A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Processo de Avalição da Atenção Básica/PMAQ: A Experiência da UFRN ( UFRN- RENASF-FIOCRUZ- CE; NESPI/UFPI Coordenação Geral DSC/UFRN Alice Uchoa, Paulo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Processo de Avalição da Atenção Básica/PMAQ: A Experiência da UFRN ( UFRN- RENASF-FIOCRUZ- CE; NESPI/UFPI Coordenação Geral DSC/UFRN Alice Uchoa, Paulo."— Transcrição da apresentação:

1 Processo de Avalição da Atenção Básica/PMAQ: A Experiência da UFRN ( UFRN- RENASF-FIOCRUZ- CE; NESPI/UFPI Coordenação Geral DSC/UFRN Alice Uchoa, Paulo Rocha, Themis Xavier Coordenações Estaduais: Ana Tania Sampaio(DSC/UFRN), Anya Pimentel (FIOCRUZ-CE), José Ivo Pedrosa (NESP/UFPI) Coordenação TI : Ricardo Valentim ( SEDIS/UFRN) Coordenação Estatística: Flávio Freire (DE/UFRN)Nilma Costa (DSC/UFRN)

2 APRESENTAÇÃO OBJETIVOS 1. Socializar a experiência da UFRN na Avaliação Externa do PMAQ 2. Levantar alguns pontos para discussão de uma agenda estratégica IES/DAB/MS CONTEXTODA PESQUISA  Projeto de pesquisa, de natureza avaliativa, a ser realizado de forma multicêntrica, padronizada e simultânea, em todos os Estados brasileiros, sob patrocínio do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, envolvendo 32 IES  UFRN – através do DSC / Grupo de Estudos em Saúde Coletiva: estados do RN, CE e PI

3 CONTEXTO DE PARTICIPAÇÃO DA UFRN  2 Pós-Graduação com área de Saúde Coletiva e 1 Mestrado Profissional em Saúde da FamÍlia - RENASF  Coordenação do PROESF- CE,SE,BA  Centro Colaborador ( Avaliação )– SES/RN  AMQ-SES-UFRN  Parceria com IMIP – Tutoria a Distancia em Avaliação de Programas e Consultoria (Análise - Pesquisa Qualitativa em Avaliação  Parceria com a OPAS (observatório de RH para o SUS)  Outros projetos de pesquisa avaliativa (CNPq): atenção ao abortamento, tbc, Saúde da Familia Indígena; Atenção Básica na TBC ( Enf. USP de Ribeirão Preto  Publicações na área

4 QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE Coordenação Geral : 3 doutores com experiência em pesquisa avaliativa Coordenação TI: doutor Coordenações Estaduais (doutores): Equipe por estado : 1 Coordenador 1: supervisor (mestre) :5 avaliadores de qualidade (mínimo nível médio). RN e PI = 5 supervisores e 20 avaliadores; CE 10supervisores e 40 avaliadores Núcleo central de análise (doutores e mestres): epidemiologista 2, estatísticos 2, 6 pesquisadores da área de avaliação de programas ; Alunos de pós-graduação 8 e graduação 8

5 Metodologia do TC Fase preparatória  Oficinas com MS e IES : elaboração e padronização dos instrumentos, capacitação e protocolo de validação (fev a jun, 2012)  Oficinas internas: elaboração do plano de trabalho de campo (logística)  Capacitação – 60 horas: Módulo I (8hs)– PMAQ na Atenção Básica; Módulo II (8 horas presencias e 4 a distancia) Web- Básico e Moodle; Módulo III ( 40 horas) – Instrumentos (16horas) e campo assistido (24hs)

6 Metodologia Estratégia de campo:  Logística semanal: agendamento, alojamento, transporte, alimentação, mapeamento das áreas, distribuição das equipes: realiza primeiro o censo e depois EAB ou dividia a equipe a depender dos quantitativos  Supervisão no campo– 3 dias  Supervisão a distancia: Diário de bordo dos avaliadores ( :identificação, dificuldades de aplicação de cada instrumento; permissão das SMS, hospedagem, transporte; fechamento de UBS, negativa de entrevistados; uso do moodle e do diário.  Moodle academico (www.sedis.ufrn): fóruns, notas técnicas e documentos de capacitação e apoio

7 Metodologia TC  Divulgação e comunicação: PMAQ – News  Instrumentos: Módulo I – Observação na Unidade Básica de Saúde (100%) ; Módulo II - Entrevista com o profissional da equipe de atenção básica- PMAQ e verificação de documentos na Unidade Básica de Saúde, Módulo III - Entrevista com o usuário na Unidade Básica de Saúde( 4: EAB)  Protocolo de Validação: pactuação nacional, registro por IES  ( senha), por estado, município e por supervisor, critérios, validação automática, confirmação d a validação e envio  Critérios de validação: tempo de preenchimento, início e término ( I – 30 a 120; II-90 a 240; III- 20 a 90 ) percentual Não/respondeu e não sabe, correspondências da coordenadas geográficas(GPS); caracteres repetidos.

8 FLUXO DA VALIDAÇÃO A confirmação de validação dos dados é retornada para a base de dados da UFRGS As universidades visualizam os dados com informações de validação, e validam ou invalidam as mesmas As universidades buscam os dados no de acordo com filtros pré-estabelecidos (municipio, data, supervisor) Validação automatizada de novos dados que chegam no Sistema de Validação (UFRN), de acordo com o Protocolo de Análise da Consistência dos Dados Coletados Coleta Periódica de novos dados da base de dados (UFGRS) para popular o Sistema de Validação (UFRN) Envio dos dados para a base de dados (UFRGS ) Utilização dos Instrumentos de Avalização Externa

9 QUANTITATIVOS OUT 2012  Total de questionários previsto/recebidos: /  Total de questionários previstos CE -6689, RN3190, PI3075  Diferença entre previsto (12954) e recebidos (12863)=91  Questionários processados pela UFRN:  Diferença entre recebidos (12863) e processados (12424) = 439  Questionários considerados válidos pela UFRN:  Questionários considerados inválidos pela UFRN: 84

10

11 Quantitativo do Trabalho de Campo PMAQ/UFRN(dados preliminares) 35/37

12 QUANTITATIVO DO TRABALHO DE CAMPO(dados preliminares)

13 RESULTADOS DO ACOMPANHAMENTO DO CAMPO 36/37 Diário de Bordo

14 Perspectiva de Análise  Pré-análise: passagem da linguagem CSV para SPSS  “Limpeza do banco e codebook?  Avaliação da qualidade dos indicadores utilizados (validade, sensibilidade, confiabilidade e especificidade? Questão da evidencias: que indicadores serão considerados de efetividade?  Refinamento das questões de pesquisa Análise  Variáveis para caracterização da amostra(UBS, EAB, Usuários)  Avaliação do nível de acesso e qualidade???  Avaliação do nível de acesso e qualidade estratificado por variáveis chaves (estado, etc.).  Relação entre características da população de estudo e distintos níveis de acesso e qualidade.  Refinamento das questões de pesquisa e análise multivariada Oficinas, regionais IES/MS???

15 CONSIDERAÇÕES FINAIS AVANÇOS  Fortalecimento da parceria MS/IES-SES-SMS  Consolidação do consórcio UFRN/ RENASF- Fiocruz/CE; NESPI/UFPI  Visibilidade na pós- graduação na área Saúde Coletiva UFRN  Eixo Estruturante o Grupo de Estudos em Saúde Coletiva  Articulação de Vários Grupos de Pesquisa/UFRN ( GED, TI)  Aplicações de Tecnologia da Informação: dados on- line, possibilidades de acompanhamento on-line, validador

16 CONSIDERAÇÕES FINAIS DESAFIOS para um agenda estratégica PMAQ/MS/IES  Homogeneidade do banco e dos padrões de análise?  Aplicabilidade dos resultados Institucionalização da avaliação  Socialização dos resultados: “política de publicação”: acesso, critérios éticos e tecnocientíficos  Aplicabilidade da metodologia PMAQ-AB em avaliações posteriores  Conectividade e dados em tempo real  IES e acesso aos dados módulo IV, aproximações metodológicas entre certificação e análise dos dados da avaliação externa? Banco de dados único?  Aprimoramento dos Mecanismos de financiamento


Carregar ppt "Processo de Avalição da Atenção Básica/PMAQ: A Experiência da UFRN ( UFRN- RENASF-FIOCRUZ- CE; NESPI/UFPI Coordenação Geral DSC/UFRN Alice Uchoa, Paulo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google