A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A industrialização no Brasil 26/1/2014 1 Indústria e Produção de energia Capítulo 6 – 2º bimestre – 2011 Professora – Maria Christina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A industrialização no Brasil 26/1/2014 1 Indústria e Produção de energia Capítulo 6 – 2º bimestre – 2011 Professora – Maria Christina."— Transcrição da apresentação:

1 A industrialização no Brasil 26/1/ Indústria e Produção de energia Capítulo 6 – 2º bimestre – 2011 Professora – Maria Christina

2 Brasil: um país urbano e industrial 26/1/ O início da industrialização no Brasil Grande parte das coisas que você utiliza foi industrializada, isto é, trabalhada e transformada antes de estar pronta para o uso. È o caso por exemplo, de roupas, meios de transportes (carros, ônibus etc.), relógios, cadeiras, alimentos em geral... A lista de produtos industrializados que você utiliza é imensa! Muitos desses produtos são fabricados no Brasil. As primeiras indústrias instaladas no país fabricavam tecidos para ensacar os produtos de exportação e as peças de vestuário. Imigrantes, que chegaram a partir do final do século XX, montaram as manufaturas, indústrias que fabricavam pequenas peças mecânicas para reposição e conserto da maquinaria importada. Nessa época, as casas de exportação e os fazendeiros paulistas que plantavam café ganhavam muito dinheiro e começaram a se interessar em montar indústrias.

3 O espaço industrial brasileiro 26/1/ A Atividade industrial no país só ganhou impulso com as indústrias de base (Tipo de indústria que produz mercadorias que são utilizadas para produzir outras mercadorias, transforma recursos naturais em matéria-prima e fabrica máquinas e ferramentas para o uso de outras indústrias. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), construída pelo governo federal em 1941, é a maior indústria siderúrgica do Brasil e da América Latina e uma das maiores do mundo. Sua usina situa-se na cidade de Volta Redonda, na região do Vale do Paraíba, no sul do estado do Rio de Janeiro, tendo suas minas de minério de ferro e outros minerais na região de Congonhas e Arcos, ambas cidades do estado de Minas Gerais e também de carvão na região de Siderópolis no estado de Santa Catarina.

4 As montadoras de automóveis 26/1/ Durante a presidência de Juscelino Kubitschek ( ), a industrialização do Brasil ganhou um novo impulso, devido principalmente à instalação de muitas fábricas de origem estrangeira no país. O setor automobilístico foi o que mais cresceu nesse período, com a presença de filiais de grandes empresas dos Estados Unidos e da Europa no território brasileiro. Com a chegada dessas fábricas de automóveis, tornou-se necessária a criação de um setor de autopeças, ou seja, de indústrias de peças e partes dos veículos. O desenvolvimento tecnológico que permitiu ao país exportar peças ocorreu, a princípio, para atender às montadoras de carro que se instalaram aqui.

5 Pólos Industriais 26/1/ A partir de 1960, ocorreu uma concentração de indústrias no estado de SP, em especial no chamado ABCD – os municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema, todos na Grande SP. Ali nasceria um dos mais importantes movimentos de trabalhadores do Brasil. Entre os líderes sindicais que surgiram no ABCD, está o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O estado de MG recebeu investimentos de uma grande montadora italiana instalada em Betim em meados dos anos 70. O início da atividade industrial mineira ocorreu pela presença de minério de ferro no chamado Quadrilátero Ferrífero. No estado encontram-se siderúrgicas de grande porte, o que torna um importante centro produtor de matéria prima. A partir dos anos 1970, desenvolveu-se a indústria química no Brasil.

6 Outros pólos industriais 26/1/ A região Sul responde por 21% do pessoal ocupado na indústria do país. No RS surgiram inicialmente setores industriais mais tradicionais, como o de alimentos e o de calçados. A indústria do RS tende a se fortalecer com o avanço do MERCOSUL. SC sobressai no cenário industrial brasileiro pela presença de indústrias alimentícias e têxteis. O Nordeste participa com 17% do total do pessoal ocupado na indústria do Brasil. A BA aparece como o grande destaque da região. CE e PE, depois da BA, são os estados nordestinos com maior participação no total das riquezas produzidas pelas indústrias no país. Na Região Norte, a produção industrial concentra-se principalmente em Manaus.

7 Os novos investimentos industriais 26/1/ No passado, as indústrias estatais ajudaram a desenhar o perfil da produção industrial do país. Desde o início da década de 90, isso se alterou. Os novos investidores, em sua maior parte de estrangeiros, passaram a comparar as vantagens oferecidas pelos diferentes governos estaduais antes de decidir onde se instalar. Entre os incentivos, destaca-se a isenção de impostos, pelo qual o governo estadual deixa de cobrar certos impostos das indústrias, como forma de atrair os empresários. Esse modelo de desenvolvimento industrial tem alguns problemas. Um deles - o mais grave – resulta justamente da isenção de impostos. Arrecadando menos, o governo dispõe de menos dinheiro para investir naquilo que atrai o empresário: estradas, portos e aeroportos. Assim, acaba cortando gastos das áreas sociais para aprimorar a infra-estrutura.

8 Participação do MERCOSUL 26/1/ O Mercado Comum do Sul – Mercosul (acordo comercial entre a Argentina, o Brasil, o Paraguai e o Uruguai, teve início em 1991, quando os 4 países assinaram o Tratado de Assunção para facilitar o comércio entre os países membros. O Chile e a Bolívia fizeram acordos com os países do Mercosul e usufruem algumas das vantagens comerciais promovidas pelo tratado) também está provocando mudanças significativas na localização industrial do país. A integração dos mercados brasileiro, argentino, uruguaio, e paraguaio tornou a Região Sul um importante foco de investimentos de grandes grupos e empresariais estrangeiros.

9 Ceará: novo pólo industrial no Nordeste 26/1/ Um dos estados que mais receberam investimentos industriais na década de 1990 foi o Ceará. Os governantes usaram a isenção de impostos para atrair indústrias ao estado, então, criou-se o Fundo de Desenvolvimento Industrial. Além de conceder incentivos fiscais para as empresas, o governo estadual vem procurando investir em infra- estrutura. A construção do Porto de Pecém (exportação de mercadorias produzidas no Ceará), próximo a Fortaleza, e a modernização do aeroporto da cidade têm como objetivo melhorar as condições de entrada e saída de mercadorias e passageiros no Ceará. O salário dos trabalhadores ajuda a transformar o Ceará em um pólo de atração de investimentos industriais. Em média, o trabalhador cearense recebe 30% menos do que os trabalhadores que exercem as mesmas funções nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Esse conjunto de fatores levou para o Ceará grandes grupos empresariais de outras regiões do Brasil e do mundo. A posição geográfica do Ceará favoreceu a decisão de investir no estado, já que ele fica mais perto dos mercados europeu e norte-americano.

10 A expansão nos estados Sul, Sudeste e Centro-Oeste 26/1/ Os estados localizados nas regiões mais industrializadas do Brasil também vêm recebendo novos investimentos, realizados principalmente por empresas estrangeiras. Nesses estados, a isenção fiscal também foi usada para atrair novas indústrias. O novo pólo produtor de automóveis do país é o estado do Paraná, que atraiu três grandes fábricas: uma francesa, uma alemã e uma dos Estados Unidos.

11 Produção de Energia no Brasil 26/1/ A hidroeletricidade e o petróleo respondem pela maior parte do consumo energético do país. No Brasil, a energia elétrica pode ser obtida pelo aproveitamento do movimento da água (usinas hidrelétricas) e do calor (usinas termelétricas).

12 A geração por hidrelétricas 26/1/ O Brasil continua sendo um dos poucos países industrializados do mundo em que grande parte da energia elétrica é obtida em usinas hidrelétricas. A predominância de usinas hidrelétricas no Brasil decorreu das condições naturais de seu território. O regime tropical de chuvas, predominante na maior parte do país, associado à presença de uma rica rede hidrográfica resultam em elevada capacidade de produção de energia hidrelétrica. O relevo também é um fator que facilita a produção de energia elétrica. A Região Sudeste, que concentra grande parte das indústrias, é a maior consumidora de energia elétrica do país. A bacia do Rio Paraná é pontilhada de usinas que produzem energia. A Região Sudeste também consome a energia gerada na usina de Itaipu,uma das maiores do mundo,situada no Rio Paraná,na fronteira com o Paraguai.

13 Geradores de Energia Hidrelétrica 26/1/ O Rio São Francisco é muito importante na geração da energia elétrica que abastece os estados nordestinos. A bacia dos rios Tocantins e Araguaia,na Região Norte, sedia uma das maiores hidrelétricas do país, a Usina do Tucuruí. Ela foi construída para alimentar as indústrias produtoras de alumínio, que utilizam as reservas de bauxita do Pará. Nenhuma outra indústria consome tanta energia quanto o alumínio.

14 Geradores de energia por calor no Brasil 26/1/ As usinas termelétricas utilizam carvão, petróleo ou gás natural para gerar eletricidade. A quantidade de eletricidade gerada dessa forma no Brasil é pequena. As termelétricas a carvão se concentram no estado de SC, onde se localizam as principais jazidas carboníferas. A cidade de Manaus, por sua vez, é em parte abastecida por usinas termelétricas movidas a óleo diesel, um derivado do petróleo. O aproveitamento de gás natural para geração energética no país está crescendo em virtude do acordo realizado com a Bolívia, que dispõe de importantes reservas de gás natural em seu território. As centrais nucleares são termelétricas que consomem minerais radioativos para fazer seus reatores. Existem apenas duas unidades em funcionamento no Brasil, as usinas de Angra I e Angra II.

15 Energia para o Transporte 26/1/ A principal fonte de energia utilizada para o transporte é o petróleo. Seus derivados movimentam motores de aviões, navios, caminhões, auto-móveis e ônibus. No Brasil, desenvolveu-se uma alternativa particular de energia para os automóveis: o álcool, extraído da cana-de- açúcar. A partir dos primeiros anos do século XXI, as montadoras passaram a oferecer carros que funcionam com dois combustíveis: álcool e gasolina.

16 Recursos para produção de combustível 26/1/ A cana-de-açúcar é uma fonte energética importante desde a implantação do Proálcool, em Esse programa visava desenvolver uma alternativa ao consumo de petróleo, procurando diminuir a dependência do Brasil com relação à importação desse combustível. O Proálcool é um programa polêmico. Além de o governo federal ter de gastar muito dinheiro para financiá-lo, ele não resolve o problema do consumo do óleo diesel, que movimenta ônibus e caminhões. Apesar disso, uma das vantagens é a diminuição da poluição atmosférica.

17 As fontes de energia no Brasil e o impacto ambiental 26/1/ Nenhuma das fontes energéticas está isenta de causar problemas ambientais. As grandes hidrelétricas exigem grandes represas. Para construí-las, é preciso inundar imensas áreas de vegetação nativa ou de terras agricultáveis, desalojando seus habitantes. A obtenção da lenha implica desmatamento, devastando o ambiente O petróleo, além de finito, é altamente poluente. O gás natural é menos poluente que o petróleo mas também libera substâncias potencialmente tóxicas na atmosfera. A energia nuclear gera resíduos altamente perigosos, que devem ser guardados por dezenas de anos.

18 Energias alternativas no Brasil O uso da energia solar, por exemplo, tem crescido. Ela pode ser uma fonte energética tanto para gerar eletricidade quanto para aquecer a água. 26/1/

19 Na energia eólica os enormes cata-ventos giram movidos pelo ar e geram eletricidade (A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico vem do latim aeolicus, pertencente ou relativo a Éolo, deus dos ventos na mitologia grega e, portanto, pertencente ou relativo ao vento).energia ventoÉolomitologia grega 26/1/


Carregar ppt "A industrialização no Brasil 26/1/2014 1 Indústria e Produção de energia Capítulo 6 – 2º bimestre – 2011 Professora – Maria Christina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google