelo processamento dos sistemas que suportam as atividades de post-trading). Aumento da Capacidade de Processamento da Clearing de Renda Variável

14 Securities, Commodities and Futures Exchange Custo = Qtde Excedente x R$ 0,05 Redução da Cobrança por Excesso de Ofertas Não Fechadas  Cobrança pelo excesso de ofertas não fechadas registradas no MegaBolsa: Franquia Corretora Volume negociado Inferior a R$ 1 bi De R$ 1 bi a R$ 3 bi De R$ 3 bi a R$ 5 bi De R$ 5 bi a R$ 7 bi De R$ 7 bi a R$ 10 bi Acima de R$ 10 bi Qtde Excedente = máximo (A,B) A = Qtde – 4x Qtde Ofertas Negócios B = Qtde – Franquia Ofertas Não Fechadas Corretora

15 Securities, Commodities and Futures Exchange Política Atual  A cobrança por ofertas não fechadas está diretamente relacionada às restrições da capacidade do ambiente de negociação;  A flexibilização da política será viabilizada pelo aumento da capacidade do ambiente (implantação da versão V900 do núcleo de negociação do MegaBolsa, em substituição à versão V837);  Aumento de limites para inserção de ofertas e redução do valor cobrado por ofertas não fechadas estimulará o crescimento da liquidez e viabilizará o crescimento das estratégias de algorithmic trading.

16 Título da apresentação Gerenciamento de Risco da Negociação

17 Securities, Commodities and Futures Exchange Gerenciamento de Risco de Negociação  As corretoras que oferecem DMA para seus clientes devem adotar mecanismo de gerenciamento o risco de negociação, por meio da utilização de ferramenta de controle (pré-requisito para a negociação via DMA).  Todas as ordens enviadas ao sistema de negociação devem ser submetidas ao controle de risco, antes da inclusão no livro de ofertas, sendo rejeitadas todas aquelas que resultarem em violação de um ou mais limites.  A ferramenta de controle deve permitir à corretora estabelecer, para cada cliente operando via DMA, no mínimo os seguintes parâmetros: 1.Risco máximo das ofertas de compra e venda, por instrumento; 2.Risco máximo de posição comprada e vendida, por instrumento; 3.Risco máximo de posição comprada e vendida, por grupo de instrumentos.

18 Securities, Commodities and Futures Exchange GTSLiNe e MegaLiNe  GTSLiNe e MegaLiNe são aplicativos do GTS e do MegaBolsa, respectivamente, desenvolvidos e oferecidos pela BVMF, para controle de risco pré-negociação;  A metodologia de controle de risco baseia-se em limites quantitativos atribuídos pela corretora a cada cliente;  Os limites estabelecidos pela corretora estão sujeitos a valores máximos definidos pela BVMF;  GTSLiNe e MegaLiNe permitem à corretora estabelecer os seguintes limites para cada cliente / conta: 1.Tamanho máximo, em quantidade de contratos, de ordens de compra e de venda, por instrumento 2.Posição máxima, em quantidade de contratos, comprada e vendida na data de negociação, por instrumento 3.Posição máxima, em quantidade de contratos, comprada e vendida na data de negociação, considerando grupos de instrumentos

19 Securities, Commodities and Futures Exchange Roteamento GLOBEX - GTS Cliente Final Distribuição Intermediário (MC/Corretora) BM&FBOVESPA DMA Tradicional DMA Via Provedor Acesso Via Intermediário DMA Via Co-location Viva Voz GTS REDE GLOBEX REDE Provedor de DMA REDE Aplicação de Co-location (ATS) REDE GTS FIX Gateway Gerenciamento de Risco de Negociação GTSLiNe

20 Título da apresentação Co-location BM&FBOVESPA

21 Securities, Commodities and Futures Exchange Modalidade de negociação eletrônica por meio da qual as ordens do cliente são enviadas diretamente ao sistema de negociação, a partir de programas de computador (automated trading system – ATS) instalados em equipamento hospedado no espaço físico do centro de processamento de dados da Bolsa. Para fins de monitoração, administração, manutenção etc., o equipamento hospedado na Bolsa é acessível direta e remotamente pelo cliente. 1.ASX – Australian Stock Exchange (2008) 2.CBOE – Chicago Board Options Exchange 3.CMEGroup * 4.Eurex * 5.Intercontinental Exchange * (2006) 6.ISE – International Securities Exchange 7.LSE – London Stock Exchange 8.NADASQ OMX 9.NYSE ARCA (Arca-Ex, 2005) NYSE Euronext NYSE LIFFE (2007) 10.Tokyo Stock Exchange 11.Singapore Exchange Quem Oferece O Que É * Proximity Co-location

22 Securities, Commodities and Futures Exchange  Atração de um novo tipo de fluxo de negociação: a negociação via algoritmo;  Estima-se que entre 30% e 40% do volume das bolsas de derivativos e de equities advém de negociação via algoritmo (algorithmic trading);  Negociação via algoritmo completamente inexplorada no segmento BM&F e pouco explorada no segmento Bovespa:  BM&F: inexistência de DMA até ago/08;  BVSP: restrições de capacidade de processamento, baixa performance do sistema de negociação, rede de transmissão de dados lenta e fechada, cobrança por oferta inserida no sistema e não fechada. Por Quê Benefícios para a Bolsa e para o Mercado  Aumento de volumes e de liquidez;  Diminuição de spreads (algo-traders são arbitradores natos);  Melhora na formação de preço dos ativos;  Melhor distribuição da liquidez entre os diversos ativos.

23 Securities, Commodities and Futures Exchange Perfil das Operações  Operações de arbitragem (determinística e estatística) de alta-frequência:  Ações à vista versus ETF (Exchange Traded Fund);  Ações à vista versus futuros de índice de ações;  Ações locais versus ADRs;  Futuros versus opções;  Diferentes vencimentos de um mesmo futuro;  Operações de inclinação de curva de juros;  Operações com instrumentos correlacionados (soja BVMF x soja CME, café BVMF x café ICE etc);  Contratos mini versus contratos padrão;  Profundidade do order book.  Fatores determinantes:  Liquidez e volatilidade;  Acesso eletrônico e baixo risco de execução;  Preços cobrados pela Bolsa.

24 Securities, Commodities and Futures Exchange Acesso via Co-location BVMF  BVMF reservou e preparou área segregada do CPD, com acesso restrito e controlado e infra-estruturas física e lógica para a oferta de co-location;  Lançamento para o segmento BM&F em junho/09;  Lançamento para o segmento Bovespa no 3º trimestre de 2009 (após conclusão da ampliação da capacidade da clearing de renda variável – CBLC);  Área de staging;  Apoio técnico de smart hands. Atendimento à Demanda  A demanda por espaço de co-location será integralmente atendida;  Se a demanda superar o número de racks instalados, a BVMF divulgará data para ampliação do espaço de co-location.

25 Securities, Commodities and Futures Exchange Área de co-location  Acesso controlado;  Racks para instalação de servidores;  Fornecimento ininterrupto de energia elétrica e refrigeração;  Sistemas de prevenção e combate a incêndio. Área de staging  Espaço para manipulação, configuração e manutenção de equipamentos;  Acesso à internet;  Linha telefônica para ligações locais e internacionais. Apoio técnico de smart hands  Recepção e devolução de equipamentos;  Desembalagem;  Instalação;  Manutenções simples. Segurança  Sistema biométrico de controle de acesso;  Visitas agendadas e permanentemente acompanhadas por técnicos da BVMF;  Áreas de co-location e de staging segregadas;  Monitoração por sistema de gravação de imagem;  Sistema de identificação de equipamentos garantindo anonimato do cliente.

26 Securities, Commodities and Futures Exchange  Modalidades de Contratação Co-location Corretora Somente a corretora pode acessar o rack onde estão instalados seus equipamentos. Co-location Investidor Somente o investidor pode acessar o rack onde estão instalados seus equipamentos.  Política Comercial  Risco pré-negociação Co-location Corretora Corretora pode utilizar ferramenta de sua preferência, desde que cumpra função semelhante à do GTSLiNe / MegaLiNe. Co-location Investidor Deve-se utilizar o GTSLiNe e o MegaLiNe. Segmento Custo por ½ rack Capacidade elétrica de 2,0 kVA Custo por rack inteiro Capacidade elétrica de 4,0 kVA BM&F – DerivativosR$ ,00 / mêsR$ ,00 / mês Bovespa – AçõesR$ ,00 / mêsR$ ,00 / mês AmbosR$ ,00 / mêsR$ ,00 / mês

27 Securities, Commodities and Futures Exchange Área de Co-Location - Racks Rack (40Us) Meio Rack (20Us) Unidade de hospedagem Estrutura onde são instalados os equipamentos de negociação (switches e servidores) Disposição dos racks na área de co-location

28 Securities, Commodities and Futures Exchange Área de Co-Location Sistemas de detecção de fumaça VESDA e extinção de incêndio FE 25/ECARO 25 VESDA - Very Early Smoke Detection Apparatus Cabeamento estruturado (576 pontos) Sistema de refrigeração Corredor ar frio (piso) Corredor ar quente (teto)

29 Título da apresentação Abertura da Rede de Transmissão de Dados da BVMF Criação da Rede de Comunicação BVMF - RCB

30 Securities, Commodities and Futures Exchange 2004  BM&F e BOVESPA decidiram criar a RCCF – Rede de Comunicação da Comunidade Financeira  Relativamente à rede ponto a ponto, então disponível, a RCCF constituía, à época, alternativa:  de menor custo;  tecnologicamente superior (rede do tipo “nuvem”, sem grande prejuízo de performance);  com serviço de gerenciamento e administração da rede provido por empresa externa (Primesys)  Monopólio da solução de conexão resultou em manutenção da base de preço, tornando o serviço caro;  Evolução tecnológica tornou a RCCF lenta quando comparada a estrutura de rede ponto a ponto;  Contexto de completa eletronificação de mercados e de competição entre Bolsas tornou a performance de rede um fator crítico;  Apesar da terceirização da administração da rede, as Bolsas nunca conseguiram abandonar essa atividade; 2009  BVMF transferiu o custo mensal de manutenção da RCCF para os corretores.

31 Securities, Commodities and Futures Exchange  Rede MPLS  Abrangência nacional  Velocidades de 1Mbps a 10Mbps  Provedor único (Primesys)  Latência média 20ms (4Mbps)  Rede metropolitana (MAN) ponto a ponto  Abrangência nacional  Velocidades de 1 Mbps a 1 Gbps  Diversidade de operadora, tecnologia e velocidade  Latência média podendo ser inferior a 1ms, dependendo da tecnologia contratada  Rede de alto desempenho e baixa latência RCCF RCB BM&FBOVESPA Participantes BM&FBOVESPA Participantes RCCF

32 Securities, Commodities and Futures Exchange Política da RCB  RCCF será obrigatória somente para transferência de dados de back-office;  VPNs da RCCF poderão ser unificadas e a capacidade poderá ser reduzida;  500 Kbps para um único segmento  1 Mbps para os dois segmentos  Corretora poderá contratar conexões de qualquer operadora certificada pela Bolsa para negociação (market data e envio de ordens);  Operadoras certificadas:  Primesys, Algar Telecom  Eletropaulo Telecom, Embratel  Global Crossing, OI  Telefonica

33 Título da apresentação Interface de Comunicação Externa Integrada para MegaBolsa e GTS

34 Securities, Commodities and Futures Exchange  Estruturas distintas de acesso a cada plataforma – os sistemas GTS e MegaBolsa são considerados de forma segregada.  Ônus da segregação:  Custos e investimentos duplicados para os participantes;  Visão do cliente de “duas bolsas”;  Custo de manutenção, para a BVMF, superior ao de uma estrutura integrada. FIX / MMTP BM&FBOVESPACliente Final Intermediário REDE FIX Gateway GTS Multigateway NSC MegaBolsa FIX REDE Atual Estrutura de Acesso aos Sistemas GTS e MegaBolsa

35 Securities, Commodities and Futures Exchange BM&FBOVESPA Cliente Final Intermediário FIX Gateway GTS Multigateway NSC MegaBolsa FIX REDE Interface FIX Única  Desenvolvimento de interface única para entrada de ordens e recebimento de relatórios de execução (execution reports) de negociação no MegaBolsa e no GTS;  Integração de simples implementação, comparativamente à adoção de uma única plataforma de negociação - requer aquisição de hardware específico e desenvolvimento em sistemas e aplicativos;  Ganhos de sinergia na fronteira entre a BVMF e os usuários a ela conectados, na recepção e no tratamento das conexões;  Redução de custos para os participantes, podendo se materializar em aumento da quantidade de instituições conectadas à BVMF. Integração das Estruturas de Acesso

36 Título da apresentação Cronologia de Projetos

37 Securities, Commodities and Futures Exchange DATASEGMENTOEVENTO Mai/09BM&FConexão do sistema internacional de roteamento de ordens Bloomberg Tradebook ao GTS Mai/09BM&FImplantação da ferramenta de controle de limites de risco GTSLiNe no sistema GTS para qualquer canal de negociação Mai/09BovespaImplantação da nova versão do sistema eletrônico de negociação MegaBolsa e redução de latência (V900) Mai/09Bovespa Autorização para corretoras utilizarem, nas mesas de operação, qualquer tipo de terminal de negociação certificado pela Bolsa e comunicação de desativação do GLWIN em agosto de 2009 Jun/09BovespaRedução do valor cobrado pelas ofertas inseridas no sistema eletrônico de negociação MegaBolsa que não são fechadas Jun/09AmbosAbertura da rede de transmissão de dados da BVMF Jun/09Ambos Início da publicação de página na internet com divulgação diária do índice de disponibilidade dos sistemas MegaBolsa e GTS Jun/09BM&FConexão do sistema internacional de roteamento de ordens da GL Trade (GLNet) ao GTS Jun/09BM&FOferta de serviços de co-location (conexão ao GTS) 3º tri/09BovespaImplantação da nova interface de comunicação externa do MegaBolsa (novo Multigateway) 3º tri/09BovespaAutorização para funcionamento do modelo de DMA 2 no sistema MegaBolsa 3º tri/09BovespaImplantação de ferramenta de controle de limites de risco no sistema MegaBolsa (MegaLiNe) 3º tri/09BovespaFinalização do projeto de aumento da capacidade da clearing de renda variável (CBLC) para 1,5 milhão de negócios/dia 3º tri/09BovespaOferta de serviços de co-location (conexão ao MegaBolsa) 3º tri/09BovespaConexão do sistema internacional de roteamento de ordens da Thomson Reuters ao MegaBolsa 4º tri/09AmbosImplantação de interface de comunicação externa integrada para MegaBolsa e GTS

38 Título da apresentação


Carregar ppt "Título da apresentação Maio 2009 Evolução do Ambiente de Negociação Eletrônica da BVMF."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google