A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Brasília, novembro 2008 – Antonio Duarte Aspectos neuromusculares da Ventilação Mecânica na UTI Reabilitação neuromuscular precoce na UTI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Brasília, novembro 2008 – Antonio Duarte Aspectos neuromusculares da Ventilação Mecânica na UTI Reabilitação neuromuscular precoce na UTI."— Transcrição da apresentação:

1 Brasília, novembro 2008 – Antonio Duarte Aspectos neuromusculares da Ventilação Mecânica na UTI Reabilitação neuromuscular precoce na UTI

2 O emprego habilidoso do fogo, resultado de muitas idéias e experiências durante milhares de anos, é uma das conquistas da raça humana. Uma breve história do mundo. Geoffrey Blainey

3 Ventilação Mecânica Risco Elevação dos custos

4 Da pré-história ao futuro em 20 anos

5

6

7 LIMITAÇÃO DE ATIVIDADE DIFICULDADES QUE O INDIVÍDUO PODE ENCONTRAR NA EXECUÇÃO DE ATIVIDADES. MELHOR DESEMPENHO DE AVD = OBJETIVO DE TRATAMENTO

8 Tratamento Com ou sem dispositivos de auxílio ou assistência pessoal, remover ou minimizar,o impacto funcional das doenças na realização de atividades.

9 Transforming ICU Culture to Facilitate Early Mobility Ramona O. Hopkins, PhDa,b,*,Vicki J. Spuhler, RN, MSa, George E. Thomsen, MDa Crit Care Clin 23 (2007) 81–96

10 Critically ill respiratory failure patients frequently require mechanical ventilation, have long ICU stays, and account for 3% to 6% of ICU admissions. In North American adult ICUs approximately 40% of patients are ventilated mechanically (some with respiratory failure) during ICU treatment. Patients with prolonged mechanical ventilation use 37% of ICU resources. Critical care costs account for approximately 1% of the United States gross national product, or $90 billion. The cost of care for patients requiring long-term mechanical ventilation is a national problem. Although reducing costs is important, it is equally important to improve outcomes in critically ill patients.

11

12 Mobilização ativa ou passiva e treinamento muscular deve ser instituído precocemente (C). Posicionamento, uso de ‘calhas’, mobilização passiva e alongamento muscular devem ser usados para manter a amplitude articular e o comprimento muscular em pacientes imobilizados (C). Estimulação elétrica neuromuscular deve ser utilizada em pacientes imobilizados e com alto risco de disfunção músculo-esquelética (C). Mobilização passiva, posicionamento e transferências deve ser aplicada em comjunto com a enfermagem (D). O fisioterapeuta é o responsável pela implantação do plano mobilização, prescrição de exercícios e pela progressão deste plano em conjunto com a equipe (D). Treinamento aeróbico e exercícios resistidos

13 O fisioterapeuta deve assegurar que seu tratamento envolva o desconforto e ansiedade, tanto quanto, problemas fisiológicos (D). Plano educacional deve estar incluído no tratamento (D). A massoterapia deve ser considerada na diminuição da ansiedade e melhora da qualidade do sono (C). Toque terapêutico deve estar em todo tratamento (D). Problemas emocionais e comunicação

14 Follow-up after intensive care: another role for the intensivist ? H. FLAATTEN Acta Anaesthesiol Scand 2005

15

16

17 VISÃO Redução da sedação Mobilidade precoce Sono Proteção da via aérea Planejamento estratégico

18

19 IdadeBaixo status funcionalPiora cognitivaLimitação de AVD’s pré -internaçãoDepressão durante a internaçãoLonga internação

20

21

22 Re - integração funcional Impact of whole-body rehabilitation in patients receiving chronic mechanical ventilation Ubaldo J. Martin, MD; Luis Hincapie, RPT; Mark Nimchuk, RPT; John Gaughan, PhD; Gerard J. Criner, MD Crit Care Med 2005 Vol. 33, No. 10

23 Effects of Physical Training on Functional Status in Patients With Prolonged Mechanical Ventilation Effects of Physical Training on Functional Status in Patients With Prolonged Mechanical Ventilation Physical Therapy. Volume 86. Number 9. September 2006 Ling-Ling Chiang, Li-Ying Wang, Chin-Pyng Wu, Huey-Dong Wu, Ying-Tai Wu

24 Early activity is feasible and safe in respiratory failure patients Polly Bailey, RN, APRN; George E. Thomsen, MD; Vicki J. Spuhler, RN, MS; Robert Blair, PT; James Jewkes, PT; Louise Bezdjian, RN, BSN; Kristy Veale, RN, BSN; Larissa Rodriquez, AS; Ramona O. Hopkins, PhD Crit Care Med 2007; 35:139–145

25 The neurologic criterion to begin activity was patient response to verbal stimulation. Activity was not started in comatose patients. The respiratory criteria to start activity were FIO 2 ≤ 0.6 and positive end-expiratory pressure ≤ 10 cm H2O. The circulatory criteria to start activity were the absence of orthostatic hypotension and catecholamine drips.

26

27

28

29

30 Conclusão “We conclude that mobility therapy delivered early in the course of acute respiratory failure patients receiving mechanical ventilation is feasible, safe, did not increase cost, and was associated with decreased ICU and hospital LOS in survivors.”

31 NOSSOS PACIENTES TEM QUE ESTAR ACORDADOS

32 TENDENCIAS TECNOLÓGICAS Closed-loop systems Integração: Ventilação Espontânea e Mecânica Modos de ventilação com duplo limite Closed-loop systems Integração: Ventilação Espontânea e Mecânica Modos de ventilação com duplo limite Reduzir complicações, encurtar o tempo de suporte ventilatório. MELHORAR A EVOLUÇÃO DOS PACIENTES EM VENTILAÇÃO MECÂNICA.

33 Use of Sedatives and Neuromuscular Blockers in a Cohort of Patients Receiving Mechanical Ventilation* Alejandro Arroliga, MD, FCCP; Fernando Frutos-Vivar, MD; Jesse Hall, MD;Andres Esteban, MD; Carlos Apezteguıa, MD; Luis Soto, MD;Antonio Anzueto, MD; for the International Mechanical Ventilation StudyGroup (CHEST 2005; 128:496–506) Conclusão: O uso de sedativos é comum, e sua aplicação encontra-se associada a maior duração da ventilação mecânica, maior tempo de desmame e maior tempo de permanência em UTI. Bloqueadores neuromusculares são usados em 13% dos pacientes e encontram-se associados a maior duração da ventilação mecânica, tempo de desmame, maior permanência na UTI e maior mortalidade.

34 Exercícios Frequencia Intensidade Duração Tipo

35 Adesão ao Plano Terapêutico fatores do paciente Idade Sexo Grupo sócio-econômico Medo Percepção do benefício Suporte social

36 Equipe Plano educacional Atenção individualizada Dinâmica de grupo Logística do programa Adesão ao Plano Terapêutico fatores do programa

37

38

39

40

41

42

43 Intervenções Mobilizações Posicionamento Eletro estimulação Exercício Resistido Ortostatismo Treinamento de Transferências Reeducação funcional da marcha Exercícios aeróbicos Esportes / Dança

44

45

46

47

48

49

50

51

52


Carregar ppt "Brasília, novembro 2008 – Antonio Duarte Aspectos neuromusculares da Ventilação Mecânica na UTI Reabilitação neuromuscular precoce na UTI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google