A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SÍNODO ARQUIDIOCESANO Mergulhar no Mistério da Igreja Arquidiocese de Goiânia 2009 - 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SÍNODO ARQUIDIOCESANO Mergulhar no Mistério da Igreja Arquidiocese de Goiânia 2009 - 2012."— Transcrição da apresentação:

1 SÍNODO ARQUIDIOCESANO Mergulhar no Mistério da Igreja Arquidiocese de Goiânia

2 SÍNODO ARQUIDIOCESANO No dia 24 de maio de 2009 na Catedral, deu-se a abertura do Sínodo da Arquidiocese de Goiânia , presidida pelo Arcebispo de Goiânia Dom Washington Cruz. “A palavra “sínodo” vem do grego sun + hodos e aponta para uma caminhada em conjunto”. “ É uma assembleia de sacerdotes e de outros fiéis escolhidos da Igreja particular, que auxiliam o Bispo Diocesano para o bem de toda a comunidade diocesana ” (CDC, cân. 460). Assembleia que reúne o clero com os fiéis (os leigos são chamados para em conjunto com seus párocos trabalharem dinamicamente para o crescimento da Igreja como um todo). O Sínodo serve para mostrar a todos que a Igreja viva é aquela que realiza sua missão no mundo, revelando o rosto de Jesus Cristo no mundo de hoje e chamando os homens para viverem em Cristo, Caminho, Verdade e Vida. O Sínodo tem como tema: “MERGULHAR NO MISTÉRIO DA IGREJA ” e Lema: “ O amor de Cristo nos uniu!”

3 SÍNODO ARQUIDIOCESANO Ele está sendo realizado através de trabalhos desenvolvidos em três etapas: Em 2009 => PALAVRA Em 2010 => LITURGIA Em 2011 => CARIDADE. Três eixos estão estruturando o nosso caminho: a Palavra de Deus que é preciso escutar (2009); a Liturgia, que havemos de celebrar e contemplar (2010); e o compromisso da Caridade, do amor e da solidariedade, que havemos de mostrar como consequência da acolhida da Palavra e do alimentar-se da Eucaristia (2011). Qual é o sentido do tempo de preparação? Oferecer contribuições. “Os trabalhos preparatórios do sínodo devem ajudar o Bispo a individuar as questões a serem propostas às discussões sinodais”.

4 SÍNODO ARQUIDIOCESANO Grupos de trabalho - Período Preparatório Comissão Central de Preparação (CCP) É composta por pessoas que têm missões particulares de animação no andamento da pastoral. Secretaria Executiva Preparatória (SEP) Esse grupo é composto por representantes de pastorais/movimentos, além de estudantes. Rede de animadores nas paróquias (RAP) Membros dos conselhos paroquiais que receberam a missão de acompanhar as ações do triênio de preparação nas paróquias e comunidades. Objetivo da rede de animadores Acompanhar as ações de preparação: ajudando cada comunidade a se preparar para a assembléia e para a vivência do espírito sinodal, repassando as orientações da Comissão Preparatória e a Equipe Executiva, lembrando o Tema Central do Sínodo (“Mergulhar no mistério da Igreja”) e o eixo de cada ano preparatório (Palavra, Liturgia e Caridade)

5 SÍNODO ARQUIDIOCESANO Texto de Referência - Carta Pastoral: síntese das mais importantes linhas de reflexão sobre o Tema Central. - Instrumento de Trabalho: livretos elaborados por etapas, como resultado do processo das consultas. Citemos alguns momentos marcantes nestes três anos de preparação: 2009 No mês de setembro foi-se realizado um tríduo nos dias 01, 10 e 28 na Igreja, aberto a membros de pastorais, movimentos, serviços e comunidade paroquial. Momento de reflexão e de oração durante o mês, considerando o tema do Sínodo na perspectiva do anúncio da Palavra. Foi feito também uma consulta com os padres. Em novembro aconteceu a audiência geral, onde foram apresentadas todas as contribuições encaminhadas à Secretaria Executiva do Sínodo.

6 SÍNODO ARQUIDIOCESANO 2010 Foi proposto para as pastorais, movimentos ou serviços realizarem um tríduo ou vigília de Pentecostes entre os seus membros e encaminharem suas contribuições referentes ao tema Liturgia. As contribuições formaram uma síntese paroquial que foi encaminhada para a Forania, depois para o Vicariato. Em novembro aconteceu à audiência geral, onde foram apresentadas as contribuições encaminhadas à Secretaria Executiva do Sínodo Abril e Maio: As comunidades de todas as paróquias foram convocadas a fazer uma avaliação sobre a prática da Caridade. Desta vez, uma comissão por paróquia, formada sob a coordenação do pároco, representou todas as comunidades. Nossa comissão foi composta por representantes de várias pastorais: Pe. David, Nilva, Rozilda, Andréa, João Caetano, Edna, Eliane, Osvaldo, Christine, Edilaine, Ivanylde, Irmã Efigênia e Heloisa. A comissão paroquial realizou quatro encontros, em abril e maio, orientados por roteiros contidos no livreto Caridade: o amor vence tudo, da coleção Publicações do Sínodo Arquidiocesano.

7 SÍNODO ARQUIDIOCESANO Essas contribuições foram apresentadas, no mês de junho, na audiência geral de conclusão da preparação sobre o tema. Agosto: Eleição dos delegados do Sínodo (pelo CPP - Conselho Paroquial de Pastoral). Delegados da Paróquia : Osvaldo e Eliane. Suplentes : Edilaine e Christine. Setembro : Nomeação de membros e das Comissões de serviço. Outubro: Retiro e estudo do Instrumento Laboris. Novembro: Celebração do "Envio" dos Delegados Sinodais. Objetivo Geral Revitalizar a fé e a vida cristã de todos os fiéis à luz do Evangelho, do Concílio Vaticano II. Olhar toda a vida de uma diocese e chegar a conclusões, inclusive elaborar normas que visem à maneira mais correta de desempenhar a missão da Igreja. Supõe estudo dos documentos da Igreja e diálogo entre todos os segmentos para descobrir como melhor exercer nossa missão evangelizadora.

8 SÍNODO ARQUIDIOCESANO “No processo sinodal são importantes e, até mesmo, indispensáveis alguns elementos, tais como a informação, o estudo, a oração, a conversão, o diálogo, o respeito mútuo, o amor, a disponibilidade para acolher os desejos do Senhor.” (D. Washington). A grande assembleia arquidiocesana será realizada em 2012, em quatro sessões: Primeira sessão (Palavra): Solene Abertura e trabalhos: dias 11 e 12 de fevereiro de 2012, na Sala Sinodal, CPDF Segunda sessão (Liturgia): dias 10 e 11 de março de 2012, na Sala Sinodal, CPDF Terceira sessão (Caridade): dias 14 e 15 de abril de 2012, na Sala Sinodal, CPDF Quarta sessão: Encerramento solene dia 24 de maio de 2012, na Catedral Metropolitana de Goiânia.

9 ESTATUTO DO SÍNODO O QUE É, PARA QUE SERVE, O QUE PODE Natureza do Sínodo - É a assembleia de fiéis – sacerdotes, diáconos, religiosos e leigos – que, representando a inteira Igreja Particular, são escolhidos para colaborar com o Arcebispo em vista do bem de toda a comunidade cristã. - Exprime a riqueza dos diversos ministérios e carismas presentes no povo de Deus. - Os membros sinodais colocam em discussão os assuntos levantados e propostos na fase preparatória e sintetizados no Instrumentum Laboris, aprofundam-nos e refletem sobre a ação pastoral mais apropriada... a fim de f ormular proposições a serem apresentadas ao Arcebispo.

10 ESTATUTO DO SÍNODO O QUE É, PARA QUE SERVE, O QUE PODE Composição da Assembleia Sinodal - Membros ex officio / membros de direito - Membros eleitos - Membros agregados ( nomeados/ convidados) Eleições CPP/ Pároco Nomeações e convites Respeitou a representantividade / obras, congregações, grupos organizados que agem direta ou indiretamente á comunidade Observadores i

11 ESTATUTO DO SÍNODO O QUE É, PARA QUE SERVE, O QUE PODE Organismos sinodais Conselho da Presidência, a Secretaria, a Comissão Jurídica e as Comissões Sinodais - Conselho da Presidência Arcebispo, Vigário Geral, Secretário Geral, Subsecretário do Sínodo e mais 3 membros - Secretaria Secretário Geral, Subsecretário e 3 colaboradores - Comissão Jurídica 3 membros - Comissões Sinodais (por área temática) 12 membros cada uma

12 ESTATUTO DO SÍNODO O QUE É, PARA QUE SERVE, O QUE PODE Assembleia sinodal - A Assembleia age em unidade de vontade e ação, de desejos e intuitos, mergulhando no mistério da Igreja : as questões propostas são submetidas à discussão. - Quando manifesta a sua opinião por votação, não age como colégio com capacidade decisória : as votações verificam o grau de concordância dos sinodais sobre as propostas formuladas, não tendo a finalidade de alcançar um acordo majoritário vinculante.

13 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES A Assembleia Sinodal - Iniciam-se os trabalhos da Assembleia Sinodal com a profissão de fé de todos os membros. - As sessões da Assembleia Sinodal se desenvolvem segundo calendário estabelecido. Cada sessão é precedida por uma oração. - As sessões são presididas pelo Arcebispo, que tem liberdade de intervir em qualquer momento. Se impedido, pode delegar a presidência de alguma sessão ao Vigário Geral ou a um dos Vigários Episcopais.

14 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES Conselho da Presidência Conselho da Presidência se reúne toda vez que o Arcebispo o convoque a fim de resolver questões particulares.

15 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES A Secretaria do Sínodo O Secretário Geral : introduz as várias fases da Assembleia Sinodal por breves exposições ilustrativas para encaminhar as questões; juda a Assembleia a perceber a direção que o Espírito a orienta; resume de modo ordenado as diversas contribuições dos sinodais com o fim de facilitar o seu estudo sucessivo; averigua o grau de concordância dos sinodais sobre as proposições; juda a Assembleia a não se deter em generalidades, particularismos ou limitar-se a meras exortações.

16 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES O Secretário Geral com o Subsecretário : procede à definição das questões a serem trabalhadas; determina a documentação que será entregue aos sinodais para ser convenientemente estudada; confia à Comissão de redação o esboço das Proposições sinodais, dando oportunas indicações; serve-se da contribuição da Comissão jurídica para encontrar as fórmulas precisas necessárias à redação.

17 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES O Subsecretário : garante, conforme a disciplina do Sínodo, a dinâmica da Assembleia; favorece o diálogo sereno e respeitoso nas várias fases; assegura a todos a efetiva possibilidade de exprimir livremente as opiniões sobre as questões propostas; participa dos trabalhos preparatórios das Comissões sinodais; modera o tempo e as modalidades de votação; promove e organiza os trabalhos de convocação, transmissão e redação da Secretaria; gerencia a parte técnica e logística para a realização da Assembleia sinodal.

18 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES Os demais membros da Secretaria zelam pelo bom andamento de todos os trabalhos da Assembleia, conforme o Estatuto.

19 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES As Sessões - Nas sessões da Assembleia Sinodal, o relator da respectiva Comissão apresenta os resultados dos trabalhos sobre o tema. Os relatores têm à disposição, para o seu relatório, não mais do que 20 minutos. - Os sinodais podem intervir sobre o assunto em discussão, acompanhando o chamado do - Subsecretário, tendo à disposição não mais do que 5 minutos. - Todos os que tomarem a palavra devem entregar sua intervenção por escrito à Secretaria antes da intervenção. Em caso de apresentação de acréscimos livres durante a intervenção oral, esses deverão ser entregues por escrito no mesmo dia da sessão; caso contrário, não serão levados em consideração. - Os sinodais que não fazem intervenções orais podem enviar contribuições escritas à Secretaria, com os mesmos prazos. Tais contribuições são registradas nos Autos do Sínodo.

20 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES Os grupos - Os grupos de trabalho são formados, cada vez que se fizer necessário, para reflexão e debate sobre assuntos específicos. - Os grupos são autorizados pelo Arcebispo, ouvido o Conselho da Presidência, e formados por livre adesão dos sinodais. - Os resultados de trabalhos de grupo são entregues ao Secretário Geral.

21 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES As votações - Para a validade, as votações se dão por meio de cédulas entregues pela Secretaria. - O voto pode ser dado através de tríplice fórmula: “concordo”, “não concordo”, “concordo com mudanças”. Neste último caso, é necessário indicar, na cédula do voto, a modificação proposta. Com a fórmula “concordo com mudanças”, se entende que o votante aceita a proposta “na substância” da proposição submetida à votação, sugerindo, porém, limitadas variações em relação a aspectos particulares. - O voto da maioria absoluta dos membros da Assembleia Sinodal dá validade à votação1. Ficam aprovadas as proposições para as quais a soma dos votos com a fórmula “concordo” ou “concordo com mudanças”, seja superior à metade do número dos presentes.

22 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES - A votação definitiva das Proposições sinodais na sua integralidade é realizada na conclusão dos trabalhos do Sínodo. Para tal votação se pode usar apenas a fórmula “concordo” ou “não concordo”. Para a validade da votação final, precedida da convocação de todos os sinodais, é requerida a presença de ao menos dois terços da Assembleia. A maioria absoluta dos votos se entende a metade mais um do número total de votantes. - Proposições sinodais resultam aprovadas com o sufrágio positivo da maioria absoluta dos votos dos presentes.

23 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES O Texto conclusivo - O Arcebispo tem a liberdade para tirar as consequências das proposições apresentadas pela Assembleia. Procurará seguir o parecer geralmente partilhado pelos sinodais. - O Arcebispo, então, com Decretos e Declarações: promove e urge a observância das normas canônicas que as circunstâncias da vida diocesana mais requerem; regula as matérias que o direito confia à sua competência; aplica a disciplina comum à diversidade da Igreja particular. - O Arcebispo, único legislador, assina o “Livro do Sínodo”, promulga-o e ordena a sua publicação. - O Arcebispo comunica à Conferência Episcopal e à Congregação para os Bispos os textos das Declarações e Decretos sinodais por ele assinados e publicados.

24 REGIMENTO DO SÍNODO COMO SE OPERACIONALIZA, COMO SE COMPORTAM OS PARTICIPANTES Modificações no Estatuto ou no Regimento - Eventuais modificações nos presentes Estatuto ou Regimento devem ser aprovadas pelo Arcebispo. - O que não está previsto nos presentes Estatutos ou Regimento se reenvia às normas do Direito comum.


Carregar ppt "SÍNODO ARQUIDIOCESANO Mergulhar no Mistério da Igreja Arquidiocese de Goiânia 2009 - 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google