A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TRANSPORTES NO BRASIL CAPÍTULO 9, P. 123/7 Prof. Maj. Assis / Carlos Magno.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TRANSPORTES NO BRASIL CAPÍTULO 9, P. 123/7 Prof. Maj. Assis / Carlos Magno."— Transcrição da apresentação:

1 TRANSPORTES NO BRASIL CAPÍTULO 9, P. 123/7 Prof. Maj. Assis / Carlos Magno

2 OS TRANSPORTES NO BRASIL O SETOR DE TRANSPORTES DESEMPENHOU PAPEL FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ECONÔMICO E DE INTEGRAÇÃO DO NOSSO TERRITÓRIO. A PARTIR DA DÉCADA DE 1970, AS REGIÕES NORTE E CENTRO- OESTE EFETIVAMENTE PASSARAM POR UM PROCESSO DE INTEGRAÇÃO COM O RESTANTE DO PAÍS. ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉC. XIX, OS TRANSPORTES MAIS UTILIZADOS ERAM : MARÍTIMO - NAVEGAÇÃO COSTEIRA E FLUVIAL E O TERRESTRE COM CARRUAGENS E O LOMBO DE ANIMAIS. OS TRANSPORTES MODERNOS FORAM IMPLANTADOS A PARTIR DA 2ª METADE DO SÉC. XIX : RODOVIÁRIO E FERROVIÁRIO.

3 HISTÓRICO DO TRANSPORTE MODERNO 1854 : 1º FERROVIA – BARÃO DE MAUÁ – RJ : 1º VIA MODERNA DE TRANSPORTE RODOVÁRIO – GOV. WASHINGTON LUÍS – RODOVIA RJ – SP : CRIAÇÃO DA VARIG : INÍCIO DO TRANSPORTE METROVIÁRIO – LINHA NORTE – SUL NA CAPITAL PAULISTA.

4 TRANSPORTE DE CARGA NO BRASIL

5 MATRIZES DE TRANSPORTE NO MUNDO

6 O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO BRASIL DIRETAMENTE LIGADO A CAFEICULTURA, PRINCIPALMENTE NO RJ E DEPOIS EM SP. PRIMEIRAS FERROVIAS : CAFÉ – ESTRADA DE FERRO D. PEDRO II – 1855 – RJ, ESTRADA DE FERRO SANTOS – JUNDIAÍ – 1868 – SP. PERÍODO DE MAIOR EXPANSÃO FERROVIÁRIA (1870 – 1920) : KM. COM A CRISE DO CAFÉ, O RITMO DA EXPANSÃO DAS FERROVIAS DIMINUIU – 1960 : CONSTRUIRAM-SE MENOS DE KM DE FERROVIAS. DESDE ESSA ÉPOCA, AS FERROVIAS CONCENTRAM-SE NO SUDESTE. ENQUANTO HOUVE UMA DIMINUIÇÃO DE LINHAS FÉRREAS, HOUVE UMA EXPANSÃO DAS RODOVIAS.

7 FATORES RESPONSÁVEIS PELA DECADÊNCIA DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO PRESSÃO DAS MONTADORAS DE VEÍCULOS NA DÉCADA DE 1950 POR MAIS INVESTIMENTOS PÚBLICOS EM RODOVIAS. DIRECIONADAS QUASE SEMPRE NO SENTIDO INTERIOR-LITORAL PARA ESCOAR A PROD. AGRÍCOLA, AS FERROVIAS NÃO INTEGRAVAM AS REGIÕES DO PAÍS. COM A PASSAGEM DA ECONOMIA AGROEXPORTADORA PARA A INDUSTRIAL, PRINCIPALMENTE A PARTIR DE 1930, AS FERROVIAS NÃO FORAM ESTRUTURADAS PARA ATENDER À NOVA REALIDADE DO PAÍS. NÃO HOUVE INVESTIMENTO PARA ELIMINAR PROBLEMAS QUE AS FERROVIAS APRESENTAVAM: BITOLAS – ESPAÇOS ENTRE OS TRILHOS DIFERENTES, O QUE NÃO PERMITIA A INTEGRAÇÃO DAS FERROVIAS. CORREÇÃO DE TRAÇADOS CONFUSOS E SINUOSOS – GRANDE MOROSIDADE NO TRANSPORTE DE CARGAS E PESSOAS.

8 TRANSPORTE FERROVIÁRIO 1957: CRIAÇÃO DA REFFSA – REDE FERROVIÁRIA FEDERAL S.A – ENCAMPOU A MAIORIA DAS FERROVIAS DO PAÍS. 1971: CRIAÇÃO DA FEPASA – FERROVIAS PAULISTAS S.A – O ESTADO DE SP ENCAMPOU A MAIORIA DAS FERROVIAS PAULISTAS. NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS, O TRANSPORTE FERROVIÁRIO RECEBEU VULTOSOS INVESTIMENTOS: TRENS MODERNOS E VELOZES – METRÔ. A PARTIR DE 1996, GRANDE PARTE DA MALHA FERROVIÁRIA FOI REPASSADA POR CONCESSÃO À INICIATIVA PRIVADA (PRIVATIZAÇÕES – NEOLIBERALÍSMO.

9 TRANSPORTE RODOVIÁRIO POLÍTICA DE TRANSPORTES: INÍCIO: 1920 –WASHINGTON LUIS – GOVERNAR É ABRIR ESTRADAS. CONSTRUÇÃO DA RODOVIA RJ – SP : HOJE VIA DUTRA. 1937: GOVERNO VARGAS – CRIAÇÃO DO DNER. 1950: CONCLUSÃO DA VIA DUTRA – GOV. DUTRA. 1950: IMPULSIONADO PELA INDÚSTRIA, O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TORNOU-SE O PRINCIPAL MEIO DE LOCOMOÇÃO NO PAÍS (PLANO DE METAS – JK). ERA NECESSÁRIO QUE AS MATÉRIAS-PRIMAS CHEGASSEM ÀS INDÚSTRIAS E AS MERCADORIAS AOS CENTROS CONSUMIDORES. A OPÇÃO RODOVIÁRIA ATENDIA AOS INTERESSES DA IND. AUTOMOBILÍSTICA – 1956 E AOS DAS GRANDES COMPANHIAS DE PETRÓLEO MUNDIAL.

10 O ROVIARISMO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL A INTEGRAÇÃO POR EXTENSAS RODOVIAS INICIOU-SE NA DÉCADA DE 1960 : RJ – BA (1963), RÉGIS BITTENCOURT ( BR -116 QUE LIGAVAM AS REGIÕES NORDESTE, SUDESTE E SUL. APÓS A CONSTRUÇÃO DE BRASÍLIA, O PLANO INTEGRACIONISTA GANHOU MAIS IMPULSO : CONSTRUÇÃO DAS RODOVIAS RJ – BH - BRASÍLIA ( BR – 40); SP – BH – BRASÍLIA (BR – 50 – CHAMADA DE FERNÃO DIAS); BELÉM-BRASÍLIA (BR- 10); BRASÍLIA-CUIABÁ(BR-70), BRASÍLIA-FORTALEZA(BR-20). APÓS 1964, OS GOVERNOS MILITARES, IMPLANTARAM NOVOS PROJETOS RODOVIÁRIOS, PRINCIPALMENTE PARA A OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA. APESAR DESSES PROJETOS, AS RODOVIAS CONTINUAM CONCENTRADAS NA REGIÃO CENTRO-SUL E NO LITORAL ( RAZÕES HISTÓRICAS – NOSSO PROCESSO DE OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO. SEGUNDA MAIOR MALHA RODOVIÁRIA DO MUNDO: KM – INFERIOR APENAS À DOS E.U.A

11 PLANO RODOVIÁRIO NACIONAL – 1960 – CINCO TIPOS DE RODOVIAS RODOVIAS RADIAIS: PARTEM DE BRASÍLIA – VAI DE 1 A 100, AUMENTANDO A PARTIR DO NORTE. EXP: BRASÍLIA-BELÉM (BR-10) RODOVIAS LONGITUDINAIS: TRAÇADAS NO SENTIDO NORTE-SUL, NUMERAÇÃO VAI DE 101 À 200. EXP: OSÓRIO(RS) – FORTALEZA(CE) – (BR – 101). RODOVIAS TRANSVERSAIS: SENTIDO LESTE-OESTE, NUMERAÇÃO VAI DE 201 À 300, AUMENTANDO DO NORTE PARA O SUL. EXP: MACAPÁ(AP) – BOA VISTA(RR) – (BR – 210). RODOVIAS DIAGONAIS : TRAÇADAS NO SENTIDO DIAGONAL, NUMERAÇÃO VAI DE 301 À 400. EXP: TERESINA(PI) – BELÉM(PA) - (BR- 316). RODOVIAS DE LIGAÇÃO : LIGAM AS RODOVIAS DIAGONAIS ENTRE SI, NUMERAÇÃO VAI DE 401 À 500. EXP: ( BR – 482, LIGA A BR-101 EM SAFRA-ES – À BR-116 EM CONSELHEIRO LAFAIETE –MG ). OBS: A PARTIR DE 1995, REALIZARAM-SE INÚMERAS PRIVATIZAÇÕES DAS RODOVIAS BRASILEIRAS POR MEIO DE CONCESSÕES – COBRAM-SE PEDÁGIOS PELA UTILIZAÇÃO DAS RODOVIAS.

12 PROBLEMAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALTOS ÍNDICES DE ACIDENTES. ROUBO DE CAMINHÕES. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DAS ESTRADAS. GRANDE FROTA DE VEÍCULOS, PRINCIPALMENTE NOS CENTROS URBANOS, COM O TRANSPORTE INFORMAL OU CLANDESTINO, VEÍCULOS PARTICULARES, CAUSANDO CONGESTIONAMENTOS E POLUÍÇÃO SONORA E ATMOSFÉRICA. POR QUE A POPULAÇÃO A PREFERE USAR TRANSPORTE PARTICULAR EM DETRIMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO? OS PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS PRODUZIDOS PELO USO EXCESSIVO DE TRANSPORTE PARTICULAR QUE COMPROMETEM A QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE. POR QUE AS MORADIAS ESTÃO CADA VEZ MAIS DISTANTES DAS ÁREAS VALORIZADAS DAS GRANDES CIDADES?

13 TRANSPORTE HIDROVIÁRIO EM FUNÇÃO DA PRIORIDADE DADA AOS TRANSPORTES TERRESTRES NO BRASIL, E PARTICULARMENTE DEVIDO À POLÍTICA RODOVIARISTA, A PARTICIPAÇÃO DO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO REDUZIU-SE DE 32,4% EM 1950 PARA 12,75% EM O TRANSPORTE AQUAVIÁRIO OU HIDROVIÁRIO CLASSIFICA-SE EM MARÍTIMO ( CABOTAGEM E LONGO CURSO) E FLUVIAL. NAVEGAÇÃO COSTEIRA: A EXISTÊNCIA DE INÚMEROS PORTOS AO LONGO DO LITORAL (CORREDORES DE EXPORTAÇÃO), SERVIU DE BASE PARA O DESENVOLVIMENTO DA NAVEGAÇÃO COSTEIRA. DESDE OS TEMPOS DA COLONIZAÇÃO ATÉ HOJE, A NAVEGAÇÃO COSTEIRA OCUPA LUGAR DE DESTAQUE NO TRANSPORTE DE PESSOAS E MERCADORIAS.

14 FATORES RESPONSÁVEIS PELO DECLÍNIO DA NAVEGAÇÃO COSTEIRA APÓS A 2ª GUERRA IMPOSSIBILIDADE DE IMPORTAR EQUIPAMENTOS E PEÇAS DE REPOSIÇÃO. ENVELHECIMENTO DA FROTA MERCANTE. DETERIORAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA PROTUÁRIA (INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS). CONCORRÊNCIA DAS RODOVIAS E OS ALTOS CUSTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS, QUE AFASTAM DO PADRÃO INTERNACIONAL OS PORTOS BRASILEIROS. OBS: A MELHORIA DA NAVEGAÇÃO COSTEIRA DEPENDE DAS SEGUINTES MEDIDAS: RENOVAÇÃO DA FROTA MERCANTE, REGULARIDADE DOS NAVIOS PARA FACILITAR O ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS, MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS.

15 NAVEGAÇÃO INTERNACIONAL MONOPÓLIO NESTE SETOR POR EMPRESAS ESTRANGEIRAS. PROBLEMAS DA NAVEGAÇÃO DE LONGO CURSO: FROTA MERCANTE INSUFICIENTE, FALTA DE INVESTIMENTOS, LIMITADA CAPACIDADE DE COMPETIÇÃO COM AS EMPRESAS ENTRANGEIRAS. OBS: MESMO COM AS PRIVATIZAÇÕES, O SISTEMA PORTUÁRIO ESTÁ LONGE DE SER EXEMPLO DE EFICIÊNCIA EM TECNOLOGIA. PORTOS MAIS IMPORTANTES DO BRASIL: SANTOS(SP), RJ, ITAQUÍ(MA)- MINERAÇAO, TUBARÃO(ES)-MINERAÇÃO E SIDERURGIA, SEPETIBA(RJ), RIO GRANDE(RS), PARANAGUÁ(PR), VITÓRIA(ES). CORREDORES DE EXPORTAÇÃO: VISAM À INTEGRAÇÃO DOS TRANSPORTES PARA FACILITAR O ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ATÉ OS PORTOS MARÍTIMOS. PRINCIPAIS CORREDORES DE EXPORTAÇÃO: BELÉM : PRODUTOS DA AMAZÔNIA, RECIFE : AÇUCAR, VITÓRIA-TUBARÃO : MINÉRIOS E CAFÉ, RJ: MANUFATURADOS E CAFÉ, SANTOS: MANUFATURADOS, CAFÉ E CARNES, PARANAGUÁ: CAFÉ, SOJA, MILHO E MADEIRA, RIO GRANDE: SOJA, ARROZ, CARNES E CALÇADOS.

16 TRANSPORTE AÉREO 1927: CRIAÇÃO DA VARIG (PRIMEIRA LINHA: PORTO ALEGRE A RIO GRANDE). FATORES RESPONSÁVEIS PELO CRESCIMENTO DA AVIAÇÃO BRASILEIRA : GRANDE EXTENSÃO TERRITORIAL; DEFICIÊNCIA DE OUTROS MEIOS DE TRANSPORTE; PIONEIRISMO ( SANTOS DUMONT); INTERESSES ECONÔMICOS ESTRANGEIROS. OBS: O ELEVADO PREÇO E O BAIXO PODER AQUISITIVO DA POPULAÇÃO EXPLICAM O CARÁTER ELITISTA DESTE TRANSPORTE. A OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA MAIORIA DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS ESTÃO SOB A RESPONSABILIDADE DA INFRAERO - EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA. ENTIDADE FEDERAL LIGADA AO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA.

17 TRANSPORTE AÉREO NO SETOR AEROPORTUÁRIO, O GOVERNO ESTÁ FACILITANDO A ENTRADA DE CAPITAL PRIVADO. PRINCIPAIS AEROPORTOS: CUMBICA E CONGONHAS (SP), PRESIDENTE JK (DF), GALEÃO (RJ), LUÍS EDUARDO MAGALHÃES ( BA), SALGADO FILHO (RS), GUARARAPES (PE) e BRIGADEIRO EDUARDO GOMES (AM).

18 Exercícios 1.Por que nas ultimas décadas do século XIX e inicio do século XX havia um predominio de ferrovias no Brasil? 2.Quais os objetivos da nova política de transportes elaborada na década de 1990 no Brasil? 3.Comente a importancia econômica e política da hidrovia Tietê-Paraná. 4.Como funciona um sistema multimodal de transporte? 5.Explique a relação existente entre a construção de moradias cada vez mais distantes das áreas centrais e o alto valor das tarifas do transporte público. 6.Apresente dois motivos que levam a população a preferir o uso de transporte particular em detrimento do transporte público. 7.Destaque dois problemas socioambientais produzidos pelo uso excessivo de transporte particular que comprometem a qualidade de vida na cidade.


Carregar ppt "TRANSPORTES NO BRASIL CAPÍTULO 9, P. 123/7 Prof. Maj. Assis / Carlos Magno."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google