A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Zootecnia Histologia I Prof. Guilherme Garcez Cunha.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Zootecnia Histologia I Prof. Guilherme Garcez Cunha."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Zootecnia Histologia I Prof. Guilherme Garcez Cunha

2 TECIDO MUSCULAR O movimento em órgãos multicelulares é feito por células especializadas denominadas fibras musculares ou miócitos. Muitos tipos celulares têm elementos contráteis que permitem que a célula se mova e mude de forma. A contração, por sua vez, é mediada pela transformação de energia química em mecânica às custas do trifosfato de adenosina (ATP).

3 FIBRAS MUSCULARESFIBRAS MUSCULARES

4 Possui denominações especiais: Sarcolema – membrana plasmática; Sarcoplasma – citoplasma Retículo sarcoplasmático - retículo endoplasmático liso; Sarcossomas - mitocôndria Sarcolema Sarcoplasma Núcleo Sarcossoma

5 MÚSCULO LISO Forma mais simples ou menos diferenciada, consistindo em fibras fusiformes estreitas. Estas fibras possuem um núcleo em posição central. O sistema de endomembranas esta localizados próximo ao núcleo (perinuclear) dentro do sarcoplasma (citoplasma da fibra)

6 O M. liso é involuntário, sendo inervado por nervo simpáticos e parassimpáticos do SNA As cel. Musculares adjacentes podem ser mantidas juntas por meio de junções comunicantes.

7 Os filamentos de actina, miosina e corpos densos ficam entrelaçados entre si para o momento da contração dependente de ATP. No momento da contração muscular lisa, o íon cálcio deverá estar presente em grande quantidade, bem como nos outros tipos musculares, ele desempenha um papel fundamental para a contração muscular lisa. Após uma estimulação hormonal ou neural, o cálcio entra na célula muscular lisa Retículos sarcoplasmáticos são muito pequenos, denominados cavéolas. O Ca 2+ se combina com a calmodulina. O músculo liso apresenta estruturas que fixam-se à actina, denominadas corpos densos. Estes apoiam os microfilamentos contráteis (de actina e miosina) em rede no citoplasma e na membrana plasmática e auxiliam na contração dos filamentos intermediários. Corpos densos

8 MÚSCULO ESQUELÉTICO O tecido muscular estriado esquelético constitui a maior parte da musculatura do corpo dos vertebrados, formando o que se chama popularmente de carne. Um músculo esquelético é um pacote de longas fibras. Cada uma delas é uma célula dotada de muitos núcleos, chamado miócitos multinucleados.

9

10 TECIDO CONJUNTIVO DE REVESTIMENTO Epimísio é a camada mais externa de tecido conjuntivo, circunda todo o músculo. Perimísio circunda grupos de 10 a 100 ou mais fibras musculares individuais, separando-as em feixes chamados fascículos. Endomísio é um fino revestimento de tecido conjuntivo que penetra no interior de cada fascículo e separa as fibras musculares individuais de seus vizinhos.

11

12 Toda a célula muscular contém filamentos proteicos contráteis de dois tipos: actina e miosina. Esses miofilamentos (ou miofibrilas) são diferenciados um do outro pelo peso molecular, maior no filamento de miosina. Ao microscópio eletrônico, a actina aparece sob a forma de filamentos finos, enquanto a miosina é representada por filamentos grossos. A interação da actina com a miosina é o grande evento desencadeador da contração muscular. A disposição regular dessas proteínas ao longo da fibra produz o padrão de faixas claras e escuras alternadas, típicas do músculo estriado.

13 FILAMENTOS PROTEICOS A C T I N A – Filamentos FINOS M I O S I N A – Filamentos Grossos

14

15

16 MÚSCULO CARDÍACO O músculo cardíaco se assemelha ao esquelético em vários aspectos. Ambos possuem células multinucleadas com miofibrilas organizadas, dando ao tecido uma aparência histológicas estriada. O coração é formado por três tipos principais de músculo cardíaco: o músculo atrial, o músculo ventricular e as especializadas fibras musculares excitatórias e condutoras.

17 As fibras musculares cardíacas individuais têm apenas alguns poucos núcleos, geralmente um ou dois. Sendo mais curtas e frequentemente ramificadas. A característica mais distinta é a presença de linhas transversais escuras que cruzam cadeias de células de forma intermitente.

18 DISCOS INTERCALARES Fazem a conexão elétrica entre todas as células do coração. Assim, se uma célula receber um estímulo suficientemente forte, ele é transmitido a todas as outras células e o coração como um todo se contrai. Essa transmissão do estímulo é feita por canais de passagem de água e íons entre as células, que facilita a difusão do sinal iônico entre uma célula e outra, determinando a onda rítmica de contração das células. Os discos intercalares possuem estruturas de adesão entre células que as mantêm unidas mesmo durante o vigoroso processo de contração da musculatura cardíaca.

19 Esse tecido ainda possui túbulos T e retículos sarcoplasmácitos desenvolvidos em suas células, mas não são tão extensos. No entanto, ao invés de tríades, ele possui os díades, que são expansões do retículo sarcoplasmático (díades = túbulo T + uma cisterna do retículo sarcomplasmático). As mitocôndrias são mais abundantes nas fibras musculares estriadas cardíacas, e contêm numerosas cristas! Outra característica desse tecido são as células de Purkinje, que são células musculares modificadas que possuem muito glicogênio no citoplasma, e são importantes na propagação do impulso nervoso.

20

21 TECIDO NERVOSO Constitui basicamente uma rede de comunicação integrada e distribuída por todo o corpo. O principal componente deste tecido é o neurônio, responsável pela transmissão dos impulsos. Além dos neurônios, as células gliais ou neuroglias proporcionam sustentação e proteção dos neurônios. Sistema Nervoso Central – Medula espinhal e encéfalo Sistema Nervoso Periférico – Fibras nervosas (nervos)

22 Células da glia (neuroglia): Elementos celulares não neurais do SNC, que envolvem os neurônios, diminuindo o espaço extracelular. Funções: A - Suporte e transporte de constituintes do sangue para os neurônios e Liberação de neurotransmissores; O - Participação na produção de mielina p/ o SNC; M - Função fagocítica; E - Revestimento do cérebro e canal central da medula, com produção de líquido cerebroespinhal; SISTEMA NERVOSO

23 NEURÔNIO São as unidades funcionais do sistema nervoso, sendo células excitáveis cuja atividade elétrica é comunicada a outras células, mesmo a um metro de distância (por exemplo, para levar informação da medula espinhal até o seu dedão do pé). Essa comunicação é direcional - ou seja, tem sentido de entrada e saída em cada neurônio - devido à estrutura dos neurônios e à distribuição de receptores e canais iônicos em sua superfície

24 Recepção, transmissão e processamento de estímulos; Os neurónios diferem segundo as suas funções e localização: contudo, podemos afirmar que o neurónio típico apresenta três componentes: o corpo celular ou soma, os dendritos e o axônio. NEURÔNIOS Dendritos Corpo celular Terminal do Axônio Axônio

25 O corpo celular rodeado por uma fina membrana, inclui o núcleo celular, que é a central de energia da célula. Os dendritos - prolongam-se para o exterior recebendo as mensagens dos neurónios vizinhos, conduzindo-as para o corpo celular. O número de dendritos, que pode atingir as centenas, varia segundo o tipo de neurónio. O axónio é a fibra principal de saída - a sua extensão pode variar entre escassos milímetros e um metro - que se prolonga a partir do corpo celular e que termina em ramificações chamadas terminais axônicos. Todos os neurónios estão presentes no momento do nascimento. O desenvolvimento físico provoca o crescimento dos neurónios que aumentam de tamanho, desenvolvendo- se o número de axónios e dendritos, assim como a quantidade de conexões que se estabelecem. Contudo, diferentemente das outras células do corpo, os neurónios não se dividem nem se reproduzem, sendo portanto insubstituíveis

26 A maioria dos axônios dos neurônios motores é mielinizada, ou seja, são recobertos por uma bainha de mielina, que é uma substância “gordurosa” que isola a membrana celular do neurônio. No sistema nervoso periférico, essa bainha de mielina é formada por células especializadas denominadas células Schwann. Esta bainha não é contínua, ou seja, não envolve toda a membrana do axônio; estes espaços são conhecidos como nódulos de Ranvier.

27

28 Classes de neurônios Aferente = sensorial Eferente = motor Interneurônios

29

30 Purkinje BipolarPseudo-unipolar Piramidal Unipolar

31 BONS ESTUDOS....


Carregar ppt "Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Zootecnia Histologia I Prof. Guilherme Garcez Cunha."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google