A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Inter-relação da Defesa Agropecuária com a Vigilância Sanitária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Inter-relação da Defesa Agropecuária com a Vigilância Sanitária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento."— Transcrição da apresentação:

1 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Inter-relação da Defesa Agropecuária com a Vigilância Sanitária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

2 TÓPICOSTÓPICOS Conflito de competências x inter-relação Importância do agronegócio nacional Base legal da defesa agropecuária A SDA – estrutura e atuação Considerações finais

3 CONFLITO DE COMPETÊNCIAS OU INTERAÇÃO Conflito de competências MAPA x MS Base legal Defesa Agropecuária - CF Mandato de interação SUS e SUASA Atuação da defesa agropecuária

4 Importância do Agronegócio Nacional NO AGRONEGÓCIO O BRASIL NÃO É MAIS O PAÍS DO FUTURO, É DO AGORA E DO FUTURO Agronegócio – A soma das atividades de fornecimento de bens e serviços à agricultura, da produção agropecuária, do processamento, da transformação e da distribuição de produtos de origem agropecuária até o consumidor final. No seguimento da produção, são contemplados o pequeno, o médio e o grande produtor rural. – Ray Goldberg – Harvard University

5 Renda Agrícola

6 A IMPORTÂNCIA DO AGRONEGÓCIO NACIONAL PIB – 25 % ¹ Empregos – 37 %² Saldo da balança comercial – 124 % em 2007 (os demais setores apresentaram déficit) Eficácia e eficiência do setor Potencial de crescimento e sustentabilidade ¹ Em 2007 (Fonte: Cepea/USP) ² Em 2004 (Fonte: CNA/com base em IPEA)

7 A SDA NO AGRONEGÓCIO NACIONAL A MANUTENÇÃO E AMPLIAÇÃO DESSE PAPEL DEPENDE NÃO SÓ DA PRODUÇÃO MAS TAMBÉM DA SANIDADE, DA INOCUIDADE E DA QUALIDADE DOS PRODUTOS, BEM COMO DA CREDIBILIDADE DOS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO

8 VALOR BRUTO DE PRODUÇÃO – PRINCIPAIS PRODUTOS (2005) Productions gross value (2005) Agriculture: 58.4 % Livestock: 41.6 % TOTAL: US$ 73.9 billions Selected products: 93.9 % Source: CNA (Production x Price)

9 Source: Conab / MAPA * Estimate (5 th Grain Harvest Survey: February/2007) PRODUÇÃO DE GRÃOS GRAINS: cotton, peanut, rice, oats, rye, barley, beans, sunflowers, castor bean, corn, soy, sorgum, wheat and triticale. AREA: + 20% PRODUÇÃO: % PRODUTIVIDADE: %

10 GO PA MG SP RS PE LANAGROS

11 ÁREA DE CREDENCIAMENTO Número de Laboratórios Agrotóxicos e Afins11 Análises Físico-Quimicas de Alimentos de Origem Animal e Água12 Análises Físico-Quimicas de Alimentos de Origem Vegetal para fins de Classificação 14 Análises Físico-Quimicas de Alimentos para Animais4 Análises Físico-Químicas de Bebidas e Vinagres7 Diagnóstico Animal452 Diagnóstico Fitossanitário32 Fertilizantes, Corretivos, Substratos e Afins4 Inoculantes e Afins1 Microbiologia em Alimentos e Água22 Biotecnologia e Organismos Geneticamente Modificados7 Qualidade do Leite8 Resíduos e Contaminantes em Alimentos25 Identificação Genética e Material de Multiplicação Animal7 Sementes272 Total878 Laboratórios Credenciados

12 Foram consideradas as exportações de produtos dos capítulos 2 a 5, 7 a 13, 15 e 16 a 23 da NCM

13 Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes Evolução do número de amostras do PNCRC (2004 – 2005 – ) – Aumento de 232% Evolução do número de amostras do PNCRC (2004 – 2005 – ) – Aumento de 232%

14 Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes Evolução do número de violações do PNCRC

15 OMC Princípio do Acordo Os países tem o direito de aplicar medidas sanitárias e fitossanitárias para proteger a vida e saúde das pessoas, dos animais e das plantas, desde que tais medidas não se constituam num meio de discriminação arbitrário entre países de mesmas condições, ou numa restrição encoberta ao comércio internacional. Os países tem o direito de aplicar medidas sanitárias e fitossanitárias para proteger a vida e saúde das pessoas, dos animais e das plantas, desde que tais medidas não se constituam num meio de discriminação arbitrário entre países de mesmas condições, ou numa restrição encoberta ao comércio internacional.

16 BASE LEGAL DA DEFESA AGROPECUÁRIA Lei Complementar nº 8.171/92, modificada pela Lei nº 9.712/98: Art. 27-A. São objetivos da defesa agropecuária assegurar: I - a sanidade das populações vegetais; II - a saúde dos rebanhos animais III - a idoneidade dos insumos e dos serviços utilizados na agropecuária; IV - a identidade e a segurança higiênico-sanitária e tecnológica dos produtos agropecuários finais destinados aos consumidores.

17 Lei Complementar nº 8.171/92, modificada pela Lei nº 9.712/98: Art. 28-A. Visando à promoção da saúde, as ações de vigilância e defesa sanitária dos animais e dos vegetais serão organizadas, sob a coordenação do Poder Público nas várias instâncias federativas e no âmbito de sua competência, em um Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária, articulado, no que for atinente à saúde pública, com o Sistema Único de Saúde de que trata a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de BASE LEGAL DA DEFESA AGROPECUÁRIA

18 RESPONSABILIDADES DA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA RESPONSABILIDADES DA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Prevenir, controlar e erradicar doenças e pragas de animais e vegetais; Assegurar a sanidade e conformidade de produtos de origem animal e vegetal; Assegurar a sanidade e conformidade de insumos agrícolas e pecuários.

19 FORMAS DE ATUAÇÃO DA DEFESA AGROPECUÁRIA Atuação em toda a cadeia produtiva; Participação nos processos de produção da agropecuária; Certificação da cadeia produtiva; Proteção do patrimônio sanitário e fitossanitário da agropecuária nacional.

20 PADRÕES E REFERÊNCIAS PARA A DEFESA AGROPECUÁRIA SAÚDE PÚBLICA (MINISTÉRIO DA SAÚDE E ANVISA) ACORDOS INTERNACIONAIS: FAO/OMS - CODEX ALIMENTARIUS; CIPV - CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A PROTEÇÃO DOS VEGETAIS; OIE - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ANIMAL; OMC - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO.

21 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Diretor de Programa Área Vegetal Diretor de Programa Área Animal DSA DSV DFIADFIPDIPOADIPOV Coordenação-geral de Apoio Laboratorial Coordenação do SISBOV Coordenação de Biossegurança Coordenação de Controle de Resíduos e Contaminantes Coordenação de Apoio Orçamentário Coordenação-geral do Sistema De Vigilância Agropecuária

22 PRINCIPAIS ÁREAS DE AÇÃO DA SDA DSV e DSA – sanidade vegetal e saúde animal DIPOV e DIPOA – produtos de origem vegetal e animal DFIA e DFIP – insumos para agricultura e pecuária

23 ÁREAS DE SUPORTE DA SDA Apoio laboratorial; Inspeção e fiscalização nos pontos de entrada e saída; Biossegurança – OGMs; Controle de resíduos e contaminantes; Rastreabilidade; Orçamento e finanças.

24 SDA Unidades Regionais Secretarias de Agricultura Superintendência Federal Âmbito Estadual Âmbito Federal OIE CIPV Codex Alimentarius Embrapa Universidades Órgãos de Pesquisa Ministérios Ministério Público Fundecitrus Associações de produtores Indústrias Ouvidoria Exportadores

25 SUASA SISTEMA UNIFICADO DE ATENÇÃO À SANIDADE AGROPECUÁRIA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO SUASA SISTEMA UNIFICADO DE ATENÇÃO À SANIDADE AGROPECUÁRIA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

26 26 SUASA: Obrigações Gerais; Três Instâncias: Central e Superior; Intermediárias; Locais; Regulamentação: Decreto nº5741/06. LÓGICA DA LEI 9.712/98

27 Os produtores respondem pela garantia de inocuidade, identidade e qualidade de seus produtos Controles oficiais não isentam os produtores da obrigação de garantir a sanidade, identidade e qualidade, e cumprir os requisitos da legislação sanitária e fitossanitária, nem impedem a realização de novos controles.

28 INTER-RELAÇÃO ENTRE O SUS E O SUASA Sanidade animal e vegetal e qualidade do produto ao consumidor; Controle de qualidade de vacinas, por exemplo anti- rábica; Monitoramento de resíduos de agrotóxicos e de drogas veterinárias, de contaminantes em produtos de origem vegetal e animal.

29 Atualização da legislação – Exemplo da Área Vegetal Decreto nº /32 CIPV 1929 CIPV 1997 CIPV 1951 Decreto nº /61 CIPV 1979 Decreto nº 318/91 Decreto nº 5.759/06

30 Defesa Agropecuária: Atuar na cadeia produtiva desde o insumo até o produto final (enfoque de processo); Enfocar o padrão de identidade e qualidade e aspectos tecnológicos da produção; Monitorar os limites máximos de resíduos e contaminantes; Lei complementar nº 8.171/91 e Lei 9.712/98, entre outros; Trabalhar em articulação com o SUS. Vigilância Sanitária: Atuar em produto destinado ao consumidor; Enfocar na composição nutricional e toxicológica; Fixar os LMRs em nível nacional; Lei nº 8080/90 e Lei nº 9.782/99, entre outros; Trabalhar em articulação com o SUASA. COMPETÊNCIASCOMPETÊNCIAS

31 ESTRUTURAESTRUTURA Defesa Agropecuária: Atua nas unidades da federação por meio das SFAs com quadro próprio (FFAs) e articulação com os Órgãos de Defesa Agropecuária em todo Brasil; Atua em pontos de ingresso – há casos de dupla anuência; Dispõe de rede laboratorial própria e credenciada; Modelo de gestão de administração direta. Vigilância Sanitária: Atua nos unidades da federação por meio das VISAs estaduais; Atua em pontos de ingresso – há casos de dupla anuência; Utiliza rede laboratorial das VISAs; Modelo de gestão de agência reguladora.

32 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE A INTER-RELAÇÃO DA DEFESA AGROPECUÁRIA E A VIGILÂNCIA SANITÁRIA Estabelecer ponto focal e agenda de trabalho: Controle de atividades informais - beribéri; açaí; abate clandestino Laboratórios – testes de proficiência; uso de competências comuns; Definição de LMRs e import tolerance, Troca de informações – OGMs, análise de risco X perigo; antimicrobianos; Codex Alimentarius; resíduos e contaminantes; pontos de ingresso, inspeções e fiscalizações, entre outros

33 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE A INTER-RELAÇÃO DA DEFESA AGROPECUÁRIA E A VIGILÂNCIA SANITÁRIA Estabelecer ponto focal e agenda de trabalho: Controle de atividades informais - beribéri; açaí; abate clandestino Laboratórios – testes de proficiência; uso de competências comuns; Definição de LMRs e import tolerance, Troca de informações – OGMs, análise de risco X perigo; antimicrobianos; Codex Alimentarius; resíduos e contaminantes; pontos de ingresso, inspeções e fiscalizações, entre outros Preencher lacunas, evitar duplicidade de ações e implementar a cooperação.

34 Obrigado!


Carregar ppt "SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA Inter-relação da Defesa Agropecuária com a Vigilância Sanitária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google