A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fundamentos de Custos Conceito de Custos Prof. João Carlos Bragança Aula 3.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fundamentos de Custos Conceito de Custos Prof. João Carlos Bragança Aula 3."— Transcrição da apresentação:

1 Fundamentos de Custos Conceito de Custos Prof. João Carlos Bragança Aula 3

2 2 Custos, despesas e investimentos Significado de custos segundo o enfoque empresarial: Empresa comercial – custo das compras de mercadorias, custo das mercadorias disponíveis para venda, custo das mercadorias vendidas... Empresa de prestação de serviços – custo dos materiais adquiridos para aplicação, custo dos serviços prestados... Empresa industrial – custo das compras de matérias-primas, custo das matérias-primas disponíveis, custo das matérias- primas aplicadas no processo de fabricação, custo direto de fabricação, custo indireto de fabricação, custo da produção acabada no período, custo dos produtos vendidos... Objeto de estudo: custos de fabricação.

3 3 Custos, despesas e investimentos Toda vez que a empresa industrial obtém bens – para uso, troca, transformação ou consumo – ou utiliza algum tipo de serviço, estará realizando gastos. Mas o que são bens de uso, troca, transformação e consumo?

4 4 Custos, despesas e investimentos Classificação dos bens quanto á finalidade: 1.Bens destinados ao uso computadores, móveis, máquinas, ferramentas, veículos. 2.Bens destinados à troca mercadorias para comercialização. 3.Bens destinados à transformação matérias-primas, materiais secundários e auxiliares, materiais de embalagem. 4.Bens destinados ao consumo materiais de expediente, higiene e limpeza.

5 5 Custos, despesas e investimentos Observações: Enquanto esses bens não forem utilizados, trocados, transformados ou consumidos, seus gastos serão tratados como investimentos. Os gastos também podem representar custos quando são efetuados para obtenção de bens (não estocados*) e serviços que são aplicados diretamente ou indiretamente na produção de outros bens. Os gastos correspondem às despesas quando são efetuados para obtenção de bens (não estocados) ou serviços que são aplicados nas áreas administrativa, comercial ou financeira, visando direta ou indiretamente a obtenção de receitas. (*) estocados ativados.

6 6 Custos, despesas e investimentos Sendo assim temos: Alguns gastos, pela sua natureza, são inicialmente considerados investimentos, integrando o ativo da empresa*, e que por meio da depreciação e da amortização, gradativamente, por critérios estabelecidos pela empresa (tempo de vida útil ou outro, todos aceitos e consagrados nos meios comerciais), deixam de ser investimento para integrar o grupo dos custos ou das despesas, conforme o caso. (*) Conjunto de bens, valores, créditos e semelhantes, que formam o patrimônio de uma empresa, opondo-se ao passivo (dívidas, obrigações, p. ex.)

7 7 Custos, despesas e investimentos Resumo: (*) Patrimônio é diferença entre ativo e passivo. Quando essa diferença é positiva, fala- se em patrimônio líquido; em caso de ser negativa, chama-se passivo a descoberto ou passivo líquido. (**) O ativo circulante (disponível) compreende o dinheiro em caixa, os saldos bancários e todos os valores que podem ser convertidos em dinheiro imediatamente. O ativo fixo são os imóveis, os equipamentos, os utensílios, as ferramentas, as patentes, tudo aquilo que é essencial para a empresa continuar operando e que não pode ser convertido em dinheiro imediatamente.

8 8 Custos, despesas e investimentos Gasto Desembolso à vista ou a prazo para a obtenção de bens ou serviços, independentemente da destinação (para uso, troca, transformação ou consumo) que esses bens ou serviços possam ter na empresa.

9 9 Custos, despesas e investimentos Investimento Gastos com a aquisição dos bens de uso (computadores, móveis, máquinas, ferramentas, veículos), em aplicações permanentes (compra de ações de outras empresas, imóveis, ouro) e dos bens que serão inicialmente mantidos em estoque para que no futuro sejam negociados, integrados ao processo de produção ou consumidos. Custo Compreende a soma dos gastos com bens e serviços aplicados ou consumidos na fabricação de outros bens. Despesa Gastos decorrentes do consumo de bens e da utilização de serviços das áreas administrativa, comercial e financeira, que direta e indiretamente visam a obtenção de receitas.

10 10 Custos, despesas e investimentos Observação: Existem situações onde os gastos são alocados tanto na aérea de produção quanto nas áreas administrativa, comercial e financeira. Neste caso devemos identificar a parcela pertinente as despesas e aos custos.

11 11 Custos, despesas e investimentos Perguntas: 1.Bens de consumo estocados são chamados de ________________ e quando são retirados dos estoques e utilizados na área administrativa, p. ex., são denominados de __________________. 2.Bens de transformação adquiridos pela empresa e estocados são chamados de ___________________ e quando são utilizados no processo de produção são denominados de __________________.

12 12 Custos, despesas e investimentos Quadro resumo:

13 13 Custo de fabricação Conceito: Soma dos gastos com bens e serviços aplicados ou consumidos na fabricação de outros bens. Elementos: Material. Mão-de-obra. Gastos gerais de fabricação.

14 14 Custo de fabricação 1.Material objeto utilizado no processo de fabricação, podendo ou não entrar na composição do produto. Classificação: a.Matéria-prima: substância bruta principal e indispensável na fabricação de um produto. b.Material secundário: material aplicado na fabricação em menor quantidade que a matéria-prima. Entra na composição do produto complementando a matéria-prima (material de acabamento). c.Material auxiliar: todo material, que embora necessário ao processo de fabricação, não entra na composição do produto. d.Material de embalagem: material destinado a acondicionar (embalar) o produto antes que ele deixe a área de produção.

15 15 Custo de fabricação Exemplos:

16 16 Custo de fabricação 2.Mão-de-obra É o esforço do homem aplicado na fabricação de produtos. Seu gasto compreende salários, benefícios (cesta básica, vale-transporte e refeição) e encargos sociais (previdência da parte patronal e FGTS). 3.Gastos gerais de fabricação Demais gastos necessários para a fabricação dos produtos, os quais, pela própria natureza, não se enquadram como materiais ou como mão-de-obra. Ex.: aluguéis, energia elétrica, serviços de terceiros, manutenção da fabrica, depreciação das máquinas, seguro contra roubo e incêndio, material de higiene e limpeza, óleos e lubrificante de máquinas, pequenas peças de reposição, telefones e comunicações etc.

17 17 Custo de fabricação Classificação dos Custos de Fabricação Em relação aos Produtos 1.Custos Diretos Gastos com materiais, mão-de-obra e gastos gerais aplicados diretamente na fabricação dos produtos. Integram os produtos e os valores são facilmente identificados em relação a cada produto fabricado. Matéria-prima, a maioria dos materiais secundários e de embalagem e quase a totalidade da mão-de-obra do pessoal da fábrica. 2.Custos Indiretos Gastos com materiais, mão-de-obra e gastos gerais aplicados indiretamente na fabricação dos produtos. Não integram os produtos e é impossível uma identificação segura das quantidades e valores gastos em relação a cada produto fabricado. Materiais auxiliares, parte da mão-de-obra (chefia e supervisão) e os gastos gerais de fabricação.

18 18 Custos de fabricação Observação (1): A classificação do gasto como custo indireto pode ser o tratamento dado a alguns itens que compõem o produto (como ocorre com parte dos materiais secundários em alguns processos de fabricação), em razão do pequeno valor que representa em relação ao custo total. Como visto, na última aula, seus cálculos e controles são tão onerosos que é preferível tratá-los como custos indiretos.

19 19 Custos de fabricação Observação (2): A dificuldade de identificação dos gastos em relação aos produtos decorre da natureza da organização multifuncional onde são beneficiadas a fabricação de vários produtos ao mesmo tempo. Exemplos: a.Aluguel da fábrica – é difícil a identificação dos gastos de acordo com o produto fabricado. b.Energia elétrica – consumida na iluminação e por máquinas distintas quando não existem medidores para cada produção. c.Salários e encargos dos chefes de seção e dos supervisores da fábrica – gastos que beneficia produtos distintos.

20 20 Custo de fabricação Classificação dos Custos de Fabricação Em relação ao Volume de Produção 1.Custos Fixos (CF) Permanecem estáveis independentemente de alterações no volume da produção. Por não integrarem os produtos e por beneficiarem a fabricação de vários produtos, eles também são chamados de custos indiretos. Exemplos: aluguel, água (consumo pessoal e limpeza da fábrica), energia elétrica (utilizada para iluminação), salários e encargos dos mensalistas (manutenção e limpeza da fábrica) e dos supervisores, seguro do imóvel, segurança da fábrica, telefone, depreciação das máquinas etc.

21 21 Custo de fabricação Classificação dos Custos de Fabricação Em relação ao Volume de Produção 2.Custos Variáveis (CV) Variam em decorrência do volume da produção. Por estarem vinculados ao volume produzido, também são denominados de custos diretos. Exemplo: matéria-prima.

22 22 Custo de fabricação Classificação dos Custos de Fabricação Em relação ao Volume de Produção 3.Custos Mistos Custos semifixos: são custos fixos que possuem parcela variável. Exemplo: parcela da energia elétrica é fixa e independente do volume de produção do período (iluminação da fábrica) e outra é variável (aplicada diretamente na produção) ΔProdução ΔCV Custos semivariáveis: custos variáveis que possuem uma parcela fixa. Exemplo: mão-de-obra ligada diretamente na produção (MOP) é variável e interfere na quantidade produzida, enquanto a mão-de-obra da supervisão (MOS) da fábrica independe do volume produzido sendo classificada como fixa. ΔMO ( ΔCT) ΔMOP ( CV) e ΔMOS ( CF)

23 23 Custo de fabricação Custo dos produtos vendidos (CPV) Soma dos gastos (em materiais, mão-de-obra e gerais de fabricação) dos produtos efetivamente vendidos. Encerrada a fabricação, os bens são transferidos da área de produção para o almoxarifado de produtos acabados (estocados). O custo do produtos acabados (CPAP) corresponde aos custos indiretos e diretos incorridos no processo de fabricação. Considerando que a todo instante produtos acabados irão compor os estoques e outros produtos vendidos deixarão o estoque, temos: CPV = Custo dos produtos vendidos EIPA = Estoque inicial de produtos acabados CPAP = Custo da produção acabada no período EFPA = Estoque final de produtos acabados CPV = EIPA + CPAP - EFPA

24 24 Custo de fabricação Exemplo: Considere as informações extraídas dos registros contábeis de uma empresa industrial: Estoque inicial de produtos acabados $ Custos da produção acabada no período $ Estoque final de produtos acabados $ Qual o custo do produto vendido no período? CPV = EIPA + CPAP – EFPA CPV = – CPV = CPV = EIPA + CPAP – EFPA CPV = – CPV =

25 25 Custo de fabricação Modelo de Demonstração do Custo dos Produtos Vendidos (DCPV) Esquema técnico para se apurar custos em uma empresa industrial.

26 26 Expressões técnicas a.Custos das matérias-primas disponíveis (CMPD) - item 3 Total das matérias-primas que a empresa teve à disposição durante o período para aplicar na produção. EIMP = Estoque inicial de matérias-primas CLMP = Compras líquidas de matérias-primas CMPD = EIMP + CLMP

27 27 Expressões técnicas b.Custos das matérias-primas aplicadas (CMPA) - item 5 Custo das matérias-primas disponíveis diminuído do somatório dos seguintes valores: custo do estoque final de matérias-primas, custo das vendas de matérias-primas, valor dos subprodutos acumulados durante o período (parte do custo dos subprodutos derivado de sobras de matérias-primas) e outros eventos (baixas por perecimento, sinistro, furtos, p. ex.) que venham a reduzir o custo das matérias-primas disponíveis. CMPD = Custos das matérias-primas disponíveis EF = Estoque final de matérias-primas V = Custos das vendas de matérias-primas SP = Valor dos subprodutos acumulados no período O = Outros eventos CMPA = CMPD - EF - V - SP - O

28 28 Expressões técnicas c.Custo primário (CP) - item 7 Gastos com matérias-primas Aplicadas mais os gastos com Mão-de- obra Direta. CMPA = Custos das matérias-primas aplicadas MOD = Mão-de-obra direta CP = CMPA + MOD

29 29 Custo de fabricação Modelo de Demonstração do Custo dos Produtos Vendidos (DCPV) Esquema técnico para se apurar custos em uma empresa industrial.

30 30 Expressões técnicas d.Custo de transformação (CTr) Soma dos gastos com mão-de-obra (direta e indireta) com os gastos gerais de fabricação (diretos e indiretos), aplicados na transformação dos materiais em produtos. MOT = Gasto com mão-de-obra total GGFT = Gasto geral de fabricação total Este custo considera somente o esforço despendido pela empresa na transformação da matéria-prima em produtos. CTr = MOT + GGFT

31 31 Expressões técnicas e.Custo de produção do período (CPP) - item 11 Soma dos custos incorridos na produção do período dentro da fábrica. Ele é obtido pela soma dos valores gastos com materiais diretos e indiretos, com mão-de-obra direta e indireta e com os gastos gerais de fabricação diretos e indiretos aplicados na produção do período, sem se considerar o valor do estoque inicial de produtos em elaboração. Ele também chamado de custo de fabricação do período. MAT = Material total MOT = Gasto com mão-de-obra total GGFT = Gasto geral de fabricação total CPP = MAT + MOT + GGFT

32 32 Custo de fabricação Modelo de Demonstração do Custo dos Produtos Vendidos (DCPV) Esquema técnico para se apurar custos em uma empresa industrial.

33 33 Expressões técnicas f.Custo de produção (CPo) - item 13 Soma do custo de produção do período com o estoque inicial de produtos em elaboração. CPP = Custo de produção do período EIPE = Estoque inicial de produtos em elaboração CPo = CPP + EIPE

34 34 Expressões técnicas g.Custo da produção acabada no período (CPAP) - item 15 Custo de Produção menos o Estoque final de Produtos em Elaboração. CP = Custo de produção EFPE = Estoque final de produtos em elaboração EIPE = Estoque inicial de produtos em elaboração Este custo pode conter custos de períodos anteriores, pois pode haver unidades que foram acabadas no exercício atual, porém iniciadas no exercício anterior, as quais compunham o estoque inicial de produtos em elaboração Não fazem parte da produção acabada os produtos que foram iniciados no presente período, mas que serão acabados em períodos futuros, os quais integrarão o estoque final de produtos em elaboração. CPAP = CPo - EFPE CPAP = EIPE + CPo - EFPE

35 35 Expressões técnicas h.Custo dos produtos disponíveis para venda (CPDV) - item 17 Custo de Produção menos o Estoque final de Produtos em Elaboração. EIPA = Custos dos produtos acabados estocados no início do período CPA = Custo da produção acabada do período CPDV = EIPA + CPA

36 36 Expressões técnicas i.Fórmula simplificada de apuração do Custo de produção do período Empresas industriais de pequeno e médio porte costumam considerar como materiais diretos somente a matéria-prima aplicada. Todos os demais materiais e gastos gerais de fabricação são considerados indiretos, mesmo que possam ser facilmente identificados. MP = Matéria prima aplicada MOD = Mão-de-obra direta CIF = Custos indiretos de fabricação* (*) compreendendo, neste caso simples, todos os materiais diretos e indiretos, exceto a matéria-prima, a mão-de-obra indireta e os gastos gerais de fabricação diretos e indiretos. CPP = MP + MOD + CIF


Carregar ppt "Fundamentos de Custos Conceito de Custos Prof. João Carlos Bragança Aula 3."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google