A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

NAVIOS OCEANOGRÁFICOS Tipos de Navios Qualquer trabalho a desenvolver no mar tem custos geralmente muito maiores do que trabalhos similares desenvolvidos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "NAVIOS OCEANOGRÁFICOS Tipos de Navios Qualquer trabalho a desenvolver no mar tem custos geralmente muito maiores do que trabalhos similares desenvolvidos."— Transcrição da apresentação:

1 NAVIOS OCEANOGRÁFICOS Tipos de Navios Qualquer trabalho a desenvolver no mar tem custos geralmente muito maiores do que trabalhos similares desenvolvidos em terra. O principal factor que encarrece os trabalhos oceanográficos é o custo dos meios navais. O preço mínimo de um navio oceânico é de 6000 euros/dia, mas frequentemente este valor é bastante maior. O preço mínimo de um navio de médio porte é da ordem de 1500 euros/dia. Existem 4 tipos principais de navios de investigação: navios hidrográficos - construídos para servirem de base a trabalhos relacionados com a batimetria, com a correntometria, com a estrutura das massa de água, etc. navios halieuticos - adaptados para a realização de trabalhos relacionados com a investigação pesqueira navios oceanográficos - concebidos para a realização de quase todos os tipos de trabalhos de investigação em oceanografia navios especiais - desenhados para desenvolverem, principalmente, determinados tipos de trabalhos específicos

2 Ao procurar-se um navio para realizar um cruzeiro científico deve ter-se em atenção se as suas características são adequadas aos trabalhos que se pretende desenvolver. Alguns dos factores a considerar são: custo manobralidade estabilidade calado autonomia aparelhos de força, guinchos e cabos electromecânicos pórticos laboratórios Equipamento científico instalado alojamento (dimensão da equipa científica) Trabalho a bordo Por via de regra, trabalha-se 24 horas por dia no sentido de rentabilizar a utilização do navio.Tal implica ter equipas científicas alargadas. Em Portugal e em muitos outros países é costume organizar o trabalho a bordo em quartos. Formam-se três equipas que realizam por dia dois períodos de 4 horas, que se iníciam às 0h e 12h, às 4h e 16h e às 8h e 20h. Quando a equipa científica é reduzida trabalha-se em regime de bordadas, sistema este que com frequência é adoptado pelos investigadores anglo-saxónicos. Formam-se duas equipas que realizam trabalho contínuo durante 12 horas.

3 Alguns Navios Especiais Para desenvolver alguns tipos de trabalhos específicos no mar são, por vezes, construidos navios especiais. Alguns dos mais colhecidos são os navios de perfuração "Glomar Challenger", que esteve ao serviço do consórcio JOIDES durante a execução do projecto DSDP (Deep Sea Drilling Project), e "Joides Resolution" que opera actualmente para o projecto ODP (Ocean Drilling Project), e o navio FLIP. O "Glomar Challenger" foi construido no final da década de 1960 pela Global Marine Inc. O seu nome é uma homenagem ao histórico navio "HMS Challenger" que iniciou os trabalhos científicos de oceanografia. Tem 120 m de comprimento e 20 m de largura. Na altura era o único navio do género a operar no mar. Podia efectuar perfurações do fundo oceânico até profundidades de 6000m. A torre de perfuração tem 43 m de altura. Foi concebido de tal forma que é extremamente estável, para o que foi necessário desenvolver métodos e equipamentos específicos. Operou para o projecto DSDP entre 1968 e 1983.

4 O navio de perfuração "Joides Resolution" veio substituir o "Glomar Challenger" quando o consórcio JOIDES iniciou a execução do projecto ODP. O seu nome é uma homenagem ao "HMS Resolution" que, há mais de 200 anos, comandado pelo Capitão James Cook, explorou o oceano Pacífico e a região antárctica. O "Joides Resolution" tem 143 m de comprimento e 21 m de largura, estando dotado de uma torre de perfuração com 61,5 m de altura. Entre Janeiro de 1985 e Fevereiro de 1999 efectuou 1417 sondagens em 535 locais. A perfuração em águas mais profundas que realizou localiza-se à profundidade de 5980 m, no Pacífico ocidental. O "FLIP" (Floating Instrument Platform) é um navio especial da U.S. Navy, não auto-propulsado, operado pelo Marine Physical Laboratory (MPL), Scripps Institution of Oceanography, University of California, San Diego. Tem 108 m de comprimento e, quando na vertical, emerge da água apenas 17m. Este navio original foi construído para desenvolver investigação relacionada com o programa de armas submarinas da marinha dos EUA, mas tem dado apoio a grande variedade de projectos de investigação oceanográfica, designadamente no âmbito da biologia, da oceanografia física, da meteorologia e da geofísica. O FLIP foi lançado à água em 22 de Junho de É o único navio deste tipo no mundo.

5 VEÍCULOS SUBAQUÁTICOS História breve 1934William Beebe desce a 923m numa batisfera 1960 Submersível tripulado Trieste mergulha a 10915m na Fossa das Marianas Veículos submersíveis tripulados Veículos subaquáticos tripulados; mobilidade limitada com transporte em plataformas flutuantes até à área de operação; grau de autonomia variável; podem funcionar com cabo umbilical. Submers í vel Alvin (3 tripulantes, max 4500 m) Submers í vel Johnson-Sea-Link II (4 tripulantes, max ca. 900m).

6 Submersível Mir II (3 tripulantes, max 6000 m) Submersível DeepWorker (1 tripulante, max 600 m). Submers í vel Nautile (3 tripulantes, max 6000 m). Submersível Shinkai 6500 (6527 m, 3 tripulantes).

7 ROVs (Remotely Operated Vehicles) controlados por operador no navio não tripulados ligados ao navio por cabo umbilical ROV Issis (Reino Unido) no navio James Clark Ross – capacidade de operar at é aos 6500m de profundidade. Em Portugal, o submersível mais moderno existente é o LUSO. É um ROV (Remotely Operated Vehicle), modelo Abyss Bathysaurus XL da companhia Norueguesa, Argus Remote Systems AS com capacidade operacional até aos 6000m de profundidade. Permite a recolha selectiva de amostras geológicas e serve de plataforma para acoplamento de um elevado número de instrumentos científicos, como: parâmetros físicos e químicos da água, câmaras de alta definição HDTV, a amostragem na sub-superfície em rocha e sedimento, sonar e batimetria multi-feixe, medidor de correntes, entre outros. É igualmente possível o acoplamento de equipamentos específicos para operações de engenharia pesada como lançamento de cabos submarinos, inspecção, limpeza e manutenção de infra- estruturas submarinas, podendo igualmente ser utilizado em operações combate à poluição marinha.

8 AUVs (Autonomous Underwater Vehicles) Robôs submarinos (até 6000 m); Operam de modo autónomo; Não tripulados Em aplicações militares designam-se Veículos Submarinos Não Pilotados ou UUVs ( Unmanned Underwater Vehicles ) Diversos modos de operação AUV Explorer (Alemanha), com capacidade de opera ç ão at é 5000 m. AUV Asterx (Fran ç a), com capacidade de opera ç ão at é 3000 m e 100 km de autonomia. AUV Infante (Portugal) at é 500m de profundidade e autonomia de 800 km.

9 N.R.P. "D. CARLOS I" N.R.P. "Almirante GAGO COUTINHO" Navios Oceanográficos Portugueses N.R.P. "D. Carlos I" - Lançamento à água: 30JAN1989; Pronto como navio hidrogáfico: NOV Foi entregue à Marinha Portuguesa em 28FEV997 – Instituto Hidrográfico da Marinha - Anteriormente U.S.N.S. Audacious (vigilância submarina): Guarnição: 34 elementos (6 oficiais, 7 sargentos e 21 praças) e 12 membros da equipa científica. - Comprimento: 68,7 metros; Calado:5,6 metros; Deslocamento: 2300 toneladas - Velocidade cruzeiro: 9 nós; Consumo médio (170 r.p.m.): 8500 litros/dia - Autonomia: 30 dias No NRP D. Carlos I, a nível estrutural foi: criada o centro de aquisição de dados hidrográficos e oceanográficos; criados laboratórios seco e molhado; criadas salas de desenho e de reuniões; colocados guinchos oceanográficos; aumentada a área na tolda disponível para fainas; instalada uma embarcação de sondagem; criadas as condições para embarcar um contentor com material de apoio; instalado um pórtico na tolda; instalada uma grua para movimentação de viaturas e outro equipamento. Pórtico de ré Guincho multi-usos Guincho oceanográfico Pórtico lateral Contentor de alimentação dos guinchos Embarcação de sondagem Grua Pallfinger Grua Heila

10 Foi instalada no casco uma gôndola com 6 x 4 metros e 8 ton. de massa para a colocação de sensores. Em particular: - um sistema sondador multifeixe para cartografia do fundo do mar com alcance dos 200 aos m e cobertura angular de 150º. - perfiladores acústico de correntes por efeito de Doppler (ADCP – Acoustic Doppler Current Profiler) para medição da velocidade da corrente a vários níveis com o navio em movimento. Alcance: 800 a 1000 m (38 kHz) e 380 a 425 m (150 kHz). Gôndola com a instalação dos transdutores O N.R.P. "Almirante Gago Coutinho é um navio i rmão gémeo do N.R.P. D. Carlos I, pertence à classe D. Carlos I. Chegou a Portugal no dia 7 de Abril de Em Fevereiro de 2006 iniciou a fase de fabricos para instalação de novos equipamentos e conversão num moderno navio oceanográfico. Está operacional desde Maio A adaptação e equipamento destes navio foi possibilitada por protocolo entre a Marinha - Instituto Hidrográfico e a Fundação para a Ciência e Tecnologia.

11 N.R.P. "ANDR Ó MEDA" N.R.P. "AURIGA" Os NRP "Andrómeda" e "Auriga" são duas lanchas hidrográficas gémeas concebidas para a actividades de investigação em estuários e zonas costeiras. Foram lançados à água nos estaleiros do Arsenal do Alfeite, respectivamente em 12 de Dezembro de 1985 e 26 de Maio de A entrega dos navios ao Instituto Hidrográfico verificou-se em Maio de 1987 e Março de Dispõem de uma área destinada a laboratório molhado e da possibilidade de receberem um contentor de 6 m, para usos científicos específicos. Dispõem também de uma área de 30 m2 no convés a ré. Actividades Poss í veis Sondagem em escala 1: a 1: Coloca ç ão e levantamento de amarra ç ões de corrent ó metros e mar é grafos Coloca ç ão e levantamento de b ó ias de medi ç ão de ondula ç ão Esta ç ões de observa ç ão directa e registo de parâmetros qu í micos e f í sicos da á gua Esta ç ões de colheita de amostras de á gua at é 1500 m de profundidade Colheitas de amostras de fundo com colhedores tipo "Shipeck", "Van Veen" e "Corers" Reboque de sonar de pesquisa lateral e sondador de sedimentos Investiga ç ão com equipamentos de s í smica ligeira de reflexão cont í nua Investiga ç ão com "Remote Operating Vehicule" (ROV), com utiliza ç ão de câmaras de v í deo submarinas Colheita de amostras biol ó gicas

12 NI "NORUEGA" LABORATÓRIOS Hidrografia, Biologia/Química, Biologia/Amostragem, Acústico PRINCIPAIS ACTIVIDADES Este navio dedica-se à realização de campanhas de bioceanografia e pescas, que envolvam: Oceanografia e plâncton; Sedimentos e fauna bentónica; Rastreio acústico; Arrasto pelo fundo; Arrasto pelágico; Armadilhas; Aparelhos de linha Este navio de pesca foi oferecido pela Noruega a Portugal. Pertence ao INRB/IPIMAR Posteriormente foi modificado ficando assim apto a efectuar oceanografia em zonas costeiras e oceânicas. Tem um comprimento de 47.5 m, atinge 13 nós de velocidade máxima, 9500 milhas de Autonomia e 1500 HP de Potência. Da sua tripulação fazem parte 18 pessoas, e 12 elementos integram a sua Equipa Técnica. Ano de Construção: 1978.

13 NI "ARQUIP É LAGO" Navio ao servi ç o do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos A ç ores (DOP/UA ç ) desde 1993 e tem sido usado extensivamente em programas de investiga ç ão no Atlântico Nordeste (A ç ores, Madeira). Este navio de 25,4 m (comprimento de fora a fora) foi especificamente desenhado para investiga ç ão na á rea da oceanografia e pescas. Equipamento da ponte: SONAR, Sonda Ac ú stica a cores de dupla frequência, Sonda Gr á fica de profundidade, Plotter, Facsimile, GPS, Sistema de Comunica ç ão por Sat é lite (INMARSATC), Sistema de Comunica ç ão R á dio-Telefone SSB, Sistema R á dio de Comunica ç ão VHF acoplado a Autolink, RADAR, Piloto autom á tico, Gyro, Sistema de Detec ç ão de Incêndios, Alarme Dead-man, Esta ç ão Meteorol ó gica e Circuito Interno de V í deo. Equipamento do conv é s: aladores de pesca e guinchos, dois guinchos oceanogr á ficos (um com 700 m cabo de a ç o simples e outro com m de cabo electromecânico para trabalhar com rosette/CTD), uma grua hidr á ulica com um alcance de 5 m e uma capacidade de alagem (C.A.) de 2,5 ton, um p ó rtico lateral (2,5 ton C.A.) e um p ó rtico de popa (4 ton C.A.), compartimentos de armazenamento e um t ú nel de congela ç ão r á pida (2 ton/dia). O conv é s do navio encontra-se ainda preparado para receber um contentor-laborat ó rio de 3,03 m ou um guincho SEASOAR com 650 m de cabo. O laborat ó rio seco (12m2) pode acomodar 4 posi ç ões de trabalho simultâneas para opera ç ão de equipamento de recolha de dados e computadores. Estes podem receber informa ç ão em tempo real a partir do equipamento da ponte: velocidade e direc ç ão do vento, temperatura do ar e da á gua, profundidade, humidade relativa, pressão atmosf é rica, velocidade, rota e posi ç ão do navio. Neste laborat ó rio estão ainda instalados uma eco-sonda cient í fica SIMRAD EK500, a unidade de conv é s e o computador do RDI "Acoustic Doppler Current Profiler" montado no casco, um sistema de informa ç ão meteorol ó gica por sat é lite Systems West APT, e as unidades de conv é s do CTD e do SEASOAR. ALOJAMENTO Tripula ç ão 7; Cientistas 6


Carregar ppt "NAVIOS OCEANOGRÁFICOS Tipos de Navios Qualquer trabalho a desenvolver no mar tem custos geralmente muito maiores do que trabalhos similares desenvolvidos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google