A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Impacto da Pesquisa na Graduação Médica Ciência Claudimar Amaro (Jabá) - CARL-FMRP-USP – Centro Acadêmico “Henrique Rocha Lima”

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Impacto da Pesquisa na Graduação Médica Ciência Claudimar Amaro (Jabá) - CARL-FMRP-USP – Centro Acadêmico “Henrique Rocha Lima”"— Transcrição da apresentação:

1 Impacto da Pesquisa na Graduação Médica Ciência Claudimar Amaro (Jabá) - CARL-FMRP-USP – Centro Acadêmico “Henrique Rocha Lima” ABEM-SP – Associação Brasileira de Educação Médica ABLN – Assoc. Brasileira de Ligas de Neurociências AME-BRASIL – Associação Médico Espírita

2 No começo... O Homem Early classical Greek philosophy categorized, and thus differentiated, human life into three spheres: morality, science, and art, which were constituents of Plato's "The Good, the True, and the Beautiful" (Copleston, 1960). The Good (morality) represented ethics and justice; the Beautiful (art), personal subjective aesthetics; and the True, the objective reality represented by science. Differentiation ultimately led to dissociation of the three life spheres, and to a large degree is what defines modernity (Anderson, 1995; Cahoone, 1996). Once dissociation occurred, science grew dramatically in both size and success, proclaiming that the other two spheres were inferior. Ken Wilber (1995, 1996, 1997), a human science theorist, has further refined and integrated these three categories. The subjective, aesthetic areas corresponding to subjective beauty and valuation in general can be described in "I" terms. Morality, or the Good, which involves intersubjective, shared, mutual understanding, can be described in "We" terms. Truth, being objective, empirical knowledge, can be described in "It" terms. Additionally, Wilber argued (1995) that science (It) commits a logical error by reducing the other two spheres, "I" and "We," to "Its." A number of other individuals have voiced the same concern (Assagioli, 1965; Bugental, 1965; Maslow, 1966, 1971; May, 1953; Polanyi, 1958; Polkinghorne, 1983; Schneider and May, 1995; von Bertalanffy, 1968). According to Wilber (1995, 1996, 1997), these domains—the "Big Three"—are represented, to some degree, in all phenomena. In the final section of this paper, I will show how the "Big Three" describe the NDE, as Verdade CIÊNCIA Moralidade DIVINO Beleza ARTE Ética e Justiça Estética Subjetiva Realidade Objetiva (Copleston, 1960)

3 Cultura & Ciência: - curiosidade - questionamento - verdade Construído e Reconstruído Histórico e Socialmente Camponês (ingenuidade da curiosidade) Cientista/Filósofo (epistemologicamente curiosos) “ciência feita por homens e para homens” “enrraizamento social e histórico” Prigogine & Stengers (1980) Paulo Freire

4 Ciência: Produzida pela sociedade e repercute sobre ela. O que é Ciência? Baseia-se na definição e na demontração (Aristóteles) Obra da imaginação criadora do homem. Reveladora do mundo escondido nas aparências. Forma Racional de Ver o Mundo.

5 Formas de raciocínio – Método Aristóteles ( AC): raciocínio dedutivo (silogismo) Francis Bacon ( ): raciocínio indutivo Baseado em Heffner CL. Research Methods, 2004 Galileu ( ): propõe hipóteses e as submete a prova experimental John Dewey ( ) : Método científico 1.Identificar e definir o problema 2.Determinar a hipótese 3.Coletar e analisar os dados 4.Formular conclusões 5.Aplicar as conclusões às hipóteses originais Raciocínio dedutivo Raciocínio indutivo “Curiosidade Crítica, insatisfeita, indócil.” Paulo Freire Claude Bernard ( ): método científico “as ciências partem da observação fiel da relaidade. Na sequência dessa observação tiram-se leis. Estas entào são submetidas a verificações experimentais e, desse modo, postas á prova. Estas leis testadas são enfim inseridas em teorias que descrevem a realidade.” (Contra o heliocentrismo) (Contra o atomismo) (Contra o evolucionismo)

6 Formas de raciocínio – Método Baseado em Heffner CL. Research Methods, 2004 John Dewey ( ) : Método científico 1.Identificar e definir o problema 2.Determinar a hipótese 3.Coletar e analisar os dados 4.Formular conclusões 5.Aplicar as conclusões às hipóteses originais Raciocínio dedutivo Raciocínio indutivo “Curiosidade Crítica, insatisfeita, indócil.” Paulo Freire O primeiro era o de nunca aceitar algo como verdadeiro que eu não conhecesse claramente como tal; ou seja, de evitar cuidadosamente a pressa e a prevenção, e de nada fazer constar de meus juízos que não se apresentasse tão clara e distintamente a meu espírito que eu não tivesse motivo algum de duvidar dele. O segundo, o de repartir cada uma das dificuldades que eu analisasse em tantas parcelas quantas fossem possíveis e necessárias a fim de melhor solucioná-las. O terceiro, o de conduzir por ordem meus pensamentos, iniciando pelos objetos mais simples e mais fáceis de conhecer, para elevar-me, pouco a pouco, como galgando degraus, até o conhecimento dos mais compostos, e presumindo até mesmo uma ordem entre os que não se precedem naturalmente uns aos outros. E o último, o de efetuar em toda parte relações metódicas tão completas e revisões tão gerais nas quais eu tivesse a certeza de nada omitir. René DESCARTES ( ) (Contra teoria de movimentos de Galileu)

7 Ciência & Ciências Final do século XIX Entrelaçamento das racionalidades transdisciplinaridade. Ciências Geisteswissenschaften Humanidades “Sciences” Ciências Naturais Século XXI ??? Ciências

8 “A Ciência moderna” Necessidade de Especialização. Compensação: Trabalho em Equipe / Humanização Desumanização Tecnológica – Massificação. “seres programados” François Jacob “condicionamento massificado” MiguelCovian. Correção: transferência de responsabilidade falta reflexão crítica e fundamentada (cultura/ciência) “a educação universitária, que não tem nada de universal, é frustante para quem a recebe. Por estar dirigida somente a uma parte do homem e não ao homem como totalidade.” Miguel R. Covian, neurofisiologista (1975)

9 Medicina & Homem Medicina ??? “A arte sou eu, a ciência somos nós” Claude Bernard HOMEM Integral – saúde x doença Ars Medicina BIO PSICO SOCIAL

10 Medicina: Ciência e Arte Ainda Hoje??? Quadro do médico ontem e hoje The Doctor - Luke_Fildes

11 Medicina & Ciência Medicina ??? Medicina Baseada Evidências Subjetividade Razão “A arte sou eu, a ciência somos nós” Claude Bernard Ultra-Especialização Tecnicidade Biologização Objetividades HOMEM

12 Ciência ??? Disciplinas (Áreas do saber que não se relacionam) (!*!) Conhecimeto Cognitivo Técnicista (Memorização, Cópia e Prática) “Nem sempre se deve esgotar um assunto ao ponto de se deixar o leitor sem nada que fazer. Não se trata de levar as pessoas a ler, mais sim a pensar” Montesquieu Docente – Transmite / Discente - Absorve (Acadêmico - Aluno) Medicina ??? Ensino & Medicina - “HOJE” * Bioestatística – Epidemiologia Trabalhos Científicos / Seminários – Pré definidos

13 Quantos anos para obter conhecimentos? Pesquisa com descritor “Medicine” somente para REVIEW [English] © JEV 2006 Ensino & Ciência: Quantos anos para manter conhecimentos? Pesquisa com termos descritores na Fisiopatologia da Asma bronchospasm/asthma E inflammatory-asthma/asthma

14 DCN – O QUE DIZ ??? Ainda Hoje??? Art. 3º -... com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Art. 4º -... capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos... competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas Dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicosocioambiental subjacentes à prática médica e ter raciocínio crítico na interpretação dos dados, na identificação da natureza dos problemas da prática médica e na sua resolução Exercer a medicina utilizando procedimentos diagnósticos e terapêuticos com base em evidências científicas Conhecer os princípios da metodologia científica, possibilitando-lhe a leitura crítica de artigos técnicos-científicos e a participação na produção de conhecimentos.

15 Ensino & Pesquisa: “Curiosidade Crítica, insatisfeita, indócil.” Paulo Freire Raciocínio – Método Entrelaçamento das racionalidades transdisciplinaridade. Século XXI Ciências BIO PSICO SOCIAL Medicina

16 Como incluir a ciência no currículo: Problematização no Ensino Médico Discussão Clínica Utilização de Sites/Revistas Médicas/Livros Optativas eletivas Ciências Humanas / Filosofia Ligas Monitoria - Iniciação científica Cursos Complementares Docente – Tutor / Orientador

17 A Realidade (?!) Dificuldades Atuais da Implantação Cultura de Ensino Brasileiro Cultura Acadêmica: Pesquisador - Professor Capacitação Docente Metodologias: Prática x Ideologia Tempo Avaliação

18 Medicina: Ciência e Arte Amanhã ??? Quadro do médico ontem e hoje Exames Palm/Guidelines Remédios Advogado Roupa habitação The Doctor – Luke Fildes – “Revisitado”

19 “Quando nós propomos uma teoria científica geral, a única coisa que podemos estar certos é que – falando em termos absolutos – todas estas teorias são falsas. Elas nada mais são do que verdades parciais e provisórias de que necessitamos, como degraus para descansar, para avançar nossa investigação” Claude Bernard, 1865

20 Medicina: Ciência e Arte

21 Objetivos: Refletir sobre o papel da ciência na formação do processo crítico e reflexivo. Refletir como o saber médico e as ciências se interconectam. Refletir sobre a formação médica e o papel discente e docente. Refletir sobre as ciências e o cotidiano do homem. Possibilitar a identificação de metodologias de trabalho ciência/graduação médica e seus problemas. Impacto da Pesquisa na Graduação Médica

22 Agradecimento - Fontes Prof. Dr. Francisco Guimarães – FMRP-USP – Apresentação Ciência Prof. Dr. Sergio Brito – FMRP-USP – Apresentação Ciência Prof. Dr. Joaquim Edson Vieira – FM-USP – Apresentação Ensino Médico Prof. Dr. Paulão – FMRP-USP – Foto Médico Ideal Prof. Dr. Ballejo – FMRP-USP – Reflexões João José Neves Marins e outros –Educação Médica em Transformação instrumentos para a construção de novas realidade Denis huisman, André Vergez. Curso Moderno de Filosofia - Introdução à filosofia das ciências Wolfgang Welsch, Mudança estrutural nas ciências humanas: diagnóstico e sugestões (artigo) Bruno Deshaies. Metodologia da Investigação em Ciências humanas Beth Dawson, Robert G. Trapp. Bioestatística Básica e Clínica Miguel Covian. Ciência, Técnica e Humanismo (Ensaio) Gérard Fourez. A construção das Ciências Sidney Morgenesser. Filosofia da Ciência

23 Sugestões Médicos e Descobridores Vidas que criaram a medicina de hoje John Galbraith Simmons Ed. Record Pedagogia da Autonimia Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire

24 “Uma nova verdade...não triunfa convencendo seus oponentes e sim pelo fato de que estes morrem e uma nova geração cresce em familiaridade com esta nova “verdade”. Max Planck [ ] Obrigado. Claudimar Amaro (Jabá) - CARL-FMRP-USP – Centro Acadêmico “Henrique Rocha Lima” ABEM-SP – Associação Brasileira de Educação Médica ABLN – Assoc. Brasileira de Ligas de Neurociências AME-BRASIL – Associação Médico Espírita “a filosofia aparece como o antídoto da Especialização em demasia, da fragmentação do saber e por conseguinte da deformação humana resultante de ver o mundo físico e espiritual através de um buraco e ingenuamente pensar que se está vendo toda a realidade” Miguel R. Covian, neurofisiologista (1975)

25 Paulo Freire Pontuar relação aprendizado / curiosidade “A reflexão crítica sobre a prática se torna uma exigência da Relação teoria/prática sem a qual a teoria pode ir virando blablablá e a prática, ativismo.” “...o formando, desde o princípo de sua experiência formadora, assumindo-se como sujeito também da produção do saber, se convença definitivamente de que ensinar não é transterir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” “quando vivemos a autencidade exigida pela prática de ensinar-aprender participamos de uma experiência total, diretiva, política, ideológica, gnosiológica, pedagógica, estética e ética...” “”Na verdade, a curiosidade ingênua, “desarmada”, está associada ao senso comum,é a mesma curisidade, que criticizando-se, aproximando-se de forma cada vez mais metodicamente rigorosa do objeto cognocível, se torna curiosidade epistemiológica. Muda de qualidade mas não de essência.” Camponês (ingenuidade da curiosidade) - Cientista/Filósofo (epistemologicamente curiosos) “A prática educativa é tudo isso: afetividade, alegria,capacidade científica, domínio técnico a serviço da mudança.”


Carregar ppt "Impacto da Pesquisa na Graduação Médica Ciência Claudimar Amaro (Jabá) - CARL-FMRP-USP – Centro Acadêmico “Henrique Rocha Lima”"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google