A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura e Abastecimento Departamento de Produção Animal Divisão de Fiscalização e Defesa Sanitária Animal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura e Abastecimento Departamento de Produção Animal Divisão de Fiscalização e Defesa Sanitária Animal."— Transcrição da apresentação:

1 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura e Abastecimento Departamento de Produção Animal Divisão de Fiscalização e Defesa Sanitária Animal Perspectivas do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa no Rio Grande do Sul 19º ENCORTE CCR/UFSM – Santa Maria, 13 de maio de 2010.

2 Competência Compete ao Departamento de Produção Animal a responsabilidade pelo controle e erradicação das enfermidades dos animais, sejam elas de repercussão econômica ou de saúde pública, a garantia da salubridade dos produtos de origem animal consumidos pela população, bem como o melhoramento da qualidade dos rebanhos

3 Quantitativo de propriedades do RS, por mesorregião 80 % das propriedades na metade norte 20% das propriedades na metade sul Aproximadamente propriedades

4 NORTE Km % PIB % PIB agro %12% Propriedades com bovinos % População bovina %20 Número de municípios % Propriedades com suínos % População suína %18 SUL Km % PIB % PIB agro %23% Propriedades com bovinos % População bovina %73 Número de municípios % Propriedades com suínos % População suína %6 Fonte: IBGE 2004 & SEE/DFDSA

5 Fluxo de trânsito de bovinos no RS a partir da fronteira oeste

6 Caracterização epidemiológica para febre aftosa no RS

7 O PROGRAMA DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO

8 Lançamento da primeira etapa de vacinação massiva, 1963

9

10

11 Campanha contra a Febre aftosa Programa de Combate à Febre Aftosa - RS Programa de Combate à Febre Aftosa ( SC, PR, SP, RJ, ES, MG, GO, MT, SE, BA) Financiamento do Projeto Nacional de Combate à FA (BID): –I Etapa: ; II Etapa: ; III Etapa: Programa implantado no restante do Nordeste Projeto de Controle das Doenças dos animais (BIRD) Reformulação do combate à febre aftosa –erradicação, participação comunitária, circuitos pecuários Histórico do Combate à febre aftosa no Brasil

12 1. Serviço disperso e frágil 2. Responsabilidade central 3. Baixa capilaridade - resposta baixa 4. Sensibilidade a interferências 5. Mercado pouco exigente 6. Ferramentas limitadas 1. Criação de zonas livres 2. Participação da sociedade (responsabilidades compartilhadas) 3. Implantação e manutenção de campanhas de vacinação 4. Manutenção e fortalecimento do serviço veterinário oficial 5. Intensificação das atividades de vigilância sanitária animal 6. Controle e fiscalização da movimentação de animais CONTROLE ERRADICAÇÃO 1992

13 PNEFA MAPA SERVIÇOS VETERINÁRIOS ESTADUAIS INICIATIVA PRIVADA

14

15 A VACINAÇÃO

16 A vacina -Um dos biológicos de maior efetividade produzidos -Trivalente A, O, C -Emulsão oleosa – maior estabilidade e otimização da resposta imune -Todas as partidas são padronizadas e submetidas à teste de inocuidade -Todas as partidas são seladas e rastreadas – controladas da produção ao consumo

17 Série histórica índices vacinais no RS, de 2005 a 2009

18 População de bovídeos existente e com registro de vacinação Brasil, 1994 a 2007 Fonte: adaptado de Morais, GM, 2009

19 Número de focos de febre aftosa e cobertura de vacinação Brasil, 1994 a 2004 Fonte: adaptado de Morais, GM, 2009

20 Província de Formosa, Argentina Registro do primeiro caso (vírus Tipo O 1 )

21 ESTRATÉGIAS

22 Ampliação de zona livre de febre aftosa Decisão política ---- Amparo legal Estruturação do serviço veterinário oficial Níveis adequados de cobertura vacinal Avaliação de circulação viral Conhecimento e domínio do espaço agropecuário (cadastro) Ausência de ocorrência da doença Processo auditável Sistema compatível de vigilância sanitária

23 Sistema de vigilância de febre aftosa Identificação de áreas de maior risco e dos municípios de maior representatividade Sistema de vigilância Estrutura dos sistemas de produção existentes, capacidade do serviço veterinário oficial e registro/compilação de informações Identificação de propriedades com maior risco para introdução e manutenção do agente viral Inspeção em Abatedouros Fiscalização em eventos pecuários Inquérito e monitoramento soroepidemiológico Inspeção a propriedades rurais Fiscalização do trânsito de animais Passivo Atendimento a notificações de suspeitas de ocorrência de doenças vesiculares Ativo Fonte: adaptado de Morais, GM, 2009

24 Notificações de suspeitas de doenças vesiculares no RS, de 2005 a 2010

25

26 Calendário nacional de vacinação Estratégias adotadas I – semestral de todo o rebanho II - semestral de jovens e anual de adultos III - semestral de jovens com reforço para animais com menos de um ano e anual de adultos IV – anual de todo o rebanho Fonte: adaptado de Morais, GM, 2009

27 Cobertura vacinal no RS, de 2007 a 2009

28 Propriedades assistida/fiscalizadas 2009

29 Estudos sorológicos realizados –2006: Santa Catarina, São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul –2007: Mato Grosso do Sul –2008: 8 estados da área livre –2008/2009: iniciado monitoramento longitudinal na região de fronteira internacional (MS, MT, RO e AC) Utilizados indicadores de vulnerabilidade e receptividade para identificar propriedades de maior risco para entrada e manutenção do agente Colheita de amostras, inspeções clínicas periódicas, análise de movimentações e acompanhamento do abate 208 propriedades sentinelas Vigilância soro-epidemiológica para febre aftosa

30 Novo estudo transversal realizado em 2007/2008 Monitoramento de animais vacinados em abatedouros durante 2008 –Percentual de cobertura continua correspondente com vacinações declaradas Iniciado novo estudo em novembro/2008 Estudos para comprovar a eficiência da vacinação contra a febre aftosa

31 GTA exigida para movimentação de espécies susceptíveis Certificação oficial para produtos de origem animal Postos fixos e equipes móveis de fiscalização para controle da entrada de animais e produtos na zona livre Requerimentos diferenciados para movimentação entre zonas de acordo com a espécie animal envolvida, tipo de produto, origem e destino Controles de movimentação

32 Guia de Trânsito Animal (GTA) – documento padrão de trânsito animal, conforme a IN 18/2006

33 OS RESULTADOS

34 Focos de febre aftosa no Brasil

35 Focos de febre aftosa no Rio Grande do Sul de 1966 à 2004

36 Notificação de focos de FA, comparativo RS e Brasil, de 1970 a 2009

37 Evolução da zona livre de febre aftosa, de 1998 a 2007

38 ,8 % do território 89,2 % bovinos

39 (ton) (Fonte: MAPA/MDIC, 2008) Evolução da Exportação - Carne Bovina Brasil

40 PERSPECTIVAS

41 Produção e destino ao mercado consumidor de carne bovina no Brasil

42 Produção e destino ao mercado consumidor de carne suína no Brasil

43 Manter vigilância constante na região de fronteira Identificar indicadores de risco eficientes para serem utilizados em regiões fora de fronteira, visando otimizar as atividades de vigilância Fortalecimento da estrutura de defesa em saúde animal Uniformidade de procedimentos Estabelecimento de novo marco legal retirada da vacinação paralela com estruturação do sistema de vigilância neste novo cenário (CAT/OIE, capítulos e 1.8.5) Desafios para o futuro

44 Informatização e serviço direto ao produtor (cadastros, declarações) Identificação total de rebanho Mudança de cultura dos participantes das cadeias Consciência da necessidade de manutenção do novo status Desafios para o futuro

45 Redução das restrições de acesso a mercados Valor agregado ao produto Beneficio a todas as cadeias pecuárias Credibilidade no sistema produtivo e na certificação Possíveis vantagens

46 Resumo da evolução de status em FA

47

48 Muito obrigado Divisão de Fiscalização e Defesa Sanitária Animal Serviço de Doenças Vesiculares Agradecimentos: Ao Dr. Geraldo Marcos de Morais e à Coordenação Nacional do PNEFA, pela cedencia de conteúdo.


Carregar ppt "Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura e Abastecimento Departamento de Produção Animal Divisão de Fiscalização e Defesa Sanitária Animal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google