A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1.Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1.Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características."— Transcrição da apresentação:

1 Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1.Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características dos processos de software e abordagens para melhoria de processo de software 2.Programa MPS.BR: objetivo, metas técnicas e de mercado, mobilização conjunta no Brasil da Tripla Hélice (Academia + Governo + Indústria) 3.Modelo MPS: componentes do modelo MPS, modelo de referência MR-MPS-SW 4.Resultados Alcançados: resultados alcançados nas metas técnicas e de mercado, resultados de desempenho das organizações que adotaram o modelo MPS-SW 5.Conclusão: principais beneficiários, estágio atual e evolução do programa MPS.BR, abordagem holística do modelo MPS Kival Weber, Ana Regina Rocha Trilha da Indústria CBSoft Set2013 Brasília-DF

2 Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características dos processos de software Um dos objetivos da Engenharia de Software é melhorar a Qualidade do Software, levando em conta no mínimo: – Qualidade do produto – Qualidade do processo que resulta no produto – Qualidade do produto no contexto do ambiente de negócio no qual este será usado A partir dos anos 1990, houve uma grande preocupação com a Melhoria de Processo de Software (SPI – Software Process Improvement) A definição e o uso de Processos de Software envolve uma complexa inter- relação de fatores organizacionais, culturais, tecnológicos e econômicos

3 Maturidade do Processo de Software no Brasil em 2003 Estudos no início dos anos 2000 mostraram que: era necessário um esforço significativo para aumentar a maturidade dos processos de software nas empresas brasileiras Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro [MCT 2001, Secretaria de Política de Informática] - Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro até então as empresas de software no Brasil favoreceram a ISO 9000, que é uma norma genérica, em detrimento de outras normas e modelos especificamente voltadas para a melhoria de processos de software como o CMM (antecessor do CMMI) [MIT 2003, Massachusetts Institute of Technology] - Slicing the Knowledge-based Economy in Brazil, China and India: a tale of 3 software industries

4 Qualidade de Software: abordagens para melhoria de processo de software 1.Normas Gerais da Qualidade ISO 9001 – Sistema de Gestão da Qualidade 2.Normas Específicas da Melhoria de Processo de Software ISO/IEC – Engenharia de sistemas e software - Processos de ciclo de vida de software ISO/IEC – Tecnologia da informação - Avaliação de processo (SPICE - Software Process Improvement and Capability Determination) ISO/IEC – Engenharia de software Perfis de ciclo de vida para micro-organizações (VSEs - Very Small Entities) 3.Modelos Específicos para Melhoria de Processo de Software CMMI – Capability Maturity Model Integration (The CMMI Institute, USA) MoProSoft – Modelo de Processos para la Industria de Software (PROSOFT, México) MPS – Modelo MPS para Software e Serviços (Softex/Programa MPS.BR, Brasil)

5 Programa MPS.BR – Melhoria de Processo do Software Brasileiro

6 1.Programa mobilizador lançado em 11DEZ2003 (10 Anos de MPS) mobilização conjunta no Brasil da Tripla Hélice (Academia, Governo e Indústria), sob coordenação da Softex 2.Objetivo do programa MPS.BR: M elhoria de P rocesso do S oftware Br asileiro ( MPSBr ) fazendo que as organizações que adotam o modelo MPS alcancem os benefícios da melhoria de processos (Process Improvement) e do desempenho nos negócios (Business Performance), visando aumentar sua competitividade no mercado local e global 3.Meta técnica: criação e aprimoramento do Modelo MPS em conformidade com as normas ISO/IEC e compatível com o CMMI-DEV baseado nas melhores práticas da Engenharia de Software adequado à realidade das empresas brasileiras 4.Meta de mercado: disseminação e adoção do Modelo MPS (em todas as regiões do país, num intervalo de tempo justo, a um custo razoável) em MPME – Micro, Pequenas e Médias Empresas (foco principal) em Grandes Organizações (públicas e privadas)

7 Componentes do Modelo MPS: MR-MPS-SW, MR-MPS-SV, MA-MPS e MN-MPS 1.Programa mobilizador lançado em 11DEZ2003 (10 Anos de MPS) mobilização conjunta no Brasil da Tripla Hélice (Academia, Governo e Indústria), sob coordenação da Softex 2.Objetivo do programa: Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR é um acrônimo) fazendo que as organizações que adotam o modelo MPS alcancem os benefícios da melhoria de processos (process improvement) e do desempenho nos negócios (business performance), visando aumentar sua competitividade no mercado local e global 3.Meta técnica: criação e aprimoramento do Modelo MPS em conformidade com as normas ISO/IEC e compatível com o CMMI-DEV baseado nas melhores práticas da Engenharia de Software adequado à realidade das empresas brasileiras 4.Meta de mercado: disseminação e adoção do Modelo MPS (em todas as regiões do país, num intervalo de tempo justo, a um custo razoável) em MPME – Micro, Pequenas e Médias Empresas (foco principal) em Grandes Organizações (públicas e privadas)

8 MR-MPS-SW (Guia Geral MPS de Software:2012) 7 Níveis19+ Processos de Software 9 Atributos de Processo (capacidade) A (mais alto) (sem processo específico) 1.1, 2.1, 2.2, 3.1, 3.2, 4.1*, 4.2*, 5.1* - o processo é objeto de melhorias e inovações, 5.2* - o processo é otimizado continuamente B Gerência de Projetos – GPR (evolução) 1.1, 2.1, 2.2, 3.1, 3.2, 4.1* - o processo é medido, 4.2* - o processo é controlado C Gerência de Riscos – GRI, Desenvolvimento para Reutilização – DRU, Gerência de Decisões – GDE 1.1, 2.1, 2.2, 3.1, 3.2 D Verificação – VER, Validação – VAL, Projeto e Construção do Produto – PCP, Integração do Produto – ITP, Desenvolvimento de Requisitos - DRE 1.1, 2.1, 2.2, 3.1, 3.2 E Gerência de Projetos – GPR (evolução), Gerência de Reutilização – GRU, Gerência de Recursos Humanos – GRH, Definição do Processo Organizacional – DFP, Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional – AMP 1.1, 2.1, 2.2, 3.1 – o processo é definido, 3.2 – o processo está implementado F Medição – MED, Garantia da Qualidade – GQA, Gerência de Portfólio de Projetos – GPP, Gerência de Configuração – GCO, Aquisição - AQU 1.1, 2.1, 2.2 – os produtos de trabalho do processo são gerenciados G (mais baixo) Gerência de Projetos – GPR, Gerência de Requisitos – GRE 1.1 – o processo é executado, 2.1 – o processo é gerenciado * Estes AP somente devem ser implementados para os processos críticos da organização/unidade organizacional. Os demais AP devem ser implementados para todos os processos.

9 Resultados Alcançados: JAN2004-SET2013 Meta técnica: criação e aprimoramento do Modelo MPS 1.Guias MPS (disponíveis em Guia de Avaliação MPS:2012 (MA-MPS) Guia Geral MPS-SV (Serviços):2012 (MR-MPS-SV) *NOVO* Guia Geral MPS-SW (Software):2012 (MR-MPS-SW) Guias de Implementação MPS-SW (Software):2012 (13 partes) Guia MPS de Aquisição de Software e Serviços: Instituições Implementadoras (II): 20 II/MPS credenciadas (COMUNICADO 3/2004), com 160 implementadores MPS associados 3.Instituições Avaliadoras (IA): 12 IA/MPS credenciadas (COMUNICADO 10/2006), com 70 avaliadores MPS associados 4.Instituições de Consultoria de Aquisição (ICA): 2 ICA/MPS credenciadas (COMUNICADO 12/2006) e 8 CA habilitados

10 Resultados Alcançados: JAN2004-SET2013 Meta de mercado: disseminação e adoção do Modelo MPS 1.Em 2004, criação do Modelo de Negócio MN-MPS (atualizado sempre que necessário) 2.Cursos e Provas MPS (em todas as regiões do país e, a partir de 2011, também na Colômbia, México e Peru) participantes de cursos oficiais MPS presenciais (C1 - Introdução, C2 - Implementação, C3 - Avaliação e C4 – Aquisição) 121 participantes de cursos oficiais MPS EAD (C1 – Introdução e C2 - Implementação) *NOVO* aprovados em provas oficiais MPS (P1 - Introdução, P2 - Implementação, P3 - Avaliação e P4 – Aquisição) 3.Avaliações MPS publicadas em 495 avaliações MPS-SW (Software) 2 avaliações MPS-SV (Serviços) *NOVO*

11 1.O modelo MPS é plenamente compatível com o CMMI, possibilitando a realização de Avaliações MPS-CMMI Complementares Conjuntas 2.O mapeamento técnico entre os dois modelos mostra que os seguintes níveis de maturidade são equivalentes MPS-nível F com CMMI-level 2 MPS-nível C com CMMI-level 3 MPS-nível B com CMMI-level 4 MPS-nível A com CMMI-level 5 3.De 2007 a 2012, foram realizadas 585 avaliações de processos de software no Brasil 411 MPS-SW = 70% (ver 174 CMMI-DEV = 30% (ver Maturity Profile Reports. K Keller, B. Mack. CMMI Institute/Clearmodel. March 2013) Mudança no perfil da maturidade MPS-CMMI no Brasil em relação a 2003

12 1.A pesquisa iMPS 2012 contou com questionários eletrônicos respondidos por 132 empresas envolvidas com o modelo MPS de Software (MPS-SW), fazendo com que a base histórica iMPS possua 743 questionários referentes a 298 organizações que participaram das rodadas iMPS de 2008 a A satisfação com o modelo MPS permanece alta ( >95% ) 3.Em 2012, a caracterização apresentou comportamento semelhante a resultados anteriores, reforçando a indicação de quanto mais alto o nível de maturidade melhor o desempenho frente à produtividade, qualidade e precisão de estimativa 4.A análise global desde 2008, em amostra composta por 226 organizações distintas, reforçou os resultados da caracterização e evidenciou a importância da busca por níveis mais altos de maturidade em prol da produtividade, qualidade e precisão de estimativa iMPS 2012: Evidências sobre o Desempenho das Empresas que Adotaram o Modelo MPS-SW desde 2008 ( ver )

13 1.Indústria: Os principais beneficiários são as mPME de software que correspondem a 70% das avaliações MPS, embora 30% do total sejam grandes organizações privadas e governamentais. Também são beneficiados os clientes que usam software de organizações que adotaram o modelo MPS 2.Governo: Outro beneficiário é o Governo Brasileiro com as políticas públicas (p.ex.: TI MAIOR – Programa Estratégico de Software e Serviços de TI – ) que visam tanto estimular a adoção das melhores práticas na IBSS – Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI e na NIBSS (não-IBSS) quanto ganhos de produtividade e aumento da competitividade 3.Academia: As universidades também se beneficiam tanto contribuindo na transferência de conhecimento de Engenharia de Software para a indústria quanto se beneficiando com novos desafios e problemas para resolver nas suas atividades de pesquisa e educação. A maioria dos provedores de serviços MPS no Brasil são instituições acadêmicas (II – Instituições Implementadoras MPS e IA – Instituições Avaliadoras MPS) Quem são os beneficiários do programa MPS.BR e do modelo MPS no Brasil? (Tripla Hélice)

14 Programa MPS.BR: programa de longo prazo Programa MPS.BR: programa de longo prazo (como o CMMI que começou com o CMM em 1991, com antecedentes desde 1988) IMPLANTAÇÃO DO MPS.BR CONSOLIDAÇÃO DO MPS.BR (no Brasil) EXPANSÃO DO MPS.BR (no Brasil e no exterior)

15 Abordagem Holística: Modelos MPS-SW (Software) desde MPS-SV (Serviços) em MPS-RH (Pessoas) em 2014

16 Kival Weber Coordenador Executivo do Programa MPS.BR – Softex Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil Obrigado Perguntas?


Carregar ppt "Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1.Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google