A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto 1 a edição |2008| Gestão do Conhecimento em Organizações.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto 1 a edição |2008| Gestão do Conhecimento em Organizações."— Transcrição da apresentação:

1 Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto 1 a edição |2008| Gestão do Conhecimento em Organizações

2 Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto é doutor e Mestre em Ciência da Informação pela UFMG, especialista em Negócios Internacionais pela PUC Minas e bacharel em Administração pela UFMG. É professor Titular do curso de Mestrado Profissionalizante em Administração pela FEAD Minas, Professor e Pesquisador convidado da Fundação Dom Cabral e do Programa de Pós- Graduação em Ciência da Informação da UFMG. Autor de vários artigos, ministra regularmente palestras nas área de Gestão do Conhecimento, Gestão Estratégica da Informação, Aprendizagem Organizacional, Comunidades de Prática e Gestão Educacional. Gestão do Conhecimento em Organizações Sobre o Autor

3 Gestão do Conhecimento em Organizações: uma proposta de mapeamento iterativo – Este livro investiga a temática denominada Gestão do Conhecimento (GC) no contexto organizacional brasileiro, procurando discutir seu conceito, elementos constituintes, áreas fronteiriças e interfaces, bem como origens, cenários e perspectivas, práticas, abordagens gerenciais e ferramentas, dinâmica e demais aspectos, paralelamente ao distanciamento da discussão puramente terminológica, de viés ingênuo, ensimesmado e inócuo. Resenha da Obra Gestão do Conhecimento em Organizações

4 Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

5 O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais A gestão da informação e do conhecimento é um elemento-chave para a competitividade organizacional dos tempos atuais. As definições de dado, informação e conhecimento são os marcos teóricos iniciais e primordiais para tal gestão. Não há, porém, consenso na literatura a esses conceitos. Os recortes teóricos existentes seguem duas vertentes: discutem cada um dos termos isoladamente; analisam pelo delineamento de processos conjugados e/ou seqüências entre dado-informação-conhecimento. O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

6 Davenport (1998) reconhece a dificuldade de definir, por exemplo, o termo informação isoladamente, e analisa o tripé dado-informação-conhecimento como um processo. O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais DadosInformaçãoConhecimento Simples observações sobre o estado do mundo: Dados dotados de alguma relevância e propósito: Informação valiosa da mente humana. Inclui reflexão, síntese, contexto: facilmente estruturadosrequer unidade de análise de difícil estruturação facilmente obtidos por máquinas exige consenso em relação ao significado de difícil captura em máquinas freqüentemente quantificados exige necessariamente a mediação humana freqüentemente tácito facilmente transferíveisde difícil transferência Fonte: Davenport (1998a, p.18)

7 Há dificuldades em se traçar linhas divisórias nítidas, distintas e precisas entre dado, informação e conhecimento. Choo (2002) entende que esses três elementos devem ser analisados da perspectiva de um continuum de valores fundamentalmente marcados pela contribuição humana crescente. O continuum é retroalimentado, uma vez que as ações e os resultados geram novos sinais e mensagens, repetidos ciclos de processamento de informações, e a criação de conhecimento que propicia aprendizagem e adaptação organizacional ao longo do tempo. O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

8 O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais O Continuum dado-informação- conhecimento-sabedoria-ação-resultado Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais Processamento de Dados Gestão da Informação Gestão do Conhecimento Ações/ Resultados Atividades captura definição armazena- mento necessidade aquisição organização distribuição criação compartilha- mento uso estratégias, alianças e iniciativas produtos e serviços processos, sistemas, estruturas Valores precisão eficiência acesso relevância possibilita a ação geração de valores inovação aprendizagem uma vez que temos os dados, podemos analisá- los levando a informação certa para a pessoa certa se somente soubéssemos aquilo que sabemos a capacidade de aprender é a única vantagem sustentável Fonte: Adapatdo de Choo (2002, p.258)

9 O pós-industrialismo é marcado com a emergência de um novo paradigma tecnoeconômico (PTE), baseado em inovação, informação e conhecimento. De acordo com Stewart (1998), o ano 1 da Era da Informação é 1991, quando os dispêndios de capital na Era Industrial se igualam ao da Era da Informação. O potencial científico-tecnológico da Era da Informação baseia-se, segundo Lemos (1999), em três aspectos: microeletrônica, telecomunicações e na convergência entre ambas, possibilitando o desenvolvimento dos sistemas e redes de comunicação eletrônica mundiais. A nova dinâmica tecnoeconômica: breve análise da transição da Era Industrial – Era da Informação Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

10 A ascensão de um novo PTE, segundo Lastres e Albagli (1999), resulta de avanços da ciência e de pressões competitivas e sociais persistentes, objetivando, respectivamente: superar os limites ao crescimento dados pelo padrão estabelecido; inaugurar nova frentes de expansão e sustentar a lucratividade e a produtividade. A nova dinâmica tecnoeconômica: breve análise da transição da Era Industrial – Era da Informação Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais 1770/1780 a 1830/ /1840 a 1880/ /1890 a 1920/ /1930 a 1970/ /1980 a ? Mecaniza ç ãoFor ç a a vapor e ferrovia Energia el é trica e engenharia pesada Produ ç ão em massa, fordismo Tecnologias da informa ç ão Fonte: Lastres e Albagli (1999, p.34)

11 Lastres e Albagli (1999) enumeram as características mais importantes da tecnologia da informação e os efeitos da difusão das tecnologias de informação e comunicação por meio da economia. Destacam-se: a crescente complexidade dos novos conhecimentos e tecnologias utilizadas pela sociedade; a aceleração do processo de geração dos novos conhecimentos; a crescente capacidade de codificação dos conhecimentos; as mudanças fundamentais nas formas de gestão e organização empresarial; as mudanças no perfil dos diferentes agentes econômicos. A nova dinâmica tecnoeconômica: breve análise da transição da Era Industrial – Era da Informação Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

12 A informação e o conhecimento são elementos centrais, cruciais e fundamentais da nova ordem mundial. De acordo com Davenport e Beck (2001), o New York Times de domingo contém mais informações numa única edição que todo o material escrito de que dispunham os leitores do século XV. Castells (2000) caracteriza a mudança contemporânea de paradigma como uma mudança de uma tecnologia baseada em insumos baratos de energia para outra de insumos baratos de informação, derivada do avanço da tecnologia em microeletrônica e telecomunicações. A nova dinâmica tecnoeconômica: breve análise da transição da Era Industrial – Era da Informação Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

13 As organizações do conhecimento são, de acordo com Choo (2003), organizações que possuem informações e conhecimentos que as tornam capazes de ter percepção e discernimento. Os benefícios da administração dos recursos e processos de informação para as organizações do conhecimento são enumerados por Choo (2003): tornam-se capazes de uma adaptação oportuna e eficaz; empenham-se na aprendizagem constante; geram inovação e criatividade. Os princípios da organização do conhecimento Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

14 Os princípios da organização do conhecimento Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais Ação organizacional Tomada de decisões Construção do conhecimento Criação de significado Processamento da informação Conversão da informação Interpretação da informação A organização do conhecimento Fonte: Choo (2003, p.31)

15 As organizações do conhecimento possuem profissionais altamente qualificados e têm, como seu mais representativo valor, os ativos intangíveis (e não seu patrimônio visível). Os produtos da organização do conhecimento são intensivos em conhecimento e, via de regra, experimentam custos de desenvolvimento muito altos, porém, com custos de produção relativamente baixos, com custos marginais decrescentes. As mais recentes drogas da indústria farmacêutica possuem pouca matéria-prima e muito conhecimento implícito. Os princípios da organização do conhecimento Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

16 A gestão do conhecimento não se limita à gestão de informações. A gestão do conhecimento vai além, por se preocupar com uma miríade de outros temas, tais como: a criação e o uso do conhecimento; a gestão da inovação e da criatividade; o compartilhamento das informações; a mensuração e consolidação do capital intelectual encontrado nos capitais humano, estrutural e do cliente; a criação de condições favoráveis que devem ser propiciadas pela organização. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

17 Parte-se da premissa de que a Gestão do Conhecimento (GC) tem suas origens na Gestão de Recursos Informacionais (GRI). A GRI surge como uma estratégia aperfeiçoada para o gerenciamento eficaz da informação. Barbosa e Paim (2003) sugerem que a GRI é um campo interdisciplinar de conhecimento e que, em seus primórdios, eram três os seus campos constituintes: administração, ciência da computação e ciência da informação. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

18 As definições de GRI são dadas pela sobreposição de dois pontos de vista: a perspectiva da tecnologia da informação e a perspectiva integrativa. A perspectiva da tecnologia da informação enfatiza o aspecto técnico da GRI, e seu foco reside em informações baseadas em computadores e produzidas internamente como o único provedor de informação organizacional. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

19 As atividades previstas da GRI sob a perspectiva da tecnologia da informação são: planejamento de dados, de capacidade e de aplicação; planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação; gerenciamento de projetos; aquisição de hardware e software; integração sistema-tecnologia e administração dos dados. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

20 À medida que a economia industrial se expandia, a problemática do registro e da transmissão de quantidades cada vez maiores de informação ganha vulto e pertinência. As organizações partem de buscas frenéticas por tecnologias para o processamento e a organização de informações. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

21 Disso resulta uma limitação da perspectiva tecnológica, pois é restrita apenas às fontes de informação baseadas em computadores, além de lidar somente com informações internas. As informações internas são necessárias, mas não suficientes. É necessário o escaneamento ambiental sistemático para dar suporte ao processo decisório. Há indícios de que, pelo menos teórica e conceitualmente, a perspectiva tecnológica esteja caminhando para a perspectiva integrativa. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

22 A perspectiva integrativa vê a GRI como uma aproximação gerencial que procura harmonizar as fontes, os serviços e os sistemas de informações corporativos, bem como criar uma sinergia entre fontes internas e externas de informação organizacional. Essa perspectiva é ainda duplamente importante porque coloca a GRI no contexto do processamento de informações organizacionais e no contexto das necessidades de informação. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

23 As crenças da perspectiva integrativa são: reconhecimento da informação como recurso; GRI é um caminho para a gestão integrativa; é necessário gerenciar o ciclo de vida da informação; a informação deve apoiar os objetivos organizacionais e estar intimamente ligada ao planejamento estratégico; é necessário um agente vinculador, que atuará como intermediário de valor entre necessidades e fontes de informação. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A gênese – Gestão de Recursos Informacionais (GRI) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais

24 A gestão do conhecimento tem suas origens na GRI, e esta, integrada a outras contribuições de diversas áreas e campos de conhecimento, constitui os fundamentos ou pilares nos quais se estrutura o que hoje se denomina gestão do conhecimento. Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A evolução – da Gestão de Recursos Informacionais (GRI) à Gestão do Conhecimento (GC) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais Gestão do Conhecimento Computadores pessoais Ciência da Informação Administração Tecnologia da Informação Cultura organizacional Aprendizagem organizacional Redes Desenvolvimento de software Base de dados Desenvolvimento organizacional Gestão de pessoas Estudos de usuários Organização e tratamento da informação Fonte: Barbosa e Paim (2003, p.16)

25 Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A evolução – da Gestão de Recursos Informacionais (GRI) à Gestão do Conhecimento (GC) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais A GC consolidou-se como uma grande área, metaforicamente denominada área guarda-chuva, que incorpora várias abordagens gerenciais, observadas as interfaces, comunicações, relacionamentos e imbricações. A criação de um contexto favorável pela organização é condição sine qua non para as atividades de gestão do conhecimento. Há a necessidade de trabalhar não só a gestão da informação, mas também, e principalmente, a gestão das pessoas e dos talentos humanos.

26 Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A evolução – da Gestão de Recursos Informacionais (GRI) à Gestão do Conhecimento (GC) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais Davenport e Cronin (2000) sugerem que, embora muita atenção acadêmica e profissional tenha sido devotada à GC na última década, o conceito ainda não é estável. Os autores propuseram a exploração do conceito de GC no contexto de três domínios interessados na área: biblioteconomia e ciência da informação (GC-1); engenharia de processos (GC-2); teoria organizacional (GC-3).

27 Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A evolução – da Gestão de Recursos Informacionais (GRI) à Gestão do Conhecimento (GC) Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais A novidade da proposta de Davenport e Cronin (2000) é a compreensão da natureza mutável do complexo ambiente no conhecimento no qual vivemos e trabalhamos. Outras contribuições fundamentais para o objetivo deste livro são: a necessidade de um marco teórico para a GC; a gestão da informação e a tecnologia da informação são elementos constituintes da gestão do conhecimento; a mudança parte da gestão da informação (GC-1), passa pela informatização (GC-2) e aporta nas ecologias informacionais (GC-3).

28 Da gestão da Informação à Gestão do Conhecimento – da gênese à revelação A revelação – práticas organizacionais, garantias literárias e o fenômeno social Capítulo 1 Aspectos teóricos, conjunturais e organizacionais A gestão do conhecimento não é um modismo gerencial e tem se estabelecido como um consistente paradigma gerencial do século. Souza e Alvarenga (2003) comprovaram a revelação, a consolidação e a perenidade da GC por meio de três estratégias distintas: análise da prática empresarial ou análise das práticas organizacionais; análise de publicações no assunto ou das garantias literárias; análise de eventos relacionados ou do fenômeno social.


Carregar ppt "Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto 1 a edição |2008| Gestão do Conhecimento em Organizações."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google