A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aplicação da Ecologia Energética na Gestão de Parques em MG Guilherme Augusto Azevedo Lima Ecologia Energética – Ricardo M.P-C.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aplicação da Ecologia Energética na Gestão de Parques em MG Guilherme Augusto Azevedo Lima Ecologia Energética – Ricardo M.P-C."— Transcrição da apresentação:

1 Aplicação da Ecologia Energética na Gestão de Parques em MG Guilherme Augusto Azevedo Lima Ecologia Energética – Ricardo M.P-C.

2 A energia rege todo o universo. A biodiversidade está em crise.

3 A energia O que é energia? É a capacidade de realizar trabalho. Esta capacidade pode- se manifestar sob várias formas: radiação eletromagnética, energia potencial ou incorporada, energia cinética, energia química - dos alimentos - e calor (www.icb.ufmg.br/~rmpc/energetica/).

4 A energia 1ª Lei da Termodinâmica: (Conservação da energia) A energia pode ser transformada de um tipo em outro, mas não pode ser criada nem destruída. Exemplos destas transformações: luz em calor, energia potencial em cinética (www.icb.ufmg.br/~rmpc/energetica/).

5 A energia 2ª Lei da Termodinâmica: (Lei da Entropia, S) Nenhum processo que implique numa transformação energética ocorrerá espontaneamente, a menos que haja uma degradação de energia de uma forma concentrada numa forma mais dispersa (ou desorganizada). Assim sendo, nenhuma transformação de energia é 100% eficiente. A entropia (S) é uma medida de energia não disponível, que resulta das transformações energéticas. Sua variação é sempre positiva em qualquer transformação (www.icb.ufmg.br/~rmpc/energetica/).

6 A biodiversidade O que é diversidade biológica? Espécies – inclui toda a gama de organismos na Terra. Variação genética – tanto entre as populações geograficamente separadas como entre os indivíduos de uma mesma população Comunidades – variação entre as comunidades biológicas nas quais as espécies vivem, os ecossistemas nos quais as comunidades se encontram e as interações entre esses níveis.

7

8 A biodiversidade Importância O ser humano depende do equilíbrio ecológico entre os seres vivos e o meio e dos recursos naturais, direta ou indiretamente (como matéria prima para produtos que mantêm sua sobrevivência).

9 A crise da biodiversidade Segundo Fonseca (1999) a situação brasileira em relação à conservação da biodiversidade, é uma das mais graves do mundo. A Amazônia já perdeu quase 15% da sua cobertura florestal (Fearnside,1995). A Mata Atlântica está reduzida a cerca de 18,5% de sua extensão original (Fundação SOS Mata Atlântica & INPE, 2002) e o cerrado encontra-se hoje com cerca de 60% de sua área sob influência antrópica (Dias, 1993). No período de 1994 a 2001 foram registrados mais de 110 mil focos de queimadas, em cada ano, no Brasil - em 2001 foi atingido o número de 145 mil (Camargo, et al. 2002).

10 A crise da biodiversidade São justamente essas as regiões que concentram grande parte da diversidade biológica do país, assim como a maior fração das espécies endêmicas ao nosso território.

11 A crise da biodiversidade Consequências A lista brasileira da fauna ameaçada de extinção registra 395 espécies (Fundação Biodiversitas, 2003). A lista paulista registra 313 espécies da fauna ameaçadas de extinção e a do Rio de Janeiro 257 (Camargo, et al. 2002) A erosão das espécies está ocorrendo em uma velocidade bem mais elevada do que a demonstrada na história geológica da terra e a causa primária são as atividades antrópicas.

12 A crise da biodiversidade em MG Historico A ocupação de Minas Gerais remonta ao final do século XVII, com a descoberta das jazidas de ouro, promovendo uma grande corrida para a região das minas.

13 De 1750 até o século XIX, a base da economia mineira foi a atividade agrícola de subsistência.

14 A crise da biodiversidade em MG Historico No século XIX, a entrada do café, a partir da Zona da Mata, impulsionou o desenvolvimento de obras de infra-estrutura e o crescimento de cidades.

15 A crise da biodiversidade em MG Historico Em 1950 o estado descobriu sua pontencialidade, para tornar-se um grande pólo siderúrgico, em virtude da expressiva riqueza mineral e disponibilidade energética, representada pelas florestas nativas e pelo alto potencial hidrelétrico.

16

17 A crise da biodiversidade em MG Consequências Esta devastação tem se refletido fortemente sobre a fauna e a flora silvestre. A lista das espécies ameaçadas de extinção relaciona 178 espécies para a fauna e 538 para a flora. A destruição dos hábitats é o principal fator.

18

19 Biologia da conservação Ciência multidisciplinar (ecologia, biogeografia, genética de populações, geografia, economia, sociologia, antropologia, filosofia, e outras) que foi desenvolvida como resposta à crise com a qual a diversidade biológica se confronta atualmente (Soulé, 1995). Objetivos: Entender os efeitos da atividade humana nas espécies, comunidades e ecossistemas; Desenvolver abordagens práticas para prevenir a extinção de espécies e, se possível, reintegrar as espécies ameaçadas ao seu ecossistema funcional.

20

21 Biologia da conservação Os biólogos e outros conservacionistas de áreas afins, são pessoas adequadas para fornecer a orientação que os governos, as empresas e o público em geral necessitam quando têm de tomar decisões cruciais.

22 Ecologia da restauração Ciência nova, poucos conceitos gerais; Ecossistemas devem ser restaurados seguindo a seqüência de aspectos físicos, químicos e biológicos (Bradshaw, 1984); Em casos específicos pode-se intercalar os aspectos.

23

24 O papel das UC´s na minimização da Crise da biodiversidade As unidades de conservação – UC´s – são um instrumento fundamental na reversão da crise de biodiversidade (Moore & Ormázabal, 1988). No entanto, os resultados alcançados por este instrumento, irão depender de como as UC´s são selecionadas, planejadas, criadas e geridas (De Faria, 1997).

25 O papel das UC´s na minimização da Crise da biodiversidade As UC´s servem como refúgio para as espécies que não podem sobreviver em paisagens manejadas e como áreas onde os processos ecológicos podem continuar sem a interferência humana. São recursos vitais para a continuidade da evolução natural e, em muitas partes do mundo, para uma futura restauração ecológica (Carey et al. 2000).

26 O papel das UC´s na minimização da Crise da biodiversidade A idéia de delimitar áreas naturais para conservação, ganhou força a partir da revolução industrial e de suas conseqüências sobre a ocupação do solo. A desvalorização do mundo selvagem, vigente até então, começou a perder espaço. Alguns fatores contribuíram para isso, dentre os quais podemos citar:

27 O papel das UC´s na minimização da Crise da biodiversidade Respeito pelo mundo natural demonstrada pelos naturalistas; Início da conscientização de que o avanço capitalista provocava impactos no meio-ambiente; Adensamento demográfico e proliferação de ambientes insalubres; Valorização do bucolismo pelos escritores românticos europeus.

28 O papel das UC´s na minimização da Crise da biodiversidade A IUCN (1994) – União Internacional de Proteção à Natureza – propôs um sistema de classificação para as áreas protegidas baseado nos objetivos de manejo. Os objetivos de manejo que guiaram esta classificação são: Investigação científica; Proteção de zonas silvestres; Preservação de espécies e da diversidade genética; Manutenção dos serviços ambientais; Proteção de características naturais e culturais; Turismo e recreação; Educação; Utilização sustentável dos recursos derivados dos ecossistemas naturais; Manutenção de atributos culturais e tradicionais.

29 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s A ecologia tem abordado a diversidade da vida a partir de dois pontos de vista – paradigmas – diferentes: o do equilíbrio e do não-equilíbrio (Pickett et al. 1992).

30 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s Equilíbrio Maioria das UC´s criadas ao longo do século XX; Sob um determinado conjunto de condições físicas (temperatura, pluviosidade) há um limite máximo para o número de espécies que poderiam coexistir e formar uma comunidade estável (Futuyama, 1992). Sistemas ecológicos fechados. Sistemas ecológicos funcionalmente e estruturalmente completos em si mesmos, se auto-regulam.

31 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s Não-equilíbrio Comunidades abertas, em constante fluxo; Sem estabilidade a longo prazo e aleatoriamente afetadas por uma série de fatores (padrões climáticos globais, ex.) externos à comunidade.

32 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s Principais mecanismos empregados para explicar as comunidades em equilíbrio Teoria clássica da competição; Predação; Variação espacial

33 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s Principais mecanismos empregados para explicar as comunidades em não-equilíbrio Flutuações ambientais; Independência da densidade; Mudança ambiental; Lento deslocamento competitivo.

34 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s A emergência do paradigma do não-equilíbrio abriu uma nova perspectiva para gestão das unidades de conservação. Trata- se do manejo de ecossistemas (Agee, 1996). Para Grumbine (1994), o manejo de ecossistemas integra o conhecimento científico das relações ecológicas, dentro do complexo sociopolítico e de valores para se alcançar a meta de proteger a integridade dos ecossistemas nativos por um longo período. A partir de uma ampla revisão bibliográfica, este autor identificou alguns temas dominantes dentro do manejo de ecossitemas.

35

36 As bases ecológicas para estabelecimento de UC´s Metas colocadas pelo manejo de ecossistemas Manter populações viáveis de todas as espécies nativas in situ; Representar, dentro das UC´s, todos os tipos de ecossistemas naturais Manter os processos ecológicos e evolucionários (regimes de distúrbios, ciclagem de nutrientes); Manejar sobre períodos de tempo longo o suficiente para manter o potencial evolucionário das espécies e ecossistemas; Acomodar o uso e a ocupação humana dentro destes limites.

37 Conseqüências da fragmentação de hábitats para a biodiversidade Reduçao da quantidade de hábitat na paisagem (redução do hábitat); Aumento do número de parcelas do hábitat; Redução do tamanho das parcelas dos hábitats restantes na paisagem; Aumento no isolamento dos hábitats restantes na paisagem.

38 Conseqüências da fragmentação de hábitats para a biodiversidade Diferentes efeitos refletem de diferentes maneiras sobre a biodiversidade Nas florestas tropicais do Brasil tem se registrado forte impacto negativo do efeito de borda sobre diversos taxa (Laurance & Bierregaard, 1997; Bierregaard et al., 2001); Alteração nos padrões de migração e dispersão dos organismos, geralmente, levando a uma redução no tamanho das populações e do pool gênico, e espécies exóticas passam a ter acesso à área do fragmento (Murcia, 1995; Turton & Freiburger, 1997); Com a redução das populações, estas se tornam mais susceptíveis à extinção por problemas relacionados a estocasticidade demográfica, ambiental ou genética (Gilpen e Soulé, 1986).

39 Conclusão O homem criou a consciência de que as suas atividades degradam o meio-ambiente. O homem também aprendeu que isso é prejudicial pra ele. Durante muitos anos foram tomadas medidas com o intuito de mitigar os efeitos da pressão antrópica, mas elas nem sempre foram acertadas. Hoje, após exaustivos estudos e trabalhos de várias ciências, se sabe que não basta cercar uma área e mantê-la isolada de nós. Existem muitas relações complexas na natureza que hoje dependem do homem para serem corrigidas e mantidas. Outra descoberta foi que existem alguns fatores degradantes que não se limitam a sua área de origem, e podem alcançar longas distâncias ou até mesmo atingir proporções globais.

40

41

42 Conclusão A gestão de um parque deve considerar muito mais do que proteção... Ecossistema Nicho Sucessão Capacidade de suporte do ambiente Relações ecológicas Níveis tróficos Teia alimentar Espécie-chave Recurso-chave Riqueza de diversidade e muito mais...

43 Referências bibliográgicas Araújo, M. A. R. SUBSÍDIOS AO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ESTADUAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: TAMANHO, REPRESENTATIVIDADE E GESTÃO DE PARQUES EM MG Primack, R. B. & Rodrigues, E. BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO


Carregar ppt "Aplicação da Ecologia Energética na Gestão de Parques em MG Guilherme Augusto Azevedo Lima Ecologia Energética – Ricardo M.P-C."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google