A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DOENÇAS INFECCIOSAS. Considerações Gerais: Os resultados das pesquisas científicas sobre as doenças infecciosas fizeram com que muito se conheça sobre.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DOENÇAS INFECCIOSAS. Considerações Gerais: Os resultados das pesquisas científicas sobre as doenças infecciosas fizeram com que muito se conheça sobre."— Transcrição da apresentação:

1 DOENÇAS INFECCIOSAS

2 Considerações Gerais: Os resultados das pesquisas científicas sobre as doenças infecciosas fizeram com que muito se conheça sobre elas. Doenças, tanto em termos de descrição da sua história natural,quanto de questão relativas á prevenção e ao controle. 2 Pereira.P.A.M

3 PROGRESSOS ALCANÇADOS E SITUAÇÃO ATUAL Embora existam exceções,as doenças infecciosas são mais fácilmente prevenidas e tratadas do que qualquer outro conjunto de agravos á saúde. Uma das doenças infecciosas mais temiveís da história da humanidade, a varíola, foi erradicada do planeta; Para algumas afecções há vacinas eficazes, ex: tétano, coqueluche, sarampo, poliomielite… contribuindo assim para diminuição da mortalidade e morbidade. 3 Pereira.P.A.M

4 PROGRESSOS ALCANÇADOS E SITUAÇÃO ATUAL Tuberculose e hanseniase tem incidência elevada no país. Como importante problema atual de saúde pública temos a leishmaniose e a febre amarela. Outras doenças foram sendo reconhecidas como a AIDS. Muito ja se fez, com consequente melhoria,mas os problemas continuarão por longo tempo um problema de saude pública. 4 Pereira.P.A.M

5 A DOENÇA Desajustamento ou falha nos mecanismos de adaptação do organismo ou ausência de reação aos estímulos a cuja ação está exposto. O processo conduz a uma perturbação da estrutura ou da função de um órgão, ou de um sistema ou de todo o organismo ou de suas funções vitais 5 Pereira.P.A.M

6 TERMINOLOGIA Doença não infecciosa : aquelas que não resultam de infecção: doença coronariana, diabetes. Doença infecciosa : ela reflete a existência do processo biológico subjacente, produzido pelo agente infeccioso. Infecção: penetração e desenvolvimento ou multiplicação de um patógeno no organismo de uma pessoa. 6 Pereira.P.A.M

7 TERMINOLOGIA Doença infecciosa e parasitária (DIP): é a denominação tradicionalmente empregada na Classificação Internacional das Doenças (CID). Doença contagiosa ou infectocontagiosa: são designações que implicam a conotação de transmissão por contato direto. Nem todas as doenças infecciosas são contagiosas. Ex: malária e tétano. 7 Pereira.P.A.M

8 TERMINOLOGIA Doenças transmissíveis: Segundo OMS são: aquelas transmitidas de seres humanos para seres humanos, ou de animais para seres humanos,trazidas até nós por insetos ou outros vetores, ou transmitidas através do ar que respiramos, da água que bebemos e mesmo do solo que pisamos. Ela realça a noção de transmissão ou propagação. ex: peste bulbônica. A designação enfatiza o risco de disseminação da afecção na coletividade. 8 Pereira.P.A.M

9 Toda doença CONTAGIOSA é INFECCIOSA, mas nem toda doença INFECCIOSA é CONTAGIOSA. 9 Pereira.P.A.M

10 ETIOLOGIA DA DOENÇA COMPLEXO CAUSAL: A causa principal da doença infecciosa é o seu agente biológico específico. Mas o agente nem sempre é suficiente para produzir a doença; outros fatores são as causas contribuintes. 10 Pereira.P.A.M

11 Cadeia epidemiológica Agente causal específico Susceptibilidade do hospedeiro Porta de entrada No hospedeiro Modo de trasmissão Do agente Porta de saída do agente reservatório 11 Pereira.P.A.M

12 C ADEIA E PIDEMIOLÓGICA Agente causal específico:Agentes biológicos presentes no organismo acometido. Ex. bactérias, vírus. Reservatório:pessoa ou animal portador de um agente infeccioso. Porta de saída do agente: via de eliminação (pele, mucosa, sangue,aparelho respiratório) Modos de transmissão: Direta: transmissão rápida de agentes. Indireta: material contaminado, inseto, vetor, aerosóis microbianos. 12 Pereira.P.A.M

13 C ONT. C ADEIA E PIDEMIOLÓGICA Porta de entrada no hospedeiro:Tem muita relação com a via de transmissão,como as infecções respiratórias,digestivas,tegumentar e corrente circulatória. Individuo suscetível: Pessoa ou animal que não possui resistência contra um agente infeccioso. 13 Pereira.P.A.M

14 RESISTÊNCIA INESPECÍFICA: INERENTE OU NATURAL. É a que o organismo apresenta naturalmente, em geral associada a características de sua anatomia e fisiologia, e independente da ação de anticorpos. Para isso conta com a integridade da pele, ou líquidos orgânicos ( sangue, suco gástrico, lágrima). 14 Pereira.P.A.M

15 RESISTÊNCIA ESPECÍFICA: IMUNIDADE. É a resistência relacionada á presença de anticorpos, substâncias produzidas pelo organismo e que possuem ação particular sobre o microorganismo. Existe a imunidade passiva e a ativa. 15 Pereira.P.A.M

16 IMUNIDADE ATIVA A pessoa produz os seus próprios anticorpos; como ocorre se ela é afetada por uma doença. Ex: vacinação ou doenças como sarampo, caxumba… 16 Pereira.P.A.M

17 IMUNIDADE PASSIVA: O anticorpo é produzido fora do organismo e introduzido no corpo. Ex: passagem transplacentária da mãe para o feto, soro para picaduras de animais peçonhentos, leite materno… 17 Pereira.P.A.M

18 CURSO DA DOENÇA NO ORGANISMO HUMANO. 1- REAÇÕES DO ORGANISMO: As reações do organismo do hospedeiro aos agentes microbianos podem ser de diferentes intensidades. Colonização: é o caso da simples colonização do germe na pele e mucosas, sem produzir infecção ou doença. Infecção: quando a reação do organismo detectável por exames, mas sem presença de sintomas. Doença: aparecem os sintomas. 18 Pereira.P.A.M

19 CONT. CURSO DA DOENÇA NO ORGANISMO HUMANO. 2- PERÍODO DE INCUBAÇÃO: intervalo de tempo que decorre entre a exposição a um agente infeccioso e o aparecimento de sinais e sintomas da doença. 3- PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE: intervalo no qual o agente infeccioso pode ser transferido direta ou indiretamente de um ser infectado a outro. 4- CURSO AGUDO E CRÔNICO: clinicamente a infecção pode ser: Aguda ( sarampo, rubéola…) Crônica ( tuberculose e hanseníase…). Algumas podem desenvolver-se e ficar crônica. 19 Pereira.P.A.M

20 MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE. MEDIDAS GERAIS: Estão as ações genéricas que concorrem para prevenir as doenças ou limitar as consequências. Situam-se na esfera socioecônomico-político-cultural e visam neutralizar a ação dos determinantes sociais das doenças infecciosas. Ex: condições de trabalho, padrões de escolaridade, de alimentação e nutrição, saneamento… MEDIDAS ESPECÍFICAS: São ações voltadas para uma doença, em particular, ou grupo de condições com características comuns. Podem ser adotadas de forma permanente ou esporádica, ou até universal, seletiva ou individualizadas. 20 Pereira.P.A.M

21 TRÍADE DAS DOENÇAS: HOSPEDEIRO AGENTE MEIO AMBIENTE 21 Pereira.P.A.M

22 TRÍADE - MEDIDAS DE PREVENÇÃO Agente :combater os microorganismos patogênicos e se possível eliminá-los. Hospedeiro: reduzir a suscetibilidade frente a agressão. Meio ambiente : impedir ou dificultar a transmissão. 22 Pereira.P.A.M

23 ATUAÇÃO NOS RESERVATÓRIOS ANIMAL: eliminação e vacinação. HUMANO: isolamento, diagnóstico e tratamento. MEIO AMBIENTE: desinfecção ( formol, raio ultra violeta), limitação da exposição ( cavernas, solo) 23 Pereira.P.A.M MEDIDAS ESPECÍFICAS:

24 Atuação nos reservatórios: ANIMAL: eliminação ( ratos)e vacinação gado e animais domésticos. HUMANO: isolamento, diagnóstico e tratamento. MEIO AMBIENTE: desinfecção ( formol, raio ultra violeta), limitação da exposição ( cavernas, solo) 24 Pereira.P.A.M

25 INTERRUPÇÃO DA TRANSMISSÃO NO MEIO AMBIENTE SANEAMENTO AMBIENTAL VIGILÂNCIA SANITÁRIA CONTROLE DE VETORES 25 Pereira.P.A.M MEDIDAS ESPECÍFICAS :

26 MEIO AMBIENTE SANEAMENTO AMBIENTAL:da agua,ar e sólo. VIGILÂNCIA SANITÁRIA: de generos alimenticios e drogas. CONTROLE DE VETORES: desinsetização. 26 Pereira.P.A.M

27 PROTEÇÃO DO INDIVÍDUO SUSCETÍVEL EDUCAÇÃO E SAÚDE IMUNIZAÇÃO ATIVA E PASSIVA QUIMIOPROFILAXIA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE CASOS TRATAMENTO EFETIVO MEDIDAS ESPECÍFICAS: 27 Pereira.P.A.M

28 INDIVÍDUO SUSCETÍVEL EDUCAÇÃO E SAÚDE incluindo a higiene pessoal. IMUNIZAÇÃO ATIVA E PASSIVA QUIMIOPROFILAXIA: DIAGNÓSTICO PRECOCE DE CASOS TRATAMENTO EFETIVO 28 Pereira.P.A.M

29 BIBLIOGRAFIA PEREIRA, M.G. Epidemiologia Teoria e Prática. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1995 ROUQUAYROL, M.Z. & ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia &Saúde. 6 a ed. Rio de Janeiro, MEDSI, ALMEIDA FILHO,N. $ ROUQUAYROL, M.Z. Introdução à Epidemiologia moderna. 3 a ed. Rio DE Janeiro; MEDSI, IV Plano Diretor para o Desenvolvimento da Epidemiologia no Brasil. O Ensino da Epidemiologia. Ver. Bras. Epidemiol. 2005; (8) Pereira.P.A.M

30 fim 30 Pereira.P.A.M


Carregar ppt "DOENÇAS INFECCIOSAS. Considerações Gerais: Os resultados das pesquisas científicas sobre as doenças infecciosas fizeram com que muito se conheça sobre."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google