A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr. Lucio A. Castagno Otorrinolaringologia

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr. Lucio A. Castagno Otorrinolaringologia"— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr. Lucio A. Castagno Otorrinolaringologia

2 OTITE MÉDIA Otite média é a causa mais freqüente de consultas em crianças, com 1/3 das consultas por enfermidade (EUA). 25% das prescrições de antibióticos orais. Timpanocentese+TV e Adenoamigdalectomia são as cirurgias mais comuns.

3 Patogênia da otite média Causa multifatorial. Sucessão de eventos. Fatores contribuites: disfunção da tuba auditiva, infecção viral/bacteriana do ouvido médio, inflamação nasal (IVARS, rinite alérgica, ou química). Maior incidência em meses frios, menores de 2 anos, meninos, e baixo nível sócio-econômico.

4 OM: EPIDEMIOLOGY Peak incidence in the first two years of life (esp months) Boys more affected girls 50% of children 1 yr of age will have at least 1 episode. 1/3 of children will have 3 or more infections by age 3 90% of children will have at least one infection by age 6. Occurs more frequently in the winter months

5 OM: RISK FACTORS Upper Respiratory Infections Allergies Craniofacial abnormalities (cleft palate) Downs Syndrome Passive smoking

6 OM: Classificação Otite média aguda (OMA) Otomastoitite Otite média secretora (OMS) Otite média crônica (OMC) OMC Colesteatomatosa

7 Perfuração timpânica OMC OMA Otorréia Tubotimpanite viral/bacteriana Disfunção da tuba auditiva Retração timpânica Atelectasia COLESTEATOMA OMS Inflamação do ouvido médio

8 OM: Complicações Intracraniais Meningite Abcesso intracerebral Trombose do seio venoso lateral Extracraniais Mastoidite Paralisia do nervo facial Labirintite Hipoacusia sensorineural

9 OM: Sequelas Glue ear Perfuração timpânica Adessões Timpanosclerose Destruição ossicular

10 2a.Otite Média Aguda (OMA) Muito comum em crianças Pus na orelha média Bactérias da tuba auditiva e rinofaringe DOR, FEBRE, e HIPOACUSIA Pode perfurar o tímpano, drenando secreções (OMA supurada) Hiperemia timpânica severa

11 Otite Média Aguda (OMA) MT normal Hiperemia timpânica severa

12 Otite média aguda B-lactamase 20% 50% 100% Streptococcus Pneumoniae 20-40% Hem.Influenza 15-30% Moraxella catarralis 15-20% (Vírus 20%)

13 OMA: Tratamento Medicamentoso Analgesia e antibióticos Paracetamol Amoxicilina -> Amox+clavulanato Cirúrgico Drenagem (miringotomia): imunodeficientes ou menores de 2 anos

14 Otite Média Aguda Prescrição inicial 1. Amoxicilina (Novocilin) 875mg bid 10-14d (Amox+clavulanato ou ciprofloxacino) 2. Nimesulida (Nisulid) 100 mg bid 10d 3. Paracetamol (Tylenol) 750 mg q6h prn Sinusite aguda bacteriana)

15 INDICATIONS FOR TYMPANOCENTESIS Toxic appearing child Failed treatment regimen with antibiotics Suppurative complications Immunosuppressed pt. Newborn infant in which the usual pathogens may not be the case.

16 OMA Supurada Pus na orelha média causa hiperemia e abaulamento do timpano com otalgia severa. A pressão rompe a membrana timpânica drenando secreção pelo conduto auditivo (cessa a dor).

17 OMA: Otomastoidite aguda Extensão da otite para as células aéreas da mastóide; agravamento da OM com riscos as estruturas adjacentes Decorre de OMA não tratada ou associada a colesteatoma

18 Mastoidite: sinais Prostação Hipoacusia OMA Entumescimento doloroso na mastóide (abcesso retroauricular)

19 Mastoidite: Tratamento Urgência Hospitalização ? Antibióticos IV (ceftriaxona) Mastoidectomia cirúrgica (quando refratária a medicação)

20 2b. Otite Média Secretora (OMS) OMS = Glue ear, OM com efusão, ou OM serosa Martelo Bolhas de ar e secreção Ausência de triângulo luminoso MT normal

21 Otite Média Secretora (OMS) Causada por disfunção da Tuba Auditiva. Acúmulo de secreção no ouvido médio. Sem DOR, sem FEBRE, sem PROSTAÇÃO. Com HIPOACUSIA.

22 OM Secretora Silenciosa; hipoacusia Autolimitada 30-51% com culturas positivas: Hemophillus influenza 14-25% Moraxella catarrhalis 8-16% Streptococcus pneumoniae 7-13%

23 OMS: Tratamento Clínico Resolução espontânea Medicação Cirúrgico Timpanotomia e tubos de ventilação; adenoidectomia?

24 OM Secretora: Trat.clínico Amoxicilina 875mg q12h 10 d Prednisona 20 mg qD d (c/redução gradual) Corticóide spray nasal (budesonide q12h 3s) Reavaliar resultado em 3 semanas com: otoscopia, audiometria e impedanciometria

25 Audiometria normal

26 Hipoacusia condutiva (CA

27 OMS: Miringotomia e tubos de ventilação

28 Tubos de ventilação Complicações Timpanosclerose (48%) Otorréia (12-40%) Atrofia/retração timpânica (28%) Perfuração timpânica persistente Granuloma Sederberg-Olsen et al. 1989

29 Seqüelas dos TV Timpanosclerose Retração Perfuração Granuloma

30 2c. Otite Média Crônica (OMC) Perfuração da MT Ativa (com otorréia) ou inativa Perfuração central é segura Perfuração marginal colesteatoma

31 Otite Média Crônica (OMC) Perfuração timpânica PERFURAÇÃO CENTRAL PERFURAÇÃO MARGINAL

32 OMC: Tratamento clínico Ciprofloxacino 500 mg q12h 14 d (Proflox) Ciprofloxacino otológico 4 gts q8-12h d (Otociriax) Ceftriaxona 1g IM 3 dias ? (Ceftriax) Avaliar resultado com otoscopia, audiometria e tomografia computadorizada de ouvidos

33 2d. OMC Colesteatomatosa Invasão da orelha média pela migração de epitélio escamoso queratizinado do conduto auditivo. Otorréia crônica recorrente Potencial para : destruir óssiculos exposição do nervo facial erosão do canal semicircular lateral meningite

34 OMC colesteatomatosa COLESTEATOMA COLESTEATOMA resulta da invasão do epitélio do conduto auditivo para dentro do ouvido médio, através de uma perfuração marginal. É GRAVE E DESTRÓI AS ESTRUTURAS ÓSSEAS DO OUVIDO MÉDIO!

35 Congênito (raro) Adquirido primario (retração) secundário (implantação) Colesteatoma: Classificação

36 Disfunção da tuba auditiva Pressão negativa OM Retração da pars flaccida Retração enche-se de restos epiteliais Infecção Erosão óssea e extensão Fisiopatologia do colesteatoma adquirido primário

37 Colesteatoma

38 Colesteatoma: CT-scan

39 Colesteatoma: Complicações Mesmas da OMA e otomastoiditis Insidioso Erosão óssea lenta Paralisia facial D

40 Colesteatoma: Tratamento Conservador – microsucção e limpezas Medicamentoso – Amox+clavulanato e ciprofloxacino otológico; ceftriaxona ? Cirúrgico – timpanomastoidectomia

41 Timpanomastoidectomia

42

43


Carregar ppt "Prof. Dr. Lucio A. Castagno Otorrinolaringologia"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google