A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão de Crise: Caso P-36. A P-36 era a maior plataforma de exploração de petróleo do mundo antes de seu afundamento, com capacidade para produzir 150.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão de Crise: Caso P-36. A P-36 era a maior plataforma de exploração de petróleo do mundo antes de seu afundamento, com capacidade para produzir 150."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão de Crise: Caso P-36

2 A P-36 era a maior plataforma de exploração de petróleo do mundo antes de seu afundamento, com capacidade para produzir 150 mil barris por dia. A plataforma afundou no dia 20 de março, em uma profundidade de 1200 metros e com estimadas 1500 toneladas de óleo ainda a bordo. Além das perdas humanas, o afundamento da P-36 - custou aos cofres da Petrobras mais de U$S 1 bilhão - cinco dias mais tarde. Segundo a Agência Nacional de Petróleo do Brasil (ANP), o acidente foi causado por "não-conformidades quanto a procedimentos operacionais, de manutenção e de projeto".

3 Ações Positivas na Gestão da Crise Questão Econômica: –A empresa escalou representantes para que realizassem visitas aos investidores, com o objetivo de mostrar a capacidade de reação da empresa diante da perda de uma unidade tão importante quanto a plataforma P-36. O pensamento reinante quanto a isso era a necessidade de passar credibilidade ao mercado e eliminar a incerteza dos investidores quanto ao futuro da companhia.

4 Morte dos 11 petroleiros –O próprio presidente da Petrobras, na ocasião do acidente deu a maior assistência possível aos familiares das vítimas. Desastre Ambiental: –Para que fosse evitado um desastre ambiental, foram deslocados para o local do acidente navios e barreiras de contenção para que evitasse um possível vazamento do óleo.

5 Ações Negativas na Gestão da Crise: A não preocupação com prevenir a Crise: –Gerir bem uma crise também passa por tentar prever tudo que pode acontecer de ruim, tudo que pode gerar uma crise. Contratação de pessoal despreparado: –A Petrobras, na época, resolveu terceirizar vários de seus serviços. Porém, ela deixou de lado a fiscalização necessária das contratações que eram feitas.

6 –Deixar trabalhadores não capacitados numa plataforma, é algo de grande risco. Demora a se pronunciar: –A Petrobras demorou alguns dias para se pronunciar sobre as explosões na plataforma. A imprensa e as famílias procuravam informações mas nada conseguiam obter. –A idéia de que haviam vitimas fatais, causou um certo pânico nas pessoas. – A demora deu espaço para o sindicato dos petroleiros e para engenheiros insatisfeito das Petrobras a criticarem abertamente.

7 Conclusões: A Petrobras teve um gerenciamento de crise bom, mas não ideal. Ela soube escolher o porta- voz, reconstruir sua imagem, assessorou a família das vítimas e recuperou sua posição no mercado. Porém ela cometeu falhas graves, como não buscar pensar na crise antes que ela aparecesse, não se pronunciar rapidamente e não se preocupar com a qualificação das pessoas que trabalhavam para ela. Até as empresas referência erram; não dá para se descuidar nunca.

8 Componentes: Flávia Pereira Gabriela Gaspar Jacqueline Abreu Pollyana Pessoa


Carregar ppt "Gestão de Crise: Caso P-36. A P-36 era a maior plataforma de exploração de petróleo do mundo antes de seu afundamento, com capacidade para produzir 150."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google