A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Saúde Mental e Intersetorialidade no Município de São Paulo SMS – CODEPPS – ÁREA TEMÁTICA DE SAÚDE MENTAL Novembro, 2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Saúde Mental e Intersetorialidade no Município de São Paulo SMS – CODEPPS – ÁREA TEMÁTICA DE SAÚDE MENTAL Novembro, 2007."— Transcrição da apresentação:

1 Saúde Mental e Intersetorialidade no Município de São Paulo SMS – CODEPPS – ÁREA TEMÁTICA DE SAÚDE MENTAL Novembro, 2007

2 Uma nova percepção do mundo Interdisciplinaridade/complexidade Há uma inadequação cada vez mais ampla, profunda e grave entre os saberes separados, fragmentados, compartimentados entre disciplinas e, por outro lado, realidades e problemas cada vez mais poli disciplinares, transversais, multidimensionais, transnacionais, globais, planetários. [...] A hiperespecialização impede de ver o global (que ela fragmenta em parcelas), bem como o essencial (que ela dilui). [...] o retalhamento das disciplinas (no Ensino) torna impossível apreender "o que é tecido junto", isto é, o complexo, segundo o sentido original do termo. (Edgar Morin. 2000)

3 Complexidade no setor Saúde – ampliação do conceito Pesquisas em países ricos demonstraram que os serviços de saúde respondem, menos de dez por cento dos resultados sanitários obtidos Leonard Duhl, Professor da Universidade de Berkeley, Encontro Latino Americano. ( De Municípios e comunidades saudáveis, Campinas 1996.) Mais leitos hospitalares, mais médicos, não era a receita. Melhor gerencia das grandes organizações, melhores programas comunitários e de saúde pública e mais atenção a todos os determinantes da saúde – emprego, habitação, estilo de vida – era o caminho a seguir. ( Bob Era, premier de Ontário, Canadá, )

4 CARTA DE OTAWA, A PAZ, A EDUCAÇÃO, A HABITAÇÃO, A ALIMENTAÇÃO, A RENDA, UM ECOSISTEMA ESTÁVEL, A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS, A JUSTIÇA SOCIAL E A EQUIDADE SÃO REQUISITOS FUNDAMENTAIS PARA A SAÚDE

5 Uma nova prática em Saúde... recompor o fracionamento do espaço coletivo de expressão da doença na sociedade, articular as estratégias de intervenção individual e coletiva e atuar sobre todos os nós críticos de um problema de saúde com base em um saber interdisciplinar e em um fazer intersetorial......a atenção curativa.... obedece a necessidades contundentes de seus demandantes e deve ser provida de forma adequada e oportuna, como parte dos direitos da cidadania..... (Eugenio Vilaça Mendes, 2006)

6 O SUS incorpora um conceito mais ampliado no processo saúde-doença Art. 196: A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. Lei (art.2º): A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso a bens e serviços sociais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do país (par. 3º).

7 Problemas complexos perspectiva unisetorial Problemas complexos e mal estruturados que se manifestam num território processo não podem ser enfrentados numa perspectiva unisetorial (Eugenio Vilaça Mendes, 2006)

8 Estruturas setorializadas na execução de políticas publicas – programas sociais Respondem melhor á especialização do saber e corporações profissionais Respondem menos às necessidades e expectativas das populações e aos diferentes grupos sociais Tratam o cidadão e os problemas de forma fragmentada e solitária, a eficácia das ações Atuação desarticulada, impede a consecução de projetos inovadores e democráticos de gestão a desarticulação do planejamento com as ações e serviços Perde de vista a integralidade do individuo e a interelação dos problemas (Luciano A.P. Junqueira, 1994)

9 DESCENTRALIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO Flexibilidade e agilidade Mais próximo do cidadão Espaços de negociação Maior eficácia – demanda Articulação no território Controle sobre o Estado Participação social INTERSETORIALIDADE INTERSETORIALIDADE Unidade no fazer Solidariedade Rupturas de barreiras Maior eficácia – demanda Problemas Programas Sinergismo e Integração Desenvolvimento social A articulação da descentralização e intersetorialidade permite o estabelecimento de redes regionais de ação social (Junqueira, 1994), Politicas publicas + efetivas

10 a criação de um modo novo de fazer envolve jogos de poder e a substituição de valores culturais Mesmo quando os atores sociais envolvidos concordam com a inadequação da lógica antiga e, mais, de muitas das práticas que dela resultam, a criação de um modo novo de fazer envolve jogos de poder e a substituição de valores culturais. Uma nova teia de relações precisa ser construída, para dar forma e viabilizar novas práticas. (Junqueira, 1994),

11 ...A questão fundamental da Intersetorialidade é a ruptura das barreiras comunicacionais paredes de chumbo que devem ser derrubadas....a ação intersetorial para ser consequente, implica tomar problemas concretos, de gentes concretas, em territórios concretos. ( Eugenio Vilaça Mendes, 2006))

12 Saude mental e o Municipio de São Paulo - desafios Complexidade metroplitana Política de Saúde Mental (PNSM) - Normativa Legislação de proteção e reordenamento do modelo do hospitalocentrico comunitário. ( Lei ) Mudança não gradual do modelo Ações Ministeriais centralizadas (portarias, incentivos, repasses) Desigualdades sócio-demográficas e nas condições de saúde e iniquidades na rede de serviços assistenciais (cobertura, acesso e qualidade na Atenção) Gerenciamento, gestão e financiamento Violência,grupos de risco, vulnerabilidade juvenil e estressores psicosociais. Lacunas na proteção e nos cuidados a grupos especificos com agravos de saude na PNSM. ( transtornos globais de desenvolvimento, população em situação de rua, etc..)

13 Distribuição das Unidades de Saúde Mental / Supervisão Técnica / Coordenadoria Regional de Saúde – Município de São Paulo Equipamentos Existentes Caps II Adultos:22 Caps II Infância e Adolescência: 10 Caps II Álcool e Drogas: 13 Emergencias Municipais: 13 CECCOS: 20 Leitos Psiquiátricos: 1367 RT : 01

14 O Estado de São Paulo apresenta como índice médio de cobertura, o valor de 3,4 leitos/ hab; o Brasil apresenta como média o valor de 2,3 leitos/ hab. (MS, 2005) e o Ministério da Saúde preconiza o valor de 4,5/10.000hab; na Itália - 4,63 leitos/ hab., no Reino Unido 5,8 leitos/ hab e a Noruega 12 leitos/ hab. (WHO – Atlas, 2005). POPULAÇÃO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO TOTAL GERAL DE LEITOS SUS TOTAL DE LEITOS EM HP TOTAL DE LEITOS EM HOSPITAL GERAL LEITOS SUS/ Hab ,26

15 PROBLEMAS População em situação de rua Violência (sub grupos) Mortalidade/ causas externas (Violência/ Transito) Alcoolismo e uso de Substâncias Psicoativas Transtornos Globais do Desenvolvimento Doenças Cronicas - Degenerativas (Est. do Idoso) Infância e Adolescência (ECA) Abrigo e Internamento Menores infratores

16 Iniciativas / Projetos Intersetoriais DISCUSSÃO PARA FORMULAÇÃO DE PROJETOS INTERSETORIAIS PARA ATENÇÃO DE DEMANDAS COMUNS Fórum Municipal de Saúde Mental de Crianças e Adolescentes Educação Permanente para as equipes de SMADS e SMS Grupo de Trabalho – SIAI Projetos para a População em Situação de Rua Projeto de República Terapêutica Projeto Equilíbrio

17 Forum Municipal de Saúde Mental de Crianças e Adolescentes Resolução 01/05-SMS.G de 15/09/2005. Intersetorial: SMS / Judiciário / SMADS / SEADS / ONGS / Sociedade Civil / Educação / Outras Constituição de Redes de Atenção Inclusão Social Principais Ações: Educação Permanente dos Profissionais dos Serviços de Saúde e de Assistência Social na Área da Infância e Adolescência Grupos de Trabalho: Proposta de política pública para crianças e adolescentes que fazem uso de substâncias psicoativas Grupo de Trabalho sobre violência com a realização de Seminário Grupo de Trabalho para discutir proposta de política pública para a primeira infância.

18 Educação Permanente dos Profissionais dos Serviços de Saúde e de Assistência Social na Área da Infância e Adolescência Público Alvo: 16 Abrigos conveniados com a Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (SEADS), 14 Centros de Referência da Criança e do Adolescente (CRECA), 04 Casas de Acolhida e 51 Abrigos conveniados com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS),CAPS, CECCOS, AMAS, Ambulatórios, Equipes de Saúde Mental das Unidades Básicas de Saúde. Objetivo: integração de ações entre Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social (SEADS), Secretaria Estadual da Saúde (SES), Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) e Secretaria Municipal de Saúde (SMS), implantação de um fluxo que propicie o melhor encaminhamento e acompanhamento dos casos, considerando- se, ainda, a ação conjunta prevista nas políticas públicas da saúde e da assistência social.

19 PROJETO: SISTEMA INTEGRADO DE AÇÕES INTERSECRETARIAIS PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SIAI -SP Grupo de Trabalho Intersecretarial Secretaria Estadual da Saúde (SES), Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social (SEADS), Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) Portaria Conjunta SEADS / SES / SMADS / SMS - 1, de 23/08/2007 publicado D.O.M. / D.O.E. em 24/08/2008 Criação de um Sistema Integrado de Ações Intersecretariais no âmbito das políticas da saúde e da assistência social. Uma ação de parceria nas esferas de Governo Estadual e Municipal nas áreas de Saúde e Assistência Social

20 SIAI -SP capacitação das equipes dos abrigos já existentes ( já descrito) ; desenvolvimento de projeto de identificação precoce dos transtornos mentais na infância( apresentado no Fórum de Desenvolvimento encontra – se em fase de finalização para implantação; criação de projeto de centro dia, criação de moradias terapêuticas para portadores de transtornos globais do desenvolvimento ou com deficiência mental grave, equipamento da assistência com o apoio técnico dos serviços de saúde; Publicação e Implantação do Fluxograma de Atendimento Inter- institucional para Crianças e Adolescentes em saúde Mental no Município de São Paulo *, inclusive sua ampliação, com vistas a garantir o princípio da universalidade do atendimento.

21 Meta - Moradia Implantação de 4 (quatro) unidades de Moradias Terapêuticas/ Município de São Paulo/capacidade para 15 pessoas por moradia, totalizando 60 pessoas, sendo: Uma na região Norte para população acima de 18 anos; Duas na região Sul, sendo uma para população acima de 18 anos de idade e outra para a faixa etária de 12 anos aos 17 anos e 11 meses, e Uma na região Leste para população na faixa etária de 12 anos aos 17 anos e 11 meses.

22 População em Situação de Rua de São Paulo e o local de permanência noturna Fonte: SMADS e FIPE * * * Estimativa projetada

23 Projeto Intersecretarial para a Pessoa em Situação de Rua CAPS III, próxima e retaguarda a República Terapêutica. CAPS infantil – Atenção à criança em situação de rua. República Terapêutica para moradores de rua com transtornos mentais. Revitalização dos Centros de Atenção Psicossocial da região central do MSP CECCO – Centro de Convivência e Cultura(BORACEA) Educação Permanente das Equipes SMS/ SMADS Organização dos fluxos intersecretariais e específicos da saúde, Criação de espaço intersecretarial permanente e validado para avaliação e monitoramento das ações e serviços.

24 CONCEITOS A cidadania expressa um conjunto de direitos que dá à pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de seu povo. Quem não tem cidadania está marginalizado ou excluído da vida social e da tomada de decisões, ficando numa posição de inferioridade dentro do grupo social. (DALLARI, D. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, p.14) Direitos Civis (século XVIII) são os direitos a igualdade perante a lei; o direito a um julgamento justo; o direito de ir e vir; o direito à liberdade de opinião; entre outros. Direitos Políticos (século XIX) são os direitos à liberdade de reunir; o direito de associação; o direito de votar e de ser votado; o direito de pertencer a um partido político: o direito de participar de um movimento social, entre outros (parlamento e e governo) Direitos Sociais (século XX) são os direitos à educação, previdência social; o direito à saúde e tantos outros direitos neste sentido. Para serem exercidos necessitam da ação do Estado Direitos humanos A vida é um direito humano do qual ninguém pode ser privado. Saúde; Educação; Salário justo; Moradia; Alimentação; Vestuário; Trabalho; Previdência; Participação política.

25

26 OBRIGADO ! Equipe de Saúde Mental: Darlene Dias da Silva Juvenal Marques Oliveira Neto Helena Pompeu de Toledo Sampaio Maria Auxiliadora Camargo Cusinato Rosangela Elias Sonia Maria Motta Palma Teresa Cristina Endo Rogério Papallardo Sergio Dario Seibel Ana Bárbara José Moura Neves Filho


Carregar ppt "Saúde Mental e Intersetorialidade no Município de São Paulo SMS – CODEPPS – ÁREA TEMÁTICA DE SAÚDE MENTAL Novembro, 2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google