A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FUNDAMENTOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E-COMMERCE X E-BUSINESS Prof. Msc. Eduardo B. Corrêa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FUNDAMENTOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E-COMMERCE X E-BUSINESS Prof. Msc. Eduardo B. Corrêa."— Transcrição da apresentação:

1 FUNDAMENTOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E-COMMERCE X E-BUSINESS Prof. Msc. Eduardo B. Corrêa

2 FUNDAMENTOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

3 E-COMMERCE Comércio Eletrônico é a capacidade de realizar transações envolvendo a troca de bens ou serviços entre duas ou mais partes utilizando ferramentas eletrônicas e tecnologias emergentes.

4 O que é Comércio Eletrônico? O comércio eletrônico é mais do que amera compra e venda de produtos online. Ela engloba o processo online inteiro de desenvolvimento, marketing, venda, entrega, atendimento e pagamento por produtos e serviços comprados por comunidades mundiais de clientes virtuais, com o apoio de uma rede mundial de parceiros comerciais.

5 Fundamentos do Comércio Eletrônico Sistemas de Comércio Eletrônico: utilizam recursos da Internet, Intranets e Extranets para apoiar os seus processos. O Comércio Eletrônico pode incluir: processos de marketing interativo, pedidos e pagamentos na Internet, acesso por extranet a banco de dados de estoque pelos clientes e fornecedores, acesso por intranet a cadastro de clientes por representantes de vendas e atendimento ao consumidor.

6 Fundamentos do Comércio Eletrônico Categorias de aplicações de Comércio Eletrônico Aplicações Empresa-a-Empresa:(B2B) Esta categoria de Comércio Eletrônico envolve mercados comerciais eletrônicos e Ligações diretas de mercado entre as empresas. Muitas empresas, por exemplo, oferecem à comunidade dos negócios uma multiplicidade de informações de marketing e produtos na Internet. Outras recorrem ao intercâmbio eletrônico de dados (EDI) pela Internet ou Extranets para a troca direta de documentos de transações comerciais com os seus clientes.

7 B2B Business to Business) (Empresa e Empresa) B2B (Business to Business) (Empresa e Empresa) – a transação on- line realizada entre pessoas jurídicas. Exemplo: A empresa compra produtos de outras empresas ou vende regularmente para elas, utilizando a Internet ou a extranet. Lojas Americanas e Sony

8 BUSINESS TO BUSINESS – B2B Segundo [Korper, 2000], B2B é a venda de produtos e serviços entre empresas e automação de sistemas através da integração. Esta categoria de comércio envolve fornecedores,distribuidores, fabricantes, lojas, e outros. A maioria das transações ocorre diretamente entre dois sistemas. B2B geralmente possui a forma de catálogos eletrônicos, usados para compras entre empresas e permitem que empresas compradoras procurem por produtos, baseados em características e ou preço. Os benefícios destes catálogos são a facilidade de uso, a flexibilidade e a facilidade de atualização

9 BUSINESS TO BUSINESS – B2B A grande vantagem do B2B online, no caso do portal ser representante direto da empresa, é que não há intermediários entre comprador e vendedor, o que gera lucros para quem vende e para quem compra. O produto sai direto do produtor para a empresa que vai negociá-lo ou utilizá-lo. Além disso, o número de empresas que podem participar de uma negociação é muito maior. A Internet permite, por exemplo, que uma empresa norte-americana negocie com empresas do Japão, do Brasil e da França ao mesmo tempo. Um sistema B2B, se utilizado corretamente, pode contribuir com o corte de custos administrativos, redução do estoque de mercadorias, e obter preços mais competitivos, em relação à tomada de preços com os fornecedores de forma manual. Com a facilidade de conexão entre as empresas de qualquer parte do mundo, possibilita a realização de parcerias de negócios, com variedade de ofertas, à medida que novas empresas irão se cadastrando no sistema.

10 BUSINESS TO BUSINESS – B2B Três objetivos Comerciais do B2B: 1 – levar o produto certo no lugar certo pelo menor custo 2 – Manter o estoque mais baixo possível e ainda oferecer atendimento superior ao cliente 3 – Reduzir os tempos de ciclo, procurando simplificar e acelerar as operações referentes ao modo como os pedidos dos clientes são processados ao longo do sistema.

11 B2C (Business to Consumer) (Empresa e Consumidor) B2C (Business to Consumer) (Empresa e Consumidor) – Este tipo de comércio é realizado quando a empresa vai negociar diretamente com o seu consumidor final. Este tipo de comércio esta se tornando a melhor forma de comercialização no Brasil e mundo, pois consegue reduzir consideravelmente o valor do produto por causa na diminuição de custos. Exemplo: Submarino e Americanas, uma das maiores empresas nesse ramo no Brasil;

12 BUSINESS TO CONSUMER –B2C Segundo [Korper, 2000], B2C envolve interação e transação entre uma empresa e seus consumidores. Seu foco é o marketing e a venda de produtos e serviços para o consumidor. Muitas pessoas já conhecem ou utilizaram este sistema na internet. Empresas, tais como Lojas Americanas, Submarino, entre outras que possuem sites de venda aos consumidores. Com alguns cliques do mouse, as pessoas compram passagens aéreas, flores, livros, cds, entre outros. O aliado do comércio eletrônico direcionado ao cliente é a facilidade de uso aliado a economia de tempo e dinheiro para a compra de um determinado produto, substituído pela forma tradicional, ou seja, a locomoção até a localização física de determinada loja.

13 Fundamentos do Comércio Eletrônico Varejo na Rede: É fundamental para o sucesso de um site de varejo que as empresas estejam atentas a 6 fatores: 1 – Desempenho e Serviços: O site deve ser eficientemente projetado para a facilidade de acesso, escolha e compra. Os processos de marketing, pedidos e atendimentos ao cliente também devem ser amigáveis e vantajosos, além de rápidos e fáceis. 2 – Personalização: Personalizar a experiência de compra do consumidor e montando perfis de usuários com interesses similares.

14 Fundamentos do Comércio Eletrônico 3 – Socialização: Dar ao cliente online com interesses semelhantes a sensação de pertencer a um grupo único de indivíduos. O marketing de relacionamento e marketing de afinidades baseados na Internet promovem essas comunidades virtuais de clientes, fornecedores, representantes da empresa e outros consumidores por meio de várias técnicas tais como: fóruns de discussão, salas de bate-papo entre os clientes e interligações com outros sites de interesse.

15 Fundamentos do Comércio Eletrônico 4 – Aparência e Impressão: Os sites na rede podem oferecer aos seus clientes experiências de compra com som, movimento e gráficos. Ou dar idéia de um Shopping Center virtual, permitindo que os compradores consulte seções de produto, escolham produtos, coloquem-nos em um carrinho de compras virtual e se dirijam para um caixa virtual para pagarem pelo pedido. 5 – Incentivos: Os sites da rede precisam oferecer aos compradores incentivos à compra e ao retorno. Normalmente, isto é feito por cupons, descontos, ofertas especiais e vales para outros serviços da rede.

16 Fundamentos do Comércio Eletrônico 6 – Segurança e Confiabilidade: O cliente precisa sentir confiança de que seu cartão de crédito, informações pessoais e detalhes de suas transações estejam protegidos contra uso sem autorização. Medidas importantes para a confiabilidade de uma loja da Internet é o preenchimento correto dos pedidos dos clientes e a entrega no prazo prometido.

17 B2E ou Business to Employee: B2E ou Business to Employee: é o tipo de comércio eletrônico que as empresas fazem com seus funcionários ou colaboradores. Essas transações geralmente utilizam alguma rede interna. Tipicamente as empresas usam essa rede para automatizar alguns processos internos da empresa. As aplicações de B2E incluem: Gerenciamento online das políticas de RH Disseminação da comunicação pela empresa Requisição de material online e ofertas especiais para os funcionários entre outras. A Coca-Cola criou um programa que conta com três componentes: a gestão de pessoal on-line, os processos empresariais on-line e os serviços on-line para os funcionários. Resultados alcançados com o B2E da Coca- Cola: o aumento da satisfação de funcionários, o crescimento da produtividade e a redução de custos de gerenciamento de modo geral.

18 Consumer-to-Business – C2B Business to Business to Consumer - B2B2C Consumidor-a-negócio ( Consumer-to-business – C2B ) As transações são feitas entre consumidores e empresas, como por exemplo, passageiros que dão lances por passagens aéreas, cabendo às empresas aceitar ou não. Business to Business to Consumer - B2B2C : Consiste em ter um atacadista que vende para o distribuidor, que por sua vez, vende para o consumidor final(meio digital).

19 C2C (Consumer to Consumer) (Consumidor e Consumidor) C2C (Consumer to Consumer) (Consumidor e Consumidor) – a transação on-line entre pessoas físicas são realizadas por meio de uma plataforma eletrônica na Internet e intermediadas por uma empresa que oferece a infra-estrutura tecnológica e administrativa. Um grande exemplo desse tipo de transação são os leilões online, como Ebay e o Mercado Livre. Os leilões online funcionam da seguinte forma: o consumidor coloca o seu produto para venda com um valor mínimo, e outros consumidores dão ofertas maiores para aquele produto. Quem dar o maior lance, num prazo determinado, leva o produto. As empresas que facilitam essa transação geralmente ganham uma comissão em cima de cada leilão ou uma taxa única de transação. Lembrando que esses sites são apenas intermediários e não se envolvem na qualidade do produto ou não influenciam nos valores dos produtos. Exemplo: O Mercado Livre (www.mercadolivre.com.br), maior site de C2C no país, onde o usuário vende para outro usuário.www.mercadolivre.com.br

20 E-GOVERNEMENT O e-Governement Modelo de negócios eletrônicos que permitem ao governo, enquanto entidade, realizar negócios e disponibilizar serviços on-line. Governo-a-Governo (government-to-government - G2G) Iniciativas que visam a qualidade da integração entre os serviços governamentais, envolvendo ações de reestruturação e modernização de processos e rotinas. EX: Gestão de Patrimônio Público, Gestão de Serviços Terceirizados (economia de 5,17 bilhões, Gestão de Locação de Imóveis( imóveis cadastrados), Sistema Estratégico de Informações – facilidade de comunicação estações de trabalho), Monitoramento das decisões do governo. (Estado de São Paulo)

21 E-GOVERNMENT Negócio-a-governo (business-to-government – B2G) As empresas se relacionam com as administrações federais, estaduais ou municipais dos governos. Governo de São Paulo (Central Digital – informações para investimentos em SP, Bolsa Eletrônica de Compras, Recolhimento de Impostos, Cadastro Único de Fornecedores etc) Consumidor-a-governo (consumer-to-government – C2G) O consumidor se relaciona com o Estado para obter serviços, benefícios ou informações. Exemplos, temos o acesso a andamento de processos (tribunais), declaração do imposto de renda e consulta a multas de trânsito; PoupaTempo, Delegacia Virtual, Matricula Escolar, Central de Transplantes e mais 57 tipos de serviços.

22 E-Business X E-Commerce Pode-se comparar o e-Business com um "Iceberg", onde em seu topo (a parte externa), ficaria o e- Commerce, a parte visível do e-Business, e em sua base (a parte submersa na água, e maior parte), ficaria os processo integrados do e-Business

23 E-business X e-commerce O e-business abrange o e-commerce e também envolve processos internos como produção, administração de estoques, desenvolvimento de produtos, administração de riscos, finanças, desenvolvimento de estratégias, administração do conhecimento e recursos humanos.

24 E-BUSINESS ou E-COMMERCE Uma empresa pode ter um site de e-Commerce não sendo contudo um e-Business. Portanto podemos fazer as seguintes definições: O e-Commerce é a componente de venda online de um site Internet. O e-Business é a integração das atividades de uma empresa inclusive produção, procedimentos, e serviços com a Internet. Um e-Business usa a Internet como um canal completamente integrado para todas as atividades empresariais. Transformamos uma empresa num e-Business quando integramos as suas vendas, comercialização, contabilidade, fabricação, e operações diárias com as suas atividades de Internet.

25 E_BUSINESS O E-business abrange o E-commerce e também envolve processos internos como produção,administração de estoques, desenvolvimento de produtos, administração de riscos, finanças,desenvolvimento de estratégias, administração do conhecimento e recursos humanos. Tanto o E-commerce como o E-business incluem aplicações que servem para direcionar processos,como por exemplo a infra-estrutura tecnológica de bancos de dados, os servidores de aplicativos, as ferramentas de segurança, a administração de sistemas e os sistemas legados. E ambos, envolvem também a criação de novas cadeias de valores entre as companhias, seus consumidores e fornecedores,assim como dentro de cada companhia.

26 AMBIENTE DE NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Figura 2.1 Ambiente de Negócios Eletrônicos

27 E-PROCUREMENT De acordo com [Vieira, 2000], o termo e-procurement corresponde ao processo de obter cotações de produtos pela Internet. As empresas que utilizam esses sistemas selecionam fornecedores on-line. Cabe assim, à empresa, escolher os fornecedores que oferecem os melhores preços, prazos e condições de pagamento. Com o processo de concorrência online, elimina-se consideravelmente o uso de papel, agiliza a seleção de produtos e diminui o tempo de aprovação das compras, representando uma grande economia para as empresas. As áreas de compradoras divulgam suas necessidades de materiais e serviços em portais especializados e esperam as ofertas dos fornecedores. Outra opção é o comprador navegar por sites e portais de fornecedores de categorias de materiais semelhantes e, consultar preços e estoques, transferir o que interessa para seu computador, o fornecedor que lhe oferecer as melhores vantagens.

28 E-PROCUREMENT O termo é utilizado para indicar uma solução de software que oferece melhores condições para cotação de preços e compra de materiais via internet. A solução permite a compra através de licitações eletrônicas de suprimentos. Estes sistemas podem encontrar e contatar novos fornecedores, cotar os melhores preços, as melhores condições de pagamento e de fornecimento para os produtos desejados, de uma forma fácil e rápida. Através dele podemos aumentar nosso poder de barganha junto aos fornecedores. Como? Se estamos recebendo pela internet dezenas de orçamentos de fornecedores, conhecidos ou novos, temos maiores chances de conseguir melhores preços.

29 E-PROCUREMENT Em determinada situação podemos ter propostas de fornecimento com custo muito próximo, com a mesma qualidade, prazo de pagamento e entrega. Com o e-Procurement é possível mostrar aos "vencedores" o resultado parcial da cotação e solicitar alguma melhoria na proposta. Isto é o que chamamos de leilão reverso, parte importante do e-Procurement. Ele permite às empresas compradoras a realização de uma negociação eletrônica onde o vencedor é aquele fornecedor que, durante um período preestabelecido, obtém o melhor preço. As oportunidades para otimização e redução de custos são ilimitadas. Com ele podemos gerenciar eficientemente o ciclo completo de compras, e otimizar todos os aspectos da cadeia de suprimentos. Além de proporcionar maior agilidade e transparência ao processo de compra, oferecendo a todos os participantes a oportunidade de uma reação imediata aos preços dos concorrentes, o leilão reverso permite conseguir melhores resultados nas negociações, adequando a antiga regra da economia - oferta x demanda - à velocidade dos tempos atuais.

30 E-MARKETING O e-marketing tem a sua base no e-commerce, seja business to business ou business to consumer. Este novo conceito de comércio muda os itens do tradicional composto de marketing: produto, preço, praça (ponto de venda, distribuição) e promoção (propaganda, comunicação). A internet passa a ser um canal de comunicação e interatividade com o cliente, possibilitando maior troca de informações e um relacionamento individualizado diretamente relacionado ao conceito de CRM (Customer Relationship Management).

31 Business Intelligence (BI) Business Intelligence (BI) pode ser traduzido como inteligência de negócios, ou inteligência empresarial. Isto significa que é um método que visa ajudar as empresas a tomar as decisões inteligentes, mediante dados e informações recolhidas pelos diversos sistemas de informação (CRM, ERP,SIE entre outros). Sendo assim, BI é uma tecnologia que permite às empresas transformar dados guardados nos seus sistemas em Informação qualitativa e importante para a tomada de decisão.


Carregar ppt "FUNDAMENTOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E-COMMERCE X E-BUSINESS Prof. Msc. Eduardo B. Corrêa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google