A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PLANEJAMENTO EM SAÚDE Enfª Esp. Adriana de Moraes Barbosa Ascoli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PLANEJAMENTO EM SAÚDE Enfª Esp. Adriana de Moraes Barbosa Ascoli."— Transcrição da apresentação:

1 PLANEJAMENTO EM SAÚDE Enfª Esp. Adriana de Moraes Barbosa Ascoli

2 -Pode dizer-me que caminho devo tomar? (Alice) -Isto depende do lugar para onde você quer ir! (Respondeu com muito propósito o gato) -Não tenho destino certo (Alice) -Neste caso qualquer caminho serve (Gato) -Pode dizer-me que caminho devo tomar? (Alice) -Isto depende do lugar para onde você quer ir! (Respondeu com muito propósito o gato) -Não tenho destino certo (Alice) -Neste caso qualquer caminho serve (Gato) Esse pequeno diálogo, que faz parte do Livro Alice no País das Maravilhas, ocorre entre Alice e o Gato, quando ela se encontra em uma encruzilhada, sem saber ao certo por onde ir.

3 O QUE É PLANEJAR? A noção mais simples de planejamento é a de não improvisação. Uma ação planejada é uma ação não improvisada, e nesse sentido, fazer planos é coisa conhecida do homem desde que ele se descobriu com capacidade de pensar antes de agir.

4 PLANEJAR “Significa pensar antes de agir, pensar sistematicamente, com método, explicar cada uma das possibilidades e analisar suas respectivas vantagens e desvantagens; propor objetivos.” Carlos Matus

5 Optar pelo planejamento significa assumir uma alternativa à não improvisação. É decidir aonde se quer chegar, é acreditar que o futuro pode ser construído. Isto porque planejar implica transformar ideias em ações.

6 TIPOS DE PLANEJAMENTO Normativo Estratégico Estratégico situacional

7 PLANEJAMENTO NORMATIVO Apresenta um sistema conceitual, fechado, regido por normas e o autor que planejava as ações, permanecia fora do contexto planejado.

8 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Representa um sistema aberto, com poder compartilhado, onde o autor está inserido na ação, coexistindo com os demais autores sociais. e depois passando a existir o planejamento estratégico situacional, que é considerado

9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Consiste em um método baseado em evidências; Neste caso o problema suscita a ação e a metodologia baseia-se na análise da realidade local, que busca como uma das possibilidades a ampliação da governabilidade, por meio de adesões e busca por ações intersetoriais.

10 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Permite a participação democrática ( poder compartilhado) e o diálogo; Favorece a abordagem das singularidades de cada território; Foi centrado na necessidade de ampliar a capacidade de governar; Integrou a lógica de análise da realidade e intervém nos determinantes sociais de saúde e nos mecanismos formais de gestão do SUS.

11 Para sabermos o que pode ou não fazer sentido em uma comunidade e avaliar sua capacidade de entendimento diante dos conteúdos da ação social, devemos aguçar nossa sensibilidade para escutá-la e auscutá-la. Escutar é ouvir sons, decifrar o seu significado; e Auscutar é uma maneira mais cuidadosa e sensível de ouvir, pois até o silêncio é portador de significados.

12 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Os sistemas de informações em saúde são importantes, para obter o levantamento de informações sobre a população, identificando seus principais problemas de saúde; Fornecem, também, dados que nos permitem analisar os problemas, por meio da avaliação das séries históricas e da situação de saúde da população; permitindo assim, o planejamento das ações e as projeções de tendência.

13 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES FIDEDIGNOS Deve ser alimentado com precisão; No tempo definido; Os instrumentos de coleta têm que ser preenchidos adequadamente; proporcionando relatórios e resultados viáveis e reais para utilização no planejamento de atividades locais, apoiando o desenvolvimento de ações e na transformação da realidade encontrada.

14 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa e dá outras providências.

15 O Decreto 7.508/11 preenche uma lacuna no arcabouço jurídico do SUS, ao regulamentar a Lei 8.080, dispondo sobre a organização do SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, possibilitando o aprimoramento do Pacto pela Saúde e contribuindo na garantia do direito à saúde a todos os cidadãos brasileiros.

16 Operacionalização do Decreto 7.508/2011 Diretrizes para a organização das regiões de saúde; Normas e fluxos do COAP; Diretrizes para a elaboração da RENASES; Diretrizes para a elaboração da RENAME; Diretrizes para o planejamento do SUS.

17 Regiões de Saúde Integram os componentes estratégicos de governança: a CIT no âmbito nacional, a CIB, no âmbito estadual, e as CIR, no âmbito das Regiões de Saúde. As CIRs substituirão os atuais Colegiados de Gestão Regional (CGR).

18 SITUAÇÃO ATUAL

19 INOVAÇÃO: COAP

20

21 PLANEJASUS É um sistema de atuação, contínua articulada, integrada e solidária das áreas de planejamento das três esferas de gestão do sus.

22

23

24

25

26 PLANO DE SAÚDE É definido como um instrumento que, a partir de uma análise institucional, apresenta as intenções e resultados a serem buscados no período de quatro anos, que devem ser a expressão das políticas, dos compromissos e das prioridades de saúde numa determinada gestão, sendo a base para a execução, acompanhamento, avaliação e a gestão do sistema.

27 PLANO DE SAÚDE Onde estamos DIAGNÓSTICO SITUACIONAL Para onde queremos ir NOSSOS OBJETIVOS Como iremos NOSSAS AÇÕES

28 PLANO DE SAÚDE

29

30 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE CONTEMPLA: - Formulação dos Eixos -Objetivos - Ações estratégicas e - Metas

31 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Eixos - indicam as linhas de ação a serem seguidas, expressas de forma a delimitar a estratégia geral e as prioridades do Plano de Saúde; Sub-eixo - delimitam objetivos de uma mesma sub-dimensão de um Eixo, criados para facilitar o entendimento do documento

32 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Objetivos - expressam o que se pretende fazer a fim de superar, reduzir, eliminar ou controlar os problemas identificados É importante considerar a viabilidade política, econômica, técnico-organizacional, bem como a coerência com as políticas de governo. INDICA PARA ONDE QUEREMOS IR

33 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Ações Estratégicas - a forma que se pretende adotar ou operacionalizar determinada diretriz e objetivo; as medidas que serão privilegiadas ou que terão caráter essencial INDICA COMO IREMOS

34 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Metas - as expressões quantitativas de um objetivo (o que, para quem, quando). ONDE QUEREMOS CHEGAR As metas deverão ser desenvolvidas de forma que possam ser apuradas adequadamente.

35 OBRIGADA


Carregar ppt "PLANEJAMENTO EM SAÚDE Enfª Esp. Adriana de Moraes Barbosa Ascoli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google