A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Recursos Humanos em Odontologia. Prática tradicional x Divisão técnica do trabalho Porque a equipe de saúde bucal é necessária ? Modelo assistencial vigente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Recursos Humanos em Odontologia. Prática tradicional x Divisão técnica do trabalho Porque a equipe de saúde bucal é necessária ? Modelo assistencial vigente."— Transcrição da apresentação:

1 Recursos Humanos em Odontologia

2 Prática tradicional x Divisão técnica do trabalho Porque a equipe de saúde bucal é necessária ? Modelo assistencial vigente Esfera pública Esfera privada Modelo de atenção, produtividade, marketing, custos

3 (IBGE, 1998)

4 BASTING, 1999 Comparação de custo de um selamento oclusal realizado por dentista e THD (em dólares).

5 Grau de retenção por operador, após 6 meses de aplicação. BASTING, 1999 Aceitável clinicamente Não aceitável clinicamente

6 Produção de unidades de trabalho por hora clínica Programas tradicionais Programa Integrado de Saúde Escolar - PISE

7 A evolução profissional e o desenvolvimento técnico-científico da prática odontológica Industrialização da sociedade- introdução da divisão técnica do trabalho em todos os setores da sociedade; Industrialização da sociedade- introdução da divisão técnica do trabalho em todos os setores da sociedade; Aumento da ocorrência da cárie (ou diagnóstico?); Aumento da ocorrência da cárie (ou diagnóstico?); Precária condição de saúde bucal da população- infantil e adulta; Precária condição de saúde bucal da população- infantil e adulta;

8 Ilustração: RING, 1998

9 Evolução Surgimento de pessoal auxiliar no setor saúde Racionalização do trabalho Racionalização do trabalho Aumento da produtividade e qualidade Aumento da produtividade e qualidade Desenvolvimento científico e tecnológico- Ex: biossegurança, novas técnicas cirúrgicas; Desenvolvimento científico e tecnológico- Ex: biossegurança, novas técnicas cirúrgicas; Mudança dos modelos de atenção- vigilância da saúde, PSF; Mudança dos modelos de atenção- vigilância da saúde, PSF; Escassez de mão de obra- África, Ásia; Escassez de mão de obra- África, Ásia; CARVALHO, 1999

10 Incorporação de pessoal auxiliar em saúde bucal Liberação dos profissionais especializados Liberação dos profissionais especializados Necessidade de expansão de serviços a menor custo Necessidade de expansão de serviços a menor custo CARVALHO, 1999

11

12 A idéia de usar trabalho auxiliar surge numa época em que a profissão odontológica já detinha certos poderes de regulação de seu exercício profissional

13 EUA - Início do Século XX Pessoal auxiliar subordinado ao dentista prestando serviços profiláticos Pessoal auxiliar subordinado ao dentista prestando serviços profiláticos Primeiro curso em 1910 Faculdade de Odontologia de Ohio Primeiro curso em 1910 Faculdade de Odontologia de Ohio

14 Nova Zelândia Enfermeiras dentais Enfermeiras dentais Atenção ao escolar Atenção ao escolar Realização de tratamento restaurador simples Realização de tratamento restaurador simples Ilustração: RING, 1998 Foto: V. Pinto

15 Brasil- Incorporação pessoal auxiliar Fundação SESP- década de Fundação SESP- década de Odontologia Simplificada Odontologia Simplificada Racionalização do trabalho de equipamentos e Racionalização do trabalho de equipamentos e insumos; insumos; Aumento da produtividade e cobertura; Aumento da produtividade e cobertura; Foto cedida pelo prof. Jorge Cordón

16 Odontologia a 4 mãos Figura: Chasteen, 1978

17 Esfera privada- divisão do trabalho no consultório odontológico

18

19 Figura: Chasteen, 1978 Zona do operador Zona de transferência Zona do assistente Zona estática Zonas de atividades do operador destro

20 Organização E agora? Controle Controle Planejamento do tratamento Planejamento do tratamento Bandejas pré-preparadas Bandejas pré-preparadas Figuras: Chasteen, 1978

21

22 -Reduz o cansaço visual; - Economiza tempo e movimentos; - Reduz o estresse através do processo initerrupto; - Associado ao uso do sugador, o campo operatório permanece limpo; - Acidentes pérfuro-cortantes são minimizados. Na esfera privada- prática clínica

23

24 Transferir o instrumento no exato instante em que é necessário: toda a equipe deve entender o procedimento

25 Plano de tratamento. Auxiliar compreendendo o procedimento (antecipando a seqüência dos passos) Delegar preparação do material Equipamentos ergonômicos: posição supina

26 Repousar um dedo sobre a cavidade oral para que o local da transferência do instrumento seja previsível

27 Sinal não verbal para troca de instrumental

28 Equipe docente UNIFOR, registrado por Lana Bleicher

29 Segurança: Manter firme controle do instrumento o tempo todo. Trocar instrumental apenas na área de transferência, sobre o tórax do paciente. Evitar movimentos imprevistos. Não repousar instrumentos sobre o babador.

30 Questões críticas na atualidade: Distribuição da força de trabalho em Odontologia por categoria profissional e por espaço geográfico; Distribuição da força de trabalho em Odontologia por categoria profissional e por espaço geográfico; Reconhecimento das profissões; Reconhecimento das profissões; Relacionamento entre o nível médio e superior; Relacionamento entre o nível médio e superior;

31 CDs THDs ACDs Dados do Brasil Fonte: CFO, 2006 Dados do estado da Bahia CDs 183 THDs ACDs

32 Foto: Ministério da Saúde Equipe de saúde bucal - O que deve fazer cada um destes profissionais?

33 Cirurgião-Dentista Perfil do formando em Odontologia: o Cirurgião Dentista, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, Diretrizes Curriculares do MEC

34 Cirurgião-Dentista para atuar em todos os níveis de atenção à saúde, com base no rigor técnico e científico, capacitado ao exercício de atividades referentes à saúde bucal da população Diretrizes Curriculares do MEC

35 Cirurgião-Dentista...pautado em princípios éticos, legais e na compreensão da realidade social, cultural e econômica do seu meio, dirigindo sua atuação para a transformação da realidade em benefício da sociedade. Diretrizes Curriculares do MEC

36 Técnico em Higiene Dental – Resolução CFO 1993 Técnico em Saúde Bucal – P.L. 1140/03 É o profissional de nível de 2o grau que, sob supervisão (direta ou indireta)do cirurgião-dentista, executa tarefas auxiliares no tratamento odontológico

37 Técnico em Higiene Dental Compete ao THD: (CFO, 1993) Participar do treinamento de ACD's Participar do treinamento de ACD's Participar do treinamento e capacitação de Auxiliar em Saúde Bucal, e de agentes multiplicadores das ações de promoção à saúde P.L / 2003.

38 Compete ao THD: (CFO, 1993) Colaborar nos programas educativos Colaborar nos programas educativos Educar os pacientes ou grupos de pacientes sobre prevenção e tratamento das doenças bucais Educar os pacientes ou grupos de pacientes sobre prevenção e tratamento das doenças bucais Participar das ações educativas atuando na promoção da saúde e na prevenção das doenças bucais ; P.L / (CFO, 1993)

39 Compete ao THD: (CFO, 1993) Colaborar nos levantamentos e estudos epidemiológicos como coordenador, monitor e anotador Colaborar nos levantamentos e estudos epidemiológicos como coordenador, monitor e anotador Participar na realização de levantamentos e estudos epidemiológicos exceto na categoria de examinador P.L / (CFO, 1993)

40 Fazer a demonstração de técnicas de escovação Fazer a demonstração de técnicas de escovação Executar a aplicação de substância para prevenção da cárie Executar a aplicação de substância para prevenção da cárie (CFO, 1993) Compete ao THD: Ensinar técnicas de higiene bucal e realizar a prevenção das doenças bucais por meio da aplicação tópica do flúor, conforme orientação do Cirurgião-Dentista. P.L / (CFO, 1993)

41 Supervisionar, sob delegação, o trabalho dos ACD's Supervisionar, sob delegação, o trabalho dos ACD's Compete ao THD: (CFO, 1993) Supervisionar, sob delegação do Cirurgião-Dentista, o trabalho dos Auxiliares de Saúde Bucal. P.L / 2003.

42 Fazer a tomada e revelação de radiografias intra-orais Fazer a tomada e revelação de radiografias intra-orais Compete ao THD: (CFO, 1993) Realizar fotografias e tomadas de uso odontológicos exclusivamente em consultórios ou clínicas odontológicas, excluídas Clínicas radiológicas odontológicas P.L / (CFO, 1993)

43 Ø P.L / Técnico em Higiene Dental Realizar teste de vitalidade pulpar Realizar teste de vitalidade pulpar (CFO, 1993)

44 Realizar a remoção de indutos, placas e cálculos supra- gengivais Realizar a remoção de indutos, placas e cálculos supra- gengivais Compete ao THD: (CFO, 1993) Fazer a remoção do biofilme, de acordo com a indicação técnica definida pelo Cirurgião-Dentista. P.L / (CFO, 1993)

45 Técnico em Higiene Dental Inserir e condensar substâncias restauradoras Inserir e condensar substâncias restauradoras (CFO, 1993) Inserir e distribuir no preparo cavitário materiais odontológicos na restauração dentária direta, vedado o uso de materiais e instrumentos não indicados pelo Cirurgião-Dentista. P.L / (CFO, 1993)

46 Técnico em Higiene Dental Polir restaurações, vedando-se escultura; Polir restaurações, vedando-se escultura; Ø P.L / (CFO, 1993)

47 Técnico em Higiene Dental Proceder à limpeza e anti-sepsia do campo operatório, antes e após os atos cirúrgicos Proceder à limpeza e anti-sepsia do campo operatório, antes e após os atos cirúrgicos (CFO, 1993) Proceder à limpeza e à anti-sepsia do campo operatório, antes e após atos cirúrgicos, inclusive em ambientes hospitalares. P.L / (CFO, 1993)

48 Técnico em Higiene Dental Remover suturas; Remover suturas; (CFO, 1993) Remover suturas. P.L / (CFO, 1993)

49 Técnico em Higiene Dental Confeccionar modelos; Confeccionar modelos; Preparar moldeiras. Preparar moldeiras. (CFO, 1993) Ø P.L / 2003.

50 Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, manuseio e descarte de produtos e resíduos odontológicos. Realizar isolamento do campo operatório. Exercer todas as competências no âmbito hospitalar, bem como instrumentar o Cirurgião-Dentista em ambientes clínicos e hospitalares. P.L / 2003.

51 É vedado ao THD Exercer atividade de forma autônoma Exercer atividade de forma autônoma Prestar assistência sem supervisão do CD Prestar assistência sem supervisão do CD Realizar procedimentos para o qual não é habilitado Realizar procedimentos para o qual não é habilitado Fazer propaganda de seus serviços, mesmo que em publicações especializadas da área odontológica Fazer propaganda de seus serviços, mesmo que em publicações especializadas da área odontológica

52 Auxiliar de Consultório Dentário Auxiliar de Saúde Bucal É o profissional qualificado a nível de 2 o grau que também sob a supervisão do cirurgião-dentista ou do técnico em Higiene Dental, executa tarefas auxiliares no tratamento odontológico (CFO, 1993) É o profissional qualificado em nível médio que, sob a supervisão direta ou indireta do Cirurgião- Dentista ou do Técnico em Saúde Bucal, executa tarefas auxiliares no tratamento da saúde bucal. P.L /2003.

53 Auxiliar de Consultório Dental Revelar e montar radiografias intra-orais Revelar e montar radiografias intra-orais Descrição da ocupação (CFO, 1993) Processar filme radiográfico. P.L / 2003.

54 Auxiliar de Consultório Dental Preparar o paciente para o atendimento Preparar o paciente para o atendimento (CFO, 1993) Preparar o paciente para o atendimento. P.L / 2003.

55 Auxiliar de Consultório Dental Auxiliar o cirurgião-dentista e o THD junto à cadeira operatória Auxiliar o cirurgião-dentista e o THD junto à cadeira operatória (CFO, 1993) Auxiliar e instrumentar os profissionais nas intervenções clínicas, inclusive em ambientes hospitalares. P.L / 2003.

56 Auxiliar de Consultório Dental Promover isolamento do campo operatório Promover isolamento do campo operatório (CFO, 1993) Ø P.L / 2003.

57 Auxiliar de Consultório Dental Manipular materiais de uso odontológico Manipular materiais de uso odontológico Descrição da ocupação (CFO, 1993) Manipular materiais de uso odontológico. P.L / 2003.

58 Auxiliar de Consultório Dental Selecionar moldeiras Selecionar moldeiras Descrição da ocupação (CFO, 1993) Selecionar moldeiras. P.L / 2003.

59 Auxiliar de Consultório Dental Confeccionar modelos em gesso Confeccionar modelos em gesso (CFO, 1993) Preparar modelos em gesso P.L / 2003.

60 Auxiliar de Consultório Dental Aplicar métodos preventivos para controle da cárie Aplicar métodos preventivos para controle da cárie Orientar os pacientes sobre higiene dental Orientar os pacientes sobre higiene dental (CFO, 1993) Organizar e executar atividades de higiene bucal P.L / 2003.

61 Auxiliar de Consultório Dental Conservar e manter o equipamento odontológico Conservar e manter o equipamento odontológico (CFO, 1993) Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos odontológicos e do ambiente de trabalho. P.L / 2003.

62 Auxiliar de Consultório Dental Marcar consultas Marcar consultas (CFO, 1993) Realizar o acolhimento do paciente nos serviços de saúde bucal. P.L / Preencher e anotar fichas clínicas Preencher e anotar fichas clínicas Manter em ordem arquivo e fichário Manter em ordem arquivo e fichário

63 Auxiliar de Consultório Dental Controlar o movimento financeiro Controlar o movimento financeiro (CFO, 1993) Registrar dados e participar da análise das informações relacionadas ao controle administrativo em saúde bucal. P.L / 2003.

64 Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de produtos e resíduos odontológicos; Desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de riscos ambientais e sanitários; Realizar em equipe levantamento de necessidades em saúde bucal. P.L / 2003.

65 Técnico em Prótese Dental Definição É o profissional de nível de 2o grau que, sob orientação do cirurgião-dentista, executa a confecção mecânica dos trabalhos de prótese dentária. É o profissional de nível de 2o grau que, sob orientação do cirurgião-dentista, executa a confecção mecânica dos trabalhos de prótese dentária. (CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, 1976)

66 Técnico em Prótese Dental Descrição da Ocupação Executar a parte mecânica dos trabalhos odontológicos Executar a parte mecânica dos trabalhos odontológicos (CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, 1976) Administrar laboratórios de prótese dentária Administrar laboratórios de prótese dentária Ser responsável pelo cumprimento das disposições legais que regem a matéria Ser responsável pelo cumprimento das disposições legais que regem a matéria Ser responsável pelo treinamento de auxiliares e serventes do laboratório Ser responsável pelo treinamento de auxiliares e serventes do laboratório

67 BASTING et al. Avaliação clínica de uma resina composta modificada por poliácido, utilizada como selante oclusal, quando aplicada por dentista, THD e graduando. Rev. Odontol. Univ. São Paulo, vol.13, n.2, CARVALHO, C. L. Trabalho e profissionalização das categorias auxiliares em Odontologia. Ação coletiva, v. 2, n. 1, p NARVAI, P. C. Recursos Humanos para a Promoção da Saúde Bucal. In: KRIGER, L (Cood.). Promoção de saúde bucal. São Paulo: ABOPREV - Artes Médicas, p. p Referências bibliográficas


Carregar ppt "Recursos Humanos em Odontologia. Prática tradicional x Divisão técnica do trabalho Porque a equipe de saúde bucal é necessária ? Modelo assistencial vigente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google