A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VÍCIOS REDIBITÓRIOS Não há que se falar em vícios redibitórios nos contratos unilaterais. Somente nos contratos bilaterais comutativos, nos quais se transfere.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VÍCIOS REDIBITÓRIOS Não há que se falar em vícios redibitórios nos contratos unilaterais. Somente nos contratos bilaterais comutativos, nos quais se transfere."— Transcrição da apresentação:

1 VÍCIOS REDIBITÓRIOS Não há que se falar em vícios redibitórios nos contratos unilaterais. Somente nos contratos bilaterais comutativos, nos quais se transfere a propriedade, cabe a recusa da coisa em decorrência de defeitos ocultos, que a desvalorizem ou a tornem desqualificada para o uso que se pretendia dar-lhe. O amparo legal não se limita, portanto, aos contratos de compra e venda, mas cobre também os de permuta, sociedade, doação com encargo e dação em pagamento. Não há que se falar em vícios redibitórios nos contratos unilaterais. Somente nos contratos bilaterais comutativos, nos quais se transfere a propriedade, cabe a recusa da coisa em decorrência de defeitos ocultos, que a desvalorizem ou a tornem desqualificada para o uso que se pretendia dar-lhe. O amparo legal não se limita, portanto, aos contratos de compra e venda, mas cobre também os de permuta, sociedade, doação com encargo e dação em pagamento.

2 Sílvio Rodrigues explica que: O propósito do legislador, ao disciplinar esta matéria, é o de aumentar as garantias do adquirente. De fato, ao proceder à aquisição de um objeto, o comprador não pode, em geral, examiná-lo com a profundidade suficiente para descobrir os possíveis defeitos ocultos, tanto mais que, via de regra, não tem a posse da coisa. Por conseguinte, e considerando a necessidade de rodear de segurança as relações jurídicas, o legislador faz o alienante responsável pelos vícios ocultos da coisa alienada. O propósito do legislador, ao disciplinar esta matéria, é o de aumentar as garantias do adquirente. De fato, ao proceder à aquisição de um objeto, o comprador não pode, em geral, examiná-lo com a profundidade suficiente para descobrir os possíveis defeitos ocultos, tanto mais que, via de regra, não tem a posse da coisa. Por conseguinte, e considerando a necessidade de rodear de segurança as relações jurídicas, o legislador faz o alienante responsável pelos vícios ocultos da coisa alienada.

3 Washington de Barros Monteiro afirma: Conquanto a teoria dos vícios redibitórios encontre na compra e venda seu habitat natural mais freqüente, a verdade é que pode ter também aplicação em todos os demais contratos comutativos, como nas permutas, nas empreitadas (arts e 1.243) e nas doações onerosas. Conquanto a teoria dos vícios redibitórios encontre na compra e venda seu habitat natural mais freqüente, a verdade é que pode ter também aplicação em todos os demais contratos comutativos, como nas permutas, nas empreitadas (arts e 1.243) e nas doações onerosas.

4 Ruggiero diz: É indispensável que o defeito da coisa seja oculto, ou seja, que o adquirente não tenha tomado conhecimento de sua ocorrência; que não seja superveniente à conclusão do contrato, entendendo alguns autores, que, mesmo o contrato estando concluído, mas ainda não tendo havido a tradição, caberia a argüição do vício redibitório; e que tal defeito desqualifique a coisa para o uso a que se destinaria ou que a desvalorize apreciavelmente. É indispensável que o defeito da coisa seja oculto, ou seja, que o adquirente não tenha tomado conhecimento de sua ocorrência; que não seja superveniente à conclusão do contrato, entendendo alguns autores, que, mesmo o contrato estando concluído, mas ainda não tendo havido a tradição, caberia a argüição do vício redibitório; e que tal defeito desqualifique a coisa para o uso a que se destinaria ou que a desvalorize apreciavelmente.

5 Vícios ou defeitos ocultos não são quaisquer leves imperfeições da coisa ou a falta de qualidades declaradas pelo vendedor, mas são, pelo contrário, só aqueles que, por um lado, tornem a coisa não apta para o uso a que é destinada ou o diminuam de tal modo que, se o comprador os tivesse conhecido, ou não a teria comprado ou teria oferecido um preço menor; além disso não devem ter-se manifestado no memento da venda de tal forma que, de logo, o comprador pudesse ter tido conhecimento da sua existência. não são quaisquer leves imperfeições da coisa ou a falta de qualidades declaradas pelo vendedor, mas são, pelo contrário, só aqueles que, por um lado, tornem a coisa não apta para o uso a que é destinada ou o diminuam de tal modo que, se o comprador os tivesse conhecido, ou não a teria comprado ou teria oferecido um preço menor; além disso não devem ter-se manifestado no memento da venda de tal forma que, de logo, o comprador pudesse ter tido conhecimento da sua existência.

6 EVICÇÃO Quando, em função de decisão judicial, o adquirente é obrigado a restituir a coisa a seu verdadeiro proprietário. Quando, em função de decisão judicial, o adquirente é obrigado a restituir a coisa a seu verdadeiro proprietário. A garantia contra a evicção decorre do princípio de que o alienante é obrigado a garantir a idoneidade do contrato, não sendo lícito negociar coisa alheia. A garantia contra a evicção decorre do princípio de que o alienante é obrigado a garantir a idoneidade do contrato, não sendo lícito negociar coisa alheia. O art , do Código Civil institui tal garantia tanto para a transferência de domínio quanto de posse ou de uso. Não é somente na transmissão de direitos reais que ocorre a responsabilidade pela evicção, senão também na de créditos, embora o cedente responda apenas pela existência do direito transferido e não pela solvência do devedor. O art , do Código Civil institui tal garantia tanto para a transferência de domínio quanto de posse ou de uso. Não é somente na transmissão de direitos reais que ocorre a responsabilidade pela evicção, senão também na de créditos, embora o cedente responda apenas pela existência do direito transferido e não pela solvência do devedor.

7 Significado da palavra Evictio A palavra evicção deriva do latim evictio, do verbo evincere, que significa precisamente ser vencido num pleito relativo a coisa adquirida de terceiro. A palavra evicção deriva do latim evictio, do verbo evincere, que significa precisamente ser vencido num pleito relativo a coisa adquirida de terceiro.

8 Segundo Sílvio Rodrigues, para que a responsabilidade pela evicção se configure, é mister que o contrato donde provém o direito do evito tenha sido feito a título oneroso. Evidentemente, se a aquisição foi a título gratuito, a evicção não traz prejuízo para o adquirente. O alienante, nesses casos, ao contrário, veria diminuído seu patrimônio, se tivesse que indenizar o evicto. O Código Civil prevê, expressamente, que, em caso de doação, a doador não fica responsável pela evicção (art ), assim como a caducidade em relação aos legados (art ). para que a responsabilidade pela evicção se configure, é mister que o contrato donde provém o direito do evito tenha sido feito a título oneroso. Evidentemente, se a aquisição foi a título gratuito, a evicção não traz prejuízo para o adquirente. O alienante, nesses casos, ao contrário, veria diminuído seu patrimônio, se tivesse que indenizar o evicto. O Código Civil prevê, expressamente, que, em caso de doação, a doador não fica responsável pela evicção (art ), assim como a caducidade em relação aos legados (art ).

9 Procedimento na evicção Embora a lei processual exija que o demandado denuncie o alienante à lide, há entendimentos em sentido de que, não o fazendo não lhe acarreta a perda do direito de regresso. A situação é polêmica, pois, não tendo podido se defender, como poderá, posteriormente ser penalizado pelo resultado da demanda? Ainda não há resposta definitiva para esse tema. Embora a lei processual exija que o demandado denuncie o alienante à lide, há entendimentos em sentido de que, não o fazendo não lhe acarreta a perda do direito de regresso. A situação é polêmica, pois, não tendo podido se defender, como poderá, posteriormente ser penalizado pelo resultado da demanda? Ainda não há resposta definitiva para esse tema. O alienante é tem que garantir o negócio contra os riscos da evicção. Ocorrendo esta, terá que restituir o preço, além de eventualmente indenizar por perdas e danos, despesas contratuais e honorários de advogado. O alienante é tem que garantir o negócio contra os riscos da evicção. Ocorrendo esta, terá que restituir o preço, além de eventualmente indenizar por perdas e danos, despesas contratuais e honorários de advogado.

10 Evicção – tipos 1. A reivindicatória, que resulta da sentença que julgou procedente a ação de reivindicação do proprietário da coisa vendida; 2. A expropriatória, quando o bem, já penhorado, quando foi vendido, vem a ser alienado em hasta pública; 3. A resolutória, se a precedente aquisição do vendedor se resolve por estar subordinada a uma condição resolutiva.

11 Características essenciais da evicção : 1. Expropriação do direito do adquirente; 2. Sentença judicial reconhecendo direito anterior ao contrato; 3. Risco anterior à transmissão do domínio da coisa.

12 Procedimento A perda do domínio da coisa pode ser completa ou em parte. No caso de evicção parcial, o adquirente pode perder parte da coisa ou ver seu direito de propriedade por vínculo real limitado. Nesse caso, o adquirente pode optar por pedir um abatimento do preço em vez de resolver o contrato. A perda do domínio da coisa pode ser completa ou em parte. No caso de evicção parcial, o adquirente pode perder parte da coisa ou ver seu direito de propriedade por vínculo real limitado. Nesse caso, o adquirente pode optar por pedir um abatimento do preço em vez de resolver o contrato.

13 Evicção natureza A natureza jurídica da ação de evicção é de indenização, por descumprimento do contrato. A natureza jurídica da ação de evicção é de indenização, por descumprimento do contrato.

14 O evicto tem direito a: Receber de volta todo o preço e demais valores desembolsados; Receber de volta todo o preço e demais valores desembolsados; Indenização por perdas e danos; Indenização por perdas e danos; Indenização pelos frutos que tiver sido obrigado a devolver; Indenização pelos frutos que tiver sido obrigado a devolver; Indenização pelas despesas do contrato; Indenização pelas despesas do contrato; Ressarcimento pelas custas judiciais e honorários advocatícios. Ressarcimento pelas custas judiciais e honorários advocatícios.

15 Evicção o evicto deve demandar contra quem lhe transferiu o domínio da coisa e não contra quem, de fato, deu causa à inidoneidade do negócio. O alienante, por sua vez, pode demandar contra quem o prejudicou e assim por diante. o evicto deve demandar contra quem lhe transferiu o domínio da coisa e não contra quem, de fato, deu causa à inidoneidade do negócio. O alienante, por sua vez, pode demandar contra quem o prejudicou e assim por diante.

16 ARRAS Sinal que significa a firmeza da obrigação contraída ou garantia da obrigação pactuada. Sinal que significa a firmeza da obrigação contraída ou garantia da obrigação pactuada.

17 Tipos de arras Arras confirmatórias e penitenciais. Arras confirmatórias e penitenciais. Confirmatórias Confirmatórias Confirmatórias ou arras propriamente ditas, quando representam uma prestação efetiva, realizada em garantia da conclusão de um contrato; Confirmatórias ou arras propriamente ditas, quando representam uma prestação efetiva, realizada em garantia da conclusão de um contrato; Penitenciais Penitenciais Penitenciais, se há cláusula de arrependimento, caso em que a perda da prestação constitui a pena, tem o caráter de cláusula penal compensatória. Penitenciais, se há cláusula de arrependimento, caso em que a perda da prestação constitui a pena, tem o caráter de cláusula penal compensatória.


Carregar ppt "VÍCIOS REDIBITÓRIOS Não há que se falar em vícios redibitórios nos contratos unilaterais. Somente nos contratos bilaterais comutativos, nos quais se transfere."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google