A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REFLETINDO E CONSTRUINDO SOLUÇÕES PARA A PERMANÊNCIA E ÊXITO DO ESTUDANTE NA UNIVERSIDADE". Profa. Dra. Loreine Hermida da Silva e Silva Pró-Reitora de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REFLETINDO E CONSTRUINDO SOLUÇÕES PARA A PERMANÊNCIA E ÊXITO DO ESTUDANTE NA UNIVERSIDADE". Profa. Dra. Loreine Hermida da Silva e Silva Pró-Reitora de."— Transcrição da apresentação:

1 REFLETINDO E CONSTRUINDO SOLUÇÕES PARA A PERMANÊNCIA E ÊXITO DO ESTUDANTE NA UNIVERSIDADE". Profa. Dra. Loreine Hermida da Silva e Silva Pró-Reitora de Graduação da UNIRIO

2

3 FormarEvadir

4 “a uma postura ativa do aluno que decide desligar-se por sua própria responsabilidade” (BUENO, 1993). “não é exclusão, mas mobilidade, não é fuga, mas busca, não é desperdício mas investimento, não é fracasso – nem do aluno nem do professor, nem do curso ou da instituição – mas tentativa de buscar o sucesso ou a felicidade, aproveitando as revelações que o processo natural do crescimento dos indivíduos faz sobre suas reais potencialidades” (RISTOFF, 1995 ). “número de alunos regulares que abandonam seus cursos, instituições ou sistema formal ou informalmente, ou seja, informando a sua instituição ou não” (MEC, 2011).

5

6 Microevasão ou Evasão do curso Microevasão ou Evasão do curso é o desligamento formal do estudante de um determinado curso independentemente de haver transferência interna (saída do curso, mas permanece na instituição). Mesoevasão ou Evasão da instituição Mesoevasão ou Evasão da instituição é a perda definitiva do vínculo do discente com a instituição (sai duma instituição e vai para outra). Macroevasão ou Evasão do sistema Macroevasão ou Evasão do sistema é quando o discente abandona os estudos (sai do sistema educacional).

7

8 A primeira (microevasão) é ruim para o curso, todavia pode ser bom para o estudante. Ele procura um curso mais afeto. Este tipo pode evitar a segunda (mesoevasão). A segunda é ruim para a instituição, mas pode ser bom para o estudante. O aluno busca uma instituição com a sua identidade. Pode evitar a terceira (macroevasão). A terceira é ruim para todos. Saída do sistema. As 3 prejudicam o sistema educacional.

9 QUESTÕES BÁSICAS A SEREM CONSIDERADAS NA EVASÃO!  QUESTÕES BÁSICAS A SEREM CONSIDERADAS NA EVASÃO!  A localização geográfica da IES e dos campi.  A insatisfação com a opção do curso.  O despreparo para fazer escolhas.  O ingresso precoce.  Distância da família.  O baixo desempenho na educação básica.  A gestão da infraestrutura universitária.  A qualidade acadêmica da docência.  O aspecto financeiro.  O trabalhador estudante.  Cursos caros e falta de flexibilização nas negociações financeiras.  Não identidade com a instituição.  Falta de professor  Professor faltoso.  Falta de investimento na assistência estudantil Total – 16 fatores Total – 16 fatores

10 Censo MEC 2010 GÊNERO TURNO

11 Prejuízo de 9 bilhões de reais na economia do País; abandonaram o ensino superior entre 2008 e Percentual de abandono 20,9% 15 1 em cada 5 alunos deixaram o sistema

12 Elevado Em 2004, 47% dos alunos que entraram em 1999 concluíram o curso em quatro anos Elevado Em 2003, foram 51%. Depois caiu para 47%em 2004

13

14 Evasão em instituições públicas, estudantes (10,5%) Evasão nas particulares, um total de alunos (24,5%) Custo- Aluno R$ 15 mil ao ano na universidade pública Custo-Aluno R$ 9 mil ao ano na instituição privada

15 UFMG – (ADACHI, 2009) Cálculo da Evasão por Curso [(Ni – Nd ) * 100] / Ni = % Evasão ano Ni – Número de ingressantes, Nd – Número de diplomados ou formados. UNESP – FORGRAD SUDESTE Cálculo da Evasão por Curso IC = ∑ PCi [ 1 - (PIi – PM)/PM] IC = índice de conclusão (%) PCi = porcentagem de conclusão no ano i PIi = prazo de integralização desde o início do curso até o ano i PM = prazo mínimo de integralização

16 1. E 2009 = ( M 09 – C 09 ) + ( I 10 – M 1o ) 11,88% M E 2009 = 1 – ( M 09 – I 09 ) 13,14% ( M 08 – C 08 ) INEP 3. E 2010 = 1 – C 10 31,32% I 06 REUNI LOBO EVASÃO CORRIGIDA

17  Nos modelos 1 e 2 ao computar todas as matrículas, os alunos que estão “retidos” são considerados como dentro do sistema.  O modelo 3 ao focar somente na conclusão e ingresso, considera os “retidos” como evadidos.

18

19 OCUPAÇÃO DAS IES POR FAIXA ETÁRIA

20 EVASÃO POR REGIÃO mod 1mod 2mod 3 REGIÃO%% CO15,3017,4939,80 N1,150,9536,37 NE17,2618,8844,37 S12,5813,9834,11 SE11,4112,7516,30 BRASIL11,5813,1130,28 Fonte: Censo da Educação

21

22 Não há uma homogeneidade da evasão no conjunto dos cursos: as características são individuais. A necessidade de elementos comuns que induza a universidade a adotar ações integradoras e de sustentabilidade.

23

24 Comitê de Governança Diretoria de Políticas e Programas de Graduação - SESu Secretaria de Ensino Superior – SESu/MEC Coordenador Geral de Gestão e Expansão das IFES

25 EXISTE UMA????????

26

27 DEMOCRATIZAR O ACESSO OBJETIVANDO A MANUTENÇÃO DA PERMANÊNCIA Quanto à alocação de mão de obra por ramo de atuação

28

29 PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS

30

31  Criar uma Comissão para estudar e conter a Evasão na IES;  Elaborar um diagnóstico que permita avaliar as estatísticas da evasão;  A Comissão deve determinar as causas da evasão;  Estimular para que a visão da IES passe a ser centrada no aluno;  Criar condições que atendam os objetivos que atraiam os alunos;  Tornar o transporte para a universidade agradável;  Ambientar o aluno na IES;  Criar programa de aconselhamento e orientação para o discente.

32  Atualização da Normatização Acadêmica.  Fortalecimento da Flexibilização Curricular.  Intensificação da Mobilidade Acadêmica.  Ampliação do Programa de Bolsas de Ensino.  Fóruns para consolidação dos Cursos Novos.  Inovação do Ensino.  Aprimoramento do Programa de Formação Docente  Promoção da Reintegração Discente

33 1) A Universidade convive com diversas qualidades. 2) Cada um de nós tem um olhar diferenciado para “qualidade”; 3)Qualidade tem que estar conectada com os objetivos a serem alcançados; 4) O conhecimento tem que estar ligado a utilidade pública, principalmente aqueles problemas que se transformam em demanda

34  Não é um prontuário ou, muito menos, um “locus” onde são apresentadas soluções imediatistas e casuísticas.  Ação projetiva e emancipatória: contribuições para a definição e concretização de políticas públicas, sem abdicar da crítica e da reflexão. ENTÃO...EVASÃO

35 Muito Obrigada!


Carregar ppt "REFLETINDO E CONSTRUINDO SOLUÇÕES PARA A PERMANÊNCIA E ÊXITO DO ESTUDANTE NA UNIVERSIDADE". Profa. Dra. Loreine Hermida da Silva e Silva Pró-Reitora de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google