A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

BASQUETEBOL. HISTÓRIA DO BASQUETEBOL O basquetebol foi inventado pelo canadiano James Naismith no ano de 1891. O basquetebol apareceu porque os alunos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "BASQUETEBOL. HISTÓRIA DO BASQUETEBOL O basquetebol foi inventado pelo canadiano James Naismith no ano de 1891. O basquetebol apareceu porque os alunos."— Transcrição da apresentação:

1 BASQUETEBOL

2 HISTÓRIA DO BASQUETEBOL O basquetebol foi inventado pelo canadiano James Naismith no ano de O basquetebol apareceu porque os alunos de Educação Física de uma escola nos E. U. A. necessitavam de uma actividade física diferente que os animasse e motivasse. James Naismith, ao verificar que os gestos mais frequentes nos jogos praticados eram o lançamento, o arremesso, (atirar a bola), o agarrar e o batimento da bola inventou um jogo que viria mais tarde a chamar-se basquetebol (basketball = bola ao cesto). Colocou dois cestos de pêssegos, furados por baixo, um em cada extremidade do ginásio a uma altura maior que a dos jogadores. O objectivo do jogo era introduzir a bola no cesto da equipa adversária, usando as mãos. Surgiram então as primeiras regras que têm vindo a evoluir até aos nossos dias.

3 CARACTERIZAÇÃO DO BASQUETEBOL OBJECTIVO DO JOGOIntroduzir a bola no cesto da equipa adversária e evitar que ela seja introduzida no nosso, respeitando as regras do jogo. NÚMERO DE JOGADORESA equipa é formada por não mais de 12 jogadores. 5 efectivos e 7 suplentes. DIMENSÕES DO CAMPO28 metros de comprimento x 15 de largura. BOLAPerímetro: 75 a 78 cm. Peso: 567 a 650 g. CESTOAro de ferro com rede a 3,05 m do solo. DURAÇÃO4 x 10 minutos. (2 minutos de intervalo entre os 1º/2º e 3º/4º períodos de tempo e 15 minutos no meio- tempo do jogo). O cronómetro só avança quando a bola se encontra em jogo. Se o jogo terminar empatado haverá lugar a períodos suplementares de desempate, de cinco minutos, com dois minutos de intervalo entre cada período suplementar. JUÍZESO jogo é dirigido por dois árbitros, auxiliados por um marcador, um cronometrista, e um operador de 24 segundos. Por decisão da respectiva federação, poderá ser autorizada a utilização de três árbitros.

4 TERRENO DE JOGO Mesa de juízes

5 REGULAMENTO REGRASARBITRAGEM Início do jogo O jogo começa com um lançamento de bola ao ar entre dois jogadores no círculo central, no início do primeiro período de jogo. - A bola só pode ser tocada depois de atingir o ponto mais alto. - Nenhum dos saltadores pode agarrar a bola ou tocar nela mais de duas vezes. -Os restantes jogadores devem estar fora do círculo central. Nos outros períodos a posse de bola será alternada tendo em conta a equipa que obteve a primeira posse de bola. Se a bola não é tocada por um ou ambos os saltadores o ár- bitro deve repetir a bola ao ar.

6 REGRASARBITRAGEM Obtenção de pontos Os pontos são obtidos através de lançamentos de campo e de lances livres. Os lançamentos de campo são os que se efectuam no decorrer normal do jogo e em qualquer local do campo. Os lances livres são executados da linha de lance livre, com o jogo parado. Lançamento convertido à frente da linha de 6,25m – 2 pontos. Lançamento convertido atrás da linha de 6,25 m – 3 pontos. Lance livre convertido – 1 ponto. O árbitro indica à mesa, com os dedos, o número de pontos conseguidos pelo lançador. A bola é reposta em jogo em qualquer ponto atrás da linha final.

7 REGRASARBITRAGEM Como se pode jogar a bola A bola é jogada exclusivamente com as mãos, podendo ser passada, lançada ou driblada em qualquer direcção. Não se pode correr, pontapear ou socar a bola. Se a bola for tocada com qualquer parte do corpo, de forma não intencional, não Se considera violação. Com a bola segura nas mãos, apenas é possível realizar dois apoios. O árbitro apita e executa uma rotação dos punhos.

8 REGRASARBITRAGEM Como se pode jogar a bola (continuação) Na execução do drible não é permitido: - bater a bola com as duas mãos ao mes- mo tempo. - driblar, controlar a bola com as duas mãos, e voltar a driblar. - acompanhar a bola com a mão, no mo- mento do drible (transporte). Não é permitido socar a bola. O árbitro apita e executa um movimento alternado dos braços estendidos para cima e para baixo. O árbitro apita e exemplifica o movimento de transporte da bola. A infracção a estas regras é penalizada com perda da posse da bola. Reposição fora do campo, atrás das linhas lateral ou final.

9 REGRASARBITRAGEM Bola fora A bola está fora quando: - toca as linhas laterais, finais, o solo ou qualquer pessoa ou objecto (banco de su- plentes, cartazes de publicidade…) para além delas. - um jogador de posse da bola pisa as li- nhas limite do campo. As linhas que delimitam o campo não fa- em parte dele. A equipa responsável pela bola fora perde o direito à sua posse. Se a bola saiu pela linha lateral, será reposta em jogo no local correspondente à sua saída. Se a bola saiu pela linha final, será reposta em jogo na linha final, excepto no espaço directamente atrás da tabela. O árbitro indica com um braço a direcção do ataque, entrega a bola ao jogador e controla os cinco segundos que o executante dispõe para colocar a bola em jogo. Na reposição da bola em jogo o jogador não pode pisar a linha.

10 REGRASARBITRAGEM Faltas * FALTAS PESSOAIS Um jogador não pode agarrar, empurrar, carregar, rasteirar, nem impedir o movi- vimento de um adversário utilizando os braços estendidos, ombros, quadris, jo- elhos ou inclinando o corpo para uma Posição que não seja normal. Falta cometida sobre um jogador que não está em acto de lançamento. O árbitro indica o sinal de falta pessoal e o número do jogador que cometeu a falta. Ao jogador faltoso é averbada uma falta no boletim de jogo e a sua equipa perde a posse da bola. Os jogadores que cometem faltas devem identificar-se perante a mesa, levantando o braço. O jogo recomeça com reposição da bola, fora do campo, na zona mais próxima do local onde ocorreu a falta, quer seja na linha lateral quer na final, excepto no espaço directamente atrás da tabela.

11 REGRASARBITRAGEM Faltas (continuação) Falta cometida sobre um jogador que es- tá em acto de lançamento. * FALTAS ANTIDESPORTIVAS Uma falta pessoal que, na opinião do árbi- tro, foi cometida deliberadamente e com alguma violência é uma falta antidespor- tiva. Quando o cesto foi convertido, este é válido e o jogador que sofreu a falta tem direito a mais um lance livre. Quando o cesto não foi convertido, o jogador que sofreu a falta tem direito a efectuar dois ou três lances livres, conforme se trate, respectivamente, de uma tentativa de lançamento de dois ou três pontos. A equipa cujo jogador sofreu a falta beneficia de lances livres, seguidos de posse de bola.

12 REGRASARBITRAGEM Faltas (continuação) * FALTAS TÉCNICAS Atitudes antidesportivas, como linguagem ou gestos ofensivos e o desrespeito das indicações da arbitragem, são penaliza- das com faltas técnicas, quer se tratem de jogadores, treinador ou qualquer res- ponsável de uma equipa. * CINCO FALTAS O jogador que cometer cinco faltas pesso- ais e técnicas deve abandonar o jogo. São assinaladas no boletim de jogo e dão origem à marcação de dois lances livres contra a equipa do jogador faltoso, executados por um jogador indicado pelo capitão de equipa. O árbitro forma um “T” com as mãos abertas. A mesa comunica que o jogador atingiu as cinco faltas e o jogador é substituído.

13 REGRASARBITRAGEM Faltas (continuação) * QUATRO FALTAS Quando uma equipa atinge 4 faltas (pessoais ou técnicas), em cada período, todas as faltas seguintes dos seus jogadores serão penalizadas com dois lançamentos livres, executados pela equipa adversária.

14 REGRASARBITRAGEM Três segundos Nenhum jogador atacante pode permanecer no interior da área restritiva adversária mais do que três segundos quando a sua equipa está na posse da bola. A penalidade para esta infracção é a perda da posse da bola para a equipa adversária, que a repões em jogo fora do campo, na zona mais próxima do local onde ocorreu a falta, quer seja na linha lateral quer na final, excepto no espaço directamente atrás da tabela. O árbitro executa um movimento ascendente e descendente do braço, com três dedos estendidos.

15 REGRASARBITRAGEM Lance livre Nenhum jogador pode entrar na área restritiva antes da bola ter saído das mãos do lançador. A penalidade para esta infracção é a repetição do lançamento se o lance livre não tiver sido convertido. Cinco segundos Após receber a bola ou depois de parar o drible um jogador apenas pode permanecer com a bola na mão durante cinco segundos. Se este limite temporal for violado a equipa infractora perde a posse da bola. Oito segundos Cada equipa dispõe de apenas 8 segundos para fazer a transposição da bola do meio-campo defensivo para o meio-campo de ataque (transposição defesa-ataque). Se este limite temporal for violado a equipa infractora perde a posse da bola.

16 Bola presa Quando a bola é segura simultaneamen- te por um jogador de cada equipa e não se define a sua posse, o árbitro assinalará bola presa. O árbitro repõe a bola em jogo através de bola ao ar, no círculo mais próximo, entre dois adversários. REGRASARBITRAGEM Vinte e quatro segundos Uma equipa na posse da bola dispõe de vinte e quatro segundos para lançar ao cesto. No caso de se atingirem os vinte e quatro segundos sem lançamento, a bola é entregue à equipa adversária, que efectua uma reposição na zona mais próxima do local onde ocorreu a violação, quer seja na linha lateral ou na final, excepto no espaço directamente atrás da tabela.

17 REGRASARBITRAGEM Descontos de tempo Pode ser concedido um desconto de tempo de um minuto a cada equipa durante um dos três primeiros períodos, dois durante o quarto período e um durante cada período suplementar. O treinador solicita à mesa o desconto de tempo, o qual será concedido quando o jogo estiver interrompido. Substituições Durante o jogo, qualquer jogador pode ser substituído. A sua entrada em campo só pode verificar-se quando o jogo estiver interrompido e com a autorização do árbitro. Numa interrupção a mesa indica a substituição e o árbitro permite a sua realização.

18 SINAIS DA ARBITRAGEM

19

20 ACÇÕES TÉCNICO-TÁCTICAS PEGA DA BOLA DETERMINANTES TÉCNICAS - Colocar as mãos ligeiramente recuadas e na metade posterior da bola. - Colocar os dedos de forma a sentir a bola. - Colocar os dedos afastados, com os polegares atrás da bola - Não tocar a bola com a palma da mão.

21 POSIÇÃO BASE OFENSIVA DETERMINANTES TÉCNICAS - Colocar os pés afastados e à largura dos ombros. - Distribuir o peso do corpo de igual modo pelos dois apoios. - Fazer uma ligeira flexão das pernas. - Manter a cabeça levantada de modo a poderes observar os teus colegas e os adversários. - Fazer a pega da bola com ambas as mãos. -Colocar a bola junto ao abdómen, com os cotovelos colocados ao lado do tronco. NOTA: A posição base ofensiva também se diz de tripla ameaça porque, a partir dela, podes passar, driblar ou lançar.

22 POSIÇÃO BASE DEFENSIVA DETERMINANTES TÉCNICAS - Colocar os pés afastados e à largura dos ombros. - Distribuir o peso do corpo de igual modo pelos dois apoios. - Fazer uma ligeira flexão das pernas. - Inclinar ligeiramente o tronco para a frente. - Orientar os braços para cima e para diante, palmas das mãos viradas para a frente e dedos afastados. - Manter a cabeça levantada de modo a poderes observar os teus colegas e os adversários.

23 PASSE DE PEITO DETERMINANTES TÉCNICAS - Colocar os cotovelos junto ao corpo. - Avançar um dos apoios. - Executar um movimento de repulsão com os braços. - Executar rotação dos pulsos. - Após passe, ficar com as palmas das mãos viradas para fora e os polegares a apontar para dentro e para baixo. NOTA: Deves utilizar este tipo de passe para distâncias curtas ou médias.

24 PASSE PICADO DETERMINANTES TÉCNICAS - Colocar os cotovelos junto ao corpo. - Avançar um dos apoios. - Executar um movimento de repulsão com os braços. - Executar rotação dos pulsos. - Após passe, ficar com as palmas das mãos viradas para fora e os polegares a apontar para dentro e para baixo. - Dirigir o passe para baixo (solo) e para a frente. NOTA: Deves utilizar este tipo de passe quando existe um adversário entre ti e o teu colega de equipa.

25 PASSE POR CIMA DA CABEÇA DETERMINANTES TÉCNICAS - Elevar os braços acima da cabeça. - Avançar um dos apoios. - Executar o passe com o movimento dos pulsos e dos dedos. NOTA: Deves utilizar este tipo de passe quando existe um adversário entre ti e o teu colega de equipa.

26 PASSE DE OMBRO DETERMINANTES TÉCNICAS - Segurar a bola com as duas mãos ao lado e por cima do ombro. - Colocar o cotovelo numa posição levantada. - Avançar o corpo e a perna do lado da bola. - Fazer a extensão do braço e finalizar o passe com golpe de pulso. NOTA: Deves utilizar este tipo de passe para as distâncias maiores.

27 RECEPÇÃO DETERMINANTES TÉCNICAS - Ir ao encontro da bola com as duas mãos. - Colocar os dedos bem abertos e firmes. - Colocar os braços estendidos mas, no momento em que contactam com a bola, devem flectir-se, permitindo assim, por um lado, o amortecimento da velocidade desta e, por outro lado, a protecção da mesma.

28 DRIBLE DE PROGRESSÃO DETERMINANTES TÉCNICAS - Coordenar o movimento do antebraço de modo a amortecer o movimento da bola e reenviá-la para o solo. - Contactar a bola com a mão aberta e os dedos estendidos. - Driblar a bola ao lado do corpo (até ao nível da cintura). - Manter o olhar dirigido para a frente. - Controlar a bola em movimento. NOTA: Antes de progredires em drible deves observar a posição dos teus colegas e adversários. Nunca te esqueças de que a bola circula mais rapidamente através do passe do que do drible.

29 PARAGEM E ROTAÇÃO DETERMINANTES TÉCNICAS A UM TEMPO - Receber a bola com os dois pés no ar. - Fazer o apoio no solo em simultâneo com os dois pés afastados à largura dos ombros. - Após parar, pode rodar-se sobre qualquer um dos pés (pé-eixo).

30 PARAGEM E ROTAÇÃO (continuação) DETERMINANTES TÉCNICAS A DOIS TEMPO - Receber a bola com os dois pés no ar. - Fazer o apoio no solo com um pé de cada vez, um à frente do outro. - Após parar só se pode rodar sobre o primeiro pé (pé de trás - pé- eixo) que se apoiou no solo.

31 DRIBLE DE PROTECÇÃO DETERMINANTES TÉCNICAS - Flectir as pernas. - Colocar o braço livre e a perna contrária à da mão que dribla entre a bola e o defesa. - Coordenar o movimento do antebraço de modo a amortecer o movimento da bola e reenviá-la para o solo mais rapidamente. - Contactar a bola com a mão aberta e os dedos estendidos. - Driblar de modo que a bola ressalte no meio dos apoios. - Diminuir a altura do drible. - Controlar a bola em movimento.

32 FINTA SEM BOLA DETERMINANTES TÉCNICAS - Dar a entender ao adversário que vais prosseguir por um dos lados. - Desequilibrar o adversário para o lado que simulaste. - Ultrapassar o adversário pelo lado contrário (mudança de direcção). - Aumentar a velocidade. - Manter a bola dentro do teu campo visual.

33 FINTA DE ARRANQUE EM DRIBLE DETERMINANTES TÉCNICAS - Dar a entender ao adversário que vais arrancar para um dos lados. - Passar o peso do corpo do pé da frente para o de trás. - Dar um passo grande com a perna adiantada, de modo a colocá-la na direcção pretendida (arranque). - Proteger a saída, driblando com a mão mais afastada do adversário interpondo o teu corpo entre a bola e o adversário.

34 LANÇAMENTO EM APOIO DETERMINANTES TÉCNICAS - Partir da posição base-ofensiva e avançar ligeiramente o apoio do lado da mão que lança mantendo o olhar dirigido para o cesto. - Segurar a bola com as duas mãos e dedos afastados, ficando por trás a mão que lança. - Posicionar de lado a mão de apoio da bola, colocar o cotovelo debaixo da bola, com esta acima do nível da cabeça, mas desviada lateralmente para o lado da mão lançadora. - Posicionar o braço e o antebraço de modo a formarem um ângulo de 90º. - Fazer a extensão completa das pernas e braços com expulsão da bola por golpe de pulso. - Executar o movimento de forma contínua.

35 LANÇAMENTO EM SUSPENSÃO DETERMINANTES TÉCNICAS - É idêntico ao lançamento em apoio, com a diferença de ser antecedido de um salto. NOTA: Deves executar o lançamento no ponto mais alto do salto.

36 LANÇAMENTO NA PASSADA DETERMINANTES TÉCNICAS - Executar a passada entre o primeiro e o segundo apoios mais curta que a anterior para aproveitares a velocidade horizontal para a impulsão vertical. - Lançar pelo lado direito com o primeiro apoio direito e o segundo esquerdo (direito-esquerdo-lança). - Lançar pelo lado esquerdo com o primeiro apoio esquerdo e o segundo direito (esquerdo-direito-lança). - Dirigir o olhar para a tabela. - Elevar o joelho da perna livre em direcção ao cesto. - Utilizar o movimento de balanço da perna livre para aumentar a impulsão. - Executar o lançamento com a mão do lado correspondente.

37 RESSALTO OFENSIVO DETERMINANTES TÉCNICAS - Antecipar-se ao defensor para lhe ganhar a posição. - Realizar movimentos rápidos, com mudanças de direcção, dificultando assim o bloqueio do defensor. - Saltar para a bola, agarrá-la sobre a cabeça e, sem baixar os braços, lançá-la novamente.

38 RESSALTO DEFENSIVO DETERMINANTES TÉCNICAS - Observar a movimentação do atacante após o lançamento. - Ocupar uma posição entre o cesto e o atacante. - Bloquear o atacante. - Saltar para a bola, agarrá-la com as duas mãos e protegê-la.

39 DEFESA (MOVIMENTAÇÃO DEFENSIVA) Quando a tua equipa perde a posse da bola, deves ter sempre presente os seguintes objectivos:  Tentar impedir ou dificultar a progressão do adversário.  Tentar impedir que o adversário marque pontos.  Tentar recuperar a posse de bola.

40 DEFESA AO JOGADOR COM BOLA DETERMINANTES TÉCNICAS - Por deslocamento sucessivo e mantendo o enquadramento defensivo, pressionar com o objectivo de o desviar do corredor central para o corredor lateral. - Impedir a progressão dificultando o drible, o passe, o lançamento e as penetrações ou entradas pela linha final. - Sempre que se é ultrapassado, recuperar a posição defensiva básica e o enquadramento, entre o atacante directo e o cesto. - No acto de lançamento, dificultar a acção do atacante, através da elevação superior dos braços.

41 DEFESA AO JOGADOR SEM BOLA DETERMINANTES TÉCNICAS - No lado da bola, fechar as linhas de passe do jogador adversário próximo da bola (situação b). - No lado da ajuda, tomar uma posição que te possibilite:  interceptar passes longos (situação c);  impedir a abertura de linhas de passe (situação d);  dificultar a movimentação adversária, colocando-te entre o jogador e a bola, ou ajudar os teus companheiros de equipa mais próximos na defensiva (situação e). - Quando um companheiro é ultrapassado pelo jogador adversário directo, ajudá-lo por momentos e, seguidamente, ocupar a tua posição anterior.

42 DEFESA AO JOGADOR SEM BOLA (continuação) DETERMINANTES TÉCNICAS - No momento do lançamento, estar colocado entre o adversário directo e o cesto, por antecipação, para:  participar no ressalto defensivo (situação a);  dificultar a participação do jogador adversário no ressalto ofensivo, através do bloqueio defensivo (situação b).

43 ATAQUE (MOVIMENTAÇÃO OFENSIVA) Quando a tua equipa recupera a posse da bola, deves ter sempre presente os objectivos de ataque:  Fazer progredir a bola, invadindo o meio-campo defensivo do adversário.  Finalizar o ataque com lançamentos.  Concretizar um cesto.

44 MOVIMENTAÇÃO OFENSIVA Para conseguir a posição ofensiva é preciso dominar a recepção da bola. Assim, deves: - Estar concentrado na trajectória da bola. - Manter o olhar fixo. - Ir ao encontro da bola e controlá-la com ambas as mãos. - Quando não é possível a recepção da bola com as duas mãos, fazer o contacto inicial através da mão-alvo, trazendo-a imediatamente para o controlo das duas mãos. - Fazer a rotação imediata sobre o pé-eixo. -Tomar uma posição confortável e equilibrada, possibilitando à partida um deslocamento rápido e eficaz para resolver as diferentes situações de jogo, através da:  Protecção da posse da bola.  Observação do jogo: cesto, companheiros de equipa e jogadores contrários.  Penetração em drible, passe ou lançamento.

45 ATACANTE COM BOLA No momento da condução da bola, o drible deve ser feito à frente do corpo e do lado da mão. Simultaneamente, deves: - Observar o jogo e evitar olhar para a bola. - Manter o equilíbrio para saber quando se deve parar, “arrancar”, lançar ao cesto ou mudar de direcção. -Tentar ultrapassar, se necessário, o adversário directo (1x1) para finalizar, de preferência em situações em que existe espaço livre ou quando não se pode passar a bola nem lançá-la. Quando esta situação é executada correctamente, permite:  A progressão da bola.  A criação de penetrações na defesa adversária, com possibilidade de lançamento.  O descongestionamento de uma zona com aglomeração de jogadores.

46 ATACANTE COM BOLA (continuação) Depois da “leitura de jogo”, é importante optar pela acção mais adequada, que depende do posicionamento dos defesas e dos companheiros de equipa. Por isso, deves: - Passar, utilizando a linha de passe ofensiva, e desmarcar-te, garantindo a progressão da tua equipa em equilíbrio ofensivo. - Driblar pelo corredor central. Se não tens linha de passe, deves continuar a driblar até surgir uma hipótese para que possas aproximar a bola do cesto. - Explorar as situações de vantagem numérica 3x2, 2x1 ou 1x1 para uma finalização rápida, utilizando o passe ou o drible e a técnica de lançamento conveniente.

47 ATACANTE COM BOLA (continuação) Se um companheiro se encontra livre de marcação - desmarcado - e em posição mais ofensiva, deves: - Passar-lhe a bola e, seguidamente, fazer o deslocamento na direcção do cesto, criando nova linha de passe para que a bola te possa ser devolvida – “passa e corta”. - Após realizar um passe, deves procurar tomar uma posição que obstrua o caminho do defesa do teu companheiro de equipa, a quem passaste a bola - bloqueio ofensivo ou “cortina”.

48 CONDIÇÕES PARA OS LANÇAMENTOS Antes do lançamento é importante verificares: - A tua posição em relação ao teu adversário directo - A distância a que te encontras do cesto. - A posição dos companheiros, pois um deles pode encontrar-se em melhor posição para executar o lançamento. - Se há algum companheiro de equipa perto da zona do cesto, em posição de, no caso de o lançamento falhar, participar no ressalto ofensivo.

49 ATACANTE SEM BOLA Após a recuperação da posse da bola, no seu meio-campo, como jogador atacante sem bola, deves: - Fazer imediatamente a desmarcação, criando linhas de passe para receber a bola perto do jogador com bola e linhas mais ofensivas. Esta movimentação possibilita uma ocupação equilibrada do espaço de jogo, contribui para uma finalização em vantagem numérica ou posicional e pode assegurar:  O preenchimento dos espaços livres da marcação adversária.  Uma distribuição equilibrada no terreno de jogo.  A participação no ressalto ofensivo.

50 DESMARCAÇÃO A desmarcação pode ser realizada de duas formas: - EM DIRECÇÃO AO CESTO  “Finta”, em aceleração lenta na direcção da bola e rápida mudança de direcção, “cortando” para o cesto, pela rectaguarda do defesa, e assinalando com a mão contrária ao lado do defesa, mão-alvo, o ponto para onde deve ser efectuado o passe. - EM DIRECÇÃO À BOLA  “Finta”, em aceleração lenta na direcção do cesto, rápida mudança de direcção, abrindo para a bola, assinalando com a mão contrária ao lado do defesa, mão-alvo, o ponto para onde deve ser efectuado o passe.

51 FIM


Carregar ppt "BASQUETEBOL. HISTÓRIA DO BASQUETEBOL O basquetebol foi inventado pelo canadiano James Naismith no ano de 1891. O basquetebol apareceu porque os alunos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google