A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RESISTÊNCIA POLÍTICA E CONSUMO CULTURAL MPB DOS ANOS 1970.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RESISTÊNCIA POLÍTICA E CONSUMO CULTURAL MPB DOS ANOS 1970."— Transcrição da apresentação:

1 RESISTÊNCIA POLÍTICA E CONSUMO CULTURAL MPB DOS ANOS 1970

2 Bossa Nova Jovem Guarda Tropicalismo

3 Música que expressava um projeto de nação, fortemente influenciado pela ideologia nacional-popular e pelo ciclo de desenvolvimento industrial, especialmente a partir dos anos 1950.

4 Difusão de vários estilos e gêneros musicais entre diversas classes sociais, de tal maneira que se institucionalizou como um centro irradiador de uma cultura que tinha alguns aspectos básicos: Busca de uma expressão nacional genuína; Experimentalismo estético e formal; Ambiguidade ideológica: nacionalismo integrador e tendências críticas ou emancipatórias; Forte impacto sobre um público cosmopolita que demandava bens culturais de forma ascendente.

5

6 O ouvinte padrão da MPB, jovem da classe média com escolaridade, projetou no consumo da canção as ambiguidades e valores da sua classe social. (NAPOLITANO 2002) A MPB foi mais que um reflexo das estruturas sociais. Foi o resultado da interação entre audiência e indústria cultural; foi polo irradiador do imaginário sociopolítico da classe média progressista diante do regime militar; foi espaço de resistência cultural e política. A música era um elemento de troca de mensagens e afirmação de valores, onde a palavra, mesmo sob coerção, conseguiu circular. (NAPOLITANO 2002)

7 A MPB, como produto comercial, foi prejudicada pelo regime militar, especialmente sob a liderança de Médici ( ) que procurou controlar as manifestações culturais mais criativas e críticas. MPB = BOM GOSTO MUSICAL (midicult?) MPB = PRODUTO DE LONGA DURAÇÃO (mass cult?)

8 Em um mercado de consumo interno onde o polo mais dinâmico era o setor de produtos com maior valor agregado, a indústria fonográfica procurou investir na MPB culta como um segmento de valor agregado maior e de consumo mais durável, ainda que vendendo menos a curto prazo.

9 No segmento popular de consumo maior (sambão, músicas regionais, canções românticas em inglês, etc.) era mais difícil montar um catálogo estável de músicos e composições. No entanto, o período entre 1969 e 1974 criou uma demanda reprimida de MPB de qualidade, pois a censura atuou energicamente ( álbum de sucesso Construção de Chico em 1971 e o Chico Canta de 1973 que foi um fracasso por conta da censura). O maior público consumidor dessa música era a classe média, especialmente os jovens universitários que consumiram avidamente a MPB depois de 1975.

10 Houve investimento em compositores como Aldir Blanc, Ivan Lins, Ruy Maurity, Luiz Gonzaga Júnior, bem como nos festivais universitários organizados pela Rede Tupi ( ) e no programa Som Livre Exporta da Rede Globo ( ). Depois de 1975, a MPB começou a dar sinais de vitalidade: -Volta de compositores exilados; - novas revelações: Ivan Lins, Fagner, Belchior, Alceu Valença, João Bosco, Elis Regina, Ney Matogrosso e Raul Seixas. - Compositores já consagrados conseguiram reverter o quadro de intensa censura como Chico Buarque com seu álbum meus caros amigos de 1976.

11 Chico e Caetano juntos e ao vivo (1972) Elys e Tom (1974)

12 Organizado por Solano Ribeiro e pela Rede Globo, procurou contornar a censura e dar oportunidade para a música experimental. Terminou com o confronto entre jurados, comissão organizadora, administradores da Rede Globo e o público. Projetou os malditos (Jards Macalé, Walter Franco, Luis Melodia, Jorge Mautner) e sucessos como Raul Seixas, Fagner, Jorge Ben e Alceu Valença.

13 Depois de 1976, a crescente abertura do regime militar coincidiu com a expansão da MPB. Consolidade como instituição sociocultural, a MPB delimitou espaços culturais, hierarquia de gostos, posicionamentos políticos, ao mesmo tempo que foi produto central da indústria cultural e de entretenimento nos anos seguintes. Autonomia Estética e liberdade de criação Demandas da indústria cultural

14 Com a necessidade de rápida realização do seu produto, a indústria cultural criou uma certa indiferenciação entre fruição estética, entretenimento e formação de consciência crítica. Elis Regina: Transversal do tempo, Falso brilhante, Essa Mulher; João Bosco: Caça à raposa, Linha de passe e Tiro de misericórdia; Chico Buarque: Meus caros amigos; Ópera do malandro, Vida e almanaque; Milton Nascimento: Milagre dos peixes, Minas Gerais, Clube da esquina 2 e Caçador de mim.

15 A MPB foi o carro-chefe da indústria cultural brasileira nos anos 1970; Penetrou vários extratos sociais e cumpriu o importante papel de instrumento de educação sentimental e política de uma geração inteira de jovens brasileiros; Encerrou grande paradoxo de propagar conscientização política e de servir de objeto de complexos esquemas comerciais da indústria fonográfica. Nos anos 80 cedeu lugar ao rock nacional, mas manteve a áurea de boa música.


Carregar ppt "RESISTÊNCIA POLÍTICA E CONSUMO CULTURAL MPB DOS ANOS 1970."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google