A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1.2. Representação, cultura e linguagem 1.3. Abordagens teóricas à representação 1.3.1. Abordagem reflexiva 1.3.2. Abordagem intencional 1.3.3. Abordagem.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1.2. Representação, cultura e linguagem 1.3. Abordagens teóricas à representação 1.3.1. Abordagem reflexiva 1.3.2. Abordagem intencional 1.3.3. Abordagem."— Transcrição da apresentação:

1 1.2. Representação, cultura e linguagem 1.3. Abordagens teóricas à representação Abordagem reflexiva Abordagem intencional Abordagem construtivista

2 Representação Peirce, numa fase primária, fala da Semiótica como a teoria geral das representações, usando ora o termo signo ora representação. Especifica representação como um processo de apresentação de um objeto a um intérprete de um signo, ou simplesmente a relação entre o signo e o objeto, introduzindo um terceiro termo – o representamen (Santaella, 1999: 17). O representamen seria usado quando se quer diferenciar aquilo que se representa (representamen) do ato ou relação de se representar (representação). O modo de ser do representamen alicerça-se no potencial de replicação/repetição (Peirce, 1997: 215). Lúcia Santaella (1999). Matrizes da linguagem e pensamento-sonoro, visual e verbal. São Paulo: Iluminuras. Charles Sanders Peirce, Patricia Ann Turrisi (1997). Pragmatism as a principle and method of right thinking: the 1903 Harvard lectures on pragmatism. Suny Press.

3 Representação Rudolf Arnheim e Jacques Aumont, por exemplo, seguem uma tricotomia de valores da imagem na sua relação com o real, entre eles o valor de representação: representa coisas concretas (de um nível de abstracção inferior ao das próprias imagens) (Aumont, 2009: 56). Equivalente ao ícone de Peirce. J. Aumont (2009). A Imagem. Campinas, São Paulo: Papirus.

4 Representação Ao representar, o homem esquematiza o real e materializa o seu pensamento em signos. Sempre que se produz um signo, constrói-se um objeto imediato que não chega a ser o objeto dinâmico (real). Se, por um lado, o objeto imediato se constitui como um afastamento e abstração do objeto dinâmico, por outro, expõe um enriquecimento, pois absorve as qualidades materiais do meio e do código em que foi produzido.

5 Representação Representação com lugar destacado no estudo da cultura. Liga o sentido e a linguagem à cultura significa usar a linguagem para dizer algo significativo, ou para representar, significativamente o mundo, para outros indivíduos (Hall, 1997: 15). uma parte essencial do processo através do qual o sentido é produzido e trocado entre membros de uma cultura (ibid.: 15). a produção do sentido dos conceitos nas nossas mentes através da linguagem. É o laço entre os conceitos e a linguagem que nos capacita para referir o mundo real dos objetos, pessoas e eventos, ou palavras imaginárias de objetos, pessoas e eventos ficcionais (ibid.: 17). Stuart Hall (1997). Representation: cultural representations and signifying practices. London, California, New Dehli: SAGE, Open University.

6 Representação A unidade de representação conhecida como signo – tida como entidade básica para se compreender a cultura e suas linguagens – encerra uma relação de alteridade. Representar significa substituir e substituir denota estar no lugar do outro. É como se o signo possuísse algum aspecto vicário do referente, ainda que puramente convencional como no símbolo peirciano (Eliane Bettochi; Luiz Antonio L. Coelho; Simone Formiga, 2002). Eliane Bettochi; Luiz Antonio L. Coelho; Simone Formiga (2002), Quem reflete que reflexo?. Artigo apresentado no I Simpósio O Outro – PUC-Rio. 12 e 13 de Agosto. Disponível em: rio.br/imago/site/virtualidade/ensaios/reflexo.htm.http://wwwusers.rdc.puc- rio.br/imago/site/virtualidade/ensaios/reflexo.htm

7 Representação A representação – sem consenso no âmbito da Semiologia – não é uma mera reprodução e não corresponde a uma equivalência pura e simples do conceito ou juízo perceptivo: perceber uma coisa não é ainda representá-la (Arnheim). A representação consiste em criar, a partir de um medium, um equivalente ao conceito perceptivo. Arnheim refere três formas representativas (2001: 210): (1) representação por analogia – a semelhança: são formas simbólicas no sentido peirciano, quer dizer convencionais, mas, concomitantemente, mantêm vínculos de semelhança com aquilo que representam (p. 248); (2) a representação por figuração – a cifra: não conservam qualquer analogia com o objeto representado, adquirem uma natureza hermética e críptica. Não se referem a coisas singulares nem à generalização do singular que as figuras poderiam indicar, mas a ideias gerais enigmáticas (p. 253); (3) a representação por convenção – o sistema: representam os seus objetos em função de convenções sistémicas definidas, de modo que as formas são partes integrantes de um sistema, só adquirindo significado em relação a esse sistema (p. 256). Arnheim, Rudolf (1966). Toward a psychology of art. Berkeley: University of California Press Lucia Santaella

8 Representação Pode ser entendida como influenciada e contribuinte dos processos sociais. Estas representações nutrem-se de códigos visuais e verbais, convenções, práticas e forças sociais, que lhe são subjacentes, e servem-nos, assim, de instrumentos para interpretar o mundo (Elizabeth Chaplin, 1994: 1). Por isso, a representação nunca é completamente estática. É variável, pois alimenta-se da realidade social, que está em constante mutação. Elizabeth Chaplin (1994). Sociology and Visual Representation. New York: Routledge.

9 Representação A primeira tese do livro de Debord firma-se sobre a ideia de que a vida das sociedades modernas apresenta-se como uma imensa acumulação de espetáculos (1997: 13); isto é: tudo o que era vivido diretamente tornou-se uma representação (1997: 13). Há uma metamorfose e uma troca de identidades: a realidade em si é suplantada e torna-se realidade o espetáculo. A segunda tese, decorrente da primeira, apresenta a imagem, o elemento- protagonista dessa representação, como a inversão concreta da vida (1997: 13). Guy Debord (1997). A sociedade do espetáculo. Trad. Estela dos San­tos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto.

10 2 sistemas de representação (1) sistema em que todos os tipos de objetos, pessoas e acontecimentos estão correlacionados com um conjunto de conceitos ou representações mentais que nós transportamos nas nossas mentes. (2) sistema que consiste em diferentes modos de organizar, agrupar e classificar conceitos, e estabelecer relações complexas entre eles. Por exemplo, no tratamento da informação bruta – percepção – norteamo-nos pelos critérios da diferenciação e similitude. Construção de um conjunto de correspondências entre um mapa conceptual e um conjunto de signos, arranjados em várias linguagens que representam esses conceitos. A relação entre coisas, conceitos e signos enforma o coração da produção de sentido na linguagem. O processo que os interliga é a representação (Hall, 1997: 19).

11 Linguagem e representação A pertença a uma cultura faz com que se partilhe, de forma ampla, um mapa conceptual similar. Portanto, partilha-se a mesma forma de interpretar os signos de uma linguagem. As imagens visuais carregam signos.

12 Representação De onde vêm os sentidos? Como podemos saber o sentido verdadeiro de uma palavra ou imagem?

13 Abordagem Reflexiva A teoria que apresenta a linguagem como refletora e imitadora da verdade quejá está lá e está fixada no mundo é designada de mimética. O sentido alicerça-se no objeto, pessoa, ideia ou evento, pertencentes ao mundo real. A linguagem funciona como um espelho, refletindo o sentidoverdadeiro como já existe no mundo. Grécia Antiga: mimesis Mimesis – exemplo da linguagem e outros sistemas significantes que espelham ou imitam a natureza. Ex.º: poema de Homero – A Ilíada – que é uma imitação de uma série heróica.

14 Abordagem Reflexiva Contudo, para Platão, toda a criação é uma imitação. Inclusive a criação do mundo é uma imitação da natureza verdadeira: o mundo das ideias. As ideias sim são puras e superiores, pela ausência de decalque do referente. E, sendo assim, a representação artística do mundo físico é uma imitação de segunda mão.

15 Abordagem Reflexiva Observamos que os signos visuais concentram alguns elementos do seu referente, como a forma, a textura, a cor, etc. dos objetos que representam. Mas uma imagem visual bidimensional (altura + largura) de uma rosa é um signo. Não deve ser confundida com a planta real, que cresce num jardim. Os signos linguísticos (cujos significantes são variáveis consoante as línguas) também se distinguem dos objetos. E, para conseguirmos perceber a que aludem, temos de aprender esses códigos.

16 Abordagem Intencional É o autor, o codificador, o sujeito falante que impõe o seu único sentido sobre o mundo através da linguagem. As palavras querem dizer aquilo que o autor intenta. Falha como teoria geral da representação através da linguagem. Pois não podemos ser os únicos recursos de sentido na linguagem. Tal significaria que estaríamos a nos exprimir numa linguagem privada (por exemplo: o idioleto de Andre Martinet), anulando a intenção da linguagem que é comunicar e, assim, dependente de códigos (e por isso convencionados) partilhados. A linguagem nunca pode ser totalmente um jogo privado (Hall, 1997: 25). Daí que os nossos pensamentos privados terão de negociar com o universo de palavras e signos instituídos socialmente, se se quiser ser percebido.

17 Abordagem Construtivista Reconhece o caráter social e público da linguagem. Reconhece também que nem as coisas por si (existentes no mundo exterior) nem os utentes individuais da linguagem (de forma unilateral e auto-recreativa) podem fixar sentidos na linguagem. As coisas não significam: nós construímos sentidos, usando sistemas representacionais – conceitos e signos (Hall, 1997: 25). Mundo material mundo simbólico

18 Abordagem Construtivista Os construtivistas não negam a existência do mundo material. Contudo, não é este que veicula sentidos: é o sistema da linguagem ou qualquer outro sistema que usamos para representar os conceitos. São os atores sociais que usam os sistemas significantes da sua cultura para construir sentidos, para tornar o mundo significativo e para comunicar. Representação é uma prática, uma espécie de atividade, que usa objetos materiais e efeitos. Mas o sentido depende, não da qualidade do material do signo, e sim da sua função simbólica. É porque um som particular ou palavra simboliza ou representa um conceito que pode funcionar na linguagem como um signo e ser portador de significado (Hall, 1997: 26).


Carregar ppt "1.2. Representação, cultura e linguagem 1.3. Abordagens teóricas à representação 1.3.1. Abordagem reflexiva 1.3.2. Abordagem intencional 1.3.3. Abordagem."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google